As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O desemprego assola a economia

Marina Gusmão, Espiral branca.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALDO PAVIANI*

Ao se observar o horizonte, nada surge que aponte planos, programas e medidas que façam a economia voltar a crescer e, com isso, gerar postos de trabalho

Acompanho a eliminação de empregos nas atividades econômicas, indústrias, comércio e atividades sociais durante algumas décadas. Por todo esse tempo, o desemprego é tido como continuado. São quase 15 milhões de desempregados no Brasil (ou 14,7% a PEA, no primeiro trimestre de 2021, segundo o IBGE) e não há indícios que a economia do país se aqueça para ultrapassar ou mesmo evitar a continuidade desse processo. A tragédia só não é maior porque o que se chama de “informal”, faz aumentar o número de biscateiros, “faz tudo” ou dos que aguardam na esquina ser chamado para alguma tarefa remunerada. Todavia, com o crescimento dos que estão assim classificados faz com que se estabeleça concorrência entre esses personagens sendo, portanto, conduzidos a não terem o que fazer e obter algum ganho (vulgarmente denominada de “renda” – que é do capital e não do trabalho).

No caso de Brasília, a Pesquisa de Emprego e Desemprego de abril de 2021 (Codeplan/DF) estima em 322.000 desempregados, de uma PEA de 1.641.000 pessoas, o que indica um percentual de quase 20% de desempregados, um pouco menos do que há um ano atrás, quando foi divulgado haver 333.000 desempregados. Apesar da redução, é de se calcular que a pandemia da covid-19 possa agravar o quadro, pois muitas empresas estão fechando as portas e, com isso, demitindo empregados. A próxima pesquisa poderá confirmar ou não essa situação preocupante.

Estabeleci o terno “lacunas de trabalho” para aqueles postos eliminados ao longo do processo.

Na lacuna não mais haverá qualquer possibilidade de retorno ao status quo ante, e, em resumo, é o pior tipo de desemprego numa economia. Ele é identificado como um “buraco negro” que devora a atividade que poderia acontecer. No entanto, não vejo como transformar as lacunas de trabalho em estatísticas que possam colaborar com a tomada de decisões de como reduzi-las. Assim, fica o conceito inovador em aberto para futuras possibilidade de utilização.

Jornalista da Folha de São Paulo, Vinicius Torres Freire, escreve – em matéria de 30 de maio passado, a respeito de “O erro do Pessimismo exagerado”, que “A adaptação técnica à recessão da covid deve acelerar a crise estrutural do trabalho”. E prossegue, criticando o governo Bolsonaro. O ministro da

Economia refere que “vai para o ataque”, que irá baixar um “pacotezinho social de favores para as falanges bolsonaristas, como a dos caminhoneiros”. Prossegue Torres Freire: ainda “Haverá grande perdão de impostos para pequenas empresas em particular. Guedes articula agrados à indústria. Haverá favores até privatização, na da Eletrobras, por exemplo. Há um esquema azeitado para adquirir apoio de parlamentares. Tudo isto, a meu ver tem ligações fortes com todas as estratégias visando a eleição de 2022. Joga-se todas as cartadas e o apoio do chamado “Centrão” será fundamental para ir em frente com essa desesperada forma de se manter no poder, inclusive mantendo o presidente da Arthur Lira (PP/Alagoas) como aliado, debaixo de generosas verbas alimentando as emendas parlamentares – este ano somando mais de R$ 48 bilhões – um recorde na história política do país.

Enquanto isso, não se percebe nenhum resquício de atitudes que levem a baixar medidas que minorem o drama dos desempregados. Não há incentivo para igualmente atenuar os efeitos da pandemia sobre pequenas e médias empresas em dificuldades. Muitas já fecharam as portas, levadas à falência por não possuírem capital de reserva para suportar meses em que as vendas deixaram de ser efetivas, pois o consumo foi reduzido em muito, devido às incertezas das famílias de “como será o dia de amanhã”, como a mídia considera as dificuldades dos brasileiros em geral. Por falta de consumo que aportem receitas as empresas demitem, o que eleva o desemprego. Assim, no Caderno Economia, o Correio Braziliense, edição de 28 de maio de 2021, estampa a manchete “Desemprego cresce e bate novo recorde”, ou seja, chega a quase 15 milhões de pessoas, como referido.

Ao se observar o horizonte, nada surge que aponte planos, programas e medidas que façam a economia voltar a crescer e, com isso, gerar postos de trabalho e renda para as empresas. Por isso, neste contexto, pergunta-se quais as políticas públicas desejáveis para estancar o desemprego e viabilizar políticas públicas necessárias e desejáveis?

*Aldo Paviani, geógrafo, é Professor Emérito da Universidade de Brasília (UnB).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Rafael R. Ioris Igor Felippe Santos Manchetômetro Rodrigo de Faria Marilena Chauí Lincoln Secco Luiz Renato Martins Remy José Fontana Manuel Domingos Neto Walnice Nogueira Galvão Marcus Ianoni Jean Marc Von Der Weid Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Bruno Machado Marcos Silva Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Eduardo Borges Daniel Costa Érico Andrade João Adolfo Hansen José Luís Fiori Atilio A. Boron João Carlos Salles Fernão Pessoa Ramos Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Carlos Tautz Milton Pinheiro João Carlos Loebens Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl João Lanari Bo José Machado Moita Neto Eleutério F. S. Prado Chico Alencar Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Ronaldo Tadeu de Souza Tales Ab'Sáber Everaldo de Oliveira Andrade Benicio Viero Schmidt Samuel Kilsztajn Vladimir Safatle Mário Maestri Ricardo Abramovay Dênis de Moraes Eugênio Bucci Tarso Genro João Paulo Ayub Fonseca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Henry Burnett Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor Salem Nasser Ronald Rocha Gilberto Maringoni Alexandre Aragão de Albuquerque Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Eleonora Albano Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Henri Acselrad Thomas Piketty Marjorie C. Marona Kátia Gerab Baggio Berenice Bento Leonardo Boff Ricardo Antunes Michael Roberts Michael Löwy Denilson Cordeiro Lorenzo Vitral Tadeu Valadares Priscila Figueiredo Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca André Singer Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Anselm Jappe Luiz Costa Lima José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Leda Maria Paulani Celso Favaretto Bernardo Ricupero Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Gilberto Lopes Andrew Korybko Luis Felipe Miguel José Dirceu José Costa Júnior Liszt Vieira Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Airton Paschoa Marcelo Guimarães Lima Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Armando Boito Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse José Geraldo Couto Daniel Afonso da Silva Gabriel Cohn Renato Dagnino Jorge Branco Chico Whitaker Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Dennis Oliveira Paulo Martins Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Gerson Almeida Luiz Roberto Alves Fernando Nogueira da Costa Leonardo Avritzer Caio Bugiato Marcelo Módolo Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Vinício Carrilho Martinez Otaviano Helene Luiz Marques Valério Arcary Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada