A troca linguística

Eduardo Berliner, Aparição (Manifestation), 2016.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DIEGO MINUCELLI GARCIA*

A língua deve ser estudada enquanto em uso e está aberta às interferências sociais e políticas presentes na sociedade

Durante a exposição intitulada The schizophrenic cogito: a deleuze-guattarian concept of discourse, que ocorreu na conferência Anonymity, Un-Originality, Collectivity – Contested Modes of Authorship, na Alemanha, neste ano de 2022, Alexandre de Lima Castro Tranjan, com base nas premissas nietzschianas, afirmou que a língua é uma relação de poder. Isso ocorre porque o ato de nomear é uma expressão de poder sobre as coisas.

Em continuação, Tranjan, apoiado nos filósofos Félix Guattari e Gilles Deleuze, trata das múltiplas vozes que compõem o discurso, as quais permitem reconhecer os discursos como blocos de construção da mente. A essa percepção da pluralidade dos discursos dos indivíduos, Félix Guattari deu o nome de cogito esquizofrênico.

A diversidade de discursos que compõe cada indivíduo leva a duas consequências: (i) a primeira delas considera que o indivíduo é necessariamente uma montagem política; (ii) a segunda estabelece, como dito, que discurso é uma relação de poder e, portanto, a linguística é necessariamente política.

Assim, Tranjan afirma que, com base nesses preceitos, uma das conclusões de Guattari (a que se quer dar destaque neste artigo) é a de que, quando se pensa em língua, pensa-se em sociolinguística, na medida em que língua não é simplesmente baseada em proposições, mas baseada em discursos que são políticos.

Na teoria linguística, a esse respeito, pode-se recorrer ao consagrado sociolinguista William Labov, considerado o fundador da sociolinguística de vertente variacionista. O autor, no capítulo O estudo da língua em seu contexto social do livro Padrões sociolinguísticos,[i] afirma que a língua é uma forma de comportamento social e se desenvolve num contexto social no momento em que os seres humanos comunicam suas necessidades, ideias e emoções uns aos outros. Nesse sentido, o simples fato de haver interação entre as pessoas, é suficiente para desencadear uma troca linguística que acarreta interferências comunicativas em cada indivíduo. Essa troca se dá em âmbito social, mas reflete, inclusive, nos aspectos políticos, como defendido pelo filósofo Félix Guattari, de acordo com a exposição de Tranjan.

Entretanto, há dissenso na teoria linguística e, desse modo, há autores que não enxergam a interferência dos aspectos sociais e políticos com tanta clareza e obviedade quanto exposto por Tranjan. É o caso, por exemplo, da corrente gerativista, encabeçada por Noam Chomsky.

Chomsky, de acordo com Labov (2008), deu impulso às pesquisas da língua abstrata, entendendo que a linguística é o estudo da competência e concebendo no objeto real do estudo linguístico “uma comunidade de fala abstrata, homogênea, em que todo mundo fala igual e aprende a língua instantaneamente” (p. 218). A partir desse entendimento, a linguística não considera o comportamento social ou o estudo da fala (língua em uso propriamente).

Apesar das diversas pesquisas gerativistas desenvolvidas por diferentes autores, este pesquisador que vos escreve se filia às abordagens funcionalistas, as quais corroboram, fundamentalmente, a ideia de que a língua deve ser estudada enquanto em uso e, portanto, está aberta às interferências sociais e políticas presentes na sociedade. Aos funcionalistas, de modo geral, também está ligada a sociolinguística, o que permite, desse modo, confirmar a exposição de Tranjan.

*Diego Minucelli Garcia é doutor em estudos linguísticos pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

 

Nota


[i] LABOV, W. O estudo da língua em seu contexto social. In: LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. M. Bagno et al. São Paulo: Parábola, 2008, p. 215-299.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Maria Rita Kehl José Raimundo Trindade Tarso Genro Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu Vladimir Safatle Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Celso Frederico Atilio A. Boron Tales Ab'Sáber Leonardo Sacramento Valerio Arcary Bernardo Ricupero Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Ricardo Fabbrini Érico Andrade Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Igor Felippe Santos Luiz Marques Bruno Machado Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Henri Acselrad Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Lincoln Secco Armando Boito Leonardo Avritzer Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Boaventura de Sousa Santos Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão Paulo Nogueira Batista Jr André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Fernão Pessoa Ramos Paulo Fernandes Silveira Julian Rodrigues Carlos Tautz Heraldo Campos João Adolfo Hansen José Costa Júnior Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Leda Maria Paulani Elias Jabbour João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Rafael R. Ioris Ari Marcelo Solon Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Manuel Domingos Neto Lucas Fiaschetti Estevez Flávio R. Kothe Ronaldo Tadeu de Souza Samuel Kilsztajn Lorenzo Vitral Marilia Pacheco Fiorillo Marilena Chauí Salem Nasser Jorge Branco Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Alysson Leandro Mascaro Luiz Werneck Vianna Antonino Infranca Osvaldo Coggiola Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Andrés del Río João Carlos Loebens Luciano Nascimento Tadeu Valadares João Paulo Ayub Fonseca Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Dênis de Moraes Remy José Fontana Liszt Vieira Kátia Gerab Baggio Ronald Rocha Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Musse Slavoj Žižek Marcelo Módolo Berenice Bento Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Michel Goulart da Silva Renato Dagnino Dennis Oliveira Denilson Cordeiro Celso Favaretto Caio Bugiato João Carlos Salles Chico Alencar Yuri Martins-Fontes Gilberto Lopes Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Afrânio Catani Marcos Silva Otaviano Helene Thomas Piketty Eduardo Borges Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Daniel Costa Benicio Viero Schmidt Claudio Katz Eugênio Bucci José Luís Fiori Henry Burnett Eleutério F. S. Prado Daniel Afonso da Silva Vinício Carrilho Martinez Luís Fernando Vitagliano André Singer Manchetômetro Mariarosaria Fabris Paulo Capel Narvai Michael Löwy Andrew Korybko Ladislau Dowbor Jean Marc Von Der Weid Marcus Ianoni Ricardo Antunes Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Annateresa Fabris Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn Paulo Martins Daniel Brazil Matheus Silveira de Souza Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Airton Paschoa José Machado Moita Neto José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Francisco Pereira de Farias Luiz Renato Martins João Feres Júnior Antonio Martins Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano

NOVAS PUBLICAÇÕES