As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Quéreas & Calírroe

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ADRIANE DA SILVA DUARTE*

Apresentação do livro recém-publicado de Cáriton de Afrodísias, um dos primeiros romances escritos no Ocidente

Quéreas e Calírroe está entre os primeiros romances escritos no Ocidente, se é que assim podemos chamar o pedaço de mundo entre Europa e Ásia onde hoje fica a Turquia e antes estava a Cária. De seu autor sabe-se apenas o que o narrador do romance enuncia em primeira pessoa logo nas primeiras linhas: “Eu, Cáriton de Afrodísias, secretário do orador Atenágoras, vou narrar uma história de amor que aconteceu em Siracusa”.

Para além dessa passagem, que, note-se, está inserida na própria obra, Cáriton é um ilustre desconhecido — como de resto o são praticamente todos os demais romancistas na Antiguidade, o que denota certo desprestígio do gênero entre a elite cultivada. Seu nome, que deriva da palavra grega charis (graça, beleza, encanto), sugere um pseudônimo, ainda mais em conjunção com o de sua cidade natal. Afrodísias designa o que pertence a Afrodite, a deusa do amor e do prazer sexual, que ali recebia culto.

Ou seja, Cáriton de Afrodísias pode ser traduzido livremente como “Senhor encantador da cidade do amor”, uma alcunha bem a propósito a quem se dedica à literatura de temática amorosa. O nome, no entanto, tem registro epigráfico, e a cidade, de colonização grega, era um próspero centro político e cultural nos períodos helenístico e imperial, mantendo intenso contato com Roma.

Afrodísias, hoje, abriga um importante sítio arqueológico, de modo que se sabe muito sobre a cidade e quase nada sobre Cáriton. Nem mesmo a menção ao rétor Atenágoras — que traduzi por “orador”, mas também poderia ser entendido como “advogado” — ajuda a situar nosso autor, uma vez que o nome é bastante recorrente na documentação da cidade, ocorrendo em vários períodos, mas sem apontar para nenhum indivíduo notável. No entanto, a posição de Cáriton como secretário de um rétor implica uma figura letrada, versada em retórica e a par das questões políticas de seu tempo. Esse perfil, ficcional ou não, se comprova pela escrita do romance, no qual, em prosa bastante elegante, fica evidente a familiaridade com Homero e Tucídides, entre outros autores gregos clássicos.

A datação do romance é em grande parte conjectural, dada a ausência de evidências internas ou externas que permitam apontar com exatidão o momento de sua composição. Se hoje ele é localizado quase de forma consensual na metade do século I d.C., no período neroniano, há cem anos, de modo contrário, era tido como o último dos exemplares do cânone romanesco grego e datado dos séculos IV-V d.C. A descoberta de papiros, o estudo de fragmentos de obras perdidas e o avanço na análise das relações intertextuais entre os romances gregos supérstites produziram essa reviravolta na cronologia, que alçou Quéreas e Calírroe ao princípio da série, posição que disputa com As Efesíacas (ou Ântia e Habrócomes), de Xenofonte de Éfeso, obra com que comunga características comuns e que é situada geralmente no início do século II d.C. Alguns estudiosos, com destaque para Tilg, consideram Cáriton o “inventor” do romance romântico (ideal love novel) e Quéreas e Callíroe, o texto arquetípico dessa produção.

Invenção pode parecer uma forma imprópria de pensar o nascimento de um gênero. Mas era exatamente isso que defendia Perry, um dos responsáveis por colocar o romance antigo no mapa literário. Para ele, “o primeiro romance foi deliberadamente planejado e escrito por um autor individual, seu inventor”, que “o concebeu em uma tarde de terça-feira, em julho, ou em outro dia ou mês”. Na concepção do autor, a visão de mundo e as condições históricas que a embasam certamente influenciam a conformação genérica, mas o produto final, a obra, é sempre fruto do gênio de um escritor.

Cabe aqui, contudo, a ressalva de Brandão, para quem “o inventor individual que teve a sua ideia numa terça-feira não passa de uma bela (e romântica!) imagem”. Em vez de apontar o suposto inaugurador do romance, é mais producente buscar sua origem na rede de obras cujas características comuns vão criando relações e consolidando paradigmas de gênero.

Se não é possível (ou mesmo relevante) dar a Cáriton o título de fundador dessa empresa, não é acidental que Afrodísias seja o epicentro dessa novidade. Bowie, na discussão que faz da cronologia dos primeiros romances gregos, arrisca o palpite de que, afinal, talvez algo tenha se passado numa calorenta terça-feira de um julho qualquer, mas não em uma parte aleatória do ecúmeno. Para ele, o fato de Eros ter se tornado o centro desse gênero novo não é explicável apenas pelas mudanças sociais e políticas, mas também pelo predomínio que o culto de Afrodite assumiu nessa parte do planeta. Assim, em meados do século I d.C., “na florescente cidade de Afrodísias, sede de um culto importante de Afrodite”, “um escritor ou escritores desenvolveram uma fórmula de sucesso”, que logo se disseminou pelo mundo habitado. E qual seria essa fórmula? A abertura de Quéreas e Calírroe a enuncia: a narrativa de uma história de amor (pathos erotikon, em grego).

O enredo típico do romance antigo traz ao primeiro plano um casal de adolescentes, belos e pertencentes à aristocracia local, que se apaixona à primeira vista, enfrenta uma série de adversidades que resultam em separação, errâncias, assédios, até que se reencontra e retorna à cidade natal, onde poderá, por fim, desfrutar de seu amor. A idealização da paixão amorosa reside na sua predestinação, já que a atração se dá à primeira vista, muitas vezes por ensejo de uma divindade (Eros ou Afrodite), e é duradoura, capaz de resistir às diversas provações que ameaçam a reunião dos jovens. A correspondência do sentimento não deixa de ser uma novidade numa sociedade em que as relações eróticas revelam-se assimétricas: o amante, ativo, impondo-se sobre o amado, passivo, sendo que os casamentos não passavam de arranjos entre famílias, desconsiderando as inclinações dos noivos — muito particularmente, a das noivas.

Quéreas e Calírroe narra a história de amor dos personagens homônimos. Calírroe, dona de uma beleza sem igual, é comparada no início do romance à própria Afrodite, deusa com quem mantém forte ligação ao longo da obra. Quéreas não se assemelha a um deus, mas se equipara aos Aquiles, Hipólito e Alcebíades, todos paradigmas de beleza masculina na Antiguidade. Ela era a filha do respeitado governante local, Hermócrates de Siracusa, figura histórica, retratada por Tucídides em História da Guerra do Peloponeso como um dos líderes da resistência à invasão ateniense à Sicília (415 a.C.). O prestígio do pai, somado à beleza da filha, atrai para Siracusa um séquito de pretendentes à mão da jovem.

Isso posto, é claro que nessa história o protagonismo é da heroína, ficando o herói, em grande parte, à sua sombra. Muitos defendem inclusive que o romance seja chamado apenas Calírroe ou Sobre Calírroe, em vista da frase com que Cáriton o encerra: “Tal relato redigi a respeito de Calírroe”. Especula-se que o destaque que as mulheres assumem no romance antigo, em sua vertente grega, reflita de alguma maneira uma mudança na sociedade, em que elas passam a ter maior visibilidade e acesso à educação, especialmente no contexto romano. Mas vale lembrar que a tragédia grega, pródiga em personagens femininas de relevo, é produto de uma sociedade patriarcal em que as mulheres das classes sociais mais elevadas eram tutoradas por seus parentes homens. Há ainda quem proponha o romance romântico como um gênero para o consumo das mulheres, que constituiriam seu público principal, o que é muito difícil de ser comprovado.

O fato é que Calírroe domina a trama do romance, cuja estrutura pode ser dividida em quatro partes, distribuídas em oito livros: 1) paixão e união dos protagonistas (Livro i); 2) separação (i); 3) desventuras dos protagonistas (ii-vii); 4) reunião do casal e retorno a Siracusa (viii). Esse esquema permite antever que as partes 1 e 4 tratam de amor, enquanto 2 e 3 abordam a aventura, categoria que compreende viagem e provação do par amoroso.

Quéreas e Calírroe também se distingue pelo cenário histórico. Dos romances gregos que foram preservados, este é o único que tem um recorte temporal preciso, já que os demais romancistas situam seus personagens em uma época suficientemente neutra para que leitor contemporâneo a eles pudesse reconhecê-la, e igualmente desprovida de referências históricas, o que termina por criar uma atmosfera atemporal. De volta à abertura do romance, Cáriton enuncia que narrará “uma história de amor que aconteceu em Siracusa” no passado, espacialmente distante de sua Afrodísias.

A história se passa, pois, ao fim da Guerra do Peloponeso, na passagem do século V para o IV a.C. A derrota da frota ateniense frente à siciliana, comandada por Hermócrates, é constantemente lembrada; além do pai de Calírroe, o rei persa Artaxerxes i e a rainha Estatira também estão ali retratados. Com isso, há quem veja Quéreas e Calírroe como “romance histórico”. Para além do anacronismo implicado no termo, creio que ele se revela inadequado na medida em que, salvo pelas menções pontuais às figuras históricas, o autor pouco se empenha na criação verossímil do contexto a que elas pertenceram, que funciona mais como pano de fundo para a história de amor que se quer narrar. Além disso, os personagens centrais têm claro caráter ficcional, prevalecendo durante a maior parte do romance o que Bakhtin denominou de “tempo da aventura”, com o foco posto nos encontros e desencontros do par amoroso.

Por fim, cabe indicar a relação essencial que o romance de Cáriton mantém com os poemas homéricos, Ilíada e Odisseia, que será desenvolvida no posfácio a esse livro. Aqui, basta mencionar que a caracterização de Calírroe se baseia nas de Helena e Penélope, personagens dos épicos. Tal qual a heroína de Cáriton, Helena tem dois maridos, o grego Menelau, que parte para resgatá-la em Troia, e Páris, príncipe troiano que a sequestra (ou com quem foge, segundo outras versões). Também em comum há a beleza excepcional e a relação privilegiada com Afrodite. Já a aproximação com Penélope se dá através do vínculo amoroso com Odisseu, que resiste à separação do casal e ao assédio de pretendentes. Vale notar que a Odisseia é um intertexto importante para toda a produção romanesca na Antiguidade.

*Adriane da Silva Duarte é professora de língua e literatura grega na USP. Autora, entre outros livros, de Cenas de reconhecimento na poesia grega (Editora da Unicamp).

Referência


Cáriton de Afrodísias. Quéreas & Calírroe. Tradução, apresentação e posfácio: Adriane da Silva Duarte. São Paulo, Editora 34, 2020.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Maria Rita Kehl Igor Felippe Santos Dennis Oliveira Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Valerio Arcary Mário Maestri João Lanari Bo Fábio Konder Comparato Julian Rodrigues André Márcio Neves Soares Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Avritzer Eleonora Albano Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Airton Paschoa Ricardo Antunes Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Thomas Piketty Priscila Figueiredo Ari Marcelo Solon Annateresa Fabris Eugênio Trivinho Jean Marc Von Der Weid Afrânio Catani Valério Arcary Antonino Infranca Rafael R. Ioris Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Alexandre de Lima Castro Tranjan Osvaldo Coggiola Manchetômetro Michael Löwy Ronald León Núñez Salem Nasser João Carlos Loebens Otaviano Helene José Dirceu Luiz Marques Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Celso Favaretto Carlos Tautz Rodrigo de Faria Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt Henri Acselrad Milton Pinheiro Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Marcos Silva Kátia Gerab Baggio Marilena Chauí João Feres Júnior Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Berenice Bento Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Luiz Roberto Alves Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins Lucas Fiaschetti Estevez Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira Alysson Leandro Mascaro Lincoln Secco Caio Bugiato Andrew Korybko Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Michael Roberts Luis Felipe Miguel Leonardo Boff Daniel Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Yuri Martins-Fontes Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Chico Whitaker Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Fernando Nogueira da Costa Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Chico Alencar André Singer Tales Ab'Sáber Jorge Branco Antonio Martins Paulo Martins Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald Rocha Liszt Vieira José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Eliziário Andrade Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Armando Boito Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Daniel Brazil Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Renato Dagnino Roberto Noritomi Gerson Almeida José Raimundo Trindade Ricardo Musse Denilson Cordeiro Carla Teixeira Eduardo Borges Anselm Jappe Eugênio Bucci Marcelo Módolo Eleutério F. S. Prado Bento Prado Jr. Henry Burnett Celso Frederico Bernardo Ricupero João Paulo Ayub Fonseca Francisco de Oliveira Barros Júnior Érico Andrade Juarez Guimarães Elias Jabbour Mariarosaria Fabris Sergio Amadeu da Silveira Marcus Ianoni Slavoj Žižek Roberto Bueno Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles José Costa Júnior Vinício Carrilho Martinez Flávio Aguiar Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada