O conflito na Ucrânia

Imagem Alexander Kozlov
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BINOY KAMPMARK*

O roteiro para a invasão já parece ter sido escrito, e não necessariamente pela caneta do líder russo

O presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, nunca teve muito tempo para a paz, tendo em vista que sua atenção para ela sempre foi consideravelmente menor que aquela que dedicou à guerra. Apesar de seu amor pelo conflito militar e seus supostos benefícios, acabou premiado com o Nobel da Paz, por seu papel na mediação do fim da guerra russo-japonesa. Mas para o velho Teddy, os pacifistas não eram mais que uns maricas, degenerados e até mesmo sexualmente duvidosos.

O inebriante da guerra é que ela tende a enlouquecer seus promotores, por mais equilibrados que afirmem ser. Em 21 de fevereiro, a ABC, a emissora pública australiana, parecia abraçar uma mensagem subliminar em sua programação, especialmente no que respeita à guerra. As referências padrão? A eclosão da Segunda Guerra Mundial; setembro de 1939; a pobre Polônia; e o ignorante primeiro-ministro do Reino Unido, Neville Chamberlain.

O cego, o idiota e o telespectador de reality shows podem ter perdido o fio da meada da programação, mas outros não. As forças russas estão posicionadas nas fronteiras da Ucrânia. Nos jornais da Austrália, Europa e Estados Unidos, fala-se mais de guerra do que de diplomacia. Aventa-se a perspectiva de muitas mortes e muitos sacos de cadáveres. Em vez de exibir documentários, declarações ou mensagens sobre como a guerra pode ser evitada, cedendo a palavra à diplomacia, a mensagem a favor do conflito tornou-se inexoravelmente clara.

Esta é talvez a característica mais visivelmente repugnante dessa onda. É um lembrete de que a guerra tem um poder de sedução, atua como um agente paralisante e entorpece a sensibilidade, enquanto desperta outros sentidos. O oposto nunca é tão inspirador porque é sempre construtivamente monótono: negociações, paz, evitar a morte e quebrar crânios. É melhor encorajar os poderes a destruir algumas pessoas, massacrar os moradores de uma ou duas aldeias e cantar sobre os males do inimigo. Acrescente-se alguns enfeites políticos: eles morreram em nome da democracia; foram mortos porque precisavam ser redimidos pela “ordem baseada em regras”.

A mensagem da guerra foi promovida com consistência inabalável quando foi a vez da invasão comprovadamente criminosa do Iraque em 2003 pelas forças lideradas pelos Estados Unidos. Estava inteiramente consoante à “ordem baseada em regras”, conforme defenderam o presidente George W. Bush, o primeiro-ministro britânico Tony Blair e o australiano John Howard. A guerra aconteceria, quaisquer que fossem as evidências da capacidade das armas de Saddam Hussein.

Tendo decidido que invadir o Iraque seria uma boa manchete, o império Murdoch de mídia passou a trabalhar para domesticar as mentes, incrementando viagra ao aventureirismo bélico. Do curral de jornais dirigido por Rupert Murdoch, apenas um dos 175 ― o Hobart Mercurynão apoiou a guerra. Essa movida seguramente rendeu dividendos no que se tratou de comover a opinião. Os resultados de uma pesquisa da Gallup International divulgados em 4 de fevereiro de 2003 revelaram que 68% dos australianos apoiariam a ação militar contra o Iraque. Dos australianos pesquisados, 89% esperavam que a guerra fosse iminente. Isso foi, pura e simplesmente, uma incitação ao conflito, o endurecimento de uma deliberação prévia.

Ainda que não seja a OTAN ou os Estados Unidos que estejam considerando uma invasão da Ucrânia, um país emaranhado à história e à influência russas, a linguagem da previsibilidade, da inevitabilidade da guerra, chegou para obscurecer decididamente o funcionamento da diplomacia. Em Londres, Washington e Canberra já é visível a disposição de que a guerra é inevitável.

Falando à CBS, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, estava convencido de que “temos visto que, com provocações criadas pelas forças russas ou separatistas no fim de semana, com operações de falsa bandeira”, já sugeriam um estado avançado de preparação para a invasão.

Em seu discurso na Conferência de Segurança de Munique, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, reconheceu não saber exatamente “o que o presidente [Vladimir] Putin pretende, mas os presságios são sombrios e é por isso que devemos permanecer fortes juntos”. Se a Rússia invadir ― prometeu Johnson ―, indivíduos russos serão sancionados, juntamente com “empresas de importância estratégica para o Estado russo”. Levantar capital na city de Londres seria praticamente impossível “e abriremos as bonecas matryoshka das empresas e outras entidades de propriedade russa, até encontrar os beneficiários finais”.

Os meios de comunicação ocidentais também estão colaborando, fazendo amplo uso de imagens de tanques e de pessoal em movimento fornecidas pelo próprio Ministério da Defesa russo. Mesmo as opiniões zombeteiras expressadas pelo presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy sobre a “data da invasão” foram avalizadas como provas tangíveis de uma guerra iminente.

Como registrou o New Lines Magazine, “o Ocidente está fazendo um trabalho absolutamente eloquente de transmitir a realidade do poderio militar russo”, em favor do governo Putin. Em uma conversa com um dos autores da revista, o editor de um “tabloide de médio porte” britânico aventou que “essa coisa de invasão provavelmente é uma bobagem”. Mas não importa. “Boris precisa disso para se movimentar”.

As manchetes e títulos de vários jornais lembram muito tristemente 2003. “Podemos estar a apenas algumas horas da guerra na Europa”, bradou Mark Almond em 15 de fevereiro no Daily Mail. Muitas horas se passaram desde então, mas não há sinal de que o jornalista tenha sido responsabilizado por essa efusão histérica descarada.

O Scottish Sun estava ainda mais confiante, com sede de sangue, na sua edição de 13 de fevereiro, alardeando que teríamos “48 horas para a guerra”. A “blitz de bombardeios de Moscou pode acontecer na terça-feira, após o presidente dos Estados Unidos falar sobre o impasse”. Naquele mesmo dia, o Sunday Telegraph insistiu que a Rússia estava planejando um iminente “ataque de falsa bandeira para provocar a guerra”.

Em suma, o roteiro para a invasão já parece ter sido escrito, e não necessariamente pela caneta do líder russo. As peças estão todas no lugar: a suposição da invasão, a prometida implementação de sanções e limites na obtenção de financiamento, além de uma forte condenação. Uma febre tomou conta, e promete levar muita vida e sensibilidade.

*Binoy Kampmark é professor no Royal Melbourne Institute of Technology (RMIT).

Tradução: Ricardo Cavalcanti-Schiel.

Publicado originalmente no International Policy Digest.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Flávio Aguiar José Dirceu Paulo Capel Narvai Lucas Fiaschetti Estevez Henri Acselrad Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan Liszt Vieira Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Valerio Arcary Ricardo Antunes Vinício Carrilho Martinez Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles André Singer Sandra Bitencourt Leonardo Boff Antonio Martins Renato Dagnino Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Julian Rodrigues Celso Frederico Afrânio Catani Marcos Silva Fernando Nogueira da Costa Berenice Bento Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Chico Whitaker Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Michel Goulart da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Samuel Kilsztajn Fábio Konder Comparato Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrés del Río Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Otaviano Helene Michael Roberts Denilson Cordeiro Ricardo Abramovay Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco Tales Ab'Sáber Daniel Costa Luiz Bernardo Pericás Gabriel Cohn Eduardo Borges Carlos Tautz Benicio Viero Schmidt Luiz Roberto Alves Andrew Korybko Caio Bugiato Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Jean Pierre Chauvin Bruno Machado João Feres Júnior Claudio Katz Francisco Fernandes Ladeira Paulo Nogueira Batista Jr Carla Teixeira Armando Boito Luciano Nascimento Ricardo Musse Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Atilio A. Boron André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Leonardo Sacramento Jorge Luiz Souto Maior Matheus Silveira de Souza Remy José Fontana Manchetômetro Érico Andrade Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Dênis de Moraes Anselm Jappe Antonino Infranca Eugênio Bucci Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luís Fernando Vitagliano Ari Marcelo Solon Eleonora Albano Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Henry Burnett Celso Favaretto Thomas Piketty Rafael R. Ioris Luis Felipe Miguel Heraldo Campos Airton Paschoa Juarez Guimarães José Luís Fiori Marilia Pacheco Fiorillo Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Milton Pinheiro Lincoln Secco Ronald Rocha João Lanari Bo Daniel Brazil João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Sergio Amadeu da Silveira Luiz Marques Lorenzo Vitral Tadeu Valadares José Geraldo Couto Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Michael Löwy João Carlos Loebens Marilena Chauí Marcus Ianoni Fernão Pessoa Ramos Salem Nasser Maria Rita Kehl Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada