As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Insuportável declaração pública de racismo

Imagem: Eugenio Gonzaga
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VINÍCIO CARRILHO MARTINEZ, VINÍCIUS VALENTIN RADUAN MIGUEL & ROBERTO KUPPÊ*

Conclamamos que o senador Magno Malta seja invocado por quebra de decoro, bem como responda judicialmente, sem as garantias da distorcida imunidade parlamentar

O jogador do Real Madri Vinícius Jr (Vini Jr) foi alvo de racismo e de xenofobia, mais uma vez, na Espanha. Já tinha visto inúmeras torcidas com o mesmo comportamento desumano, inclusive quando teve um boneco simbolizando sua pessoa ser enforcado numa ponte. Muita gente se solidarizou ao jogador, à pessoa, ao trabalhador brasileiro em solo espanhol. As lembranças e comparações com os piores efeitos do franquismo não foram efêmeras; ao contrário, foram assertivas. Afinal, estaria de volta o pesadelo do bicho Fauno? Aquele que foge do seu labirinto de trevas para assombrar a Humanidade? Os componentes parecem estar aí: racismo, xenofobia, desumanidade, perda da capacidade de interagir socialmente – até o limite da sociopatia.

Ao mesmo tempo em que a Câmara Federal aprovou moção de desagrado (por unanimidade)[i] aos atos de racismo e de desagravo às hostilidades que se abatem contra a dignidade humana – a ofensa de um racista atinge a toda a Humanidade –, no Senado Federal, em rota de colisão aos princípios humanistas, o senador Magno Malta se prestou a ofender ainda mais.[ii] Disse estar surpreso com a falta de ação dos defensores dos animais, por não se solidarizarem ao “macaco” jogador (sic).

Muito poderia ser dito, diante de tal afirmação, como já se disse, aliás; contudo, devemos centrar nossa atenção em alguns pontos iniciais e objetos desta peça de repúdio: (i) é muito cansativo ver parlamentares supremacistas, qualquer pessoa, invocarem o escárnio contra a Humanidade; (ii) também é cansativo defender continuamente a inteligência social que se povoa com o princípio da dignidade humana; (iii) o foco central desta repulsa tem embasamento na quebra de decoro parlamentar e, assim, a questão deve ser tratada pela presidência do Senado Federal; (iv) na esfera criminal, criou-se facticidade e autoria diante do cometimento de crime – trata-se do crime de incitação ao ódio racial, ao racismo.

A partir da Constituição Federal de 1988, lê-se que o tratamento penal deve ser exemplar, paradigmático, e, portanto, encontra-se para além dos preceitos pedagógicos da pena. Pois, insere-se na condição de afronta, desrespeito e pregação (supremacista/racista) de verdadeiro ódio racial.

Não bastassem os inúmeros entraves e problemas nacionais, como a desigualdade social e econômica, em que o conhecido racismo estrutural se apodera do pensamento escravista – certamente, a mais conhecida dissonância cognitiva entre nós –, um representante de Estado vem a público a fim de manifestar sua indisposição genética com a Humanidade.

Tornam-se, sempre, redundantes os dizeres e saberes contra o racismo e, talvez ainda mais urgente do que isso, torna-se inegável, indesculpável, irretratável, a apologia a mais e piores cometimentos de atos racistas. Concludente da incapacidade de convívio social – a par da incitação ao crime de racismo – o senador, enquanto representante de Estado, partícipe do pacto federativo, não pode confabular sobre assuntos de interesse nacional na casa do Senado.

Além da dignidade humana, foi atingido o córtex e cordis da moral pública. Lembremos que os senadores – a contar de sua presidência – encontram-se na linha sucessória do poder executivo central e isto, por óbvio, torna o referido senador (Magno Malta), a quem talvez também não alcance a identidade racial (uma vez que não é afeiçoado com o “branco caucasiano“), ainda mais impedido de continuar com suas funções públicas.

Se por acaso o Brasil, por exemplo, a partir do Senado Federal – que recentemente foi uma guarida contra o fascismo nacional –, viesse a promover um ajuste de contas histórico contra o racismo, propondo-se um “arcabouço social e racial”, com indenizações raciais e punições exemplares aos racistas, por onde caminharia o voto de excelência do senador Magno Malta?

Se o país tivesse que ratificar uma declaração internacional (outra) em defesa, reconhecimento e promoção dos direitos humanos, como votaria a insigne excelência, se, em ato lastimável, lança-se em direção à incitação de crimes raciais?

Conclamamos que vossa excelência, na condição da presidência do Senado Federal, faça ressurgir os princípios republicanos que se decantam desde a era romana do inigualável Cícero – senador que abrilhantou o Senado da Roma antiga.

Vejamos em brevíssima comparação o sarcasmo de origem racista/supremacista do senador Magno Malta – e que nos provocam as piores angústias de todas as dores da escravidão brasileira e do holocausto judeu, sob o nazismo de Hitler –, com o gênio do senador romano. No nosso recorte, assim nos ensina o passado de Cícero: “(1) A felicidade está na perfeita Constituição Política. (2) Na República predomina a Justiça. (3) Governar a República é converter a teoria em prática. (4) O governo com justiça eleva a “herança da humanidade”. (5) A virtude está em combater as injúrias e a iniquidade. (6) O povo deve seguir o exemplo dos melhores. (7) Para o republicano, a felicidade está em combater a ignorância.

(8) O homem digno da República reúne os atributos da humanidade. (9) A maior utilidade da República está na dissolução da discórdia. (10) Os fundamentos da República estão no consentimento jurídico e na utilidade comum. (11) A República une os homens por “vínculos de simpatia”. (12) A dissensão promove discórdia; a igualdade traz equilíbrio social. (13) A igualdade de direitos é imperativa. (14) O Estado deve ser uma sociedade para o direito. (15) Deve-se proteger o Estado contra o furor. (16) O cuidado e o zelo evitam os extremismos. (17) Da excessiva liberdade surge o tirano. (18) A República é como uma obra de arte, deve-se restaurar para manter.

(19) É preciso combater os vícios públicos para restaurar a paz. (20) A astúcia de governar provém do horror da desonra. (21) A República é uma sociedade de homens formada pelo império do direito. (22) É obrigação do político tecer uma sólida trama social. (23) O homem político deve tecer uma rede entre a Polis e a convivialidade. (24) A política deve promover a unidade da cidade.” (Marco Túlio Cícero, Da República).

Conclamamos que a mais alta representação política do Estado Nacional e da sociedade brasileira, guardião do pacto federativo, possa reunir a verdadeira vaidade do legislador honrado em seu fazer público.

Conclamamos que o senador Magno Malta seja invocado por quebra de decoro, bem como responda judicialmente, sem as garantias da distorcida imunidade parlamentar – uma vez que o instituto republicano não se presta a acobertar crimes de natureza racial ou de qualquer outra natureza. Não é preciso recordar que não há liberdade de expressão parlamentar que se esconda na incitação ao crime de ódio racial – vossa excelência é mais do que conhecedor dos fatos e da natureza jurídica que nos alberga o princípio da dignidade humana, conforme a carta política de 1988.

Conclamamos a que o principal efeito aqui postado e desejado – a perda do mandato legislativo, com amparo na declaração senatorial (e letal) contra a dignidade humana – conheça efeitos imediatos e que quaisquer ações em contrário, igualmente, conheçam a perda imediata de suas postulações. Dito isso, esse parecer opina que ocorreu o crime de racismo, que enseja a perda de mandato por se enquadrar como quebra de decoro.

Assinam o texto um coletivo de pessoas indignadas com o racismo, a falta de respeito, a incivilidade – protocolado no Senado Federal e no Ministério Público Federal.

*Vinício Carrilho Martinez é professor do Departamento de Educação da UFSCar.

*Vinícius Valentin Raduan Miguel é professor no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Rondônia.

*Roberto Kuppê é jornalista.

Notas


[i] Veja-se em: https://www.geledes.org.br/camara-aprova-por-unanimidade-mocao-de-repudio-a-atos-de-racismo-contravini-jr/?utm_source=pushnews&utm_medium=pushnotification

[ii] Veja-se em: https://www.cnnbrasil.com.br/politica/cade-os-defensores-da-causa-animal-que-nao-defendemo-macaco-questiona-magno-malta-ao-falar-sobre-racismo-contra-vini-jr/


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Tadeu Valadares José Costa Júnior Manuel Domingos Neto Alysson Leandro Mascaro Slavoj Žižek Daniel Costa Eleonora Albano Daniel Brazil Flávio R. Kothe Eugênio Bucci Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Michael Löwy Alexandre Aragão de Albuquerque Dênis de Moraes Berenice Bento Marilena Chauí Benicio Viero Schmidt Ronald Rocha José Dirceu Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Vanderlei Tenório Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris Michael Roberts Celso Favaretto Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Atilio A. Boron José Luís Fiori Chico Whitaker Francisco Pereira de Farias Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Claudio Katz Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Eliziário Andrade Otaviano Helene Anderson Alves Esteves Luiz Costa Lima Leonardo Avritzer Elias Jabbour Marcelo Módolo Mariarosaria Fabris Eleutério F. S. Prado Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Bueno Maria Rita Kehl Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa José Raimundo Trindade Ricardo Fabbrini Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Jorge Branco José Machado Moita Neto Gerson Almeida João Feres Júnior Rodrigo de Faria Thomas Piketty Afrânio Catani Samuel Kilsztajn Remy José Fontana Mário Maestri Marcus Ianoni Gilberto Maringoni Dennis Oliveira Luiz Marques Gilberto Lopes Paulo Martins Luiz Eduardo Soares Eugênio Trivinho Luís Fernando Vitagliano Ronaldo Tadeu de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Annateresa Fabris Paulo Capel Narvai Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Bruno Machado João Sette Whitaker Ferreira Lorenzo Vitral João Carlos Salles Priscila Figueiredo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez João Carlos Loebens Henry Burnett Luis Felipe Miguel Leonardo Boff Antonio Martins José Geraldo Couto Luiz Renato Martins João Paulo Ayub Fonseca Luciano Nascimento Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira André Singer Valério Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Ricardo Musse João Lanari Bo Marcos Silva Anselm Jappe Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Ari Marcelo Solon Osvaldo Coggiola Liszt Vieira Salem Nasser Julian Rodrigues Érico Andrade Ricardo Abramovay Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves Antonino Infranca Valerio Arcary Eduardo Borges Everaldo de Oliveira Andrade Jean Marc Von Der Weid Juarez Guimarães José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Ladislau Dowbor Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Renato Dagnino Manchetômetro Sergio Amadeu da Silveira Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Denilson Cordeiro Igor Felippe Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada