Racismo na igreja

Lubaina Himid, Entre os dois meu coração está equilibrado, 1991.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SIMONY DOS ANJOS*

O vereador Renato de Freitas é mais um negro vítima do racismo cristão

Renato Freitas, frente à violência das mortes de Moïse Kabamgabe e de Durval Teófilo Filho, se juntou a outras pessoas negras em uma manifestação em frente à Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de São Benedito, na capital do estado do Paraná. Por ser um sábado havia uma missa em curso e após o encerramento da missa, os manifestantes adentraram à Igreja. Em uma cidade conservadora e cristã, como Curitiba, isso soou como “vilipêndio da religião alheia”, nas palavras de um dos vereadores que propuseram a cassação do mandato de vereador de Renato Freitas (PT).

Temos aqui muitos elementos a serem discutidos em relação a toda a violência e racismo que envolvem essa situação: (i) a entrada de manifestantes em uma igreja revolta mais os “cidadãos de bem” do que a própria morte de Moïse e Durval; (ii) a oportunidade de acusar um parlamentar negro de quebra de decoro e, assim, cassar seu mandato e (iii) a indiferença ao que a população negra tem a dizer sobre esse acontecimento.

O que torna a questão ainda mais complexa é que a Igreja que foi então ocupada por manifestantes é nada mais, nada menos, que uma igreja que mobilizou muitas pessoas negras no decorrer da história da cidade de Curitiba. Portanto, a igreja tem uma simbologia na luta negra e antirracista da cidade. Fundada em 1737, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de São Benedito teve a sua primeira construção – que foi demolida em 1931 –, feita por escravizados e para que os escravizados pudessem frequentar a missa.

Ora, nada mais justo que uma manifestação desse porte e conteúdo acontecesse em um local historicamente pertencente às pessoas negras e que serviu de cenário para articulação de pessoas escravizadas na resistência à escravidão brasileira. Como pessoa negra cristã, o que me chama a atenção nesta história toda é que ao invés de cristãs e cristãos se arrependerem do pecado do racismo e se colocarem na trincheira da luta por reparação histórica, se resignam e ainda se ofendem ao serem confrontados com seu próprio racismo.

Sim, esse caso se trata de racismo das igrejas cristãs, pois afirmam que houve desrespeito com o espaço religioso, mas não admitem nunca o papel crucial da Igreja Católica na justificação moral e religiosa da escravização, no Brasil. Lembro-me do quadro do Debret, Jovens negras indo à Igreja para serem batizadas (1821), no qual as mulheres sequestradas em África vão para a igreja antes de serem estupradas, exploradas e torturadas nas mãos dos senhores de engenho. Portanto, frente às atrocidades que a Igreja Católica (e muitas protestantes) cometeram e apoiaram contra negros e indígenas brasileiros, ceder seus templos para que o movimento negro faça denúncias é o mínimo!

O fato é esse, as mãos dos cristãos estão cheias de sangue, e não há cassação que faça essas mãos se limparem. E o próprio fato de certos cidadãos ditos de bem se incomodarem mais com um ato antirracista dentro de uma Igreja que historicamente é referência do movimento negro curitibano, do que com as mortes de Moïse e Durval, mostra que esses cidadãos querem silenciar o movimento negro.

O segundo ponto é fulcral neste debate: a cassação de Renato. A própria diocese de Curitiba se pronunciou contrária a esse absurdo e em nota disse que essa punição é desproporcional. Contudo, a pena de cassação foi proposta por Sidnei Toaldo por “realização de ato político no interior da igreja”. Sabemos do que se trata na verdade: uma vez que entramos nos espaços de poder, a branquitude faz de tudo para que saíamos. Seja por manobras institucionais, como esta, ou com a nossa própria morte – como ocorreu com Marielle Franco.

Deve ser muito desconfortável ouvir todos os dias que seus ideais são racistas, não? Ver que o espaço de poder não é mais hegemonicamente branco e masculino. Quando Renato abre sua boca para dar voz aos movimentos sociais de Curitiba, ele enfia uma faca no âmago das estruturas racistas, machistas e lgbtfóbicas que sustentam os “homens de bem”. E é por isso que qualquer motivação será o suficiente para arrancar o mandato de uma liderança popular eleita pelo povo e para o povo.

Por fim, a pergunta que fica é: o que pensa a população negra sobre essa cassação absurda? Dos 38 vereadores da casa, apenas 3 são negros. A cidade mais negra do sul, tem 24% de pessoas negras na sua população, mas não tem 24% de vereadores negros na câmara. Será que essa população aprova o movimento negro pedindo misericórdia na Igreja Nossa Senhora do Rosário para as vidas negras perdidas para a violência racista em nossas cidades? Eu acredito que sim. Esse comitê de ética composto por pessoas brancas que não têm qualquer empatia com a causa negra, não está apta para julgar a dor e a denúncia das pessoas negras, que têm seus corpos e direitos vilipendiados todos os dias.

Para os cidadãos de bem cristãos, eu digo, é tempo de arrependimento do pecado do racismo. Pecado esse que garantiu a construção de um país por meio da justificação religiosa do trabalho escravo. É tempo de assumir o lado certo da história e repensar como nossas igrejas dia a dia têm contribuído para o racismo brasileiro. Tenho certeza que neste caso, Jesus estaria não só com os manifestantes, como diria: a casa de Deus é a casa do povo, venham e tomem assento. Racistas, não passarão!

*Simony dos Anjos é doutoranda em antropologia na USP. É integrante do Coletivo “Evangélicas pela Igualdade de Gênero”, da Rede de Mulheres Negras Evangélicas.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Jorge Luiz Souto Maior Ari Marcelo Solon Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Michael Roberts Marcelo Módolo Bernardo Ricupero Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira Paulo Capel Narvai Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Vladimir Safatle Remy José Fontana Flávio Aguiar Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt Marcos Silva Yuri Martins-Fontes Milton Pinheiro Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor Berenice Bento Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Leda Maria Paulani Claudio Katz Celso Favaretto Dênis de Moraes Eleutério F. S. Prado Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Chico Whitaker Carla Teixeira Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Eugênio Trivinho Leonardo Sacramento Annateresa Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Dirceu Andrés del Río Kátia Gerab Baggio Eugênio Bucci Gerson Almeida Michel Goulart da Silva Daniel Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco Daniel Brazil Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Luis Felipe Miguel Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Ronald León Núñez Leonardo Boff Thomas Piketty Eliziário Andrade Heraldo Campos Renato Dagnino João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Rodrigo de Faria Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Airton Paschoa Ronald Rocha Igor Felippe Santos Luiz Marques Marjorie C. Marona Henri Acselrad Celso Frederico Paulo Sérgio Pinheiro Érico Andrade Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Alysson Leandro Mascaro Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Oliveira Torres Carrasco André Singer Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano Atilio A. Boron João Feres Júnior Paulo Martins Ricardo Fabbrini Tales Ab'Sáber José Luís Fiori Bruno Machado Caio Bugiato André Márcio Neves Soares Julian Rodrigues Flávio R. Kothe João Lanari Bo Eleonora Albano Ricardo Abramovay João Carlos Loebens Michael Löwy Gabriel Cohn Alexandre Aragão de Albuquerque Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira Ricardo Musse Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Vinício Carrilho Martinez Andrew Korybko Luciano Nascimento Sandra Bitencourt Marilena Chauí Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary Otaviano Helene Marcos Aurélio da Silva Gilberto Maringoni Chico Alencar Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Priscila Figueiredo Luiz Roberto Alves Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Salem Nasser José Geraldo Couto Tarso Genro Armando Boito Mariarosaria Fabris Anselm Jappe João Adolfo Hansen Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes Elias Jabbour José Costa Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Mário Maestri Juarez Guimarães

NOVAS PUBLICAÇÕES