As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Shozo Motoyama (1940-2021)

George Grosz, Metropolis (Grossstadt), 1917
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANA PAULA TORRES MEGIANI*

Comentário sobre a trajetória intelectual do cientista e historiador recém-falecido.

No dia 26 de janeiro de 2021 a comunidade científica e acadêmica, uspiana e brasileira, perdeu um de seus mais reconhecidos membros, o professor doutor Shozo Motoyama. Nascido em 5 de janeiro de 1940, Shozo Motoyama era descendente de imigrantes japoneses do interior de São Paulo. Graduou-se em Física em 1967 e doutorou-se em Ciências em 1971 com uma tese acerca da lógica em Galileu Galilei, sob a orientação do professor Eurípedes Simões de Paula, pela então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, onde abraçou a História como ofício e profissão.

A partir de 1969, Shozo Motoyama foi, durante quatro décadas, um dos mais ativos docentes do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), onde defendeu a tese de livre-docência em 1976, tornou-se professor titular de História da Ciência em 1999 e aposentou-se em 2009. Após a aposentaria continuou a atuar intensamente no ambiente acadêmico e universitário, contribuindo de maneira incansável na orientação de pós-graduação, docência e produção científica, com mais de 20 dissertações de mestrado e 30 teses de doutorado realizadas sob sua orientação junto ao Programa de História Social da FFLCH. Atualmente era docente sênior do Departamento de História.

A reforma da USP (1968) desmembrou a antiga Faculdade de Ciências e Letras em diferentes institutos e agregou áreas afins na atual FFLCH. Naquele contexto o curso de História, que contava com docentes renomados como Sérgio Buarque de Holanda, Eduardo D’Oliveira França, Emilia Viotti da Costa e o próprio Eurípedes Simões de Paula, se transformou em Departamento de História e recebeu dois importantes novos campos: a História da Ciência e a História da Arte – esta logo seria anexada a um novo instituto, a Escola de Comunicações e Artes (ECA).

Para a História da Ciência a FFLCH trouxe dois novos docentes, sendo um deles do Instituto de Física, Shozo Motoyama. Para a professora Raquel Glezer, colega e amiga do professor Shozo no DH, “a presença do Shozo e sua atuação transformaram o campo da História da Ciência em um núcleo interdisciplinar que reunia docentes de quase todos os institutos e faculdades da USP, contribuindo assim para o avanço das relações interinstitucionais do Departamento de História e da própria FFLCH”. Desse modo, destaca a professora Glezer, “a área de História da Ciência passou a atrair tanto alunos para o processo de formação na pós-graduação, como docentes interessados na história de seu próprio campo”, permitindo a ampliação e adensamento das reflexões acerca da relação entre a Teoria da História e História da Ciência.

Shozo Motyama atuou também como formador de quadros acadêmicos em História do Conhecimento e Teoria da História, tendo orientado um grande número de pesquisadores em nível de mestrado e doutorado na USP, e sendo responsável pela abertura de uma nova área de pesquisa e atuação: a História da Ciência e da Técnica no Brasil, hoje consolidada e fortalecida no âmbito das mais diversas sociedades e associações de História e de Ciência.

Dentre as importantes contribuições que Shozo Motoyama legou à USP, está o Centro Interunidades de História da Ciência (CHC – http://chc.fflch.usp.br/), fundado por ele em 1988 e dirigido até sua aposentadoria em 2009. Sediado no edifício de Geografia e História da FFLCH (campus Butantã), o CHC acolhe e agrega docentes e pesquisadores das áreas de Filosofia, Física, Astronomia, Engenharias, Biologia, entre tantas outras. Preserva arquivos pessoais e institucionais relevantes para o estudo da História da Ciência e da Técnica no Brasil.

Em âmbito nacional, sua atuação foi fundamental para a criação da Sociedade Brasileira de História da Ciência (SBHC), em 1983. Internacionalmente, foi diversas vezes pesquisador convidado, com destaque para instituições japonesas como o Science and Engineering Laboratory da Waseda University e o Cosmic Ray Laboratory da University of Tokyo, além de responsável por inúmeras colaborações por meio de convênios e protocolos.

Shozo Motoyama foi também uma importante presença nas relações Brasil-Japão, tendo atuado como membro da diretoria do Centro de Estudos Nipo-Brasileiros desde 1966 e presidente entre 2004 e 2019. Foi também diretor do Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil durante os anos 1991-1997 e 2008-2009. Era membro-titular da cadeira nº 15 da Academia Paulista de História.

Dedicou-se à história da imigração japonesa no Brasil, com publicações voltadas para o tema como o livro Sob o signo do sol levante, de 2011, que trata do tema antes da Segunda Guerra Mundial, e em 2016, em colaboração com o jornalista Jorge Okubaro, Do conflito à integração – uma história da imigração japonesa no Brasil, que cobre o período de 1941 até 2008. Ambas as publicações foram resultado de sua dedicação à Associação para Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil e ao Instituto Brasil-Japão de Integração Cultural e Social.

Publicou um grande volume de trabalhos, livros e artigos ao longo da carreira, dentre os quais destacam-se aqueles dedicados à história da USP, do CNPq e da Fapesp: Para uma história da Fapesp – marcos documentais, de 1999; 50 anos do CNPq contados pelos seus presidentes, de 2002; Construindo o futuro – 35 anos de pós-graduação da USP, de 2004; USP 70 anos – imagens de uma história vivida, de 2006; Fapesp 50 anos: meio século de ciência, de 2015, para citar apenas alguns.

Organizou diversas obras coletivas, dentre elas a importantíssima História das ciências no Brasil, em três volumes, em parceria com Mario Ferri, publicada entre 1979 e 1981. Participou também em obras sobre a história da Fuvest e história da Escola Politécnica com Marilda Nagamini, parceira de muitos trabalhos.

Em tempos tristes como este em que vivemos, com a multiplicação de ataques obscurantistas e negacionistas à ciência, que não param de nos estarrecer, a memória e o legado de Shozo Motoyama necessitam ser difundidos e cultivados. Sua vida dedicada à docência, ao conhecimento e à universidade pública são grande estímulo e inspiração às novas gerações de pesquisadores que ingressam nas universidades do Brasil. A ciência no Brasil mudou sob o olhar crítico e investigativo de Shozo Motoyama.

Muito obrigada, professor Shozo.

*Ana Paula Torres Megiani, é professora do Departamento de História da USP. Autora, entre outros livros, de O Brasil na Monarquia Hispânica (1580-1668) (Humanitas).

Publicado originalmente no Jornal da USP .

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Ricardo Fabbrini Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Jorge Branco Liszt Vieira Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Berenice Bento Eliziário Andrade Denilson Cordeiro Ronald León Núñez José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Heraldo Campos Marilia Pacheco Fiorillo Leda Maria Paulani Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Otaviano Helene Celso Frederico Luiz Renato Martins Valerio Arcary André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Eduardo Borges Marcus Ianoni Fábio Konder Comparato Gabriel Cohn Antonino Infranca Rodrigo de Faria Slavoj Žižek Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt Daniel Brazil Thomas Piketty Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Armando Boito José Costa Júnior Marjorie C. Marona Lincoln Secco Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Ricardo Musse Milton Pinheiro Luís Fernando Vitagliano Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Jorge Luiz Souto Maior Anderson Alves Esteves Tarso Genro Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Manuel Domingos Neto Julian Rodrigues Roberto Bueno Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Luís Fiori Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Andrew Korybko Henry Burnett João Lanari Bo Carla Teixeira Michael Löwy Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Annateresa Fabris Érico Andrade Remy José Fontana Valério Arcary Marilena Chauí Marcos Silva Leonardo Avritzer Gerson Almeida André Singer Tadeu Valadares Vanderlei Tenório Mariarosaria Fabris Airton Paschoa Daniel Afonso da Silva Paulo Martins Luiz Marques Maria Rita Kehl Afrânio Catani Eleonora Albano João Adolfo Hansen Juarez Guimarães Luciano Nascimento Flávio R. Kothe Daniel Costa João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Ari Marcelo Solon Atilio A. Boron Elias Jabbour Vladimir Safatle Anselm Jappe Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Ricardo Antunes Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Bruno Machado João Carlos Salles Salem Nasser Carlos Tautz Flávio Aguiar Marcos Aurélio da Silva Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan José Dirceu Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Antonio Martins Leonardo Boff Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Ronald Rocha José Raimundo Trindade João Feres Júnior Marcelo Guimarães Lima Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Renato Dagnino Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira José Micaelson Lacerda Morais Paulo Capel Narvai Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Tales Ab'Sáber Chico Alencar Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada