Realismo jurídico contra o opressor

Kazimir Malevich, Cabeça de um Camponês.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Comentário sobre livros de Tommaso Gazzolo

Qual é o melhor método jurídico para derrotar o opressor? Semana passada, quinta-feira à noite, na aula de Jewish Law, apresentei o livro de Tommaso Gazzolo.

Moisés pede a Deus: “quero saber como meus filhos interpretam as coroas místicas junto da revelação da Torá”. Com isso, percebe-se que Moisés não entende nada da lei como interpretação.

Com base nisso, Tommaso Gazzolo articula as raízes místicas e haláchicas do pensamento do comercialista Tullio Ascarelli. Se pudéssemos resumir em uma linha o pensamento de Ascarelli, seria: “a lei é a interpretação”. Eu esperei que a gênese jusfilosófica do caso jurídico iria prolongar a fusão entre hermenêutica e realismo jurídico, afinal, Jewish Law é um exemplo de realismo jurídico: “pela maioria vocês decidem”.

Interessado nessa leitura de Gazzolo, percebi que o autor, como eu, tem interesses comuns: Kelsen, Heidegger e o mundo operário. E, das coroas místicas, o autor fundamentou esta lei como hermenêutica com Gershom Scholem, a lei hebraica e sua interpretação com Benjamin, com Levinas, e mais vários trechos do Talmud que inspiraram Ascarelli, como o famoso caso do forno do Achnai, em que se diz que a lei não está no céu, a lei está na terra.

Então passei para a leitura do segundo livro. Qual foi a minha decepção inicial?

Nada de Ascarelli, nada de coroas místicas, só o realismo mais radical da escola de Genova.

Até interpretação/direito jurisprudencial é separado da hermenêutica. Ou seja, no embate entre filosofia analítica contra hermenêutica jurídica, quem ganha é a primeira.

Onde está Gadamer? Onde está Heidegger? Nada.

Isso me fez lembrar o embate violento que tive com o grande jurista da escola de Genova, Guastini. Também sou a favor do realismo jurídico. E, também, se bem que hereticamente, sou a favor de Kelsen, mas separo o realismo do positivismo. Nesse sentido: “O ponto de vista do professor Solon é claramente normativo. O não cognitivismo ético não suscita nenhuma teoria da interpretação jurídica, nem descritiva nem normativa. É uma posição que lida com o status lógico dos julgamentos morais e, como tal, não tem nenhuma implicação normativa. Refere-se à ética, não ao direito, muito menos à interpretação jurídica. O realismo jurídico pretende ser uma simples moldura para descrever a práxis jurídica atual. Não há nenhum lugar no realismo jurídico para afirmar o que os juízes ou intérpretes do direito devem fazer” (GUASTINI, 2014, p. 53-54).

Justamente, encantam-me em Kelsen as “derrapadas” cognitivistas do autor, porque defende, sem assim o querer, o socialismo revolucionário jurídico.

Este livro da escola genovesa não combate menos a opressão do que eu, mas a estratégia é outra: é enfatizar o não-cognitivismo dos nossos heróis, Kelsen, Ross e outros realistas.

Como defender o mundo operário com este silêncio ético? Como chegar ao fim da história revolucionária sem buscar os caminhos alternativos da criação do Direito? Se os genoveses descobriram a América, também tem um bom método para combater o jusnaturalismo católico conservador.

Sair do terreno valorativo e ficar apenas no terreno estritamente metodológico. Solapar o solo pantanoso do direito natural católico sem combatê-lo explicitamente, de fronte. Eu acho um erro.

Como Wittgenstein disse, os positivistas não veem que o direito é magia. Mas, afinal, quem não acredita na mística das coroas, da lei? Quem não acredita que existam letras brancas da lei ocultas sob as letras pretas, e apenas essas letras ocultas servem para defender os oprimidos?

Ficar mesmo no terreno universal do positivismo, esconder a ética, derrotar o inimigo reacionário e conservador no plano da metodologia.

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

Referências


GAZZOLO, Tommaso. Il caso giuridico: una ricostruzione giufilosofica. Torino: Giappichelli, 2018.

GAZZOLO, Tommaso. Una doppia appartenenza. Tullio Ascarelli e la legge come interpretazione. Pisa: Pacini Giuridica, 2019.

GUASTINI, Riccardo. A (Short) Commentary to the Commentary. RBF, ano 62, v. 240, jan./jun. 2013.

GUASTINI, Riccardo. LA SEMANTICA DEL DISSENSO E I DIRITTI COSTITUZIONALI. Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale, Milano: Giuffrè Editore, anno LIX, fasc. 2, 2016. p. 859-866.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernão Pessoa Ramos João Sette Whitaker Ferreira Andrés del Río Caio Bugiato Marcelo Guimarães Lima Heraldo Campos Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha Valerio Arcary Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Antonino Infranca Flávio R. Kothe Daniel Costa Milton Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Dennis Oliveira José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Gerson Almeida Leonardo Boff Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado José Raimundo Trindade Marilena Chauí João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Matheus Silveira de Souza Henry Burnett Dênis de Moraes João Carlos Salles Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Luiz Roberto Alves Chico Alencar Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Bruno Machado Rodrigo de Faria Renato Dagnino José Micaelson Lacerda Morais Vinício Carrilho Martinez Elias Jabbour Paulo Martins Rafael R. Ioris Marcelo Módolo Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães Kátia Gerab Baggio Jorge Luiz Souto Maior Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Slavoj Žižek Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola André Singer Gabriel Cohn Michel Goulart da Silva Marcos Silva Michael Löwy Luiz Renato Martins Jorge Branco Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Érico Andrade Ricardo Antunes Afrânio Catani Vladimir Safatle Marjorie C. Marona Thomas Piketty Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Sandra Bitencourt Armando Boito Leda Maria Paulani Carla Teixeira Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Liszt Vieira Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Denilson Cordeiro Fernando Nogueira da Costa Eduardo Borges Remy José Fontana Michael Roberts Luciano Nascimento Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Loebens José Dirceu Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Celso Favaretto João Feres Júnior André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Tarso Genro Bernardo Ricupero Luis Felipe Miguel Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Claudio Katz Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Ladislau Dowbor Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Manuel Domingos Neto Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Eleonora Albano Chico Whitaker Eugênio Trivinho Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Lincoln Secco Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Igor Felippe Santos Anderson Alves Esteves Lucas Fiaschetti Estevez Salem Nasser Flávio Aguiar Paulo Fernandes Silveira Luiz Marques Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos José Luís Fiori Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada