As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O capitalismo do desastre

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

Esta pandemia não pode ser combatida apenas por meios econômicos e sanitários sempre indispensáveis. Ela demanda outra relação para com a natureza e a Terra.

A atual pandemia do coranavírus representa uma oportunidade única para se repensar o nosso modo de habitar a Casa Comum, a forma como produzimos, consumimos e nos relacionamos com a natureza. Chegou a hora de questionar as virtudes da ordem do capital: a acumulação ilimitada, a competição, o individualismo, a indiferença face à miséria de milhões, a redução do Estado e a exaltação do lema deWallstreet: “greed is good” (a cobiça é boa). Tudo isso agora é posto em xeque. Ele não pode mais continuar.

O que agora nos poderá salvar não são as empresas privadas, mas o Estado com suas políticas sanitárias gerais, sempre atacado pelo sistema do mercado “livre” e serão as virtudes do novo paradigma, defendidas por muitos e por mim, do cuidado, da solidariedade social, da corresponsabilidade e da compaixão.

O primeiro a ver a urgência desta mudança foi o presidente francês, neoliberal e vindo do mundo das finanças Emmanuel Macron. Falou claro: “Caros compatriotas, precisamos amanhã tirar lições do momento que atravessamos, questionar o modelo de desenvolvimento que nosso mundo escolheu há décadas e que mostra suas falhas à luz do dia, questionar as fraquezas de nossas democracias. O que revela esta pandemia é que a saúde gratuita sem condições de renda, de história pessoal ou profissão, e nosso Estado-de Bem-Estar Social não são custos ou encargos, mas bens preciosos, vantagens indispensáveis quando o destino bate à porta. O que essa pandemia revela é que existem bens e serviços que devem ficar fora das leis do mercado”.

Aqui se mostra a plena consciência de que uma economia só de mercado, que tudo mercantiliza e sua expressão política, o neoliberalismo, são maléficas para a sociedade e para o futuro da vida. Mais contundente ainda foi a jornalista Naomi Klein, uma das mais perspicazes críticas do sistema-mundo que disse “O coronavírus é o perfeito desastre para o capitalismo do desastre”.

Essa pandemia produziu o colapso do mercado de valores (bolsas), o coração deste sistema especulativo, individualista e antivida como o chama o Papa Francisco. Este sistema viola a lei mais universal do cosmos, da natureza e do ser humano: a interdependência de todos com todos; que não existe nenhum ser, muito menos nós humanos, como uma ilha desconectada de tudo o mais. Mais ainda: não reconhece que somos parte da natureza e que a Terra não nos pertence para explorá-la ao nosso bel-prazer, mas que nós pertencemos à Terra.

Na visão dos melhores cosmólogos e dos astronautas que veem a unidade Terra e Humanidade, somos aquela porção da Terra que sente, pensa, ama, cuida e venera. Superexplorando a natureza e a Terra como se está fazendo no mundo inteiro, estamos nos prejudicando a nós mesmos e nos expondo às reações e até aos castigos que ela nos impõe. É mãe generosa, mas pode mostrar-se rebelada e enviar-nos um vírus devastador.

Sustento a tese de que esta pandemia não pode ser combatida apenas por meios econômicos e sanitários sempre indispensáveis. Ela demanda outra relação para com a natureza e a Terra. Se após passar a crise não fizermos as mudanças necessárias, a próxima vez poderá ser a última, pois nos tornamos os inimigos figadais da Terra. Ela pode não nos querer mais aqui.

O relatório do prof. Neil Ferguson do Imperial College of London declarou: “esse é o vírus mais perigoso desde a gripe H1N1 de 1918.Se não houver uma resposta haverá nos USA 2,2 milhões de mortos e 510 mil no Reino Unido”. Bastou esta declaração para que Donald Trump e Boris Johnson mudassem imediatamente de posição. Tardiamente empenharam fortunas para proteger o povo. Enquanto que no Brasil o Presidente não se importa, a trata como uma “histeria” e no dizer de um jornalista alemão da Deutsche Welle: “Ele age de forma criminosa. O Brasil é liderado por um psicopata, e o país faria bem em removê-lo o mais rápido possível. Razões para isso haveria muitas”. É o que o Parlamento e o STF – em defesa do povo – deveria fazer sem delongas.

Não basta a hiperinformação e os apelos por toda a mídia. Ela não nos move a mudar de comportamento exigido. Temos que despertar a razão sensível e cordial. Superar a indiferença e sentir, com o coração, a dor dos outros. Ninguém está imune do vírus. Ricos e pobres temos que ser solidários uns para com os outros, cuidarmo-nos pessoalmente e cuidar dos outros e assumir uma responsabilidade coletiva. Não há um porto de salvação. Ou nos sentimos humanos, co-iguais na mesma Casa Comum ou afundaremos todos.

As mulheres, como nunca antes na história, têm uma missão especial: elas sabem da vida e do cuidado necessário. Elas podem nos ajudar a despertar nossa sensibilidade para com os outros e para conosco mesmo. Elas junto com operadores da saúde (corpo médico e de enfermagem) merecem nosso apoio irrestrito. Cuidar de quem nos cuida para minimizar os males desse terrível assalto à vida humana.

*Leonardo Boff é teólogo. Autor, entre outros livros, de O cuidado necessário (Vozes).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Marilia Pacheco Fiorillo Julian Rodrigues João Carlos Loebens Lincoln Secco Luiz Costa Lima Luiz Renato Martins Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez João Carlos Salles Ricardo Abramovay Marjorie C. Marona Igor Felippe Santos Eleutério F. S. Prado Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira José Dirceu Flávio R. Kothe Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Claudio Katz João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Leonardo Boff Ronald León Núñez Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Gilberto Lopes Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Airton Paschoa Flávio Aguiar Henry Burnett Tadeu Valadares Berenice Bento Luiz Werneck Vianna Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Gerson Almeida Liszt Vieira Dênis de Moraes Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento Kátia Gerab Baggio Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn Sandra Bitencourt Luiz Roberto Alves José Raimundo Trindade Benicio Viero Schmidt Everaldo de Oliveira Andrade Antonino Infranca Ronaldo Tadeu de Souza Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Costa Roberto Noritomi Milton Pinheiro Valério Arcary Chico Whitaker Bruno Machado Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Valerio Arcary Rafael R. Ioris Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Sergio Amadeu da Silveira Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Daniel Brazil Marcelo Guimarães Lima José Luís Fiori Eliziário Andrade Eugênio Bucci Andrew Korybko Atilio A. Boron Heraldo Campos Marcos Silva Walnice Nogueira Galvão Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Maringoni Roberto Bueno Antonio Martins Celso Favaretto Marilena Chauí Mário Maestri André Singer Afrânio Catani Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Remy José Fontana Tarso Genro Jorge Luiz Souto Maior Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria Ladislau Dowbor Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato Fábio Konder Comparato Henri Acselrad Manchetômetro Ricardo Fabbrini Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Martins Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Musse Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo Marcus Ianoni José Micaelson Lacerda Morais João Sette Whitaker Ferreira Juarez Guimarães Paulo Fernandes Silveira Michael Löwy José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour Francisco Fernandes Ladeira Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Salem Nasser João Lanari Bo Renato Dagnino João Feres Júnior Thomas Piketty Vladimir Safatle Armando Boito José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Michael Roberts Samuel Kilsztajn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mariarosaria Fabris Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada