As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sinais letais

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Leonardo Boff*

O ser humano é a maior ameaça à vida na Terra. Acumula meios de destruição nos quais foram investidos, só em 2019, um trilhão e 822 bilhões de dólares: armas letais, totalmente ineficazes face ao invisível coronavírus

Mais e mais cresce a consciência de que a Terra e a humanidade tem um destino comum, pois formam uma única e complexa unidade. Foi o que os astronautas da lua ou de suas naves espaciais nos testemunharam. Uma porção dela é inteligente e consciente: são os seres humanos. Desde a mais alta ancestralidade a Terra era vista como a Grande Mãe viva e geradora de todo tipo de vida.

Modernamente, cientistas vindos das ciências da vida e do universo comprovaram, empiricamente, que ela não só possui vida, mas ela mesma é viva. Emerge como um ente vivo, um superorganismo que se comporta como um sistema que combina todos os fatores e as energias cósmicas de tal forma que sempre se mantém viva e que produz permanentemente as mais diversas formas de vida. Foi denominada Gaia, nome grego para designar a Terra como um ser vivo.

Ao largo de sua história, o ser humano entreteve, dito de forma sumária, três tipos de relação para com a Terra e a natureza. O primeiro foi de “interação”: interagia harmonicamente e retirava o necessário para viver. O segundo foi a “intervenção” quando, há cerca de dois milhões de anos, surgiu o homo habilis que usava instrumentos para intervir na natureza e garantir melhor o seu sustento. Tudo culminou no neolítico, há 10-12 mil anos, quando se implantou a agricultura com o manejo de sementes e de espécies também de animais.

O terceiro foi a “agressão” típica dos tempos modernos. Usando todo um maquinário, até robôs e inteligência artificial, o ser humano montou uma sistemática agressão à natureza para extrair dela todos os recursos para sua comodidade e também para acumulação de riqueza material. Essa guerra de agressão foi levada a todas as frentes: no solo, subsolo, no ar e nos oceanos. Ela se deu também entre os seres humanos que são a parte da Terra com inteligência e consciência.

Michel Serres, filósofo francês que frequentou várias áreas do saber, escreveu em 2008 um livro com o título Guerra mundial (Bertrand Brasil). Descreve a história dramática das agressões humanas a todos os ecossistemas e principalmente as guerras entre os próprios seres humanos. Segundo os dados aduzidos, a partir de três mil anos antes de nossa era até o presente foram mortos em conflitos, três bilhões e oitocentos milhões de seres humanos. Só no século XX foram 200 milhões.

Inauguramos, segundo alguns cientistas, uma nova era geológica, o “antropoceno”e o “necroceno”: o ser humano é a maior ameaça à vida na Terra; com os meios de destruição que maneja mostrou-se uma máquina de morte (necroceno). Em função disso ainda em 2019 investiram-se um trilhão e 822 bilhões de dólares em armas letais, totalmente ineficazes e ridículas face ao invisível coronavírus.

A Terra sentiu os golpes e não deixou de reagir: pelo aquecimento global, pelos tsunamis, pelos eventos extremos, as longas estiagens ou as prolongadas nevascas, pelos degelos e pelo caos climático.

A reação, verdadeira represália da Terra, vem pelos vírus (existem cerca de 200 mil) cada vez mais frequentes e violentos, como o zika, a chicungunya, o ebola, o SARS, a gripe suína e aviária e outros. Eles estavam tranquilos em seus habitats. Mas, o desmatamento feroz, a erosão da biodiversidade e a urbanização crescente do planeta, fizeram com que perdessem seus habitats e buscassem outros, passando dos animais aos seres humanos. Eles não vivem per si; precisam de células hospedeiras para se reproduzir. Assim é com o atual coronavírus.

A hipótese que proponho é que, neste momento, os papéis se inverteram. Sendo um superorganismo vivo, a Terra reage, contra-ataca e faz a sua revanche contra a Humanidade. Com razão, pois, como diz o Papa na sua encíclica ecológica “nunca maltratamos e ferimos a nossa Casa Comum como nos últimos dois séculos” (n, 53).

Agora, irada, Gaia brada: “Basta! Sou mãe generosa, mas tenho meus limites vitais intransponíveis. Preciso dar severas lições a esses meus filhos e filhas rebeldes e violentos. E se não aprenderam a interpretar os sinais que lhes enviei e não me respeitarem e cuidarem de mim como sua Mãe, posso não mais querê-los sobre o meu solo”.

Penso que o Covid-19 é um desses sinais, ainda não derradeiro, mas letal o suficiente a ponto de abalar os fundamentos do nosso tipo de civilização. Biólogos temem que possamos ser vitimas do assim chamado Next Big One (NBO), aquele último tão letal e inatacável, capaz de pôr fim à espécie humana.

O coronavírus nos lança um alerta. Como disse o sociólogo e ecólogo Bellamy Fosters: “A sociedade terá que ser reconstituída sobre uma base radicalmente nova. A escolha que temos diante de nós é nua e crua: a ruína ou a revolução”.

Na mesma linha de pensamento afirma a física nuclear e ecologista indiana Vandana Shiva: “Um pequeno vírus pode nos ajudar a dar um grande passo à frente para fundar uma nova civilização planetária ecologista, baseada na harmonia com a natureza. Ou, então, podemos continuar vivendo a fantasia do domínio sobre o planeta e continuar avançando até a próxima pandemia. E, por último, até a extinção. A Terra seguirá, conosco ou sem nós”.

*Leonardo Boff é ecoteólogo. Autor, entre outros livros, de Cuidar da Terra- proteger a vida: como escapar do fim do mundo (Record).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald León Núñez Marcus Ianoni Liszt Vieira Eliziário Andrade João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Lincoln Secco Gilberto Lopes Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Chico Whitaker Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Elias Jabbour Celso Frederico Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Luiz Costa Lima Valerio Arcary Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Alexandre de Freitas Barbosa Jean Marc Von Der Weid Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares Leda Maria Paulani João Lanari Bo Armando Boito Plínio de Arruda Sampaio Jr. Walnice Nogueira Galvão Roberto Bueno Claudio Katz Paulo Martins Ladislau Dowbor Alexandre Aragão de Albuquerque Alysson Leandro Mascaro Ricardo Musse Vanderlei Tenório Renato Dagnino Samuel Kilsztajn Tarso Genro Paulo Capel Narvai Bruno Machado João Carlos Loebens Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Roberto Noritomi Leonardo Boff Manuel Domingos Neto Berenice Bento Maria Rita Kehl José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Jean Pierre Chauvin Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Chico Alencar Eleutério F. S. Prado Afrânio Catani Jorge Luiz Souto Maior Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Luciano Nascimento Caio Bugiato Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Luís Fernando Vitagliano Henry Burnett Andrew Korybko Anselm Jappe José Luís Fiori Henri Acselrad Vinício Carrilho Martinez André Singer Marcelo Módolo Marcos Silva José Costa Júnior Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Juarez Guimarães Daniel Costa Michael Roberts Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Celso Favaretto Marcelo Guimarães Lima Luiz Marques Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Otaviano Helene Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilena Chauí Daniel Brazil Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos José Geraldo Couto Ari Marcelo Solon Anderson Alves Esteves Kátia Gerab Baggio João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues João Feres Júnior Gilberto Maringoni Eleonora Albano Vladimir Safatle Eugênio Bucci Benicio Viero Schmidt Francisco Pereira de Farias Fábio Konder Comparato João Carlos Salles Marilia Pacheco Fiorillo Sandra Bitencourt Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares José Dirceu Luiz Renato Martins Eduardo Borges Valério Arcary Daniel Afonso da Silva Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira Gerson Almeida Antonio Martins Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Michael Löwy Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana José Machado Moita Neto Priscila Figueiredo Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Salem Nasser Eugênio Trivinho Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Rubens Pinto Lyra Lorenzo Vitral Dennis Oliveira João Adolfo Hansen Paulo Sérgio Pinheiro Mário Maestri Dênis de Moraes Carlos Tautz Jorge Branco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada