As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Maria Bethânia

Paulo Pasta, Sob a luz do quase dia, 2009, Óleo Sobre Tela, 50 x 60 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS HORTMANN*

Arte, memória, história e esperança!

Passados alguns anos voltei a ouvir Maria Bethânia ao vivo e a cores, uma experiência verdadeiramente fenomenológica – como diriam alguns filósofos; que transcendeu as fronteiras da música, pois, artisticamente, levou-nos a mergulhar no que de mais belo tem na cultura brasileira. Ao entoar canções icónicas como “Um índio”, “Mulheres Brasileiras”, “Cálice” entre muitas outras, Maria Bethânia transportou-nos para um universo artístico que presentificava um pouco do Brasil em Portugal.

A singularidade de Maria Bethânia, com a sua presença marcante, torna-se visível quando vemo-la adentrar ao palco (parece ser sempre a primeira vez). O raro talento ultrapassa o poder penetrante da sua voz, que preenche todos os espaços da sala, mas na íntima atmosfera – “aura artística” benjaminiana – criada entre os artistas e o público. A filha de “dona Canô” e os seus exímios músicos procuravam envolver a plateia numa teia de afetos, memórias, reflexões, êxtase, desejos, saudades e […]. Numa autenticidade inigualável, Maria Bethânia nos ensina como devemos degustar uma poesia e não simplesmente cantarolar palavras.

Essa interprete da brasilidade não opta pelo caminho mais fácil do “escapismo” lukacsiano, ao trazer por meio de canções questões urgentes e relevante para o nosso tempo como: a intensificação da crise climática, a destruição da Amazônia, o genocídio indígena, bem como a destruição das culturas ameríndias pelo colonialismo. Ao interpretar “Um índio”, por exemplo, Maria Bethânia nos convidou a refletir sobre a necessidade de preservar tais culturas indígenas, no sentido de valorizarmos e respeitarmos essas raízes tão fundamentais na formação social e histórica do Brasil. Ainda, o papel de vanguarda que povos originários brasileiros têm cumprindo na luta e resistência na preservação da Amazónia e dos biomas nacionais – que o agronegócio brasileiro tem destruído com muita intensidade. Um “Grito de alerta”!

Imagino que ao cantar “Cálice”, canção de Chico Buarque, a irmã de Caetano Veloso, procura expressar artisticamente o geist e as memórias de tempos (nem tão distante) sombrios da ditadura empresarial-militar brasileira, que o bolsonarismo reavivou com força na sociedade brasileira. Grifo a importância que os artistas de massas têm na preservação da memória histórica daqueles/as que resistiram e lutaram contra as ditaduras, as opressões, expropriações e todas as formas de injustiça, que muitas vezes são secundarizadas ou até mesmo apagadas pela historiografia hegemônica. Walter Benjamin já alertava para a importância de fazer “história a contrpelo”. Poderia continuar a dissertar analiticamente sobre outros aspetos, mas seria contraproducente, pois pretendo registar nesse espaço em forma de memórias os momentos de alegria e profunda reflexão para esse indivíduo que vos escreve.

O impacto das diversas mensagens entoadas por Maria Bethânia no seu concerto foi avassalador, era percetível e conseguia-se sentir ligação íntima e intensa entre os instrumentistas, a cantora e o público ativo, uma mistura de admiração, êxtase, alegria e inquietação. A sua voz ecoou como um grito de resistência e esperança!

Essa crónica ficaria incompleta se não salientasse o alto gabarito musical dos instrumentistas, mas especialmente para o guitarrista (violonista) da jovem geração brasileira João Camarero e a conhecida percussionista Lan Lanh.

A perfazer, um verdadeiro espetáculo que ecoará por muito tempo na memória daqueles e aquelas que experienciaram esse aprazível momento.

*Carlos Hortmann é filósofo, historiador e músico.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid Flávio Aguiar Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Luiz Marques Salem Nasser Andrew Korybko Bernardo Ricupero Érico Andrade Antonino Infranca Bento Prado Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Marcos Silva Eduardo Borges Claudio Katz Eugênio Bucci Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Eliziário Andrade Gerson Almeida Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Gabriel Cohn Chico Alencar Heraldo Campos João Feres Júnior João Carlos Loebens Berenice Bento Michael Löwy Samuel Kilsztajn José Geraldo Couto Tadeu Valadares Remy José Fontana Eugênio Trivinho Carlos Tautz João Paulo Ayub Fonseca Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Manchetômetro Eleutério F. S. Prado Daniel Brazil Luiz Costa Lima Priscila Figueiredo Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato José Raimundo Trindade Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Valério Arcary Michael Roberts Vinício Carrilho Martinez Henri Acselrad Maria Rita Kehl Valerio Arcary Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Otaviano Helene João Lanari Bo Alysson Leandro Mascaro Tarso Genro Francisco Fernandes Ladeira Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Gilberto Maringoni Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai André Singer Elias Jabbour Ronald León Núñez Mário Maestri Paulo Martins Anselm Jappe Gilberto Lopes Ladislau Dowbor Henry Burnett João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Antonio Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Sacramento Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Eleonora Albano Rodrigo de Faria José Costa Júnior Slavoj Žižek Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Sandra Bitencourt José Dirceu André Márcio Neves Soares Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Liszt Vieira Daniel Costa Luis Felipe Miguel Ricardo Musse José Luís Fiori Afrânio Catani Leda Maria Paulani Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Fábio Konder Comparato Chico Whitaker Ari Marcelo Solon Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Celso Favaretto Marcus Ianoni Carla Teixeira Mariarosaria Fabris Dennis Oliveira Dênis de Moraes Denilson Cordeiro Celso Frederico Ricardo Antunes José Micaelson Lacerda Morais Thomas Piketty Roberto Noritomi Manuel Domingos Neto Jorge Branco Marcelo Módolo Alexandre Aragão de Albuquerque Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Walnice Nogueira Galvão José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Airton Paschoa Armando Boito Luiz Werneck Vianna

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada