O que levou ao Golpe de 1964?

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GABRIEL TELES*

O golpe de 1964 emerge como solução para o problema de crise da acumulação de capital, criando condições para isso a partir de um generalizado processo repressivo

O período da ditadura militar brasileira (1964-1985) significa uma nova reconversão da forma estatal do país. Uma das fragilidades do capitalismo subordinado é o seu aparato estatal que oscila, efemeramente, entre regimes ditatoriais e democráticos. A questão aqui, no entanto, é analisar rapidamente as especificidades da ditadura militar que se iniciou com o golpe de Estado de 1964.

Dois são os elementos elementares para o desencadeamento do golpe militar de 64: as lutas dos trabalhadores, no cenário de crise mundial do regime de acumulação conjugado, e a busca pelo aumento da taxa de extração de mais-valor no capitalismo subordinado brasileiro – significando, portanto, maior exploração. É na década de 60 que aparece os primeiros sintomas da crise do capitalismo oligopolista transnacional: os Estados Unidos, maior potência econômica, apresenta déficits expressivos em sua balança comercial ao longo de toda a década de 50 além da queda da taxa lucro nos países europeus.

Consequência desse processo foi, além de outras ações, a necessidade de aumento da exploração nos países de capitalismo subordinado, especialmente via drenagem do mais-valor pelo capital transnacional. O período dos governos desenvolvimentistas populistas foi fundamental para a integral inserção do capital transnacional no país, sobretudo o governo de Juscelino Kubistchek, com a expansão da infraestrutura do país, significando a já mencionada tríplice aliança no capitalismo brasileiro da época.

Assim, se há o aumento da exploração, há a ampliação, igualmente, da resistência e das lutas dos trabalhadores e dos demais setores da sociedade. Há, então, uma guerra, especialmente no movimento operário, pelo nível salarial, que oscilava e perdia valor com as intensas inflações daquele período histórico.

A oscilação salarial, bem como a resistência operária e as lutas no interior da sociedade civil, interferem direta ou indiretamente no capitalismo mundial. Um dos fundamentos do capital transnacional é a transferência de mais-valor dos países subordinados para os países imperialistas, significando, portanto, uma interdependência. Daí a participação, fundamental, dos Estados Unidos no golpe de 1964. Benevides (2006) evidencia que a participação estadunidense na implementação do regime ditatorial brasileiro significou a necessidade de fortalecimento de uma política econômica que favorecesse, mais ainda, a entrada e consolidação das empresas multinacionais no Brasil.

Em síntese, havia um duplo descontentamento: de um lado, o capital transnacional e o capital nacional insatisfeitos com a queda da taxa de exploração, aprofundada com a crise no regime de acumulação conjugado; e, por outro, o movimento operário e outros setores da sociedade civil, que ficam com seus salários e suas condições de vida pauperizadas a cada ano. Assim, por razões opostas ou antagônicas, o descontentamento é generalizado, contribuindo para um maior acirramento dos conflitos sociais.

A renovação do regime ditatorial brasileiro, no contexto de 1964, tinha como determinação esse processo, obtendo êxito em dilacerar a resistência operária e da sociedade civil, além de expurgar os governos populistas que travavam, na principal forma de regularização da sociedade (Estado), medidas que possibilitassem uma necessária alta da taxa de lucro. Nesse sentido, o golpe de 1964 emerge como uma solução, tanto nacional quanto internacional, para o problema de crise da acumulação de capital, criando condições para isso a partir de um generalizado processo repressivo. É nesses moldes que surge o “milagre brasileiro”.

Gabriel Teles é doutorando em sociologia na Universidade de São Paulo (USP). É autor, entre outros livros, de Análise marxista dos movimentos sociais (Redelp).

Referências


BENEVIDES, Sílvio César Oliveira. Na Contramão do Poder: juventude e movimento estudantil. São Paulo: Annablume, 2006.

MARIANO, Nilson. As garras do condor: como as ditaduras militares da Argentina, do Chile, do Uruguai, do Brasil, da Bolívia e do Paraguai se associaram para eliminar adversários políticos. Editora Vozes, 2003.

TRAGTENBERG, Maurício. Exploração do Trabalho I: Brasil. In: Administração, poder e ideologia. 3. ed. rev. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

VALENTE, Rubens. Os fuzis e as flechas: História de sangue e resistência indígena na ditadura. São Paulo: Cia da Letras, 2017.

VALLE, Maria Ribeiro do. 1968: o diálogo é a violência – movimento estudantil e ditadura militar no Brasil. 2° ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2018.

VIANA, Nildo. Acumulação capitalista e golpe de 64. Revista História e Luta de Classes, Rio de Janeiro, v.01, n. 01, p. 19-27, 2005.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anderson Alves Esteves José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Paulo Nogueira Batista Jr Eduardo Borges Julian Rodrigues Airton Paschoa Sergio Amadeu da Silveira Slavoj Žižek Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Luiz Renato Martins Luiz Werneck Vianna Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro Érico Andrade Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Lincoln Secco Ricardo Musse Jorge Luiz Souto Maior Rafael R. Ioris Matheus Silveira de Souza Carla Teixeira Paulo Martins Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Juarez Guimarães Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Marcus Ianoni Michael Löwy Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Manuel Domingos Neto Antonino Infranca Henry Burnett Fernão Pessoa Ramos Marilena Chauí Bernardo Ricupero Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Michael Roberts Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Tadeu Valadares Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Luciano Nascimento Ronald León Núñez Thomas Piketty Luiz Roberto Alves Luiz Marques Mariarosaria Fabris Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro João Carlos Salles Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Jean Pierre Chauvin José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Paulo Fernandes Silveira João Sette Whitaker Ferreira Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Tales Ab'Sáber Luiz Eduardo Soares Dennis Oliveira Daniel Costa Fábio Konder Comparato Armando Boito Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Marcos Silva Anselm Jappe Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Rubens Pinto Lyra Andrés del Río Gabriel Cohn André Singer Elias Jabbour Flávio Aguiar Manchetômetro Gilberto Lopes Boaventura de Sousa Santos Marcelo Guimarães Lima Antonio Martins Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Michel Goulart da Silva Vladimir Safatle Berenice Bento Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto João Adolfo Hansen Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Jorge Branco Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Igor Felippe Santos Antônio Sales Rios Neto Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares Ricardo Antunes Rodrigo de Faria Celso Favaretto Ronald Rocha Remy José Fontana Chico Alencar João Feres Júnior Valerio Arcary Eleonora Albano Francisco Pereira de Farias Eugênio Trivinho Kátia Gerab Baggio Leda Maria Paulani José Dirceu Francisco Fernandes Ladeira Mário Maestri Leonardo Avritzer Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Afrânio Catani Denilson Cordeiro Vinício Carrilho Martinez José Luís Fiori Leonardo Sacramento Caio Bugiato Chico Whitaker José Costa Júnior Dênis de Moraes Gerson Almeida Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Eugênio Bucci Marjorie C. Marona Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos João Carlos Loebens Ricardo Abramovay João Lanari Bo Eliziário Andrade Claudio Katz Gilberto Maringoni Jean Marc Von Der Weid Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada