Navegar é preciso, de novo

Imagem: Bence Szemerey
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CLARISSE GURGEL*

O que vai eleger, de novo, Lula, será a mesma conjunção trabalhosa do velho com o novo que lhe deu origem

Há os que acreditam que o curso do tempo vai do velho ao novo, em um progresso. Outros creem que o novo é um outro absoluto, totalmente diferente. Assim, alguns dizem que vivemos em novos tempos, em que tudo mudou radicalmente e em que as velhas formas não comportam as novas forças. Outros dizem que nada mudou.

 

O novo velho

Já na década de 1930, no Brasil, diziam que comunistas comiam criancinhas. Diziam que os comunistas, se no poder, tomariam os apartamentos dos cidadãos para distribuírem para os pobres. Diziam que os comunistas queriam transformar todos em miseráveis, sem liberdade individual. Não existia internet nessa época.

Hoje, dizem coisas semelhantes sobre os comunistas. Dizem até que o PT é comunista. Pelas redes e pelas ruas. Assim, as velhas formas de fake news fazem um Brasil antigo bastante atual.

No passado, havia compra de voto, troca de voto por tijolos, pipa d’água, lotes de terra. Hoje, essas práticas continuam, tornaram-se até regra do jogo, seguem pouco visíveis e pouco combatidas pelo Estado. Junto com elas estão as novas tecnologias de geração de consumo – do voto à geladeira – via algoritmo.

O problema não é a internet, propriamente. Mas a suposição de que ela substitui velhas formas. A internet é mediação imediata que não substitui a imediata mediação. Em outros termos, um Zap não substitui uma conversa, esta última derivada de velhas formas de convivência.

Antigamente, os partidos políticos que mais marcavam presença no cotidiano das pessoas, no trabalho de formação cultural, eram os da esquerda: PT, PDT, PCdoB.

Hoje, esses partidos pouco aparecem no cotidiano. Nem mesmo em campanha, vão a campo. Lula vai de norte a sul, mas seus dirigentes locais não montaram suas bancas, sua militância fragilizada não ocupa metodicamente as quadras urbanas. Há anos, esses mesmos partidos não realizam convenções democráticas, perderam a chamada “vida partidária”. Em campanha, não distribuem em massa adesivos de carro, não participam em peso dos comitês, não ajudam sequer a se construir, não panfletam diariamente, não militam em seus locais de trabalho, nem estão nas associações dos moradores.

A força tarefa desta reta final conta com iniciativas aguerridas de velhos militantes ou de uma vanguarda animada – MAB, MST, PSOL –, saudosos de um futuro. Alguns ainda dirão que todas essas formas são vãs, diante do poder dos algoritmos. Outros dirão que os partidos só querem influenciar os outros e que o melhor é ouvir um “influencer”.

Enquanto isso, o velho se renova pela direita, com partidos que se expandem, espalhando a fantasia de que é possível algo novo sob a mesma lógica: Novo, Republicanos.

O povo segue dando suas lições e traz de volta, sempre, sua necessidade de organização. Sem ela, o pobre não se sustenta. Em um mundo sem coração e de condições sem alma, a religião é o suspiro dessa criatura oprimida. A saída tem sido para igreja, essa forma medieval e super atual de associação.

Assim, os pobres buscam a mesma escola dos ricos, a da velha teologia da prosperidade, e se mantém fiéis a mantras pastorais. Logo ali está a polícia, que vai reassumindo sua velha forma de grupos de extermínio, com um nome novo, extraído das antigas milícias, produzindo armas com impressoras 3D, em nome do velho fascismo.

 

Ama-se como se compra. Compra-se como se vota

Neste esforço em busca por distinguir o velho e o novo, notamos que o que mudou com Lula foi o acesso ao consumo, da passagem de avião à universidade. Com isso, um velho elitismo retornou com força. Com ele, renovou-se um anti-comunismo, que, por sua velha ignorância, desconhece esse novo velho.

Mas o que se nota também de novo é a própria dimensão do consumo, que passa a pautar todas as relações sociais, desde as amorosas até as relações políticas. Dirão que o que falo já é velho, pois consumimos nossos parceiros amorosos desde o patriarcado.

Um filósofo francês, Alain Badiou, já aponta para a possível semelhança entre uma filiação amorosa e uma partidária. Mas o que propõe é o oposto do que testemunhamos. Alain Badiou nos indica o caráter de aposta destas filiações: escolhas sem garantias, entregas abnegadas. O que assistimos, no Brasil, é o contrário: o amor e a política perderam suas dimensões relacionais de liberdade e devoção, converteram-se em trocas mercantis instrumentais, em relações de oposição complementar entre valor de uso e valor de troca. Na politica e no amor, somos um povo endividado.

É esse Brasil que, sob-roupagem de uma democracia consolidada, elegeu o velho ditador Jair Bolsonaro. Um Brasil que segue velho, polarizado em classe, mas, agora, foi marcado pelos efeitos daquele novo consumo de massa, já antigo. Vota-se como se compra. Compra-se como se vota. Quantas dívidas essas eleições de 2022 nos deixarão?

O PT, ao contrário do que muitos dizem, enfraqueceu-se. Exigir coragem do eleitor é ignorar que não há retaguarda alguma partidária que sustente a ousadia de qualquer lulista. O prólogo da tragédia democrática no Brasil foi o fim da democracia interna no próprio PT. Seus grandes quadros não atentaram que um partido dos trabalhadores não se sustentaria por chefes ou patrões, nem poderia ser adereço de consumo. Ele se sustenta e sempre se sustentou com trabalho.

 

Que fazer, de novo?

Por isso, o que vai eleger, de novo, Lula, será a mesma conjunção trabalhosa do velho com o novo que lhe deu origem. O senso de que velhas formas podem assumir novos destinos. O desejo por participação política, mesmo sob as regras retrógradas existentes na saída de uma ditadura. Assim, nasceu o PT.

Peguemos nossas fichas de filiações, nossos registros de recrutamento, voltemos às sedes, às calçadas e praças, engrossemos fileiras nos comitês e mobilizemos nossos “internautas” para assuntos de compras de votos, daquelas mais velhas às mais algorítmicas. Renovemos nossa fé na prática política. Só isso nos salvará, venha o que vier.

Até o último segundo do segundo Ato, combinando o velho e o novo, façamos o tête a tête, busquemos o like, conquistemos votos, busquemos reunir.

Estamos em uma eleição que prova o que sempre tentamos provar: que a política é dotada de vários ritmos simultâneos, no tempo e no espaço. Ela é feita de eventos de multidão concentrada, mas também para multidões dispersas. É feita em um tempo curto, mas também por tempo longo, por um dia todo, por toda uma semana, por meses, anos, séculos. São várias ondas. Das velhas às mais novas.

Há ondas que são até de véspera. Vivemos em tempos de guerra, direta e indireta. Navegar é preciso, em velhas marés, em novos sentidos.

*Clarisse Gurgel é cientista política, professora da Faculdade de Ciências Sociais da UNIRIO.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jean Marc Von Der Weid Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Antonino Infranca Eduardo Borges Carla Teixeira Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Annateresa Fabris Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Liszt Vieira Gerson Almeida Antonio Martins Valerio Arcary Marcos Silva Marcelo Módolo Armando Boito Eleonora Albano Marcos Aurélio da Silva Celso Frederico Leda Maria Paulani Érico Andrade Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Chico Alencar Manchetômetro Samuel Kilsztajn Mário Maestri Gilberto Maringoni Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Caio Bugiato Celso Favaretto Luiz Bernardo Pericás Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Michel Goulart da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Tarso Genro Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens João Sette Whitaker Ferreira Paulo Fernandes Silveira Rodrigo de Faria José Geraldo Couto Afrânio Catani Anselm Jappe Luciano Nascimento Lucas Fiaschetti Estevez Matheus Silveira de Souza Renato Dagnino Lincoln Secco André Singer Bruno Machado Flávio Aguiar Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Ricardo Abramovay Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes José Micaelson Lacerda Morais José Luís Fiori Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Costa Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Eugênio Bucci Michael Löwy Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Marjorie C. Marona Carlos Tautz Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Igor Felippe Santos Henri Acselrad Tadeu Valadares João Lanari Bo Ronald Rocha Andrew Korybko Airton Paschoa Slavoj Žižek Michael Roberts Flávio R. Kothe Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva Andrés del Río João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Leonardo Avritzer Alexandre de Freitas Barbosa Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu Remy José Fontana João Paulo Ayub Fonseca Fernando Nogueira da Costa Berenice Bento Salem Nasser Fernão Pessoa Ramos Thomas Piketty Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Maria Rita Kehl Jorge Branco Elias Jabbour José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Walnice Nogueira Galvão Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Martins Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Ronald León Núñez Heraldo Campos Otaviano Helene Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Musse Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Julian Rodrigues Ricardo Antunes Anderson Alves Esteves João Carlos Salles José Costa Júnior João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Luiz Marques Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Denilson Cordeiro Vladimir Safatle Alexandre de Lima Castro Tranjan Priscila Figueiredo Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Ari Marcelo Solon Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Rafael R. Ioris Leonardo Boff Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada