As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os três cavaleiros da liberdade

Imagem: Lucas Vinícius Pontes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Lumumba, Martin Luther King e Mandela, e o sonho brasileiro por democracia política, respeito aos direitos humanos e proteção social imediata contra o genocídio

O homem sonhou que estava ajudando a construir uma ponte que nascia do lugar mais agudo de uma rocha projetada sobre um abismo. No fundo do abismo, o Inferno descrito por Dante Alighieri: dor, tortura, morte, calor incandescente, estupros, violações, lamentações de fome e de afetos, deserções da condição humana promovidas pelos feitores de escravos, como carrascos credenciados pelo diabo.

Eis que alguém – um homem negro coberto por uma capa colorida – se aproxima dentro do sonho do homem que sonhava e fala com uma voz pausada: “presta atenção nos alicerces desta imensa ponte de madeira madura, mas sobretudo descobres o momento em que ela esteja mais vergada sobre o abismo, sem se romper, e daí meça a distância até o outro lado, pois ali estará o ponto de equilíbrio, para que o sentido e o destino providencial da ponte seja alcançado pelo teu desejo”.

O homem que sonhou olha para o visitante – que sorri – e lhe pergunta: “quem és?, pois suponho que não apareceste do nada da história, pois te identifico com as feições negras de Lumumba, Martin Luther King e Mandela, que só a simetria das palavras pode compor, numa sinfonia do marxismo melancólico de Walter Benjamin…”. O homem que apareceu no sonho, do outro homem que sonhou, vira as costas para partir e subitamente retorna para finalizar: “eu não sou ninguém, sou apenas uma metáfora da história presente, que cuida para que as pontes para o futuro não sejam apenas mais uma ponte para o inferno.” O que sonhou ficou pensando numa frase de Benjamim: “Quem está em jejum fala do sonho como se estivesse dentro do sonho”.

Lumumba, Martin Luther King e Mandela são os homens-metáfora do século passado. Lumumba assassinado covardemente pelos imperialistas belgas, que cortavam os braços das crianças negras cujos pais tinham baixa produtividade nas plantações de chá do Rei Leopoldo, o Hitler do colonialismo clássico; Martin Luther King assassinado pelos predecessores do fascismo de Donad Trump, no curso das campanhas racistas e violentas dos supremacistas brancos, da Klan e da John Birch Society; Mandela, o homem que começou a governar de dentro do cárcere e disse que não mandaria cessar a luta armada, antes que todos os lutadores anti-apharteid fossem livres e soltos para compor, no futuro imediato, um governo de maioria negra na África do Sul. Estes homens e mulheres do século passado e de outras épocas, como Rosa de Luxemburgo, Rigoberta Menchú, Anita Garibaldi, Antonieta de Barros, Dandara, Carolina de Jesus, Tereza de Benguela, estão presentes em cada gesto dos três líderes do sonho, na fala do visitante improvável.

No momento em que a luta dos partidos da esquerda e dos democráticos não fascistas, dos movimento sociais e da intelectualidade democrática, conseguiram sensibilizar os estratos empresariais mais diversos, a Rede Globo e várias instituições e lideranças representativas da burocracia estatal – para comporem uma ampla frente de defesa da democracia, do respeito aos resultados da eleição e da defesa das urnas eletrônicas (muitos destes inclusive coniventes com o suicídio democrático do país ao ajudarem eleger Bolsonaro) – devemos celebrar e construir esta ponte verdadeira para o futuro.

Ela quer dizer muito: ou temos democracia política, respeito aos direitos humanos e proteção social imediata contra o genocídio, também pela fome que se avizinha, ou o país vai para o caos: a anomia pervertida do fascismo e a morte nas portas do inferno que este sempre representou ainda estão às nossas portas.

O nosso sonho está próximo dos três cavaleiros das liberdades já referidos e das utopias das mulheres e homens que construíram as ideias da igualdade e da dignidade humana, mas não nos é indiferente que boa parte da elite brasileira reconheça que é melhor obter lucros dentro da democracia, afastando a besta do fascismo e da loucura bolsonárica, que muitos deles pariram, do que ficar apenas com os sonhos sem democracia e sem condições para salvar vidas, salvar instituições, afirmar os sonhos possíveis, tornando-os reais e rompendo com o jejum dos desejos sem futuro.

Pertencemos, a maioria de nós – respeitando as diferenças imprimidas por sonhos diferentes – ao campo que defende que Lula é o que está sonhando , como nós, perto daquela ponte metafórica, que pode se tornar vívida com uma grande vitória no primeiro turno, pela qual o Brasil se reunifica em torno das liberdades públicas e da decência governamental.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rubens Pinto Lyra Ladislau Dowbor Luciano Nascimento Chico Alencar Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves Priscila Figueiredo Valério Arcary Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Sandra Bitencourt Claudio Katz Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez João Feres Júnior Henri Acselrad Manchetômetro Armando Boito Chico Whitaker Ronald León Núñez Alexandre de Freitas Barbosa Marilena Chauí Michael Löwy Otaviano Helene Annateresa Fabris Tarso Genro Daniel Brazil Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Costa Lima Luiz Renato Martins Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Marc Von Der Weid Paulo Martins André Singer Afrânio Catani Valerio Arcary José Machado Moita Neto José Raimundo Trindade Jorge Branco Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Francisco Pereira de Farias Roberto Noritomi Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Eugênio Bucci Eleonora Albano Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Ricardo Antunes Caio Bugiato Leonardo Boff Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen Luis Felipe Miguel Leonardo Sacramento Juarez Guimarães Atilio A. Boron Carla Teixeira Érico Andrade José Geraldo Couto Daniel Costa Berenice Bento Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Vinício Carrilho Martinez Marcus Ianoni Antonino Infranca Dennis Oliveira Michael Roberts João Sette Whitaker Ferreira Eduardo Borges Flávio R. Kothe Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Osvaldo Coggiola Bruno Machado Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Milton Pinheiro Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Marcos Aurélio da Silva Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Luiz Marques Julian Rodrigues Renato Dagnino José Dirceu Jean Pierre Chauvin Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Eleutério F. S. Prado Alysson Leandro Mascaro Antonio Martins Heraldo Campos Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris Andrew Korybko Elias Jabbour Roberto Bueno Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Salles Eugênio Trivinho Ronald Rocha Carlos Tautz Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Maria Rita Kehl José Luís Fiori Ricardo Fabbrini Flávio Aguiar Bernardo Ricupero João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris Henry Burnett Francisco Fernandes Ladeira Anderson Alves Esteves Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Mário Maestri Gerson Almeida Fernão Pessoa Ramos Salem Nasser Lincoln Secco José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Anselm Jappe Thomas Piketty Bento Prado Jr. Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada