O rearranjo do campo democrático

Imagem: Kelly
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

Para avançar no acúmulo de forças é preciso construir uma identidade programática que consiga ir além da reação às ações da ultradireita

Politicamente, o primeiro ano do governo Lula começou no dia 8 de janeiro – quando a intentona bolsonarista tentou criar condições para impor uma solução de força e quebrar o pacto democrático no Brasil – e terminou com a aprovação da reforma tributária e as indicações de Paulo Gonet Branco para a PGR e de Flávio Dino para o STF. Nada mal para um governo que, desde o início, age dentro de uma margem estreita de manobra e sofre um rigoroso cerco de inimigos fortemente entrincheirados na liderança de alguns dos principais setores econômico-financeiros, cujos interesses são zelosamente defendidos pela maioria no Congresso. 

Mas é igualmente verdade que o ano de 2024 começou com a aprovação da Lei Orçamentária Anual de 2024, que destinou escandalosos R$ 53 bilhões para as emendas discricionárias dos parlamentares e subtraiu R$ 61,3 bilhões do total previsto inicialmente para obras de infraestrutura e moradia do “Novo PAC”, uma das principais bandeiras no governo. Ao negociar cada proposta com uma “faca no pescoço” do governo, a direita mostra que está determinada a tentar impedir o alargamento da liberdade de ação do governo. Esse embate escancara a dificuldade do governo em desatar o conjunto de nós políticos e institucionais imposto ao país a partir do golpe de 2016.

Neste contexto, é notável o fato de o governo ter terminado esse primeiro ano com um padrão de estabilidade social, política e econômica inimaginável no início do ano, depois da tentativa de reeditar o golpe de 2016, em 8 de janeiro. As pulsões mais selvagens da direita e a sua determinação de resolver com paus, pedras e bombas as questões políticas foram contidas pela recomposição de um campo democrático no país, mas elas estão longe de terem sido completamente sublimadas e permanentemente dão mostras de estarem apenas em estado de latência, esperando a oportunidade adequada.

O rearranjo do campo democrático, no entanto, parece ter sido realizado mais como reação ao estreitamento do núcleo de poder no governo Bolsonaro, que gradativamente foi dando maiores poderes à familícia, aos militares do seu entorno e às frações do poder econômico, cujas fronteiras com o crime são difíceis de traçar. Exemplos são alguns setores do agronegócio que prosperam com o avanço sobre a floresta amazônica e com o envenenamento da agricultura brasileira, o setor de mineração em terras indígenas, os setores empresariais ávidos por eliminar qualquer tipo de proteção aos trabalhadores, etc.

Esse estreitamento do campo golpista não teria ocorrido sem a resistência dos movimentos sociais e a capacidade política dos partidos de esquerda em lutar contra as regressões civilizacionais e mostrar que havia alternativa ao neoliberalismo. Foi essa resistência social e política que criou as condições para uma rearticulação do campo democrático, mesmo que ainda persistam imensas dificuldades para serem superadas, especialmente pela ausência de um acordo programático consistente para o período.

No processo de reorganização dos campos políticos, houve um símbolo que agregou um inestimável valor ao campo da resistência, que foi a postura de Lula em não aceitar qualquer barganha que o levasse a sair da prisão de forma tutelada. Ao jamais reconhecer a legitimidade do processo e da condenação que lhe foi imposta, Lula não cansou de afirmar que “eu não troco a minha dignidade pela minha liberdade”. Esse gesto conferiu grandeza moral ímpar à sua liderança política já consolidada e impediu qualquer arranjo que excluísse o campo por ele liderado do protagonismo da vida política nacional, como era o desejo do campo golpista.

Em grande medida, foi durante o próprio processo eleitoral que os campos políticos foram sendo reorganizado, o que torna compreensível que a prioridade neste primeiro ano de governo tenha sido trabalhar na delicada tarefa de ampliar a coesão da base de apoio política e social e, ao mesmo tempo, impedir a possibilidade de recomposição do campo golpista de 2016. Não é pouco, mas é insuficiente.

Para que possamos avançar no acúmulo de forças, é preciso construir uma identidade programática que consiga ir além da reação às ações da ultradireita (por mais importante que isso seja) e produzir compromissos entorno de um de luta contra as desigualdades e mazelas humanas produzidas pelo modelo predador neoliberal, que é o caldo de cultura próprio para todo o tipo de protofascismo e salvacionismo. Ganhamos por pontos o primeiro round desta luta decisiva, mesmo que o adversário tenha usado de todos os golpes baixos, mas nos próximos temos que nocautear da uma vez por todas o golpismo. É esse o nosso desafio.

*Gerson Almeida, sociólogo, ex-vereador e ex-secretário do meio-ambiente de Porto Alegre, foi secretário nacional de articulação social no governo Lula 2.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Renato Martins José Geraldo Couto Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Sergio Amadeu da Silveira André Singer Marcus Ianoni Chico Alencar Priscila Figueiredo Heraldo Campos Bento Prado Jr. Andrew Korybko Elias Jabbour Ricardo Musse Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Fabbrini Daniel Brazil Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Vladimir Safatle José Costa Júnior Luiz Marques Érico Andrade Luiz Werneck Vianna Claudio Katz João Carlos Salles Henry Burnett João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Armando Boito Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Tarso Genro Marcelo Módolo Atilio A. Boron Antonio Martins Henri Acselrad Luis Felipe Miguel Antonino Infranca Caio Bugiato Manchetômetro Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Fernão Pessoa Ramos Valerio Arcary Manuel Domingos Neto Lucas Fiaschetti Estevez Jean Marc Von Der Weid Rubens Pinto Lyra Anselm Jappe Remy José Fontana Luciano Nascimento Milton Pinheiro Jorge Branco Marcos Silva Slavoj Žižek José Raimundo Trindade Osvaldo Coggiola Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Rodrigo de Faria Alexandre Aragão de Albuquerque Antônio Sales Rios Neto João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Michael Löwy Michael Roberts Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Matheus Silveira de Souza Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Bucci Celso Favaretto Chico Whitaker Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Ladislau Dowbor Ricardo Antunes Gabriel Cohn Bernardo Ricupero Paulo Martins Luiz Roberto Alves Eleonora Albano Eugênio Trivinho Dennis Oliveira Michel Goulart da Silva Fábio Konder Comparato José Machado Moita Neto Bruno Machado Marjorie C. Marona Otaviano Helene Denilson Cordeiro Renato Dagnino Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Leonardo Sacramento Carlos Tautz Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Gerson Almeida Thomas Piketty Flávio Aguiar Gilberto Maringoni Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Mariarosaria Fabris José Luís Fiori Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Luiz Bernardo Pericás Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Lorenzo Vitral José Dirceu Vinício Carrilho Martinez Liszt Vieira Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Airton Paschoa Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Leda Maria Paulani Eduardo Borges Gilberto Lopes Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior Paulo Sérgio Pinheiro Tales Ab'Sáber Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Valerio Arcary Leonardo Avritzer Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares Afrânio Catani Marilena Chauí Dênis de Moraes Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES