Os conflitos do presidente Bolsonaro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por André Singer*

Estamos chegando perto do final do primeiro ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro. Nesse período houve muitos conflitos entre ele e seupartido, o PSL. Logo no início do ano, o então ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebiano, foi demitido. Bebiano dirigiu o PSL, em 2018, durante a campanha eleitoral e era uma figura-chave do governo.

Neste momento, temos novamente um atrito entre o presidente e seu partido. Agora aparentemente Bolsonaro procura se afastar das denúncias relativas a um esquema de candidaturas “laranjas” do PSL em Minas Gerais, que teriam sido usadas para desviar dinheiro, por meio de caixa dois, para a campanha do próprio presidente da República.

A sua tentativa de se afastar do PSL, de se apartar do envolvimento com essas acusações, decorre em grande medida do modo como ele se colocou na campanha eleitoral, adotando como bandeira o combate à corrupção, difundindo a ideia de que os partidos da esquerda, do campo da centro-esquerda, eram corruptos, e prometendo limpar a política brasileira. Por conta disso torna-se muito difícil para ele continuar numa sigla que também está envolvida em denúncias de corrupção.

Essas denúncias não são novas, são notícias que vêm sendo repercutidas na imprensa desde o começo do ano. Sua sequência, no entanto, está configurando uma situação nada confortável para quem necessita de uma base parlamentar, social e política para continuar governando.

Em si, cada um desses episódios não é suficiente para produzir uma situação de ruptura. Porém, quando se soma tudo, o isolamento social aferido nas pesquisas de avaliação do governo; o isolamento no Congresso Nacional onde a base governista não é suficiente para fornecer uma latitude ao executivo, onde a iniciativa parlamentar se concentra nas mãos da presidência da Câmara e da presidência do Senado – parece claro que há um acúmulo de desgastes.

Além disso, a economia não consegue deslanchar, embora, nos últimos dias dados positivos levaram muitos economistas a falarem em pequenos sinais de recuperação econômica, uma previsão que ainda precisa ser confirmada.

Surgiram também atritos entre o círculo presidencial e os militares, um importante grupo de apoio a Bolsonaro. O presidente está também em conflito permanente com setores da imprensa e com movimentos sociais de vários tipos: movimentos ambientais,de defesa dos direitos dos indígenas, dos direitos humanos de maneira geral etc.

Em suma, gerou-se um conjunto grande de conflitos, desgastes e, digamos assim, problemas que no balanço final acabam, pela soma, produzindo uma situação de enfraquecimento do governo, o que não é propriamente uma novidade. Muito se tem falado sobre isso ao longo do ano. Mas, na medida em que tudo isso se acumula, em algum momento pode surgir uma situação que torne objetivamente mais difícil a continuidade do governo.

*André Singer é professor titular do departamento de Ciência Política da USP

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES