As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O moralista virtual

George Grosz, O Eclipse do Sol, 1926.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

O “moralista virtual” se considera o guardião da ética, moral, bons costumes e tudo o que se possa esperar de um “cidadão de bem”

Antes do surgimento das redes sociais, se quiséssemos conhecer as personalidades mais obscuras, ou entender até que ponto pode chegar a incoerência humana, deveríamos fazer extensas pesquisas sobre diagnósticos relatados em obras acadêmicas de cunho psicanalítico. Já nos dias de hoje, para a mesma tarefa, basta acessarmos o Facebook, Instagram, Twitter ou WhatsApp.

Assim, numa época de crise política, e consequente radicalização ideológica, um peculiar tipo de internauta tem chamado bastante a atenção: trata-se do “moralista virtual”. Conforme o epíteto sugere, o “moralista virtual” se considera o guardião da ética, moral, bons costumes e tudo o que se possa esperar de um “cidadão de bem”. Seu principal mantra é verbalizar contra a corrupção.

Entretanto, embora aparentemente bem-intencionado, este discurso é extremamente seletivo, pois localiza práticas consideradas ilícitas somente na esfera estatal e, sobretudo, em um partido político específico: o PT.

O “moralista virtual” adora compartilhar frases de efeito, tipo “sou contra a corrupção, todos os políticos devem ser presos, doa a quem doer, independente do partido”, mas, curiosamente, suas críticas também só são destinadas a políticos petistas.

O “moralista virtual” foi para a rua e vestiu a camisa da seleção brasileira em junho de 2013, protestou contra o governo Dilma Rousseff na avenida Paulista, dois anos depois, soltou foguetes quando Lula foi preso e vibrou com a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República. Mas se calou em relação a casos de corrupção ligados a legendas da direita política.

Ele também se orgulha de atrelar sua conduta exemplar a forte religiosidade cristã. Segue fielmente o mandamento que diz para amar ao próximo como a si mesmo, desde que o “próximo” não seja negro, pobre, comunista ou LGBTQIA+.

Para o “moralista virtual”, “bandido bom é bandido morto” (de preferência morador de comunidade carente), feminismo é coisa de “mulher mal-comida” (a “feminazi”), reforma agrária representa “dar terra para os vagabundos do MST” e cotas raciais constituem um preconceito às avessas.

Segundo o “moralista virtual”, o mundo hoje está muito chato. Cheio de mi-mi-mi. “Não posso nem mais expressar meus preconceitos e ódios em paz”, deve pensar sistematicamente o “moralista virtual”. Telespectador assíduo de programas policialescos, o “moralista virtual” considera que os direitos humanos foram feitos para “defender vagabundo e criminoso” (“os direitos dos manos”), mas, quando seus colegas foram presos em Brasília, por tentativa de golpe, em 8 de janeiro, ele pediu “tratamento digno”.

O “moralista virtual” demoniza o Estado e idolatra o mercado. O discurso da “meritocracia” é um de seus preferidos: “as oportunidades são iguais para todos, só não se dá bem na vida quem não quer ou não tem capacidade”. Contudo, as ideias liberais só valem para o âmbito econômico. Liberdades políticas, como legalização das drogas, permissão do aborto ou união homoafetiva estão fora de cogitação, pois colocam em risco a tradicional família brasileira.

Por outro lado, o moralismo aqui citado só se aplica às redes sociais.  Na realidade, as coisas são bem diferentes. O “moralista virtual”, em seu cotidiano, pratica “pequenas corrupções”, “fura” a fila do banco, estaciona seu carro em local destinado a pessoas com deficiência, sonega impostos e, não raro, obtém favores ilegais de autoridades públicas.

Enfim, o “moralista virtual” é o típico exemplo de “faça o que eu digo (na internet) e não o que eu faço (na vida real)”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em Geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (Editora CRV).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Henri Acselrad Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Julian Rodrigues Valério Arcary André Márcio Neves Soares Fernão Pessoa Ramos Paulo Nogueira Batista Jr Vanderlei Tenório Jean Marc Von Der Weid Francisco Pereira de Farias Maria Rita Kehl João Paulo Ayub Fonseca Rafael R. Ioris Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais José Luís Fiori Tarso Genro João Lanari Bo Valerio Arcary José Raimundo Trindade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Gabriel Cohn Luiz Marques Celso Favaretto Ricardo Fabbrini Thomas Piketty Ricardo Antunes Carlos Tautz Ricardo Abramovay Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Gilberto Maringoni Paulo Martins Milton Pinheiro Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Fábio Konder Comparato Eduardo Borges Jorge Branco Luciano Nascimento Leda Maria Paulani José Costa Júnior Daniel Brazil Liszt Vieira Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Fernando Nogueira da Costa Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Luiz Bernardo Pericás Lincoln Secco José Geraldo Couto Eliziário Andrade Daniel Costa Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Chico Whitaker Michael Löwy Eugênio Trivinho Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Frederico Vinício Carrilho Martinez Luiz Costa Lima Slavoj Žižek Sandra Bitencourt Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Bucci João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Roberto Bueno Denilson Cordeiro Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Tales Ab'Sáber João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Marcus Ianoni José Dirceu Walnice Nogueira Galvão Antonino Infranca Afrânio Catani André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Marcos Silva Bento Prado Jr. Berenice Bento Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Gerson Almeida Juarez Guimarães Remy José Fontana Michael Roberts Claudio Katz Dênis de Moraes Otaviano Helene Andrew Korybko Érico Andrade Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Ronald Rocha Leonardo Avritzer Ricardo Musse João Feres Júnior Heraldo Campos Mariarosaria Fabris Roberto Noritomi Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Armando Boito Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Marjorie C. Marona Eleonora Albano Rodrigo de Faria Manchetômetro Salem Nasser Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Carla Teixeira Vladimir Safatle Renato Dagnino João Carlos Salles Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Rubens Pinto Lyra Atilio A. Boron Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado José Machado Moita Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada