O fetiche do vice

Otto Umbehr, Mistério da rua, 1928
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LINCOLN SECCO*

Uma análise do cargo de vice-presidente e da possível aliança entre Lula e Alckmin em 2022

A possível escolha de um conservador para acompanhar Lula nas eleições de 2022 provocou uma série de debates. Só não houve surpresa. O PT desde 2002 incorporou um vice de centro-direita. A exceção foi ter uma mulher comunista em 2018 numa situação no mínimo insólita.

Devido à acidentada história brasileira há um “fetiche do vice”, algo que se reforçou na Nova República porque Sarney, Itamar e Temer ascenderam ao comando do país sem voto.

Antes também houve vices que foram mais ou menos importantes, como Floriano Peixoto, Nilo Peçanha, Delfim Moreira e João Goulart. Mas em geral, a posição dos demais foi meramente decorativa, tanto que as constituições de 1934 e 1937 não previram um vice presidente, como aliás é o caso do Chile desde o século XIX.

Um vice não exerce nenhum papel relevante na máquina pública, exceto se o presidente quiser (e se for esperto não vai querer). Se é um chefe de partido, como foi Temer, ele serve como instrumento de pressão dos aliados sobre o presidente; e se há uma crise, pode galvanizar os traidores num golpe de Estado, como o fez o próprio Temer em 2016, mas também Café Filho em 1954.

Na eleição, o vice também carece de importância, já que o eleitorado praticamente o desconhece. Quando muito, pode ter uma relevância negativa devido a algum escândalo. Em 1994 houve a crise dos vices e tanto Lula quanto FHC trocaram de companheiro de chapa.

Para Lula ter Alckmin como vice ou uma mulher de esquerda tanto faz do ponto de vista eleitoral. A maioria não mudará seu voto por isso e essa é a razão pela qual Lula faz ouvidos moucos para as reclamações da sua militância. Ele acredita que o melhor é ter um colega de chapa à sua direita, como Judas, para acalmar empresários e o eleitorado que pode estar indeciso entre a ordem e a mudança. Promete, assim, uma mudança dentro da ordem.

Claro que nenhuma ordem é ameaçada por uma eleição, mas não estamos falando de realidades e sim de crenças. Ter alguém sentado à sua esquerda só contentaria o ardor militante de quem não possui outra opção. Para esse tipo de raciocínio, racional em tempos “normais”, o centro ou centro direita é quem deve ter o privilégio da escolha.

 

Geraldo Alckmin

O ex-governador paulista de fato viabilizaria um arco amplo de alianças, dirão analistas políticos. E, depois, a governabilidade. Também não. O cargo de vice não se faz acompanhar de grande capacidade de distribuição de cargos ao seu séquito. Os partidos aliam-se para nomear ministros e obter empregos que lhe apeteçam, além de obter favores para seus futuros parlamentares. Ter um vice é só um símbolo. Com o amplo favoritismo petista nas pesquisas, os interessados em se aliar ao PT não deixarão de fazê-lo se o vice for petista, desde que tenham a promessa de gorda participação no poder.

O que importa ao PT é ter um candidato a vice presidente que não vá conspirar contra o titular do cargo. Ser da própria legenda ajuda, embora não seja garantia. A solução estaria em acabar com um cargo que mantêm inerte e de mente vazia um potencial traidor. Em caso de vacância permanente, um sucessor deveria ser eleito para terminar o mandato, mas isso está fora do horizonte político atual.

 

Fascismo

Há ainda a caracterização fascista do governo e a consequência estratégica que se deveria tirar disso. Se é fascista, nosso dever é a defesa da democracia formal antes de tudo, a fim de afastar uma ameaça ao próprio regime.

O fascismo é um movimento de massas com apoio eleitoral sustentado por uma crítica ao sistema. Se ele obteve sucesso é porque o próprio sistema já havia sido desmoralizado. É a melhor saída defender simplesmente a democracia?

Se olharmos para o tão citado exemplo alemão é claro que uma aliança entre sociais democratas e comunistas no início dos anos 1930 teria sido desejável, mas com base em qual programa? E notem que estamos falando de uma aliança no interior da esquerda e não com a direita conservadora, a qual já estava comprometida com o nazismo. Quem invoca esse exemplo histórico raramente cita essa diferença essencial. Aliás, a efetiva vitória sobre o fascismo na Segunda Guerra Mundial não se limitou a restaurar a democracia e obrigou os regimes que se sucederam a criar um estado de bem estar social.

 

Brasil

A nossa situação histórica é muito distinta. Mas a luta antifascista aqui exige, dentro dos limites eleitorais em que a esquerda está encerrada, aliar a defesa da democracia a um programa de inversão de prioridades. Não se trata sequer de propor uma nova constituição como aconteceu em outros países latino americanos. A nossa constituição não é a da ditadura, como a chilena, mas a de 1988, atacada diuturnamente pela direita.

Os prováveis aliados da esquerda só desejam saber se a chapa tem chances de vitória. O programa mínimo a ser adotado imporá balizas apenas às forças que polarizam o cenário político. Hoje, um bolsonarista jamais apoiaria o PT e vice versa. Já a maioria dos partidos situados entre os “extremos” eleitorais pode escolher qualquer um dos lados em função da expectativa de votos e ganhos materiais. Ou apostar numa “terceira via” que desde 1989 não deu certo.

Nessas circunstâncias, o PT poderia propor um programa mínimo ao candidato a vice e constrangê-lo a fazer a sua defesa explicitamente. Ele deve incorporar, entre as coisas que normalmente a esquerda defende, uma política econômica punitiva ao grande capital e ao rentismo, a nacionalização das empresas privatizadas, anulação da reforma trabalhista, um Tribunal de Manaus para julgar a família Bolsonaro e os militares envolvidos nos crimes da pandemia e finalmente exigir das Forças Armadas um pedido de desculpas ao povo brasileiro pela Ditadura Militar.

Isso sequer é certeza de fidelidade após a eleição. E nem sei se o vice se converteria publicamente. Mas Brasília bem vale uma missa.

*Lincoln Secco é professor do Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de História do PT (Ateliê).

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Henri Acselrad Flávio Aguiar Jorge Branco Marcos Silva Celso Favaretto Maria Rita Kehl Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Caio Bugiato Luís Fernando Vitagliano Daniel Brazil Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vanderlei Tenório Anderson Alves Esteves João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Fabbrini Manchetômetro Ricardo Musse José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Trivinho João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Kátia Gerab Baggio José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Anselm Jappe Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Yuri Martins-Fontes Lorenzo Vitral Tarso Genro Igor Felippe Santos Eleonora Albano Luiz Carlos Bresser-Pereira Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Módolo Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra Matheus Silveira de Souza Afrânio Catani Daniel Costa Rodrigo de Faria Juarez Guimarães Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Slavoj Žižek Rafael R. Ioris Marilia Pacheco Fiorillo Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Tales Ab'Sáber Tadeu Valadares Carla Teixeira Walnice Nogueira Galvão José Raimundo Trindade Luiz Marques Andrés del Río Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Leda Maria Paulani Salem Nasser Benicio Viero Schmidt Leonardo Sacramento Celso Frederico Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Salles Leonardo Avritzer José Machado Moita Neto Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Leonardo Boff Luiz Renato Martins Carlos Tautz Gerson Almeida Bruno Machado Mário Maestri Dênis de Moraes Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Antunes Milton Pinheiro Érico Andrade Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Francisco Fernandes Ladeira Otaviano Helene Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Lucas Fiaschetti Estevez Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Ricardo Abramovay Elias Jabbour Antonio Martins Michael Löwy Flávio R. Kothe Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Eduardo Soares Renato Dagnino Dennis Oliveira João Feres Júnior Atilio A. Boron Everaldo de Oliveira Andrade Heraldo Campos Michel Goulart da Silva João Lanari Bo Bernardo Ricupero Liszt Vieira Eugênio Bucci Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Luciano Nascimento José Luís Fiori Armando Boito Lincoln Secco Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary Chico Whitaker Michael Roberts Eliziário Andrade Antonino Infranca Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Denilson Cordeiro Berenice Bento João Carlos Loebens Remy José Fontana Alexandre de Lima Castro Tranjan Sandra Bitencourt Thomas Piketty André Singer Luiz Roberto Alves Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada