A transparência e o obstáculo

Joe Tilson, Transparência I: Yuri Gagarin 12 de abril de 1961, 1968.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENTO PRADO JR.

Comentário sobre o livro de Jean Starobinski

“Estudava um dia, sozinho, minha lição no quarto contíguo à cozinha. A empregada tinha posto a secar os pentes da srta. Lambercier. Quando ela veio buscá-los, um havia, com todos seus dentes quebrados de um dos lados. A quem culpar por esse desastre? Só eu havia entrado no quarto…” (Jean-Jacques Rousseau, As Confissões).

O belo livro de Jean Starobinski marcou uma viragem fundamental na leitura e na interpretação da obra de Rousseau. Mas, sobretudo, depois de revolucionar, há já várias décadas, esse capítulo crucial da história da filosofia, o livro de Starobinski guarda plena atualidade – nenhum texto sobre Rousseau, desde então, pode aspirar à comparação com esse livro precocemente clássico e persistentemente contemporâneo.

A originalidade de Starobinski consiste em ler, nas obras de Rousseau, não apenas a exposição de uma teoria, mas também a expressão de um certo ritmo de vida, o destino excepcional de uma consciência singular. O que o livro visa é a repetição de alguns temas-chave, que exibem a verdade tanto dos escritos como da de Jean-Jacques: tal é o caso dos temas (ou das imagens) centrais da transparência e do obstáculo. Por sob os conceitos construídos pelo filósofo, no “pantanoso labirinto” da narrativa autobiográfica, nas narrativas de ficção, redescobrimos a permanência obsessiva (quase hipnótica) de algumas imagens que mostram tanto a forma de uma obra como o estilo de uma existência.

Mas qual é a força hermenêutica dessas imagens da transparência e do obstáculo? Como podem as imagens da visibilidade perfeita e do véu que oculta instruir-nos sobre a essência do pensamento filosófico e político de Rousseau? Desde o início, a narrativa autobiográfica das “Confissões” conduz o leitor em direção a categorias particularmente sobredeterminadas. Categorias que parecem nascer espontaneamente da rememoração da existência, bem como do esforço de autocompreensão e de autojustificação.

Refiro-me ao episódio infantil, em Bossey, do pente quebrado, que rompe para Rousseau a imagem do paraíso e o lança no mundo infernal da invisibilidade e da culpabilidade. Tal episódio não é mais que um pequeno episódio da vida de uma criança, mas logo se reveste de um peso simbólico que o ultrapassa e que termina por impregnar e qualificar a existência de Jean-Jacques na sua totalidade. Esse acontecimento marca o fim da “serenidade de minha vida infantil” e o primeiro impulso que definirá um destino incomparável.

A infância é definida como o espaço de um jogo inocente, numa natureza transparente, sob o olhar benévolo dos deuses: a criança desliza sobre as aparências, “mal chega a arranhar a terra”, (“gratte légerement la terre”), superfície plana que não dissimula nenhum fundo desconhecido; – e a felicidade desse jogo “superficial” é confirmada pelo olhar dos deuses que não parece visar qualquer transmundo secreto para além do imediatamente visível. É essa visibilidade ou essa publicidade totais que encontram seu fim e sua negação no episódio do pente quebrado. Nesse momento e pela primeira vez, a criança descobre, no maior desamparo, que há o invisível, pois sua inocência não é perceptível para o olhar supostamente onisciente dos deuses, que, por isso mesmo, subitamente deixam de existir ou abandonam o mundo visível.

A experiência infantil é o solo e o húmus do pensamento: o tema trivial da diferença entre a essência e a aparência é alimentado, em Rousseau, por uma experiência viva que jamais se apagaria. E o esquema dessa experiência servirá de modelo à reflexão teórica: é esse véu que se infiltra entre as almas (e que impede, também, o acesso à Natureza, que começa a parecer “deserta e sombria…, coberta de um véu que lhe escondia as belezas”), é esse mesmo véu que será invocado no nível da teoria, para dar conta da passagem da boa natureza à essencial perversidade da vida social. Jean Starobinski insiste sobre o isomorfismo entre essa dialética do ser e do parecer (na descoberta infantil da injustiça e da violência, ou na trágica descoberta da impotência persuasiva da consciência inocente) e a dialética desenvolvida na antropologia política de Rousseau, do primeiro ao segundo Discurso: “Os termos de que Rousseau se serve para descrever as consequências do incidente do pente quebrado”, diz Starobinski, “assemelham-se estranhamente às palavras com as quais, no primeiro Discurso, descreve o “cortejo de vícios” que irrompe no momento em que não mais se ousa ser o que se é”.

Desde que a inocência se torna um segredo, toda existência torna-se secreta: para quem foi acusado injustamente, não resta outro recurso senão o de esconder-se. Se só as aparências têm peso, é preciso criar a aparência necessária, fugindo ao campo da presença imediata. Se o olhar do “espectador” tornou-se cego para as evidências do coração inocente, a própria natureza torna-se invisível para qualquer olhar; e, ao mundo inteiramente superficial e visível do paraíso, vem substituir-se o universo das profundidades (onde não mais se “arranha” a superfície da terra, mas onde se procura arrancar-lhe as entranhas), onde tudo é oculto, mediato e distante. O evidente paralelismo entre textos autobiográficos e textos políticos só tornou-se finalmente evidente depois do livro de Starobinski: Rousseau utiliza, para descrever sua descoberta infantil da injustiça, a mesma linguagem de que lança mão, nos textos teóricos, para escrever o nascimento da injustiça na história da espécie humana.

A coincidência das imagens e da linguagem não remete simplesmente a um paralelismo entre as maneiras de descrever o destino pessoal e o destino da humanidade, mas também ao próprio coração da obra, ou ao lugar secreto onde se articulam esses dois gêneros de escritos. A interpretação deve ultrapassar a superfície da obra em direção do silêncio que a precede e de onde ela retira seu sentido mais profundo. Pois a experiência da ruptura é também a experiência que explica o próprio projeto de escrever: para Rousseau, explica Starobinski, escrever só se torna necessário com a experiência da impossibilidade da comunicação imediata.

Se é verdade que um véu recobre as evidências de um coração inocente, é preciso fugir, esconder-se sob a máscara do Autor: a escrita é a medição que, suprimindo o imediato, torna possível um futuro retorno à imediação. A obra não passa, portanto, de uma mediação efêmera entre dois silêncios, da expressão provisória da solidão de alguém que, tendo perdido o paraíso, jamais renunciou completamente ao retorno. E se, finalmente, Rousseau termina condenado à solidão, se foi para sempre emparedado dentro dos limites de sua Obra, não terá sido por decisão sua, mas por “obra” do véu e do obstáculo que acabou por ser lançado entre ele e a humanidade.

Não é em termos semelhantes que Proust define a trajetória de Elstir? Lá também encontraremos o mesmo itinerário percorrido por Rousseau (tal como podemos reconstituí-lo, graças a Starobinski), a partir do projeto primeiro de escrever para reconquistar a presença imediata sob o olhar benevolente dos “deuses”, até a solidão final e calma das “Rêveries”: a solidão provisória descobre o valor absoluto da solidão e acaba por tornar-se indiferente ao Outro, “como se tivesse caído num planeta estrangeiro”.

*Bento Prado Jr. (1937-2007) foi professor titular de filosofia na Universidade Federal de São Carlos. Autor, entre outros livros, de Alguns ensaios (Paz e Terra).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, caderno Letras, em 11 de janeiro de 1992.

 

Referência


Jean Starobinski. A transparência e o obstáculo. Tradução: Maria Lúcia Machado. São Paulo, Companhia das Letras, 428 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Guimarães Lima Ricardo Abramovay Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Armando Boito Lorenzo Vitral Paulo Martins Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Ricardo Fabbrini Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid João Paulo Ayub Fonseca José Micaelson Lacerda Morais Manchetômetro Gilberto Lopes Francisco de Oliveira Barros Júnior José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Thomas Piketty Eleonora Albano Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Tales Ab'Sáber Michael Roberts João Carlos Salles Paulo Nogueira Batista Jr Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Ari Marcelo Solon João Sette Whitaker Ferreira Gerson Almeida Michael Löwy Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Luís Fernando Vitagliano Annateresa Fabris Otaviano Helene Daniel Costa Leonardo Sacramento Ladislau Dowbor Chico Alencar Luiz Roberto Alves Luis Felipe Miguel Claudio Katz Heraldo Campos Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Michel Goulart da Silva Fernando Nogueira da Costa Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Marilena Chauí Celso Favaretto Mariarosaria Fabris João Feres Júnior Mário Maestri Jorge Luiz Souto Maior Daniel Brazil Slavoj Žižek Denilson Cordeiro Leda Maria Paulani Dênis de Moraes João Carlos Loebens Boaventura de Sousa Santos Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Matheus Silveira de Souza Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Leonardo Avritzer Henry Burnett Tadeu Valadares Airton Paschoa Andrés del Río Ronald León Núñez Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Ronald Rocha Leonardo Boff André Singer Paulo Fernandes Silveira José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Plínio de Arruda Sampaio Jr. Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Flávio R. Kothe Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Valerio Arcary Marcus Ianoni Luiz Marques Maria Rita Kehl Eleutério F. S. Prado Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Bruno Machado Jorge Branco Luiz Renato Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Sandra Bitencourt Antônio Sales Rios Neto Marcos Silva Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Antunes João Lanari Bo Bernardo Ricupero Eduardo Borges Caio Bugiato Julian Rodrigues Chico Whitaker Vanderlei Tenório José Costa Júnior Celso Frederico Flávio Aguiar João Adolfo Hansen José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Francisco Fernandes Ladeira Manuel Domingos Neto Henri Acselrad Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão Alysson Leandro Mascaro Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Elias Jabbour Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Antonio Martins Rodrigo de Faria Tarso Genro Berenice Bento José Dirceu Anselm Jappe Atilio A. Boron Valerio Arcary Afrânio Catani Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Renato Dagnino Bento Prado Jr. Rafael R. Ioris José Luís Fiori

NOVAS PUBLICAÇÕES