As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A política do deixar morrer

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por IZABELLA SABATINI E MARIA CLARA MAIA*

A necropolítica do bolsonarismo em relação à pandemia do Covid-19 é a de usufruir-se do direito de deixar morrer

Para Foucault, o termo biopolítica se tornou paradigmático e é recorrente em diversos de seus trabalhos. Segundo o autor, tal ideia se faz presente quando “a vida e a morte estão inseridas dentro do campo do poder político e o soberano tem o direito de vida e morte sobre os seus súditos, isto é, o direito de fazer morrer ou deixar viver” (FOUCAULT, 1999, p. 287). Assim, a biopolítica nos oferece mecanismos concretos para exercer controle sobre as populações por meio, por exemplo, de instituições como as escolas, hospitais e prisões.

O conceito de necropolítica parte da intenção de Mbembe em complementar a ideia de biopolítica trazida por Foucault. Para o autor, a primazia do poder soberano sobre a vida, o poder de decidir sobre a disciplina dos corpos e a regulamentação de populações é insuficiente para “contabilizar as formas contemporâneas em que o político, por meio da guerra, da resistência ou da luta contra o terror, faz do assassinato do inimigo seu objetivo primeiro e absoluto” (MBEMBE, 2018, p.6). A necropolítica seria, portanto, não somente o direito de matar, mas o direito de expor sujeitos à morte de diversas maneiras: biológica, civil e/ou socialmente.

Assim, a necropolítica explica a existência de governos cujo projeto político central não é a luta pela autonomia, mas a “instrumentalização generalizada da existência humana e a destruição material de corpos” (MBEMBE, 2018, p. 10). Nesse sentido, o conceito de necropolítica pode ser ilustrado, de acordo com Dunker (2020),  pela lentidão nas respostas políticas e pela manutenção de situações de vulnerabilidade social, miséria e desproteção por parte do Estado, ao tratar a vida das pessoas como administração de populações.

A pandemia do Covid-19 por todo o mundo evidencia uma série de desigualdades estruturantes das relações sociais e políticas no capitalismo e as medidas adotadas pelos governos são cruciais para minimizar os danos. Para Davis (2020), o impacto do vírus sobre os grupos etários pode ser radicalmente diferente nos países e grupos mais pobres. O autor comenta que a pandemia expôs instantaneamente a desigualdade de classes: alguns podem seguir as orientações de isolamento, trabalhando de casa, enquanto outros terão que fazer escolhas entre renda e proteção à saúde.

Da mesma forma, Harvey (2020) argumenta que os reflexos econômicos e sociais do vírus são discriminatórios, a começar pela força de trabalho nos cuidados dos doentes e nos setores de logística, como supermercados e aeroportos. Para o autor, “embora os esforços de mitigação estejam convenientemente camuflados na retórica de que ‘estamos todos juntos nisto’, as práticas, particularmente por parte dos governos nacionais, sugerem motivações mais sinistras” (p. 20). O avanço da pandemia explicita as diferenças de gênero, raça e classe.

O Estado deveria, portanto, empreender práticas dirigidas para evitar uma catástrofe estratégica, conforme discutido por Badiou (2020), para controlar a epidemia com a maior segurança possível e proteger vidas. A política adotada pelos governos contribui para a determinação da propagação do vírus e do número de mortes. Nesse sentido, Birh (2020), defende que o estado saudável ou mórbido do corpo de cada pessoa está diretamente relacionado à capacidade do corpo social se defender de fatores patogênicos, através de “um sistema de assistência social eficiente e uma política de saúde pública que proporcione ao segundo os meios necessários e suficientes (humanos, materiais, financeiros)” (p.25).

O Governo Federal brasileiro, pela figura do Presidente Bolsonaro, ao não estabelecer medidas institucionais de isolamento social, para supostamente priorizar medidas de recuperação econômica, segue a linha contrária às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e às experiências de outros países sobre medidas efetivas de controle da pandemia. Conforme apresentado por Zizek (2020), é observado o retorno do animismo capitalista, ao tratar fenômenos como os mercados ou o capital financeiro como se fossem organismos vivos.

Dunker (2020), ao tratar especificamente o caso brasileiro, afirma que não é um acaso que tenhamos voltado à discussão de priorizar a vida ou a economia. O coronavírus chega ao país em meio a um processo de divisão social discursiva e a pauperização da vida econômica e dos direitos trabalhistas. A retórica da campanha eleitoral e do método de governo do atual presidente de produção de inimigos imaginários gera a negação da chegada do inimigo real e biológico.

É isso que explica a lentidão na tomada de medidas protetivas, a ignorância descarada em relação aos trabalhadores informais e o pouco caso com a vida das pessoas praticados pela pirotecnia presidencial. O que fazer com os milhões de pobres, miseráveis e desempregados? A resposta até aqui tem sido a denegação de existência. O vírus é este pequenos ingrediente que diz, em alto e bom som: mas estas pessoas existem, são vida. (DUNKER, 2020, p. ).

A necropolítica do bolsonarismo em relação à pandemia do Covid-19 é a de usufruir-se do direito de deixar morrer, por meio de discursos como “e daí?”, “eu não sou coveiro”, “gripezinha”, ao comentar sobre as vítimas da pandemia no Brasil; ao não adotar políticas empiricamente recomendadas para frear a contaminação do vírus e evitar o colapso do sistema de saúde; ao insistir na recomendação de medicamento sem qualquer base científica para tal; ao não avançar no aparato institucional e em uma política pública de saúde que dê ao corpo social meios materiais, humanos e financeiros que permitam salvar vidas. É importante ressaltar que na necropolítica bolsonarista, o direito de deixar morrer não aplica-se à qualquer cidadão brasileiro, mas àqueles que vivem em situação de vulnerabilidade, àqueles que não podem seguir as sugestões de isolamento para garantir a renda, àqueles que não tem acesso às máscaras de proteção e aos itens de higiene, àqueles que estão no cuidado dos doentes.

* Izabella Sabatini e Maria Clara Maia são mestrandas em Ciência Política na UFMG e ativistas da Marcha Mundial das Mulheres.

Referências

BADIOU, Alain. Sobre a situação epidêmica. In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

BIHR, Alain. França: pela socialização do aparato de saúde. In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

DAVIS, Mike. A crise do coronavírus é um monstro alimentado pelo capitalismo. In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

DUNKER, C. I. L. A arte da quarentena para principiantes. Boitempo: Brasil, 2020.

HARVEY, David. Política anticapitalista em tempos de COVID-19. In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999, (Coleção tópicos).

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. N-1 Edições: São Paulo, 2018.

ZIBECHI, Raúl. Coronavírus: a militarização das crises.  In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

ZIZEK, Slavoj. Um golpe como “Kill Bill” no capitalismo. In: DAVIS, Mike. et al. Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, 2020.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vanderlei Tenório Antônio Sales Rios Neto Mariarosaria Fabris Roberto Bueno Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato José Luís Fiori Francisco Fernandes Ladeira Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Manchetômetro Chico Whitaker Remy José Fontana Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Gabriel Cohn Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Eleonora Albano Daniel Costa Lincoln Secco Priscila Figueiredo Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleutério F. S. Prado André Singer Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Dênis de Moraes André Márcio Neves Soares Luiz Renato Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Ari Marcelo Solon João Lanari Bo Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Anselm Jappe Luiz Roberto Alves Marcos Silva Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais José Machado Moita Neto Fernão Pessoa Ramos Antonio Martins Henry Burnett Marilena Chauí Marcelo Módolo Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Costa Lima Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior Valerio Arcary Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Boff Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Julian Rodrigues João Carlos Loebens Tarso Genro Paulo Fernandes Silveira Marjorie C. Marona Daniel Brazil Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto Ronald León Núñez Maria Rita Kehl Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz Leda Maria Paulani Roberto Noritomi Afrânio Catani Luiz Werneck Vianna Osvaldo Coggiola Armando Boito Bernardo Ricupero Salem Nasser Érico Andrade João Adolfo Hansen João Carlos Salles Berenice Bento Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Valério Arcary Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Heraldo Campos José Dirceu Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Ronaldo Tadeu de Souza Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Ricardo Antunes Andrew Korybko Flávio R. Kothe João Feres Júnior Airton Paschoa Thomas Piketty Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Celso Favaretto Sandra Bitencourt Rubens Pinto Lyra Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Antonino Infranca Francisco Pereira de Farias Carla Teixeira Chico Alencar Ricardo Abramovay José Raimundo Trindade Daniel Afonso da Silva João Sette Whitaker Ferreira Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Paulo Martins Ricardo Musse Henri Acselrad Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Claudio Katz Atilio A. Boron Annateresa Fabris Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Elias Jabbour Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Eugênio Bucci Jorge Branco Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Marcus Ianoni Mário Maestri Tales Ab'Sáber Renato Dagnino Fábio Konder Comparato Michael Roberts Gilberto Lopes Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Michael Löwy Liszt Vieira Rafael R. Ioris José Geraldo Couto Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada