O confisco do salário mínimo

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO*

Em apenas 3 anos e meio, o atual governo desfez quase integralmente todo um movimento de uma década em direção a um País mais justo e menos desigual

Estamos às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais. A última pesquisa DataFolha, publicada em 27 de outubro, mostra a candidatura Lula à frente, com 49%, contra 44% do atual presidente. Uma análise da estratificação dos resultados revela que essa vantagem é construída a partir do voto das mulheres (52% a 41%), que certamente têm na memória certos conceitos do presente mandatário – das ‘fraquejadas’ ao ‘pintou um clima’; dos negros (58% a 38%), que seguramente ainda se recordam que o governante de plantão os considera estúpidos e com excesso de arrobas; e, sobretudo, daqueles com renda familiar de até 2 salários mínimos (61% a 33%), que representam uma parcela expressiva do eleitorado brasileiro.

Em relação a esta última questão, apresentamos a seguir dados factuais sobre o poder aquisitivo do salário mínimo nas últimas duas décadas. O gráfico que se segue mostra quantas cestas básicas o trabalhador pôde comprar, nesse período, com um salário mínimo. As fontes desses dados encontram-se nos Anexos I e II.

A conclusão é muito clara, e explica porque razão a metade mais pobre da nossa população sabe de forma amplamente majoritária em quem deve votar: como se vê, o salário mínimo, quando do ingresso do ex-presidente Lula na presidência, comprava cerca de 1,5 cestas básicas; ao final do seu segundo governo, esse valor chegou a quase 2,6 cestas básicas, e, no meio deste ano de 2022, regrediu de volta a aproximadamente 1,7 cestas básicas. Assim, são hoje subtraídos dos 40 milhões de trabalhadores que recebem um salário mínimo (em relação aos rendimentos em vigor ao final do governo Lula) valores que alcançam perto de 30 bilhões de reais mensais.

Em apenas 3 anos e meio, o atual governo desfez quase integralmente todo um movimento de uma década em direção a um País mais justo e menos desigual.

Ao mesmo tempo, neste ano vimos nova face da trapaça eleitoral que já vigorou em 2018, agora sob outra roupagem que não a da farsa jurídico-midiática. Desta vez, a alternativa que se colocou em prática foi uma imensa tentativa de compra ilegal de votos com verbas públicas, logo antes das votações – embora essa transferência seja em valores muito inferiores ao confisco da massa salarial dos mais pobres, como indicado acima. Essa manobra só passou incólume diante da prévia intimidação do poder judiciário e das ameaças de violação do Estado Democrático de Direito – que talvez tenham tido como motivação menos uma intenção real (por falta de sustentação efetiva) e sim o objetivo último de deformar o resultado das urnas, ao colocar o Estado brasileiro como fiador de algumas das candidaturas.

É fundamental, para o futuro do Brasil, que fracassem os fraudadores!

*Gil Vicente Reis de Figueiredo é professor aposentado do Departamento de Matemática da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências


Anexo I
Salário Mínimo, 2000 – 2022

Fonte: https://audtecgestao.com.br/capa.asp?infoid=1336

Anexo II
Cesta Básica, 2000 – 2022

Fonte: http://www.dieese.org.br/cesta/produto

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Um estudo do caso Ailton Krenak1974__Identidade ignorada 21/07/2024 Por MARIA SILVIA CINTRA MARTINS: Prefiro sonhar com Krenak o parentesco com a natureza e com as pedras do que embarcar na naturalização do genocídio
  • Clarice Lispector no cinemacultura a paixão segundo g.h. 22/07/2024 Por LUCIANA MOLINA: Comentário sobre três adaptações cinematográficas da obra de Clarice Lispector
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • Filosofia da práxis como poiésiscultura lenora de barros 24/07/2024 Por GENILDO FERREIRA DA SILVA & JOSÉ CRISÓSTOMO DE SOUZA: Fazer filosofia é, para o Poética, fazer filosofia contemporânea, crítica e temática
  • Apagão digitalSergio Amadeu da Silveira 22/07/2024 Por SÉRGIO AMADEU DA SILVEIRA: A catástrofe algorítmica e a nuvem do “apagão”
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A questão agrária no Brasil — segundo Octávio IanniJose-Raimundo-Trindade2 19/07/2024 Por JOSÉ RAIMUNDO TRINDADE: As contribuições de Ianni podem auxiliar a reformular o debate agrário brasileiro, sendo que as obras do autor nos apontam os eixos para se repensar a estrutura fundiária brasileira

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES