As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Estratégia socializante

Imagem: Zhang Kaiyv
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Formação econômico-social na China

Tema caro de minha agenda de pesquisa e assunto que me ocupa todos os dias e me faz ter de ler o que tem sido produzido sobre tal. Não vou falar de “capitalismo de Estado” ou coisas do tipo, quero aqui tratar de outro ponto: o que determina a natureza de uma formação econômico-social? O poder sobre os meios fundamentais de produção ou as “relações de produção”? Em tese é uma resposta simples e que remete ao que vem primeiro, a economia ou a política.

Sendo a política primaz é evidente que a natureza de uma formação econômico-social deve recair sobre quem exerce o poder de fato e qual forma histórica de propriedade é a qualitativamente dominante. Por exemplo, apesar do setor privado empregar mais pessoas e o seu tamanho na China ser muito maior que setor público, não são as empresas privadas as responsáveis pela geração de efeitos de encadeamento sobre o restante da economia, muito menos dentro delas são gerados os ciclos de acumulação. É o setor público que concentra esse poder.

Diferente de economistas vulgares como Branko Milanovic que em seu best seller (Capitalism alone) determina a eternidade do capitalismo baseado em um aspecto puramente quantitativo das relações de propriedade na China, nós trabalhamos com o que foi descrito acima. E isso remete, de forma direta, a outra questão: qual a natureza do bloco histórico no poder na China? É igual ao da Coreia do Sul, Alemanha, EUA etc. ou seria de um novo tipo, de “estratégia socializante”. Essa resposta diz quase tudo. Mas economistas heterodoxos para demarcar conosco reduzem nossa opinião ao fato de que na China existe um sem número de empresas estatais e planificação econômica. Equivocado.

Os economistas heterodoxos não têm resposta ao que ocorre hoje na China, trabalham com a ideia ex ante à matéria e acham que a China aplica com criatividade teorias já elaboradas e que a leva a ser uma réplica do Japão, Coreia do Sul e do “Estado industrial” estadunidense. A separação entre teoria e história e entre sujeito e objeto se manifesta facilmente no momento em que o “novo” (a nosso ver a China inaugura uma nova dinâmica de acumulação que chamamos de “Nova Economia do Projetamento) não é enfrentado, pois não se consegue superar Kant e chegar a Hegel. Daí, diante do “novo” volta-se a uma análise baseada em “Estado, mercado e instituições” ou nas chamadas “variantes de capitalismo”

Já o equívoco fundamental dos marxistas acadêmicos/ocidentais é colocar Marx de cabeça para baixo e propor que as relações de produção determinam a natureza de uma formação econômico-social. Seguindo essa lógica, seria possível implantar o socialismo após o escravismo, por exemplo. A técnica e o aprofundamento da divisão social do trabalho nada que teriam a ver com o surgimento e o desenvolvimento do capitalismo e tudo se resolveria com um check-list moral e prévio: se tem mais-valia, mercado de trabalho e “exploração” é capitalismo.

Quem trabalha com esse tipo de abordagem está em franca oposição à história, enquanto forma de organização de pensamento, e consequentemente não percebe as continuidades e descontinuidades da história. Em outras palavras, nega-se Hegel e Marx para quem o concreto é síntese de múltiplas determinações e, agregamos, “combinações” (“a” + “b” + “c”) em favor do princípio da identidade Kantiana: “a” é diferente de “b”.

Trata-se de um “marxismo” que longe de ser capaz de encontrar síntese em algo, procura a manifestação no movimento real de algo que está pronto e acabado em suas próprias cabeças. Uma forma pequeno-burguesa de pensar, pois o exercício de poder político exige muito mais do que julgamentos morais e mais compromisso com a realidade da forma como ela se apresenta. A China é uma sociedade em trânsito do campo para a cidade e onde “contradições de múltiplas ordens” se manifestam de forma simultânea, inclusive aquelas condenadas pelos marxistas assustados com a destruição provocada pela Primeira Guerra Mundial: circulação de mercadorias, desigualdade social e territorial, moeda em sua forma mercadoria, mercado, setor privado e capitalismo.

Apontamos, em nosso livro China: o socialismo do século XXI (Boitempo) que a experiência chinesa deve ser observada como uma nova formação econômico-social que em seu seio emerge uma forma histórica ainda embrionária e que damos o nome de socialismo. Esse “socialismo embrionário”, como tudo na vida, opera sob condições históricas e geopolíticas não escolhidas pelo Partido Comunista da China. Elaboramos o conceito de “metamodo de produção” para identificar as amplas restrições impostas ao socialismo em realidades periféricas. Daí o setor industrial e a própria planificação econômicas serem orientadas ao mercado e atentas aos limites impostos pela lei do valor.

Em outros termos. Devemos sempre lembrar que Adam Smith percebeu no aprofundamento da divisão social do trabalho uma característica do capitalismo, Marx percebeu no socialismo a “superação da divisão social do trabalho”. Grande problema é que a história escreve certo por linhas tortas.

O socialismo é a única forma de organização de uma sociedade onde se começa literalmente do zero. Ou seja, em sociedades completamente destruídas. Isso significa que um país como a China em 1949 nem divisão social do trabalho existia, muito menos forças produtivas acumuladas capazes de suportar novas relações de produção. Um longo caminho ainda deverá ser trilhado pela experiência histórica do povo chinês, a começar pelo estrangulamento tecnológico imposto pelos EUA. Um obstáculo transponível e que deve ser observado como o “aspecto principal da contradição principal”, dado o fato de o imperialismo impor um muro ao desenvolvimento tecnológico do socialismo. Luta de classes em sua manifestação suprema.

O conceito se manifesta no movimento e não na vontade humana.

*Elias Jabbour é professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É autor, entre outros livros, junto com Alberto Gabriele, de China: o socialismo do século XXI (Boitempo).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mário Maestri Andrew Korybko Rubens Pinto Lyra Ronald León Núñez Thomas Piketty Marjorie C. Marona Marilena Chauí Mariarosaria Fabris Milton Pinheiro Lincoln Secco Michael Roberts Julian Rodrigues Renato Dagnino João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Antonio Martins João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira Gilberto Maringoni Lorenzo Vitral Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Henri Acselrad Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Chico Alencar Érico Andrade Henry Burnett Sandra Bitencourt Annateresa Fabris Jorge Luiz Souto Maior Osvaldo Coggiola Luís Fernando Vitagliano Marcus Ianoni Daniel Brazil Luiz Roberto Alves Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Valério Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Roberto Noritomi Ari Marcelo Solon Walnice Nogueira Galvão Dênis de Moraes Luciano Nascimento Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Chico Whitaker Marilia Pacheco Fiorillo Sergio Amadeu da Silveira Vladimir Safatle Juarez Guimarães Benicio Viero Schmidt Eleonora Albano Remy José Fontana Igor Felippe Santos Anselm Jappe Leda Maria Paulani José Costa Júnior Armando Boito André Márcio Neves Soares José Geraldo Couto Ricardo Fabbrini Bernardo Ricupero Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Lucas Fiaschetti Estevez Heraldo Campos Daniel Costa José Machado Moita Neto Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe Celso Frederico Berenice Bento Carla Teixeira Tadeu Valadares João Sette Whitaker Ferreira Slavoj Žižek Francisco de Oliveira Barros Júnior Dennis Oliveira Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Francisco Fernandes Ladeira André Singer Antonino Infranca Michael Löwy Ricardo Abramovay Eugênio Bucci José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid João Carlos Loebens Maria Rita Kehl Vinício Carrilho Martinez Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Luiz Marques Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Rodrigo de Faria Liszt Vieira Salem Nasser Anderson Alves Esteves Francisco Pereira de Farias Celso Favaretto Eduardo Borges Jean Pierre Chauvin Claudio Katz José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado Eugênio Trivinho Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Paulo Martins Flávio Aguiar Luiz Costa Lima Ronaldo Tadeu de Souza Ladislau Dowbor Luiz Werneck Vianna Afrânio Catani Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro Manchetômetro Gabriel Cohn Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Marcos Silva Eliziário Andrade Carlos Tautz José Dirceu José Raimundo Trindade João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Musse Caio Bugiato Gilberto Lopes Tarso Genro Rafael R. Ioris Valerio Arcary Airton Paschoa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada