As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marco Aurélio Garcia

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

Observações sobre as ideias do intelectual e dirigente petista, que faria 80 anos nesta semana

“Oi Marco, tudo bem? Preciso trocar uma ideia com você”, começava eu. “Não será possível”, respondia ele. “Ué, por que não”? “Por que não tenho ideias para trocar”. Durante quase quarenta anos, este foi o tom predominante dos nossos diálogos. Ele nunca deixava cair a peteca do humor. Mesmo em momentos difíceis, de decisões importantes, era um modo sutil e corrosivo de manter a crítica em alta, inclusive sobre nós mesmos.

Mas a blague envolvia uma inverdade. Marco Aurélio tinha ideias. Pensava e analisava bem, o que me levou volta e meia a consultá-lo desde que voltou ao Brasil, se não me engano, na segunda metade dos anos 1970 (tanto tempo passado, os fatos se embaralham). Não sei bem por quê, não me lembro de tê-lo conhecido no Chile, mas assim que chegou em São Paulo, Eder Sader me falou dele, como parte de um grupo de companheiros e companheiras que haviam tomado uma orientação autonomista na França.

Desde então, ainda que mediado por hiatos de silêncio, a cada tanto eu tinha o prazer de ouvi-lo, rirmos juntos, lembrarmos do Chile e, em seguida, analisar a situação presente. Numa série de diálogos que se deram em torno da eleição de 2002, Marco Aurélio me disse duas coisas que acabaram por influenciar o rumo do meu pensamento após deixar o governo em 2007.

A primeira conversa, creio, ocorreu na sede do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, perto da Praça da Sé, no primeiro semestre de 2002. Falávamos sobre o programa do PT para o pleito, cuja confecção ele coordenou inúmeras vezes. No meio de um raciocínio, virou-se para mim e disse: “Escuta, tem um aspecto que você precisa entender. Existe o petismo, mas hoje em dia existe uma outra coisa, independente, que é o lulismo”.

Apesar do jeito levemente irônico de enunciar a frase, percebi que havia ali, exatamente, uma ideia. A projeção da liderança de Lula, mesmo que indissociável do PT, tinha contornos próprios, com exigências, possibilidades e inflexões que precisavam ser consideradas por si mesmas. Não se tratava de aumentar ou diminuir o partido, mas de dar a César o que é de César (passe o trocadilho). Analisar é isso.

Como se sabe, nos meses subsequentes a variável lulista, com a vitória, daria um salto de importância e foi, talvez, no início do mandato que ocorreu a segunda conversa chave. Nela, o tema eram os planos referentes ao Nordeste. É provável que eu buscasse encaixar o assunto nos esquemas da luta de classes, quando Marco, de novo, surgiu com o inesperado. “Olha, existe uma componente rooseveltiana na concepção deste governo”.

Tal como fora surpreendido pela existência do lulismo, nunca tinha me passado pela cabeça que o modelo reformista em curso pudesse passar não pela experiência socialista europeia, mas pela democrata norte-americana. Com o tempo percebi que ele estava certo. Uma noção de capitalismo popular, com raízes nos EUA, explicaria diversas iniciativas governamentais como, por exemplo, a do crédito consignado.

Por isso, usei os dois toques nos meus trabalhos posteriores, sempre o avisando e agradecendo publicamente, como mais uma vez faço aqui. Generoso, desapegado, amigo, Marco Aurélio recomendava enfaticamente os textos a outros amigos, sem nunca dizer, creio, que os havia inspirado.

Na última vez que nos vimos, penso que seis meses antes de sua morte, outra vez o cenário era o do Diretório Nacional do PT no centro da cidade. Conversando sobre o quadro, saímos e caminhamos junto com a historiadora Selma Rocha até a estação do metrô. Estava claro, para mim, e creio que para ele, que o sonho rooseveltiano se quebrara. Já tínhamos entrado nesta conjuntura regressiva que, quatro anos depois, ainda nos envolve. Ao me despedir, não sabia que precisaríamos sair dela sem as ideias e o humor de Marco Aurélio Garcia.

*André Singer é professor titular de ciência política da USP. Autor, entre outros livros, de Os sentidos do lulismo (Companhia das Letras).

Publicado originalmente na revista Teoria e debate.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Liszt Vieira Igor Felippe Santos Tadeu Valadares Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Antonino Infranca Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Mariarosaria Fabris Luciano Nascimento João Carlos Salles Lincoln Secco Thomas Piketty Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Ronald León Núñez Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Samuel Kilsztajn Ricardo Fabbrini André Márcio Neves Soares Flávio Aguiar Henri Acselrad Denilson Cordeiro Luiz Marques Gerson Almeida Eliziário Andrade Maria Rita Kehl Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins Manchetômetro Eleutério F. S. Prado Armando Boito Benicio Viero Schmidt João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Boaventura de Sousa Santos Tales Ab'Sáber Manuel Domingos Neto José Dirceu Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Módolo Salem Nasser Luiz Werneck Vianna Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff Leonardo Sacramento Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Francisco Pereira de Farias Afrânio Catani Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Bruno Machado José Luís Fiori Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Marcos Silva Érico Andrade Ari Marcelo Solon Ricardo Antunes Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Jorge Luiz Souto Maior Chico Alencar Gilberto Maringoni João Lanari Bo Gilberto Lopes Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Daniel Brazil Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Bernardo Ricupero José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Eduardo Borges Milton Pinheiro Rafael R. Ioris Caio Bugiato Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilena Chauí Tarso Genro Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira Daniel Afonso da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Valerio Arcary Vanderlei Tenório Dênis de Moraes Henry Burnett Atilio A. Boron Celso Frederico Eleonora Albano João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Jorge Branco Elias Jabbour Roberto Bueno Paulo Martins Ricardo Abramovay Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Marcus Ianoni Ladislau Dowbor Carla Teixeira Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Paulo Sérgio Pinheiro Roberto Noritomi Anderson Alves Esteves Paulo Nogueira Batista Jr Valério Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Costa Leonardo Avritzer Chico Whitaker Alysson Leandro Mascaro Sandra Bitencourt Gabriel Cohn Ronald Rocha Michael Löwy Michael Roberts José Geraldo Couto Otaviano Helene Kátia Gerab Baggio Osvaldo Coggiola Flávio R. Kothe Luiz Renato Martins Francisco Fernandes Ladeira Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Celso Favaretto Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Annateresa Fabris Bento Prado Jr. André Singer Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada