Na terra como no céu

Imagem: Jean Hahn
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Caminhando e não cantando com Geraldo Vandré

Quando isso ocorreu, duas vezes na verdade, é um pouco impreciso – mas nem tanto: foi em 1992, 1993 ou no máximo em 1994; antes não. Próximo do aniversário de uma de minhas filhas, em abril, saí cedo para resolver um problema burocrático na região dos Jardins (São Paulo, capital) e voltava a pé para casa. Desci a Frei Caneca (ou a Bela Cintra) e caminhei algumas quadras até parar numa esquina, esperando abrir o farol. Ao meu lado encontrava-se um senhor levemente grisalho, mais baixo e mais magro do que eu, óculos escuros e vestido com discrição. Reconheci-o na hora.

Começamos a andar, reduzi o passo e o segui por uns vinte ou trinta metros. Não me contive e apliquei-lhe uma molecagem: perguntei se ele era o Hilton Acioli. Virou-se surpreso e disse que não. Insisti: “mas então o senhor foi do Trio Marayá?” Sorriu e continuou a caminhar, comigo ao seu lado, até que, passos adiante, perguntou sem me olhar: “você sabe quem eu sou, não?” Eu disse que sabia. Rimos.

Disse-lhe que eu era professor, escrevia sobre cultura e educação e que admirava suas canções. Não se animou muito, falando que isso pertencia ao passado, que agora era servidor público, advogado, defendia o sofrido povo brasileiro: “afinal, sou paraibano!” Perguntei se continuava compondo e cantando e a resposta foi lacônica: “canto em casa, às vezes”. Ele vai seguir e eu tenho que virar. Dei um até logo e obtive como resposta silencioso aceno de cabeça, com um sorriso que quase se concretizou.

Poucas semanas depois fiz o mesmo trajeto e o encontrei novamente, em local próximo ao da vez anterior. Geraldo Vandré me olhou e, mostrando um pouco os dentes, sentenciou que nunca havia tocado no Trio Marayá.[1]

*Afrânio Catani, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP, atualmente é professor sênior na mesma instituição. Professor visitante na faculdade de Educação da UERJ, campus de Duque de Caxias.

Nota


[1] O Trio Marayá, criado em 1954, era composto pelos vocalistas potiguares Marconi Campos da Silva (violão), Behring Leiros (tantã) e Hilton Acioli (afoxé). Tiveram longa carreira no Brasil e no exterior e, no II Festival de Música Popular Brasileira, realizado em 1966 na TV Record, São Paulo, defenderam com Jair Rodrigues a canção “Disparada”, de Geraldo Vandré, vencedora, juntamente com “A Banda”, de Chico Buarque. Segundo o Dicionário Cravo Albim de Música Popular Brasileira, Marconi, Acioli e Behring “já compuseram centenas de jingles, sendo os dois mais conhecidos, um de propaganda da Varig, e o histórico “Lula lá”, utilizado pelo candidato à Presidência da República pelo PT, Luís Inácio Lula da Silva, quando de sua primeira candidatura à presidência.”

O presente texto foi escrito após conversa com o meu amigo Celso Prudente, a quem agradeço.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES