Por que o ex-presidente foi dormir na embaixada da Hungria?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

As afinidades eletivas entre Jair Bolsonaro e Viktor Orbán

1.

Atualmente duas hipóteses cercam esta pergunta que não quer calar.

A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro alega que ele dormiu lá para “manter contato com autoridades daquele país”. Convenhamos que é uma alegação inverossímil. Para manter tais contatos ele nem precisaria ir à embaixada, quanto mais dormir nela por duas noites, em pleno carnaval. Bastaria telefonar, marcar um zoom, skype, ou algo parecido, mesmo que encriptado.

A outra hipótese, mais provável, diz que, com o passaporte apreendido, ele executou o que em xadrez se chama de um “roque preventivo”. Naqueles dias de incerteza, temendo ser preso, recolheu-se ao teto amigo, onde, em caso de necessidade, poderia pedir asilo político.

Mas vá lá: qualquer que seja a hipótese aceita, a resposta àquela pergunta é: Viktor Orbán, o primeiro-ministro da Hungria, seu correligionário de extrema direita, com quem costuma trocar elogios.

2.

Mas afinal, quem é e o que pretende Viktor Orbán?

Para começo de conversa, no poder há 14 anos, Viktor Orbán é o segundo governante mais longevo no cargo no continente europeu, só perdendo para Alexander Lukashenko, da Bielorrússia, na presidência de seu país desde 1994.

Analistas de variadas tendências apontam que ele é um político que ostenta uma formação universitária complexa e sofisticada e ao mesmo tempo é capaz de gestos simbólicos como o de se juntar a bombeiros e trabalhadores braçais, amontoando sacos de areia para deter uma enchente.

Também se aponta sua habilidade em escolher alvos de fácil identificação como inimigos preferenciais de seu país. Um deles, por exemplo, foi o bilionário e conterrâneo George Soros, caracterizando-o como uma espécie de Mágico de Oz disposto a controlar a Hungria desde os bastidores da política. Através desta manobra, Viktor Orbán se opôs ao liberalismo político que dominava a cena europeia no século XXI e consolidou a ideia de que pretende criar um regime que caracteriza como “iliberal”.

Nesta esteira avançou seu controle sobre a mídia e o parlamento. Conseguiu expulsar para Viena, na Áustria, a maior parte das atividades da universidade que George Soros financiara em Budapest, a capital húngara.

Viktor Orbán fundou o partido Fidesz, que lidera até hoje, ainda quando era estudante universitário, prometendo lutar pela “liberdade” depois do fim dos regimes comunistas na Europa Oriental. Entretanto seus críticos o apontam como o líder autoritário e autocrático de sucesso mais proeminente e duradouro na Europa de hoje.

Além de George Soros, Viktor Orbán apontou para seu público uma série variada de inimigos: o imigrante ou refugiado do “sul do mundo” e o muçulmano, que acusou frequentemente de trazer “tendências terroristas” para a Europa. “A Europa para os europeus, a Hungria para os húngaros”, é um de seus slogans preferidos.

Apresenta-se como um defensor de valores cristãos e da família heterossexual, condenando qualquer outro tipo de relação sexo-afetiva.

Com tal folha de serviços pretende fazer de si e da Hungria uma referência internacional para políticas de extrema-direita. Além de Jair Bolsonaro, é amigo de Benjamin Netanyahu e é considerado o líder europeu mais próximo de Vladimir Putin, sendo crítico em relação ao apoio dado pelo Ocidente à Ucrânia, defendendo que esta não tem condições de vencer a Rússia na guerra ali travada. Compareceu à posse de Javier Milei na Argentina e é admirador de Donald Trump, a quem dá conselhos. Leva pelo menos uma vantagem sobre o norte-americano: prestes a completar 61 anos, parece um “jovem” diante dos 77 de Trump.

3.

Além destas “afinidades eletivas”, há mais um fator importante na preferência de Jair Bolsonaro pela embaixada da Hungria. Em novembro de 2018, o ex-primeiro-ministro da pequena Macedônia do Norte, o direitista Nikola Gruevski, estava prestes a cumprir pena de prisão, condenado por atos de corrupção. No dia em que deveria se apresentar para cumprir a pena, não o fez. Três dias depois apareceu em Budapeste, na Hungria, e dali a uma semana Viktor Órban concedeu-lhe asilo, que perdura até hoje. Pesquisas posteriores demonstraram que da Macedônia do Norte até a Hungria, Nikola Gruevski passou de carro por três outros países, Albânia, Montenegro e Sérvia, sempre escoltado por diplomatas húngaros.

Ou seja: a embaixada da Hungria seria mesmo o caminho mais seguro para o ex-presidente brasileiro manter-se livre, caso sua prisão fosse decretada naqueles dias de carnaval. Até mesmo o ditador Augusto Pinochet no Chile e os golpistas de 1964 no Brasil respeitaram este direito de asilo em embaixadas, que é uma tradição latino-americana.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de  Crônicas do mundo ao revés (Boitempo). [https://amzn.to/48UDikx]

Publicado originalmente no site da Rádio France-Internacional.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. Érico Andrade Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior Michel Goulart da Silva Michael Löwy Paulo Capel Narvai Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Marilena Chauí Ricardo Antunes Eleonora Albano Airton Paschoa Leonardo Boff Kátia Gerab Baggio Milton Pinheiro Antonio Martins Eliziário Andrade Flávio Aguiar Henri Acselrad Dênis de Moraes Berenice Bento Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Marjorie C. Marona Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Liszt Vieira Jorge Branco Otaviano Helene Leonardo Avritzer Luís Fernando Vitagliano Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro João Carlos Salles Luiz Eduardo Soares Anderson Alves Esteves Paulo Nogueira Batista Jr Rodrigo de Faria Rafael R. Ioris Juarez Guimarães Elias Jabbour Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Matheus Silveira de Souza Henry Burnett Afrânio Catani Vanderlei Tenório Lorenzo Vitral Bruno Machado Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Ladislau Dowbor Lincoln Secco Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Walnice Nogueira Galvão Caio Bugiato Paulo Martins Igor Felippe Santos André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Módolo Manchetômetro Ricardo Musse Marcos Silva José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Dennis Oliveira Claudio Katz Annateresa Fabris Anselm Jappe Luciano Nascimento Daniel Brazil Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos Luiz Marques Ari Marcelo Solon Flávio R. Kothe Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Osvaldo Coggiola Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra João Adolfo Hansen Andrés del Río Celso Frederico Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto José Geraldo Couto Sandra Bitencourt João Paulo Ayub Fonseca Chico Alencar Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira Luiz Roberto Alves Atilio A. Boron Leda Maria Paulani Gerson Almeida Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Armando Boito Francisco Pereira de Farias Chico Whitaker Carlos Tautz Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto André Singer Eduardo Borges Luis Felipe Miguel Ricardo Abramovay Michael Roberts José Luís Fiori José Machado Moita Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Denilson Cordeiro Everaldo de Oliveira Andrade Thomas Piketty Ronald León Núñez Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Antonino Infranca Gabriel Cohn Gilberto Maringoni Mário Maestri Vladimir Safatle Heraldo Campos José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris Salem Nasser

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada