A nova ordem internacional policêntrica

Imagem: Nikita Nikitin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO COSTA JÚNIOR*

O fim ao expansionismo infinito da OTAN e da hegemonia do EUA

A queda do muro de Berlim em 1989 e o desmantelamento da URSS em 1991 deram lugar ao fim da ordem internacional bipolar que imperou sobre o mundo durante quase meio século. Como “ordem internacional”, podemos entender, a partir da literatura da história das relações internacionais, essencialmente, um determinado conjunto (em movimento) reunindo normas, instituições e estruturas de autoridade que modificam, limitam e dirigem o comportamento dos atores que compõem o sistema-mundo durante um determinado período.

Há dois movimentos históricos inequívocos nas transições e estabelecimento de uma determinada ordem mundial: a caneta e a bomba, isto é, a guerra e a paz. Assim se deu na “Paz de Westfália”, em 1648, com o desfecho das nominadas Guerras Religiosas. Em Viena, em 1815, após as Guerras Napoleônicas, e o chamado “Concerto Europeu”. Na denominada “Paz de Versalhes”, em 1919, no desenlace da Primeira Guerra Mundial. Ou ainda em Yalta, Potsdam e São Francisco, em 1945, com o fim da Segunda Grande Guerra. Após o colapso soviético, em 1991, o bombardeio dos EUA ao Iraque, na I Guerra do Golfo, estabeleceu através do poder das armas, os novos rumos no campo internacional.

Diante deste quadro, a partir dos anos 1990, os Estados Unidos e a União Europeia priorizaram em sua agenda geopolítica a “administração” da desmontagem do “império russo”, devido às suas consequências econômicas e ao antigo desafio geopolítico da Europa Central. Os norte-americanos apressaram a expansão da OTAN e assumiram rapidamente as posições militares deixadas pelo exército soviético na Europa Central. Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais apoiaram explicitamente a autonomia dos Estados da antiga “zona de influência” soviética e promoveram ativamente o desmembramento do território russo.

A começar pela Letônia, Estônia e Lituânia, e seguindo pela Ucrânia, Bielo-Rússia, pelos Bálcãs, Cáucaso e países da Ásia Central. Apoiaram a independência do Kosovo, pressionaram a implantação de seu “escudo antimísseis” na Europa Central e passaram a armar e treinar abertamente os exércitos da Ucrânia, da Geórgia e dos países da Ásia Central, desconsiderando que a maior parte desses países pertenceu ao território russo, durante os últimos três séculos. A despeito da dissonância e alerta de respeitadas vozes internas como George Kennan, o “teórico da contenção”, que sentenciou como a expansão da OTAN para a Europa do leste seria sua tragédia e Henry Kissinger, defensor do respeito às nominadas “zonas de influencia” das grandes potências.

Depois da humilhação dos anos Yeltsin, neste novo século assistimos ao renascimento russo. A Rússia vem praticando explicitamente uma política de acréscimo de poder. É notável que a reação russa se iniciou com o governo de Vladimir Putin, em 2000, e sua reorientação estratégica. O presidente russo recentralizou o poder. Reconstituiu o Estado e a economia russa, reerguendo seu complexo militar-industrial e nacionalizando seus vastos recursos energéticos. Articulou a construção dos BRICS. Detentor do maior arsenal nuclear do planeta, o novo governo russo alertou aos Estados Unidos para a possibilidade de uma nova corrida nuclear, caso continuassem com seu projeto de desenvolvimento de um “escudo antibalístico” na Europa Central – mais precisamente na Polônia.

Em agosto de 2007, Putin cravou uma bandeira russa de titânio em águas internacionais nas profundezas do Ártico. Em 2008, invadiu a Geórgia. Em 2014 anexou a Criméia. Coloca-se como um entrave a qualquer intervenção ocidental na Síria e garantiu seu aliado Bashar al-Assad no poder. E desde então tem estreitado seus laços estratégicos com a China, especialmente, após as sanções impostas por EUA e União Europeia, posteriormente a anexação da Criméia.

No dia 4 de fevereiro deste ano, de 2022, estrategicamente na abertura da XXIV Olimpíada dos Jogos de Inverno, Xi Jinping e Vladimir Putin, se reuniram em Pequim. Na ocasião, além de participarem da cerimônia de abertura dos jogos, os dois chefes de Estado divulgaram uma “Declaração Conjunta” que chama a atenção tanto pela assertividade como pela amplitude.

Os dois países anunciam uma aliança de nível superior e sem precedentes na história do sistema-mundo: “As novas relações interestatais entre Rússia e China são superiores às alianças políticas e militares da época da Guerra Fria. A amizade entre os dois Estados não tem limites, não há áreas ‘proibidas’ de cooperação”, diz o texto.

O longo documento trata de praticamente todos os aspectos relevantes da política internacional, democracia e direitos humanos, pandemia, defesa da paz, revoluções coloridas, desenvolvimento compartilhado e sustentável, combate às mudanças climáticas, terrorismo, governança da internet, guerra comunicacional, etc.

Em essência, o conjunto do documento representa uma candente defesa do multilateralismo e de uma nova ordem internacional policêntrica. Revela uma sólida intenção dos dois países em unidade, contestarem abertamente a ordem internacional pós-Guerra-Fria, atlanticista e anglo-saxônica, assim como o fim da hegemonia norte-americana. Estabelece que o sistema-mundo passa por uma transformação em sua arquitetura de governança e ordem mundial. Conforme o texto, “a humanidade está entrando em uma nova era” e “assiste ao desenvolvimento de processos e fenômenos como multipolaridade, globalização econômica, advento da sociedade da informação, diversidade cultural, transformação da arquitetura de governança global e ordem mundial”.

A carta aponta diretamente para a OTAN e estabelece limites claros para sua atuação nesta nova ordem mundial. Diz o documento: “as partes opõem-se a um maior alargamento da OTAN e apelam à Aliança do Atlântico Norte para que abandone as suas abordagens ideologizadas da Guerra Fria, respeite a soberania, a segurança e os interesses de outros países. As partes se opõem à formação de estruturas de blocos fechados e campos opostos na região da Ásia-Pacífico e permanecem altamente vigilantes sobre o impacto negativo para a paz e a estabilidade na região da estratégia Indo-Pacífico dos Estados Unidos”.

Assinala para um inexorável deslocamento “euroasiático” do poder: político, econômico, tecnológico, militar, diplomático, cultural, esportivo… A expressão de tal força, além da própria parceria e documento seria dentre outros, o projeto de desenvolvimento chinês das “Novas Rotas da Seda”, a maior integração euroasiática e organizações multilaterais como o G20, o ASEAN, os BRICS e em especial, a Organização para Cooperação de Xangai (SCO). Já no final, uma das conclusões do texto evidencia: “a Rússia e a China pretendem fortalecer de forma abrangente a Organização para Cooperação de Xangai (SCO) e aprimorar ainda mais seu papel na formação de uma ordem mundial policêntrica baseada nos princípios universalmente reconhecidos do direito internacional, multilateralismo, segurança igualitária, conjunta, indivisível, abrangente e sustentável”.

A história das relações internacionais demonstra que toda quebra de uma ordem mundial estabelecida, implica no uso da força. Vinte dias após a visita de Putin a Xi, em Pequim, e a divulgação deste documento sino-russo que contesta clara e inequivocamente a ordem internacional pós-Guerra Fria, a Rússia invade a Ucrânia. E, pelo poder das armas, claro, suportado pelo seu grande aliado, a China, inaugura um novo tempo do mundo.

Uma nova ordem internacional policêntrica, dando fim ao expansionismo infinito da OTAN e da hegemonia do EUA, que se perpetuaram por trinta longos anos.

*Pedro Costa Júnior é doutorando em ciência política na USP. Autor do livro Colapso ou mito do colapso?” (Appris).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Berenice Bento Rubens Pinto Lyra Gerson Almeida Milton Pinheiro José Luís Fiori Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Elias Jabbour Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Maria Rita Kehl Antonino Infranca Thomas Piketty Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Sandra Bitencourt João Lanari Bo José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Sergio Amadeu da Silveira André Singer Liszt Vieira Flávio R. Kothe Boaventura de Sousa Santos Henry Burnett Claudio Katz Priscila Figueiredo Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Bruno Machado Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Boff Ricardo Fabbrini Igor Felippe Santos Tadeu Valadares Airton Paschoa Andrew Korybko Valerio Arcary Gabriel Cohn Caio Bugiato Manchetômetro Jorge Branco Flávio Aguiar Celso Frederico Leonardo Sacramento Vladimir Safatle José Dirceu Michael Roberts Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Walnice Nogueira Galvão Dênis de Moraes Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Luiz Marques Alysson Leandro Mascaro Fábio Konder Comparato Ronald León Núñez Daniel Brazil Carlos Tautz Leonardo Avritzer Érico Andrade Chico Whitaker Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Marjorie C. Marona Julian Rodrigues Antonio Martins Antônio Sales Rios Neto Remy José Fontana Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Bernardo Ricupero João Sette Whitaker Ferreira Michel Goulart da Silva João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon João Carlos Salles José Costa Júnior Otaviano Helene Jean Pierre Chauvin Kátia Gerab Baggio Renato Dagnino Lorenzo Vitral Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Lincoln Secco Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Fernão Pessoa Ramos Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Mário Maestri Eleonora Albano Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Jorge Luiz Souto Maior Manuel Domingos Neto Marcus Ianoni Carla Teixeira Ronald Rocha Dennis Oliveira Slavoj Žižek Armando Boito Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Rafael R. Ioris Andrés del Río Benicio Viero Schmidt Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria Chico Alencar Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Gilberto Maringoni Eugênio Bucci Atilio A. Boron João Adolfo Hansen Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Paulo Fernandes Silveira Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Musse João Feres Júnior José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Marcos Silva Osvaldo Coggiola Anselm Jappe Paulo Martins Heraldo Campos Luiz Bernardo Pericás Samuel Kilsztajn Marilena Chauí Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Paulo Sérgio Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Fernandes Ladeira Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada