As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Que lobo alimenta dentro de você?

Imagem: George Becker
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Estamos sempre nos construindo, tendo por opção básica ou a bondade e a inclusão do outro ou da malignidade e a exclusão

A tradicional teologia católica sempre tem afirmado que o ser humano é “simul iustus et peccator”, “é simultaneamente justo e pecador” ou em linguagem mais convencional, ele possui simultaneamente dentro de si a dimensão de bondade e a dimensão de maldade. Ninguém é totalmente mau, nem totalmente bom. Se fosse totalmente mau, não haveria como redimi-lo, apenas recriá-lo. A redenção resgata aquele resquício de bondade que sobra dentro da pessoa maldosa e assim lhe é permitido recuperar sua parte de bondade e sua humanidade.

Igualmente afirma que por melhor e mais santo que seja alguém, jamais é totalmente bom e santo; sempre há uma sombra de imperfeição ou malignidade que o acompanha. Por isso, todos devemos acolher esta condição humana. Ela não é um defeito de criação. Mas exatamente, expressão de nossa finitude e de condição existencial. Estamos sempre nos construindo, tendo por opção básica ou a bondade e a inclusão do outro ou da malignidade e a exclusão. Não se trata de uma visão reducionista, de preto ou branco, mas de gradação de ambos, privilegiando um deles sem poder eliminar totalmente o outro.

Há muitas variantes para esta realidade complexa que marca irremediavelmente o ser humano. Sigmund Freud dirá que somos possuídos, ao mesmo tempo, pela pulsão de morte (thánatos) que responde por tudo o que é sombrio e maldoso em nós; ou a pulsão de vida que significa nosso lado luminoso e bom (éros). Ambos convivem e ele mesmo não saberia garantir quem será finalmente vitorioso, apenas reconhece que tensamente convivem. Edgar Morin prefere a expressão homo sapiens e homo demens. Somos portadores de inteligência e sensatez e ao mesmo tempo de excesso e de demência. Ainda outros, como Carl Gustav Jung, usam as expressões de dimensão de luz e de dimensão de sombra que nos habitam e com as quais temos que nos confrontar ao largo de toda nossa vida.

A opção de fundo que tomarmos, por uma ou por outra, marcará a qualidade ética de nossa vida, conscientes de que nunca será uma opção somente límpida, mas sempre acompanhada pela sombria, em permanente disputa pela hegemonia. Qual será a predominante?

Essa grelha teórica é importante para entendermos o que se está passando no Brasil e também em muitas as partes do mundo: há uma onda de ódio, de discriminações de toda ordem, de violência simbólica com palavras ofensivas que nossas crianças nem deveriam escutar, violência real com matança de estudantes nas escolas, ou de jovens negros e pobres de nossas periferias, de imigrantes de várias partes, fugindo da guerra e da fome. Há guerras em vários lugares com grande letalidade, dando origem, no caso da guerra Rússia-Ucrância, OTAN e EUA, de russofobia, sinofobia e, ao contrário, ódio ao Ocidente secularizado que perdeu referência ao transcendente e ao sagrado.

Pior, a disputa por um mundo unipolar (EUA) ou multipolar (Rússia, China, BRICS) pode levar a uma crescente escalada a ponto de se usarem armas que liquidarão com a própria humanidade, segundo a fórmula:1+1=0, vale dizer, uma superpotência nuclear destrói a outra e põe fim à espécie humana. E há suficiente loucos em ambos os lados que não temem recorrer a um expediente terminal, principalmente os supremacistas brancos e neocons norte-americanos, que ilusoriamente creem serem os portadores de “de um destino manifesto” e de serem o novo povo de Deus na Terra. Algo parecido, com semelhantes argumentos, ocorre também do lado russo.

Como vamos sobreviver a esta situação dramática, nunca antes acontecida, em nossa história global? É inegável que precisamos reinventar o ser humano, de uma renascença que tenha como opção de fundo valores não materiais como o amor, a solidariedade, a arte, a música e a espiritualidade etc. É nesse contexto que me veio à mente a lição de um sábio indígena Cherokee. Ei-la:

“Um jovem se acercou ao velho sábio do povo Cherokee e lhe disse: sofri uma injustiça de outro jovem e não saberia como retrucar. E o sábio ancião, pensou um pouco, e lhe disse: deixa-me contar-lhe uma história. Eu também tive ódio e desprezo por alguém que me fez grande injustiça. E o pior que essa pessoa sequer tinha remorsos pelo mal que me causou. Depois de várias injustiças sofridas cheguei a pensar que a vida foi injusta para comigo”.

“Porém, depois de muito refletir, me dei conta de que o ódio afetava a mim e não ao meu ofensor. Cheguei à conclusão de que odiar é como eu mesmo tomar o veneno imaginando que o outro iria morrer envenenado”.

“Agora vejo as coisas assim: dentro de mim existem dois lobos. Um muito bom, vive em harmonia com outros animais, não ofende ninguém nem é ofendido. Mas se precisa reagir o faz da maneira correta, sem se deixar tomar pela raiva e pelo ódio”.

“Há também outro lobo. Este vive irritado, briga com todo mundo e mesmo sem razão ofende os outros. A ira e o ódio são nele mais fortes que seu autocontrole. É uma fúria sem sentido porque não lhe produz nenhuma mudança. Continua mau”.

“Meu caro jovem, não é nada fácil conviver com estes dois lobos que estão dentro de você, porque ambos querem dominar o seu espírito e o seu coração. Assim ocorre com todo o ser humano”.

“O jovem, perplexo, perguntou ao sábio ancião: quem dos dois ganha nessa luta interior? O sábio ancião Cherokee, sorriu e disse: é aquele que você alimentar”.

Conclusão: a humanidade, você e cada um vão superar o mundo de ódio, de vingança e de guerra, se alimentarem o lobo da paz e da harmonia que está dentro de todos. Caso contrário…

Como diria Jesus de Nazaré: “Quem puder entender essa mensagem, entende-a e pratique-a”. Senão conhecereis a desolação da abominação.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de A busca da justa medida (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Bucci Carla Teixeira Gilberto Lopes Marilena Chauí Andrew Korybko Vladimir Safatle Salem Nasser Antonio Martins Otaviano Helene José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Antônio Sales Rios Neto Paulo Fernandes Silveira Tarso Genro Paulo Martins Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens José Geraldo Couto Ricardo Abramovay Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Marilia Pacheco Fiorillo João Paulo Ayub Fonseca André Márcio Neves Soares Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Jorge Branco Ricardo Fabbrini Lorenzo Vitral Érico Andrade Walnice Nogueira Galvão André Singer José Dirceu Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Marcos Silva Igor Felippe Santos Luiz Marques Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Celso Favaretto Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Denilson Cordeiro Priscila Figueiredo Armando Boito Remy José Fontana Anderson Alves Esteves José Machado Moita Neto José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Tadeu Valadares Luis Felipe Miguel Daniel Costa Paulo Sérgio Pinheiro Valério Arcary Luiz Roberto Alves Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez Afrânio Catani Luís Fernando Vitagliano Luiz Costa Lima José Luís Fiori Gilberto Maringoni Leonardo Boff João Adolfo Hansen Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Fernandes Ladeira Juarez Guimarães Flávio Aguiar Anselm Jappe Leonardo Avritzer Rubens Pinto Lyra Celso Frederico João Feres Júnior Atilio A. Boron Gabriel Cohn Slavoj Žižek Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Francisco Pereira de Farias Alexandre de Lima Castro Tranjan Heraldo Campos Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Chico Alencar Eleonora Albano Eliziário Andrade Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Daniel Brazil Rafael R. Ioris Samuel Kilsztajn Mário Maestri Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Marcelo Módolo Luciano Nascimento Marcos Aurélio da Silva Ricardo Musse Marcelo Guimarães Lima Dennis Oliveira Thomas Piketty Manchetômetro João Lanari Bo Roberto Bueno Chico Whitaker Luiz Bernardo Pericás Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Leda Maria Paulani Ronald Rocha Bruno Machado Boaventura de Sousa Santos Marcus Ianoni Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Vanderlei Tenório Airton Paschoa Eugênio Trivinho Henry Burnett Daniel Afonso da Silva João Carlos Salles Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira Julian Rodrigues Ricardo Antunes Antonino Infranca Michael Löwy Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Caio Bugiato Carlos Tautz Rodrigo de Faria Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Henri Acselrad Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco João Sette Whitaker Ferreira Eduardo Borges Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Mariarosaria Fabris Gerson Almeida Alysson Leandro Mascaro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada