Militares, civis e o golpe

Imagem: Anna Shvets
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

As lideranças e os partidos de esquerda precisam discutir projetos para modernizar as três armadas e profissionalizar a formação a fim de afastar os militares da política

Ao discutir a possibilidade de Jair Bolsonaro efetivar um “golpe” contra as instituições, é importante considerar que isso já aconteceu, em 2016, quando a presidente Dilma Rousseff foi submetida a um fraudulento processo de impeachment. Dar um golpe é como abrir uma porta sem saber o que há do outro lado. No nosso caso, havia Bolsonaro.

Mau militar, bom miliciano e parlamentar medíocre, Jair ofereceu às Forças Armadas (FA) aquilo que elas jamais tiveram após o fim da ditadura militar: a legitimidade do voto para voltar ao poder. Contando com um sistema partidário fragmentado e uma classe política devastada pelas investidas do poder judiciário -a operação Lava Jato prendeu ilegalmente Lula, líder nas pesquisas -, Bolsonaro e os milicos voltaram à presidência sem precisar de tanques nas ruas. A “tutela militar”, instalada com a fundação da República (1889), parecia assegurada, com garantias de expansão sobre o Estado e as instituições.

No entanto, a pandemia do novo coronavírus escancarou o despreparo do Poder Executivo para lidar com a situação de crise. Generais e Oficiais, ocupantes dos principais cargos no governo, agiram com indiferença e incompetência em suas funções. O ministério da Saúde, comandado pelo general Pazuello, da Ativa, é o exemplo mais doloroso dos custos de ter militar sem expertise em cargo estratégico. Até aqui, foram quase 600 mil vidas de brasileiros e uma crise sem precedentes desde a redemocratização. Como a conta sempre chega, a última pesquisa Poder Data mostrou um aumento na parcela da população que avalia o trabalho das forças armadas como ruim/péssimo e uma queda nos índices de ótimo/bom. Tudo isso reflete também a ação da CPI do Genocídio, cujas revelações escancararam para o público “a banda podre das forças armadas”: Oficiais corruptos que tentaram lucrar com a compra de vacinas enquanto brasileiros morriam aos milhares todos os dias. Os Oficiais responsáveis foram chamados a dar explicações. Mentiram desbragadamente e jogaram na cara de toda a sociedade que a “palavra de fé pública”, garantida aos militares, não passa de licença para delinquir.

Daí que surgem as ameaças de golpe, estória de voto impresso e desfile de sucatas para ameaçar (?) a sociedade. Cedendo à “tutela militar”, o judiciário convidou integrantes das forças armadas para compor uma “Comissão de Transparência Eleitoral”, notícia que só veio a público por descuido de seu realizador, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso- como se militares profissionais tivessem qualquer coisa a ver com processo eleitoral para terem a legitimidade de compor uma comissão dessa natureza(!). Tudo isso nos mostra que a união das instituições que deram o golpe, em 2016, apesar de abalada, não foi rompida. Prontamente, cinco ex-presidentes buscaram consultar os chefes militares sobre a possibilidade de um golpe que impeça as eleições de 2022. Os Oficiais afirmaram que o pleito irá acontecer e a posse será garantida. Minimizaram a participação de Bolsonaro em solenidades e formaturas militares com sinais de que não haverá quebra de hierarquia. Levantaram, todavia, a possibilidade de que o mesmo não ocorra com as Polícias Militares, contaminadas pelo bolsonarismo e a milícia, sujeitas a agitações que possam tumultuar o processo.

Convém lembrar que os militares estão assegurados em salários, cargos, benefícios e orçamento, de modo que há muito a perder ao sair do governo, principalmente agora que as instituições avançam para punir os milicos responsáveis pelos crimes da pandemia. Assim, não se pode descartar a possibilidade de que o plano seja insuflar Bolsonaro em suas ameaças golpistas, participando e sendo conivente com cada ato. Ampliar a tensão política até que seja inevitável o motim de milicianos e radicais neofascistas que querem fazer aqui o Novo Capitólio. Neste cenário, as forças armadas “profissionais e comprometidas com a Constituição e a democracia”, surgiriam como garantidoras “da lei e da ordem” (de acordo com o artigo 142 da Constituição) debelando os sublevados e carimbando para si o heroísmo do ato cívico que é premiado com outra saída conciliada do poder, sem que haja punições pelos crimes cometidos durante a pandemia. A tática política dos milicos é sempre a mesma: criar o problema para, em seguida, se apresentar como solução.

As Forças Armadas devem servir ao Brasil e não o contrário. As lideranças e os partidos de esquerda precisam discutir projetos para modernizar as três armadas e profissionalizar a formação a fim de afastar os militares da política, colocando um basta à secular “tutela militar”. Dado o inevitável desgaste de credibilidade das FA constatado junto à sociedade, o momento político nunca foi tão propício. A população precisa conhecer e adquirir consciência sobre as consequências nefastas da promiscuidade entre poder militar e poder político. Claro que há setores da sociedade civil que têm medo ou até mesmo apreciam a famigerada “tutela militar”, em muito por ela garantir seus interesses de grupo e classe. Mas o confronto é inevitável e, ao considerar o alerta que levou o general Braga Netto, advertido que poderia ser preso se tentasse impedir as eleições de 2022, pode ser que algo esteja mudando em nossa sociedade. Tomara.

*Carla Teixeira é doutoranda em história na UFMG.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Marcos Aurélio da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo Airton Paschoa Ricardo Musse Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Kátia Gerab Baggio Sandra Bitencourt Dennis Oliveira João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Mário Maestri Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Atilio A. Boron Luiz Marques Daniel Afonso da Silva Thomas Piketty Berenice Bento Liszt Vieira Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado Ari Marcelo Solon Salem Nasser André Márcio Neves Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernão Pessoa Ramos Renato Dagnino Valerio Arcary Lorenzo Vitral Eugênio Trivinho Celso Favaretto Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani Valerio Arcary Luiz Renato Martins Elias Jabbour Manchetômetro Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Michel Goulart da Silva Carla Teixeira Flávio Aguiar João Adolfo Hansen Daniel Costa Gerson Almeida Annateresa Fabris Chico Alencar Érico Andrade Tarso Genro Luciano Nascimento Milton Pinheiro Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Michael Löwy Marjorie C. Marona Jean Marc Von Der Weid Antonio Martins Ricardo Antunes Gabriel Cohn José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Henry Burnett Eugênio Bucci Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade João Carlos Loebens Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Leonardo Boff João Feres Júnior Remy José Fontana Antonino Infranca Carlos Tautz Andrés del Río Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano José Micaelson Lacerda Morais Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles José Costa Júnior Tadeu Valadares Eduardo Borges Celso Frederico Marcus Ianoni Jorge Luiz Souto Maior Francisco Pereira de Farias Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Martins Vladimir Safatle Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Claudio Katz Ronald León Núñez Matheus Silveira de Souza Ronaldo Tadeu de Souza Jorge Branco Armando Boito Afrânio Catani Slavoj Žižek João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Gilberto Lopes Eleonora Albano Juarez Guimarães Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Heraldo Campos Flávio R. Kothe Luis Felipe Miguel Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Leonardo Avritzer Samuel Kilsztajn Otaviano Helene José Luís Fiori Caio Bugiato André Singer José Dirceu Maria Rita Kehl José Geraldo Couto Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Fábio Konder Comparato Ricardo Abramovay Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris Anselm Jappe Leonardo Sacramento Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes Gilberto Maringoni Lincoln Secco Alysson Leandro Mascaro Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES