As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O “partido de Lira”

Imagem: Korean JH
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

O fim das funções públicas do Estado para transformá-lo numa máquina pura de acumulação privada

A “naturalidade” das nossas alianças é uma conquista importante. Processada num momento de extrema dramaticidade, em que a conspiração golpista corria solta, estas alianças se equilibravam no “fio de uma navalha”. Navalha difícil de ser sentida em sua largura e tendo, em cada lado, um enorme precipício onde os demônios do fascismo e do conservadorismo, sob a batuta do ultraliberalismo com dentes de ouro, cortejavam (e ainda cortejam) a garganta da nação.

O que é ele? Em poucas palavras: fim das funções públicas do Estado para transformá-lo numa máquina pura de acumulação privada, alinhamento com o fascismo emergente nos países mais desenvolvidos e redução dos excluídos, pobres, assalariados de todo os tipos, em zumbis da precariedade, da informalidade ou da simples miséria absoluta.

Essa naturalidade das alianças para “sobreviver” não pode ficar sujeita às leis da natureza, ou seja, ser só aquilo que é permitido pela realidade material e moral da sociedade – como se fosse uma segunda natureza – porque a política democrática não é natureza, mas subjetividade elaborada, um ardil da inteligência dos humanos para construção de sociabilidades adequadas ao convívio entre cidadãos que não desistem de ser iguais.

Digamos que, quanto ao sistema de alianças, temos duas forças em confronto: de um lado, o “partido de Lira” e seus aliados, a maioria deles originários do bolsonarismo orçamentário e, de outro, um conjunto de forças democráticas – mais ou menos conservadoras – que querem um programa mínimo de afirmação da democracia da Carta de 1988.

Se a direção política do governo, dentro ou fora do Planalto, não colocarem uma trava no “partido de Lira”, com uma estratégia delimitada no tempo e não tiver capacidade de explicar à sociedade qual rumo que está sendo buscado, ficaremos subordinados a um “estado de natureza”, ou seja, não criaremos uma “frequência”, para sermos ouvidos e assim ampliarmos as alianças para a base da sociedade, com a dignidade que a política merece.

De uma postagem no Twiter: “com seu canto único” emitido em frequência dupla, a baleia encontrada em 1992 é vigiada até hoje por biólogos poetas e cientistas do som. E ela vaga na infindável saga do oceano chamando por companhia, sem respostas e sem acolhimento: ninguém da espécie se acomoda no seu afeto animal da frequência de 52 hertz. Sua voz é única e dona de um pranto ignorado: não tem família natural e nunca teve um acasalamento, “mas ela segue chamando” – rejeitada tanto nos porões das águas como no vasto céu líquido da espuma luminosa do oceano.

Hannah Arendt poetisa – eu também não sabia! – nos seus curtos versos “Parque junto ao Rio Hudson”, escreveu: “Pescadores pescando em silêncio nos rios do mundo inteiro, condutores conduzindo às cegas por caminhos ao redor do mundo inteiro”. Confesso que vi, na postagem do Twitter e no poema de Hannah, as definições da poesia criada pelos sentidos da solidão inesgotável. Na tragédia que de novo atravessa o mundo, acossado por uma guerra já infindável – dentro e fora de cada indivíduo – nesta época de maneira inovadora e especial, a crise coletiva da solidão em rede já sufoca as utopias.

Quando um homem quer romper com uma solidão que julga especial e pensa, vaidosamente em ser o único, ele pode tornar-se a metáfora de uma cidade na sua geografia de classes. E então partir-se em dois. Um dia, talvez, terá que escolher o seu destino, como fez Freddie Drummond, no conto de Jack London Ao sul da Fenda, naquela parte mais antiga de São Francisco da Califórnia.

Conta Jack London no seu memorável relato que “ao norte da Fenda ficavam os teatros, os hotéis, os grandes armazéns, os bancos e as sólidas casas de negócio. Ao Sul, amontoavam-se as fábricas, as vielas, as lavanderias, as oficinas, as caldeiras de aquecimento e os casebres dos operários”. Freddie Drummond, que “vivia nos dois mundos” e nos dois lados da Fenda “se dava muito bem, tanto num, quanto noutro.”

A vida ambígua do personagem de Jack London, dias de estudo e de escritas intelectuais sobre economia e produção, ao sul da Fenda, como sociólogo e pesquisador dos rompantes de progresso no sonho americano e depois, ao norte da Fenda, convivendo e celebrando a vida com o proletariado lutador e heroico, numa revolução supostamente em processo. Tudo isso pode representar muito o dilema moral e político dos partidos comprometidos com a democracia que não desistiram do socialismo.

Por quê? A vacuidade das nossas conquistas imediatas ainda pode se tornar promessa de forjar uma nova Humanidade, ou esta já chegou ao seu limite quase absoluto, com a mercantilização total da vida, já que os humanos – transformados em objetos do mercado – não mais escolhem a mercadoria, mas são escolhidos por elas, capturados nas suas emoções mais elementares? Suas frustrações viram depressão, subsunção na lógica do capital, que transforma os corpos em animais solitários sem frequência, ou em pescadores e condutores, repetindo os mesmos movimentos, sem opção e sem prazer de viver.

Aproximo-me da conjuntura ou do período histórico em que vivo, através do tema da solidão, porque penso estarmos vivendo época na qual cresce um tipo de indivíduo pretensamente cheio de alternativas, pretensamente livre, pretensamente pacificado na sua individualidade exposta e, ao mesmo tempo, sofrido na sua clandestinidade sórdida – na qual nada está seguro – e assim vê que tudo se dissolve e se descarta, tanto pessoas como mercadorias: sociedade de “somas zero” que não se comunicam, mas que apenas aumentam a sua quantidade de “sozinhos”.

E passo a recordar um pouco de Mario Benedetti, pois lembro já dos seus Andaimes, com uma síntese: – “aí está o risco me parece – diz ele – há seguros de vida, seguros contra incêndio, seguros contra roubos. Mas em política, e muito menos na revolução, não há seguro contra a derrota. Não obstante, há uma dignidade que o vencedor não pode alcançar”. E depois acrescenta: “Apreendemos muito pouco com a direita, mas a direita – por sua vez – aprendeu sim algo com a esquerda”. Por exemplo – “que as massas populares existem, antes simplesmente as apagaram do mapa ideológico. Só valiam como objeto da exploração. Agora, ao contrário, valem ademais como objeto de consumo. E como consumidores, o que não é pouco”. A época atual vai sumir, pela guerra, pelo fim dos tempos ou pela superação dos humanos sobre a mercadoria que hoje os controla.

Numa conversa gravada com Pepe Mujica, que brevemente circulará num documentário que nos faz refletir sobre o fim de época que vivemos – que é sempre um outro recomeçar – ele diz três verdades muito simples, faladas por um homem que ficou mais de 12 anos num calabouço, como refém de um ditadura militar, que hoje adquirem um valor muito especial: (i) a direita se unifica por interesses materiais e concretos e a esquerda se divide pelos seus projetos políticos de generosidade; (ii) nossos pactos frentistas devem ter no máximo cinco anos e devem ser renovados, para que possam funcionar e serem instrumentos da democracia política permanente; e (iii) a democracia política que aí está não é a última forma democrática da humanidade moderna, apenas mais uma delas.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald Rocha Valério Arcary Julian Rodrigues Marcelo Módolo Paulo Martins Leda Maria Paulani Armando Boito Ricardo Antunes Luis Felipe Miguel Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro José Raimundo Trindade Daniel Brazil Gilberto Maringoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás André Márcio Neves Soares Marcos Aurélio da Silva Luís Fernando Vitagliano Eugênio Bucci José Dirceu Leonardo Sacramento Ricardo Musse Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Bernardo Ricupero Mário Maestri José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Noritomi Kátia Gerab Baggio Rafael R. Ioris João Feres Júnior Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Sergio Amadeu da Silveira Luiz Marques Fernando Nogueira da Costa Antonino Infranca Michael Roberts Dênis de Moraes João Lanari Bo Jorge Branco André Singer José Micaelson Lacerda Morais Luiz Costa Lima Airton Paschoa Remy José Fontana Roberto Bueno Benicio Viero Schmidt Berenice Bento Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca Jean Pierre Chauvin Eleonora Albano Fábio Konder Comparato Bruno Machado Ricardo Abramovay Slavoj Žižek Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Eduardo Borges Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Avritzer Renato Dagnino Carla Teixeira Otaviano Helene Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Luiz Werneck Vianna Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Marcos Silva Gabriel Cohn Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai José Machado Moita Neto João Adolfo Hansen Antonio Martins Mariarosaria Fabris Daniel Costa Antônio Sales Rios Neto Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Flávio Aguiar Chico Whitaker João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Annateresa Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Marcus Ianoni Igor Felippe Santos Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Andrew Korybko Alexandre de Freitas Barbosa Atilio A. Boron Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Gerson Almeida Luiz Roberto Alves Rodrigo de Faria Salem Nasser Alysson Leandro Mascaro João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Flávio R. Kothe José Luís Fiori Juarez Guimarães Leonardo Boff Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Ricardo Fabbrini Eliziário Andrade Denilson Cordeiro Yuri Martins-Fontes Celso Favaretto Elias Jabbour Milton Pinheiro Lincoln Secco Marilena Chauí Michael Löwy Celso Frederico Luiz Eduardo Soares José Costa Júnior Priscila Figueiredo Lorenzo Vitral Luiz Renato Martins Afrânio Catani Marjorie C. Marona Liszt Vieira Claudio Katz Jean Marc Von Der Weid Anderson Alves Esteves Sandra Bitencourt Thomas Piketty Henri Acselrad Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle Paulo Fernandes Silveira Osvaldo Coggiola João Carlos Loebens Érico Andrade Chico Alencar Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Ronald León Núñez Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada