Os clássicos deveriam ser visitados, não vividos

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por NÚBIA AGUILAR*

Desde 2016 estamos em um cenário de catástrofe para a política brasileira

Gabriela, cravo e canela tornou- se um clássico da literatura brasileira. Jorge Amado navega pelo porto de Ilhéus, com uma profundidade representativa e relatora de muitas nuances apegadas às próprias concretudes históricas da época. Na narrativa, Mundinho Falcão desafia a estabilidade política garantida pelo Coronel Ramiro, representante de uma súmula banhada pelos interesses oligárquicos das grandes famílias.

Entremeio ao desenvolvimento da trama, gradativamente, se revela um lado de permanências, e não as esperadas mudanças, quando a política local ganha Mundinho como representante. Paralelo ao mundo das letras, em que Jorge Amado construiu esses personagens, ficam os incômodos do mundo vivido, em que nós somos os protagonistas.

As eleições de 2022 retomam um cenário que para muitos já deveria estar esquecido: uma polarização tecida entre propostas de governos tendentes ao progressismo, com a constatação de um conservadorismo perverso. E para tornar o clima ainda mais denso, acrescenta-se que os candidatos que encabeçam a disputa eleitoral possuem um histórico de governo, vivida pelo povo que aqui habita.

Mas, desde 2016 estamos em um cenário de catástrofe para a política brasileira. A fragilidade foi posta a teste, com a instauração de um processo de impeachment, fruto de uma votação, primeiramente, na Câmara. Até hoje ecoam as falas em torno de uma família, valores religiosos e a pátria. De um moralismo tingido por valores arbitrários, pouco adiantou dizer sobre este rasgo que foi aberto. A corrupção foi alvo de máxima censura, que adentrou pelos lares brasileiros e dilatou os egos dos cidadãos que se viram – e até hoje assim seguem – incumbidos de responderem a este contexto de um modo contundente. O resultado disso, como já se debateram aos montes, foi uma partida ideológica, que se apresenta quase irremediável.

O que enclausura milhares de brasileiros a uma ideia de passado destruído, de valores éticos e morais, e reparação invertida é certamente uma das questões que mais visitam as mentes daquelas e daqueles que não conseguem entender o ponto a que chegamos – e profundamente inseguros e temerosos de até onde podemos chegar.

A dúvida pode ir além, e passamos a nos perguntar: Será que estamos encarnando a indiferença? Encobrimos pesquisas científicas, lástimas, sofrimentos e o Brasil, novamente no mapa da fome, para defender um valor moral, uma crença absoluta transgressora de dados que apontam termos perdido quase 700 mil vidas ao longo da pandemia. O custo da política que está sendo defendida já desponta em muitas frentes. Precisa-se mais de quê para consolidar o entendimento que não deram certo as estratégias tomadas até agora?

Defender o que se acredita ser certo, não tem muita relação com aceitar medidas que anulam pessoas, trazem exclusão e retomam uma roda de benesses para setores específicos. Vislumbrar arrumar algo, que vista ter sido corrompido, não deveria ter um custo tão alto. A gente, enquanto nação, está encenando de braços abertos o cenário político de Ilhéus, dos valores exacerbados, da utopia que ejeta o ódio. Jorge Amado nos mostrou o fim, quase o mesmo, desta rotatória, em seu romance. Protagonizar esta trama, não deveria fazer sentido neste momento.

*Núbia Aguilar é doutoranda em história na Universidade de São Paulo (USP).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrés del Río Julian Rodrigues Fernando Nogueira da Costa Bernardo Ricupero Érico Andrade Antonio Martins José Luís Fiori Michael Löwy Daniel Costa Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Gabriel Cohn Daniel Brazil Antônio Sales Rios Neto Claudio Katz Afrânio Catani Dennis Oliveira Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento André Singer Paulo Martins Paulo Fernandes Silveira Eleonora Albano Leonardo Sacramento Anselm Jappe Eugênio Bucci André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle José Costa Júnior Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Luiz Bernardo Pericás Bruno Machado Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Ronald Rocha Rodrigo de Faria Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco João Carlos Salles Alexandre Aragão de Albuquerque João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens Matheus Silveira de Souza José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Osvaldo Coggiola Antonino Infranca Vanderlei Tenório Chico Alencar José Geraldo Couto Samuel Kilsztajn Marcelo Guimarães Lima Rafael R. Ioris Fábio Konder Comparato Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Carla Teixeira Flávio R. Kothe José Machado Moita Neto Leda Maria Paulani Michel Goulart da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Salem Nasser Armando Boito Lincoln Secco Carlos Tautz José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Elias Jabbour Otaviano Helene Ronald León Núñez Luiz Renato Martins Liszt Vieira Ricardo Musse Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Marcos Silva Luciano Nascimento Eduardo Borges Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Paulo Capel Narvai Walnice Nogueira Galvão Marcos Aurélio da Silva João Adolfo Hansen Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Eugênio Trivinho Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Vinício Carrilho Martinez Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Dênis de Moraes Igor Felippe Santos Jean Pierre Chauvin Marcus Ianoni Chico Whitaker Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Andrew Korybko Marilena Chauí Mário Maestri Priscila Figueiredo Gerson Almeida Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Michael Roberts Manchetômetro Sandra Bitencourt Luis Felipe Miguel Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Henry Burnett Luiz Marques Alexandre de Lima Castro Tranjan Rubens Pinto Lyra Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Valerio Arcary Atilio A. Boron Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Tadeu Valadares Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Thomas Piketty Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES