O golpe de estado em Washington: lições para o Brasil

Imagem: Luiz Armando Bagolin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

A invasão do Capitólio terá sido uma brincadeira, comparada com uma eventual tomada pelas hostes bolsonarianas, do Congresso Nacional, em Brasília

No meio da tarde de 6 de janeiro, assisti, transmitida ao vivo pela televisão, a criminosa invasão do prédio do Capitólio em Washington, onde ficam o Senado e a Câmara de Deputados dos Estados Unidos – vandalizados pelos apoiadores de Donald Trump, que também atacaram os congressistas.

Veio-me à cabeça outra invasão de Parlamento, na tentativa de golpe de Estado, pelas forças armadas na Espanha, em 23 de fevereiro de 1981. Os membros da Câmara de Deputados estavam em meio a uma votação. De repente, irrompe no plenário o tenente-coronel Antônio Tejero, da Guarda Civil, acompanhado de um grupo de homens, que se põem a atirar contra os deputados. Todos se agacham atrás de suas mesas. Somente permaneceram sentados, incólumes em meio à saraivada de balas, o presidente do governo Adolfo Suárez, o secretário-geral do partido comunista espanhol, Santiago Carrillo, e o vice-presidente do governo, tenente-general do exército Manuel Gutiérrez Mellado – que foi agredido por Tejero. Essa cena é descrita em um extraordinário livro, A Anatomia de um instante, de Javier Cercas.

Em Washington, os senadores, estendidos no chão, faziam dos móveis barricadas. Os invasores quebraram janelas para entrar, atacaram policiais, se instalaram na mesa da presidência do Senado. Enquanto a insurreição de Washington foi transmitida ao vivo, o vídeo do ataque à Câmara de Deputados na Espanha foi divulgado apenas depois de estancado o golpe de estado. Foi uma conspiração militar, sem participação popular, que pretendeu envolver o rei Juan Carlos I. O golpe em Madrid foi derrotado quando, na madrugada do dia 24 de fevereiro, o rei foi à TV condenar a tentativa frustrada. Em Washington, um dia antes, Trump insuflara suas hostes a um protesto com uso de força contra o Capitólio – que no dia 6 de janeiro confirmaria a eleição de Joe Biden para a presidência. Depois da invasão, que resultou em quatro mortes, Trump insistiu em denunciar uma suposta fraude no pleito e ainda declarou “adorar” os insurretos.

Que lições tirar, no Brasil, da tentativa de golpe contra o resultado das eleições presidenciais norte-americanas? A insurreição no Congresso em Washington não foi decorrência de uma conspiração militar, como em Madrid. Mas foi construída a partir de uma campanha consistente, durante quatro anos de solapamento das instituições democráticas, pelo presidente Trump, desde a campanha eleitoral até as acusações ao novo governo eleito.

Aqui, o presidente Jair Bolsonaro tem macaqueado impunemente, nos menores detalhes, a cantilena antidemocrática de Trump. Os ataques ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal, a desqualificação das oposições, a rotulação de governadores como inimigos, a tachação da imprensa como um bando de “canalhas” são evidências de seu objetivo de destruir o constitucionalismo democrático de 1988 para instalar uma autocracia. Todos os dias o presidente insufla seus apoiadores, exaltando torturadores, desqualificando as vítimas da tortura (como fez com a presidenta Dilma Rousseff), prometendo impunidade para a violência ilegal dos policiais militares e acirrando o negacionismo da pandemia.

Pelo andar dessa pregação autoritária, somada à denúncia preventiva de eleições fraudulentas e à desqualificação das urnas eletrônicas, o presidente Bolsonaro prepara o terreno para denunciar as eleições, caso venha a ser derrotado. Como disse em alto e bom som, logo depois do golpe em Washington, teimando delirantemente sobre a fraude da eleição de Biden, que foi confirmada pelo Congresso norte-americano: “Se aqui no Brasil tivermos o voto eletrônico em 2022, será a mesma coisa”. A invasão do Capitólio terá sido uma brincadeira, comparada com uma eventual tomada pelas hostes bolsonarianas, do Congresso Nacional, em Brasília.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado do Departamento de Ciência Política da USP e ex-ministro dos Direitos Humanos.

Publicado originalmente no blog da Comissão Arns.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • O STF, a Inteligência Artificial e a Justiça do Trabalhosouto-maior_edited 07/06/2024 Por JORGE LUIZ SOUTO MAIOR: A concretização da substituição do ser humano pela IA pressupõe que esta já foi treinada para atuar na forma desejada pela classe dominante
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • Registro sindicalMETRÔ 11/06/2024 Por LAWRENCE ESTIVALET DE MELLO & RENATA QUEIROZ DUTRA: O Ministério do Trabalho decidiu conceder registro sindical à Proifes. No entanto, registro sindical não é o mesmo que representação sindical
  • Confissões de uma senhora católicaMarilia Pacheco Fiorillo 11/06/2024 Por MARILIA PACHECO FIORILLO: O reacionarismo congênito não é apanágio apenas dos evangélicos
  • Literatura regionalista no século XXICultura o corredor 06/06/2024 Por DANIEL BRAZIL: Comentário sobre o romance de Benilson Toniolo
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES