As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O lugar das vivências humanas

Imagem: Engin Akyurt
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

Considerações sobre a pedagogia de Paulo Freire

O filósofo Ernani Maria Fiori definiu Paulo Freire como “um pensador comprometido com a vida, que não pensa ideias, pensa a existência”. Uma forma sensível e arguta de tratar a obra de quem jamais pensou a vida de forma dissociada do mundo, o lugar das vivências humanas.

Como o pedagogo da liberdade e da autonomia, ele se opôs à ideia de que nossa vida seja algo previamente traçado e independa de como agimos e pensamos. Para Freire, ao contrário, a vida é “algo que precisa ser feito e cuja responsabilidade não posso me omitir”.

Esta é a razão pela qual Paulo Freire considera o processo de aprendizado como não restrito às salas de aulas, por mais relevantes que elas sejam, pois é vivendo que aprendemos e ganhamos consciência do mundo. A vida, para ele, é um “texto para ser constantemente “lido”, interpretado, “escrito” e “reescrito”, num processo de conhecimento que só pode ser plenamente realizado ao agir no mundo. É assim que nos constituímos como ser humano.

Se agir no mundo é a forma de pensarmos e tomar consciência de nós mesmos e da sociedade em que vivemos, esse mundo só pode ser compreendido como a interação da sociedade e da natureza, na qual é realizado um permanente processo de criação e recriação, da natureza, da sociedade e dos indivíduos.

Ao pensar a vida como permanente criar e recriar, a pedagogia de Paulo Freire age como um verdadeiro aríete contra o “a ideologia fatalista e imobilizante que anima o discurso neoliberal”, que está sempre tentando nos fazer crer que “não há nada que fazer”.

Esse discurso da “desesperança”, contra o qual a sua pedagogia da liberdade se insurge é a ideologia neoliberal, fatalista e acomodada, que deseja suprimir a “força criadora do aprender” e, portanto, do transformar.

Enquanto a vida não acabar há história e, portanto, há futuro para ser construído, um futuro que pode ser “problemático, mas não inexorável”, pois o patrono da educação brasileira nos ensina que “onde há vida, há inacabamento” e, portanto, espaço para construção do novo, para transformações.

Para Paulo Freire, é da natureza dos seres humanos ir além dos condicionamentos, pois somos dotados da “força criadora do aprender” e, portanto, de transformar, pois o futuro nunca é algo dado, ele precisa ser construído. Contra a desesperança, portanto, a pedagogia freiriana afirma a esperança nas capacidades da liberdade da humanidade.

Mesmo que nossa existência seja condicionada por fatores culturais, de organização do poder e pelo ambiente natural, isto não significa que somos “determinados”. Nós somos capazes de perceber que “os obstáculos não se eternizam” e, portanto, são passíveis de superação pela ação coletiva e consciente no mundo.

Hoje, sequer a história natural é tida como o campo das determinações. Ela é compreendida como sendo sujeita a desvios, incertezas e bifurcações, o que faz dela, nas palavras do Prêmio Nobel de Química, Ilya Prigogine “uma criação de possibilidades, as quais algumas se realizam, outras não”.

Portanto, a verdadeira conexão entre história natural e história humana é a incerteza e a própria vida é o espaço pedagógico no qual tomamos consciência daquilo que somos, sem vida não há consciência social e percepção do mundo natural. É por isto que a consciência se constitui como consciência do mundo, conforme as palavras de Ernani Maria Fiori e ninguém se conscientiza separadamente dos demais, pois a consciência é um ato social.

Em um dos seus últimos escritos, Paulo Freire mostra a urgência de assumirmos a luta pelos princípios éticos fundamentais como o respeito à vida dos seres humanos, à vida dos outros animais, à vida dos pássaros, à vida dos rios e das florestas. Ele afirma não crer “na amorosidade entre mulheres e homens, entre os seres humanos, se não nos tornamos capazes de amar o mundo”. Para ele, assim, a ecologia ganha uma importância fundamental neste fim de século.

Não é por outra razão que a sua obra é um dos principais alvos desse momento de intolerância ao saber, à ciência, à proteção ambiental. Sua vida e sua obra são uma crítica radical ao fatalismo que tenta impor o mundo presente como o único possível.

A nau da insensatez que apoia a necropolítica em curso no país combate Paulo Freire com furor, pois a sua pedagogia é subversiva da ordem vigente, que só admite um ensino que ajude a perpetuar a obscena desigualdade social e a imensa degradação ambiental. Assim, é preciso amar a vida para compreender Paulo Freire.

*Gerson Almeida é mestre em sociologia pela UFRGS.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henry Burnett Benicio Viero Schmidt Luciano Nascimento Flávio R. Kothe Andrew Korybko Ricardo Antunes João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Ricardo Abramovay Ronald León Núñez Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Eugênio Trivinho Julian Rodrigues Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Valério Arcary Heraldo Campos Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha Leonardo Boff Otaviano Helene Maria Rita Kehl Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Fábio Konder Comparato Marilena Chauí Remy José Fontana Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Salem Nasser Igor Felippe Santos Francisco de Oliveira Barros Júnior Annateresa Fabris Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Liszt Vieira Manchetômetro Carla Teixeira Eugênio Bucci Michael Löwy Eleonora Albano Antonino Infranca Luiz Renato Martins Manuel Domingos Neto Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto Gabriel Cohn Milton Pinheiro Thomas Piketty Armando Boito Leonardo Sacramento Dennis Oliveira Marcos Silva Leonardo Avritzer Anderson Alves Esteves Ari Marcelo Solon Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Claudio Katz Fernão Pessoa Ramos Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Osvaldo Coggiola José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Airton Paschoa Lorenzo Vitral José Micaelson Lacerda Morais Paulo Martins Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Renato Dagnino Paulo Capel Narvai João Paulo Ayub Fonseca André Singer Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Gilberto Maringoni Tadeu Valadares Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Rodrigo de Faria Luiz Marques Tarso Genro Daniel Brazil Alexandre de Freitas Barbosa Mário Maestri José Costa Júnior Flávio Aguiar Roberto Bueno Daniel Costa Jorge Branco Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron Michael Roberts João Feres Júnior Henri Acselrad Marcelo Módolo Ricardo Musse Chico Whitaker Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi Paulo Fernandes Silveira Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Lima Castro Tranjan Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Costa Lima Rubens Pinto Lyra Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Vanderlei Tenório Marilia Pacheco Fiorillo Chico Alencar João Carlos Loebens Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Lincoln Secco José Dirceu Jorge Luiz Souto Maior Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto Elias Jabbour Luiz Eduardo Soares José Geraldo Couto José Luís Fiori Marjorie C. Marona Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Celso Frederico Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Érico Andrade João Lanari Bo Valerio Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Lopes Sergio Amadeu da Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada