O pensamento conservador

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLAVIO AGUIAR*

Indigência mental e falência moral

Estupidez e imoralidade são contagiantes. O pensamento conservador brasileiro abdicou da inteligência e da ética. Substitui-as por dois simulacros: esperteza oportunista e culto da mentira.

Não é à toa que sua vitrine é o composto indigesto de uma salada lúgubre: um presidente miliciano que mente sem parar com sua família insana, militares de pijama ou de farda incompetentes, falaciosos ao extremo, além de viciados na “boquinha financeira” dos cargos governamentais, um aparato judiciário que atua sobre os escombros do Direito, parlamentares e outros políticos viciados em favores orçamentários, jornalistas e outros “influencers” que viralizam argumentos comprados no marketing das ideias fajutas, pastores e outros religiosos que se equiparam aos antigos vendilhões do templo, que Jesus expulsaria a chicotadas como consta na Bíblia que fez em Jerusalem, médicos e outros pseudo-agentes sanitários que alardeiam curas milagrosas, empresários e rentistas que se lixam para o país que os alimenta e enriquece, e por aí vai. E pior: vem.

Um dos objetivos dos golpes de estado deflagrados a partir de operações como a Lava-Jato, foi alijar as esquerdas do debate sobre políticas públicas nacionais. Este objetivo foi alcançado em parte. Não foi totalmente vitorioso graças à mídia alternativa. Esta, embora fragmentária, mantém um espaço aberto para a circulação de um ideário não ortodoxo de diferentes matizes. A mídia comercial, apesar de agora pretender ensaiar uma oposição ao ocupante do Palácio do Planalto e seu comportamento maníaco-obsessivo, mantém sua fidelidade ao ideário maníaco-depressivo do fundamentalismo econômico que governa seu desgoverno.

A vitória no afastamento das esquerdas teve um efeito paradoxal: o pensamento conservador triunfante ficou sem uma “referência oposta”, pois não consegue reconhecer pertinência num debate com ideias que não sejam as próprias.

O paradoxo está em que a vitória trouxe dois outros efeitos colaterais que se tornaram centrais nesta trajetória. O primeiro efeito colateral foi a substituição da disputa política por uma guerra de quadrilhas e quadrilheiros. Os próceres do pensamento conservador deixaram de apresentar projetos para o país. Em seu lugar passou-se a uma espécie de luta feroz pelo butim-Brasil, envolvendo desde milicianos paroquiais até cúpulas judiciais, militares, midiáticas e outras, passando por olavistas, pastores, beatos, carolas e anacrônicos militantes de uma fanada guerra-fria contra o comunismo.

O outro efeito colateral sobre o pensamento conservador foi a institucionalização da mentira deslavada como prática discursiva. Este segundo efeito traz um dano permanente: a mentira torna-se um Rubicão sem retorno, isto é, depois dele transposto, não há como voltar atrás. Deve-se mentir sempre mais e mais, pois institui-se entre o discursante e os discursados um pacto fantasioso que elide completamente qualquer senso de realidade.

Exemplos recentes: diz o ocupante do Palácio do Planalto que sobre a pandemia “não errou uma única vez”, ou algo parecido. Bom, eis uma mentira que é verdade: de fato, ele não errou uma única vez, ele errou todas as vezes que abriu a boca a respeito. Já a sua claque de basbaques aceita esta mentira como a mais absoluta e sagrada verdade verdadeira.

Há outras mentiras que vão se infiltrando por todos os lados e poros. Tornou-se comum e de bom tom, entre comentaristas que se acham conceituados, comparar o atual ocupante do Palácio do Planalto com Lula e Dilma, na base da crença de que no fim de contas os extremos se encontram porque são faces de uma mesma moeda, numa fantasia política. O equilíbrio estaria em outra fantasia, o “centro político”. Fantasia? Sim, fantasia, porque o que existe mesmo não é o centro, mas o “Centrão”.

Outra destas mentiras, que invade os discursos até mesmo de comentaristas que não se julgam conservadores: compara-se o atual ocupante do Palácio do Planalto com Hugo Chavez e Nicolás Maduro. Qual é o pano de fundo desta atitude mentirosa: é a descrença que exista algo chamado de “imperialismo norte-americano”, uma fantasia de grande calado. O desministro da deseconomia alardeia que ou se segue o mantra de seus desmandos ou o Brasil afunda. A verdade, que nem ele nem seus cúmplices podem aceitar é que o Brasil já afundou, graças a suas politiquices econômicas, e se esvai em pandemia, sangue e desemprego.

O ocupante do Itamaraty alardeia que sente orgulho em que o seu país esteja se tornando um pária internacional, como se isto fosse uma condecoração. Vai a Israel em busca de um spray milagroso que substitua a falida cloroquina. Ele e a ministra dos direitos desumanos comparecem a uma reunião da ONU para falarem sobre um país de fantasia que não existe a não ser talvez num planeta plano. Comparar esta turma com Pinóquio é um insulto ao boneco de pau.

Comentaristas que ajudaram a criar esta situação escabrosa hoje posam de democratas, tentando tapar suas vergonhas com uma peneira, pois sabem muito bem o que fizeram no verão passado.

Todos os próceres deste pensamento conservador não se limitam a falar de um Brasil que não existe. Falam de um mundo que não existe. Colocam-se como arautos de uma modernidade triunfante que só existe na sua falta de imaginação contumaz e costumeira. O mundo inteiro está encharcado de pandemia e fracassos retumbantes do rentismo desenfreado que multiplicou a fortuna dos bilionários de sempre e de alguns novos, ao lado da multiplicação da miséria mais miserável da história humana, porque vivida numa época em que já temos recursos plenos para elimina-la ou pelo menos mitiga-la em grande parte. Este rosário de lágrimas de crocodilo não tem fim. Por isto paro por aqui. Ainda um último lembrete: tenho dito, para escândalo de alguns correligionários, que faz falta no Brasil um pensamento conservador coerente e consistente. Sua existência afiaria a força de debate das esquerdas.

Mas duvido que isto venha a acontecer, pelo menos no curto e médio prazo. O pensamento conservador afundou no pântano que inventou para si mesmo. As esquerdas terão de se virar por si mesmas para sair desta areia movediça.

Como de costume, as nossas “élites” (assim, escrito em francês pedante), continuam se mostrando capazes apenas de se oferecer aos grandes centros do capitalismo internacional como meras administradoras locais do seu poderio, dispostas a entregar os dedos para manter o privilégio dos seus anéis, às custas de seu país, que tratam como se ainda fosse uma capitania hereditária, e seu povo, por quem nutrem profundo e irremediável desprezo.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo),

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Feres Júnior Carla Teixeira Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Avritzer Everaldo de Oliveira Andrade Salem Nasser João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Leonardo Boff Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mário Maestri Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa André Singer Ladislau Dowbor Thomas Piketty Matheus Silveira de Souza Francisco Fernandes Ladeira Otaviano Helene Renato Dagnino Julian Rodrigues Ronald León Núñez Jorge Branco André Márcio Neves Soares Vinício Carrilho Martinez Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Chico Alencar Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Gilberto Lopes Milton Pinheiro Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni Remy José Fontana Alysson Leandro Mascaro Berenice Bento Andrés del Río Ronald Rocha Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Lucas Fiaschetti Estevez Antônio Sales Rios Neto Bernardo Ricupero Afrânio Catani Andrew Korybko Eliziário Andrade Manuel Domingos Neto Rubens Pinto Lyra Tales Ab'Sáber Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Armando Boito Marjorie C. Marona Marcos Silva Valerio Arcary Daniel Brazil Celso Frederico Mariarosaria Fabris Claudio Katz Luiz Roberto Alves Ricardo Antunes Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Anderson Alves Esteves Alexandre de Freitas Barbosa Airton Paschoa Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Lincoln Secco Michael Roberts Annateresa Fabris Michel Goulart da Silva Liszt Vieira Celso Favaretto Juarez Guimarães Ronaldo Tadeu de Souza Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Samuel Kilsztajn José Machado Moita Neto Flávio Aguiar Eugênio Bucci Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Sacramento Michael Löwy Luiz Marques Paulo Fernandes Silveira Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Marcus Ianoni Heraldo Campos Walnice Nogueira Galvão Anselm Jappe Marcos Aurélio da Silva Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Eduardo Borges Luiz Carlos Bresser-Pereira Manchetômetro Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Antonino Infranca Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Luiz Bernardo Pericás José Geraldo Couto Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias José Dirceu Henry Burnett Atilio A. Boron João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Slavoj Žižek Érico Andrade José Costa Júnior Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Caio Bugiato Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Gerson Almeida Ricardo Abramovay Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Eugênio Trivinho Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Carlos Tautz Marilena Chauí João Paulo Ayub Fonseca Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Sandra Bitencourt Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleonora Albano Daniel Costa Maria Rita Kehl Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Osvaldo Coggiola Henri Acselrad João Lanari Bo Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada