Exegese ou hermenêutica?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO R. KOTHE*

Não querer (re)conhecer boas obras na América do Sul não deveria fazer com que a única contrapartida seja querer impor como excelente o que é mediano ou medíocre

1.

Quando não se enxergam os limites de um pensador, não se consegue sequer entender o que ele produziu nem discernir o horizonte por ele delineado. Quem não consegue entender os limites também não consegue ir além deles. O discípulo, ao fazer tergiversações em torno de dogmas que ele captou no mestre, não consegue reverenciar o mestre, produzindo algo que esteja à altura dele. Isso nada tem a ver com o respeito e o carinho que se deve a professores que mereceram serem honrados e benquistos.

Professores têm sido alvos de ataques da extrema-direita, mas também sido alvos de professores. A reverência a um mestre serve para exigir que sejam reverenciados os discípulos e discriminados, excluídos, aqueles que não foram ou não são considerados fiéis o bastante. As limitações do mestre não se tornam evidentes porque não se permite que ocupe aí um espaço quem poderia propor alternativas teóricas.

Não se precisaria fazer esse jogo, mas ele é antes uma guerra que um jogo. Será que a formação que se tem num país colonizado e dependente não leva, todavia, à reverência que nada mais questiona e, assim, não presta um serviço ao país?

A catequética que foi incorporada ao cânone colonial luso-brasileiro não pretendia ser ficção, e sim verdade absoluta sobre o “universo” e a “história”. Sua metamorfose em literatura vai contra a intenção dos autores (que não pretendiam fazer “ficção” ao falar em Deus, pois achavam que era a mais profunda realidade o que diziam) e o que hoje se costuma entender por literatura (da qual se exclui o sermonário e a catequética rimada); se não fosse o pendor ideológico, obrigaria a retirá-la do cânone literário, o que não impediria que, após tirá-la, se deslinde um Anchieta e um Vieira como ficcionistas a contragosto, na medida em que propagavam a ficção do divino.

O púlpito é totalitário. A posição do padre que prega do alto, entre o céu e a terra, como mensageiro de Deus, sem que ninguém possa discutir ou pôr em dúvida a sua palavra, é totalitária pela arquitetura e pelo temor reverencial do público, os fiéis acham que dependem da Igreja para salvar a alma e ir ao céu. Essa arquitetura foi transposta para a literatura em forma de cânone. Este se impõe de modo absoluto, como se fosse palavra sagrada, pois pretende ser reflexo da vontade de Deus transposta para a história, segundo a interpretação que lhe é dada pelos escritores consagrados.

O púlpito da igreja tornou totalitária e contrária ao diálogo a palavra do poder, discursando de cima para baixo, com o monopólio da fala, sem admitir perguntas nem réplicas: ao fazer crer que era sagrada, foi vista como melhor enquanto fazia o pior. Crer que um texto é sagrado induz a olhar momentos do passado como tendo sido a presença do divino, consagrando o texto que rememora isso, induz a uma visão reacionária, de querer fazer girar para trás a roda da história. O sermão busca a verdade absoluta num suposto testemunho de algo pretérito, fake oldies em forma de milagres e palavras de rasa sabedoria.

A encenação da missa e demais ritos é reacionária: rememora um momento pretérito como ideal, não percebe que ele é uma ficção, não tolera divergências na exegese: é um teatro que repete sempre a mesma peça, a repetição mecânica é vista como elevada. Algum cochicho, em meio à massa na missa, pode ser tolerado, mas, se ele for persistente a ponto de constituir um núcleo alternativo, logo será calado pelas admoestações dos vizinhos. Se necessário, o sujeito é excluído, expulso da “igreja” (o que aliás se concretizou na ditadura militar e costuma acontecer na área universitária com quem não é “da igrejinha”).

A Igreja Católica teve no Brasil cinco séculos de dominação, associada ao Estado; igrejas neopentecostais se organizaram tentando obter poder. Ambas se alçam nas costas da ignorância, que endossa fake news e não sabe que a Bíblia é “literatura”. A tensão política brasileira do século XXI reflete essa duplicidade religiosa. A saída não é optar por uma ou por outra, mas superar as duas, pela superação do infantilismo e pela libertação do pensamento. O amadurecimento das personalidades exige enfrentar dilemas internos e externos, o que tende a ser doloroso e muitos preferem manter a regressão.

É dentro desse espectro que, durante séculos, tem sido formada a inteligência brasileira. Ele é a negação da inteligência, mas determinou o modo de ser da literatura (cuja natureza íntima é, porém, formular o outro, a alternativa). A liberdade, a ciência e a arte são forçadas a começar com a exclusão à medida que se realizam como transcendência, como um ir além do horizonte estabelecido. O antissemitismo (com a expulsão dos judeus ibéricos) era corolários da versão de que os judeus seriam culpados pela morte de Cristo (“que o seu sangue caia sobre nós e nossos filhos”). Retirava-se aí a responsabilidade principal do governo romano, acreditando que aquilo que era contado nos Evangelhos espelhava os fatos: não se considera ter sido uma versão conveniente ao império romano quando, em 345, foi adotado o catolicismo como religião oficial do Estado.

A Bíblia, como império de um só livro (bíblia = biblos), tinha por sequela o expurgo da invenção original e autônoma. Embora fosse ficção, não se aceitava como ficção: tinha a pretensão de ser registro de fatos, documento cartorial. O resto era resto: ou era dispensável ou, para sobreviver, precisava seguir o ditado. A Bíblia é uma ficção que não se reconhece como literatura, exercício da fantasia. Ao se absolutizar sua ficção como fato verídico, passa-se a encobrir os dois. A ficção poderia tornar-se um princípio de subversão e liberdade, mas isso é inviável para o intelecto orgânico, embora seja o espaço específico da arte literária.

Gênero dominante no cânone colonial tem sido considerado a “poesia”, embora sem poemas de primeira grandeza e desconsiderando a “literatura oral”, em que a narrativa de “causos” devia preponderar. Isso se mantém até a segunda metade do século XIX, quando a prosa parece constituir um gênero dominante. Tal “poesia” como gênero facilita o distanciamento do concreto, evita os conflitos reais, a referência a eventos, tensões sociais.

A historiografia que elabora o cânone gera um princípio de equivalência paradigmática projetada no eixo sintagmático que tem a ficção interna de coesão e coerência, a propiciar o repasse do pensar senhorial como se fosse total verdade: quem está envolvido por essa estrutura (porque a reproduz em si) não é capaz de perceber suas dimensões. Está numa gaiola e crê estar solto. Como em todo o sistema de ensino, editorial e midiático se impõe a reiteração do mesmo paradigma, isso leva a crer em sua valor e verdade.

O teatro colonial não era espaço de reflexão moral da comunidade, mas tribuna de imposição da moral católica contra a “imoralidade” dos índios e negros. O diabo falava tupi-guarani. A prosa posta no cânone deixou de veicular a dor dos pobres: tinha a ótica senhorial. A página em branco era um púlpito, não um palco moral da sociedade ou um espelho em que o espírito refletisse sobre seus pressupostos, tratando de ir além da perspectiva senhorial. Propagavam-se preconceitos. Só aos poucos, em momentos de crise, alguns moralismos passaram a ser examinados, num processo ocasional, intermitente. Não houve continuidade no avanço da consciência crítica “nacional”: o que permeia a fala eventual são longos silêncios.

Num poema como “Buscando a Cristo”, de Gregório de Matos, reflete-se uma situação de sofrimento – verbalizando a imagem de Cristo crucificado e se identificando com ele –, como se repetir catequese europeia fosse reflexão sobre a dor vigente na escravidão colonial. A consagração cristã do sadomasoquismo vem de fora para dentro, da metrópole para a colônia: se Deus podia suportar a tortura, qualquer cristão deveria suportar também. Não se tolera aí uma reflexão sobre o sofrimento dos escravos ou dos aborígenes. Impunha-se a identificação com o que vinha doutrinado de fora e não com o que se vivenciava. Transferia-se para a metafísica religiosa a dor que não podia ser vista na prepotência social e familiar.

O que seria ser e valor vem aí de fora, é imposto, sem propiciar a elaboração da experiência concreta: a alienação é normal, pouco tem de um elaborar a própria vivência, com o que move as pessoas. Acaba-se sendo o que não se é e se toma por autêntico o alienado. Não se sabe mais o que se é, porque tudo foi feito para que não se soubesse. Reflete-se uma situação de sofrimento sobre a qual não se reflete, sobre a qual não há verdadeira reflexão, mas se faz de conta que a única reflexão verdadeira é a que aí se encena na imagética imposta de fora. Preenche-se com divindades um espaço para não o preencher, para enchê-lo de vazio, como se esse vazio fosse o suprassumo do valor e do ser.

Encena-se uma situação de desespero, para fazer dela consolo e esperança. Tem-se um reflexo da miséria, sem a identificação de suas causas reais: tem-se a prostração do sofrimento, sem evidenciar suas causas concretas nem a maneira efetiva de resolvê-lo. Torna-se bom sofrer, pois é divino. O real é escamoteado, e isso convém para não enfrentar o autoritarismo. Todo problema é atribuído a causas transcendentais, à vontade divina, à condição humana. Coroa-se a vida com a morte e, ao mesmo tempo, pinta-se a terra americana como um paraíso enquanto se acena para outro paraíso no post-mortem: assim se tem felicidade e salvação, sem precisar fazer nada com trabalho, mudança de mentalidade e das relações sociais.

Era conveniente para a minoria que se apropriava do labor coletivo – lucros, latifúndios, altos postos, propriedades urbanas – remeter problemas para o além, assim como era conveniente à Igreja e ao Estado que as pessoas fossem “se queixar ao bispo”. Desviar os olhos para o Além servia para não questionar os impasses do Aquém, discutir como se poderia melhorar a vida social. A própria ênfase ao social e ao além servia para não ver as precárias condições da vida num planeta cada vez mais dominado e destruído pelos humanos no Antropoceno. Subjacente estava a questão da finitude e a relação entre os estantes, aqueles que estão aí, e aquilo que eles são em sua relação com outros entes.

A literatura poderia ter servido como espaço para uma fala que não fosse dominada pelo discurso oficial do Estado, da religião, da política. Quem dominava a escrita e a literatura era, porém, a oligarquia. Não só a religião era alienação; à medida que nela se fundamentava a literatura, também esta se tornava instrumento de alienação, presente até mesmo onde não parecia estar presente. Fazia-se “literatura”, desconhecendo o cerne trágico do poético; faziam-se versos, sem chegar à grande poesia. A religião do Estado leva ao inquisitorial, que sufoca o poético. O discurso oficial sufoca o texto criativo, limita o seu espaço.

A obra de arte deixa de ser resplendor da verdade no cânone, simulando ser, no entanto, sua máxima realização. Mesmo não sendo arte, é consagrada como tal, para legitimação da oligarquia. A obra, ao não ser verdadeira, também não deveria divertir, pois serve, sobretudo, para enganar. Pode agradar, mas não é boa arte. A religião, que preconiza ter o monopólio sobre questões existenciais e ritos de passagem, inibe e anula a reflexão ao impor respostas prontas, dogmáticas: como no catecismo, usa as perguntas para impor respostas insuficientes, cujos limites não devem ser expostos. A pergunta aí não é uma pergunta. Como a exegese canonizante, a rigor nada questiona.

A literatura daí decorrente, imbuída desse espírito, acaba não tendo razão de existência, mas também não quer deixar a antítese existir. O escritor ainda precisa, então, redescobrir a sua função, numa especificidade que começa além da reprodução de paradigmas colonialistas, de desviar-se dos problemas terrenos, procurando gerar enganoso consolo no plano metafísico ou, em variante inversa, fazendo de conta que já se está no paraíso terrestre, no melhor dos mundos possíveis. A tendência dos escritores canônicos é a acomodação com o poder, o que induz ao medo escritural: não ousam colocar a fundo questões básicas do seu tempo e lugar, da existência humana.

Não se trata de exigir uma literatura filosofante, a dialogar com obras filosóficas de sucesso. Isso já foi feito. É difícil discernir a tendência subjacente à filosofia ocidental, ou seja, definir o ser como expressão da subjetividade, e esta como manifestação da vontade, e a vontade como vontade de poder. Aí se estaria, contudo, preso a uma linhagem que passaria por Nietzsche, Heidegger, Derrida. O problema precisa ser abordado de uma perspectiva que os europeus não têm conseguido expor, pois afeta a vontade de dominar, típica do colonialismo.

Os três têm razão ao aventar um paradigma subjacente à tradição filosófica, dos gregos aos nossos dias. Por provirem da perspectiva imperial, não chegam a questionar a ânsia de dominar que preside o pensamento ao dizer que as coisas são como o sujeito diz que são. Não basta, porém, falar em “vontade de poder”. As coisas nem “são”. Dizer o “ser” é paralisar o movimento permanente dos átomos.

A hermenêutica tem sido vista como explicação dos “conteúdos” textuais, para que o leitor perceba o que está lendo. A exegese canonizante se perfila nessa intenção de impor o que parece estar sendo dito. Ela é bem aceita, porque estabelece uma suposta ponte entre a margem do autor e a margem do leitor, como se estivessem reunidos mesmo leito. E estão. A “comunicação” é descobrir o que os dois têm em comum, não um avançar para algo novo, diferente.

Não se entende o que é dito num texto se não se captar boa parte daquilo que deixou de ser dito. Somente com o pano de fundo do não-dito é que se consegue captar algo da configuração do que se pretendeu dizer (e que provavelmente não era o relevante). O não-dito torna estranho o ditado do dito. Ele se mostra como deformado, irrelevante, deformante. O mais importante do texto não é dito por ele, está escondido entre suas linhas. Esse é o espaço interditado pela sacralização do texto. Começa com um livro sagrado e se completa num cânone de divindades.

O não-dito do texto tende a começar pelo que é imposto no trabalho servil, que obriga quase todos a trabalhar muito por quase nada em benefício de uma minoria, que fica para si, para seu uso privado aquilo que foi produzido pela coletividade. Um crente não admite que o seu texto sagrado esteja repleto de fakes, que nele haja manipulação de ingênuos. Ele acha que aquilo que é narrado aconteceu exatamente como é contado. Não dá um passo para trás para ver mais à distância o que é encenado. Seria profanação. No caso da exegese canônica, seria impatriótico.

Os intelectuais de países europeus que já foram metrópoles não conseguem pensar e expor claramente o fato de que, na Segunda Guerra, os americanos esperaram que os russos destruíssem grandemente o exército alemão para daí invadir a Europa e tomar a parte ocidental para si e, depois, esperar a queda da União Soviética, para daí, deixando de cumprir acordos feitos, irromper ao leste e se expandir até as fronteiras da Rússia. O heroico esforço russo na Segunda Guerra acabou gerando um problema sério para o russos: as ameaças da Guerra Fria, os avanços da OTAN após 1992 e a Guerra da Ucrânia. Na mídia brasileira não se vê a geopolítica bem examinada. Na universidade também não. 

Isso parece distante no espaço e no tempo de um estudo sobre o cânone brasileiro no período imperial, mas a releitura se faz a partir do hic et nunc. Isso gera uma diferença necessária entre o horizonte dos antigos autores e dos atuais leitores. Ninguém lê o texto em si: ler é extrair o texto das linhas escritas, retirá-lo do em si. A questão hermenêutica é central no direito e na psicanálise.

Na terapia psicológica, o analista ouve a fala do “paciente” com uma atenção flutuante, que o leva a enquadrar o dito em conceitos de sua teoria de formação. Ele parece “entender” o quadro do paciente quando consegue enquadrar a fala flutuante nos conceitos. Isso não significa, porém, entender o quadro do paciente no sentido de dar um passo adiante em sua interioridade, mas procurar o denominador-comum cultural dos dois.

Num julgamento jurídico, o “mesmo fato” pode ser interpretado por óticas tão diversas que a interpretação não parece ser do mesmo fato. Nietzsche dizia, em crítica ao positivismo, que não há fatos e sim apenas interpretações, mas que também isso era uma interpretação. Parece que a subjetividade pode enxergar o que quiser segundo sua própria vontade, mas daí ela só enxerga, sem discernir, a sua própria projeção, e não o fato.

No Direito há divergências de doutrina, cada uma com seus argumentos, mas ele próprio não costuma ter a liberdade de ler o processo de uma ótica bem diversa. Ele precisa ater-se à lei e à jurisprudência, mas não pode negar validade a elas. Por dever de ofício, precisa cumprir a lei e seguir a jurisprudência firmada. Pressupõe que justiça seja a aplicação da lei. Não consegue ver na lei a manifestação da vontade do mais forte e, portanto, examinar a questão como uma disputa entre vontades. Não consegue também dar o passo adiante, que seria ver se a vontade teria ditado desde os gregos o que a filosofia considera ser o ser. O “ser” não é desconstruído como encobrimento da vontade de dominar o mundo.

Na hermenêutica das artes aparenta haver mais liberdade, mas isso é ilusão. Quem conhece o ensino universitário e os interesses que permeiam o mundo das artes sabe bem que há muita coisa que não pode ser dita e que muita coisa que não deveria ser acaba sendo dita e badalada. Não é mera questão de espaço para propor o que pareçam palpites insensatos. A sacralização da arte já cria por si um temor reverencial que inibe divergências e impede a manifestação pública do que seja contrário à postura oficial.

Na literatura parece mais fácil poder imaginar um texto que divirja do canonizado e diga coisas bem diferentes. Ele seria uma espécie de pano de fundo que permitiria ler melhor o texto proposto. Como a exegese canonizante carrega alto poder ideológico, ela não abre espaço para a leitura antitética. É preciso haver uma desconstrução, uma desmontagem do texto canônico. Este precisa ser visto e revisto como um texto estranho, como algo que ainda precisa ser decifrado, pois o que ele afirma não é evidente por si. 

Romper com a ingenuidade historiográfica de que se está vendo “o passado como ele realmente ocorreu” significa perquirir o projeto de futuro nele embutido. Isso significa decifrar a teleologia presente em sua teologia, e vice-versa. Projeção de futuro e reconstrução do passado ocorrem, porém, em função da dominação presente: na prática, a questão se tornaria política, mas a supremacia conservadora tende a sufocar o embate público.

 

2.

Se o enfoque católico domina desde a Carta de Caminha até o neobarroco, não basta examinar a diferenciação interna em sua linha de identidade para ver a limitação do seu horizonte. É preciso tocar pontos nevrálgicos em tópicos diferenciais, sem que o retorno dos sonhos e dos queixumes fique restrito ao pretérito. Toda análise é uma autoanálise; toda crítica, uma autocrítica; toda superação, uma autossuperação.

Jeová não teria sido apenas secreto escritor, autor da Bíblia (ghost-writer de ghost-writers, a ditar para escribas), mas também autor da “Natureza” um livro a ser decifrado pelos cientistas e poetas (o que contradiz a noção de que a Bíblia é o único livro que importa e faz da arte e da ciência algo herético, subversivo). Jeová precisa de alguém que, ao menos tão antigo quanto ele, testemunhe e reescreva o seu projeto de criação, mas que não deve ser Deus, na medida em que este pode ser apenas um, e não pode ser o diabo, na medida em que este não seria um escriba confiável: Jeová é uma invenção da escrita. O escritor é escrita. O cânone, enquanto bíblia laica da nacionalidade, tem uma remota pretensão de, sendo consagrado, ser também sagrado.

Precisa ter, então, um remoto Atheos absconditus scribendi, que pretende registrar a ação e a palavra divina, e até ser o secreto inventor de Deus: os escritores seriam seus delegados. Quando o escritor se alça à posição de escriba de Deus, ele quer dar um respaldo ao seu texto, de maneira a alçar o que diz a um patamar indubitável. Há uma ficção subjacente a toda ficção, mas que não se formula como tal. O ignoto autor cria o autor de toda a criação. Todo o real sendo ficção, toda ficção pode pretender ser real. Quem cria tudo a partir de nada faz lembrar Glauco, que, no livro X de a República, carregaria um espelho pelo campo e recriaria tudo nele como reflexão. Se um quase nada pode conter tudo, tudo pode se esconder no quase nada.

Não se tem no cânone o pensar e sentir da população brasileira, mas apenas de parcela de sua elite, ainda que esta consiga se impor como todo, fazendo com que aquela se identifique com o seu discurso. O dito no ditado do editado escamoteia as sombras de um imenso silêncio; o dito no ditado canônico mais cala do que fala. O tom apologético do que é recitado esconde trágicas vidas que levaram marginalizados, insatisfeitos e exilados a buscarem os territórios brasileiros, escamoteando neles o passado, como se a vida aí recém se iniciasse; o fechamento da literatura brasileira como um sistema em si faz parte desse processo de repressão.

O próprio teor apologético quanto à nova terra tem caráter de consolo, que não chega a ser formulado; não se fala da perda, exceto como perda de outrem. No sistema canônico, o silêncio prepondera sobre a fala, mas o cânone faz de conta que tudo é redutível à sua palavra. Faz de conta que disse tudo, enquanto mais cala do que diz; faz de conta que a fala havida é toda a fala possível, a fala do todo. Essa fala é falácia; essa palavra, palavreado. Tem, contudo, o falo do poder, para estuprar quem diga que o rei está nu.

Da produção literária havida durante meio século após o aniquilamento do grupo dito dos inconfidentes, nada ficou registrado no cânone. Ainda que a independência tenha se dado em sua vertente mais conservadora, foi uma revolução política que propiciou bases para a produção e a evolução literária. Mesmo que parcos, depois da independência surgiram jornais, faculdades, editoras, grupos de intelectuais, críticos e leitores: um sistema de circulação literária como não havia antes, condição necessária, mas não suficiente, para o surgimento de boas obras. Tendo-se um Estado, a literatura teve de inventar uma nação. Essa foi a tarefa – mesmo que recheada de erros e até errônea – a que se propôs o romantismo carioca: tardio e anacrônico já no berço. A exegese canonizante não é capaz de questionar realmente a resposta por ele dada, discriminatória sob a aparência de ser integrativa. Essa exegese não consegue ler bem os textos, pois não consegue imaginar o antitético, a negação deles, o nada que poderia ser tudo a dizer. É mero juízo tético.

Até meados do século XIX, o intelectual brasileiro tinha em geral formação coimbrã ou de seminarista; foi uma mudança radical quando ele passou a se formar na Escola de Medicina do Rio ou na Faculdade de Direito de São Paulo, mas o estudo continuou sendo privilégio da oligarquia, ainda que não mais sob o controle racista da Inquisição católica como no período colonial. De um modo ou de outro, a visão de mundo permanecia a visão de uma classe e de uma casta. Com a criação dos jornais, antes proibidos por Portugal, criou-se um público, embora os livros ainda fossem impressos em Paris ou em Leipzig. Quando gráficas passaram a funcionar, deu-se um passo decisivo para a emancipação, embora a publicação de ficção e de ensaios fosse apenas ocasional e sem garantia de qualidade.

A independência não representou imediata emancipação intelectual e nem esta foi alcançada de vez, como se supõe, cem anos depois, com o modernismo. Num país cuja cultura passou de marionete de Paris a boneco de Hollywood, ela sequer foi alcançada; sem independência política, a questão sequer poderia ser colocada. O isolamento nacional é incompatível com a globalização e é feito em nome de valores limitados, restritivos, que endossam o existente como o melhor dos mundos; a globalização, por sua vez, é uma nova forma de dominação, castrando diferenças.

A série literária sofre influxos positivos e negativos da série social que fundamenta a sua produção e circulação, mas, ainda que os interesses do poder e do mercado pretendam, e consigam, determinar em parte o resultado, a obra de arte surge de um foro íntimo, que ela guarda na expressão de um modo que não é redutível a interesses externos, mesmo quando estes deformam a leitura ou querem promover o que não vale, e não querem que apareça o que tem valor. Isso não quer dizer que o que tem valor sempre aparece, e que tem mais valor o que mais aparece. Pelo contrário, como o que tem algo novo a dizer está sempre além do horizonte do estatuído, este trata de impedir que aquele apareça. Não há gênio literário no vazio, sem condições sociais que propiciem seu desenvolvimento e sua produção: a maioria não aparece. Por conveniência e falta de alternativa, pode-se fazer de conta que é genial uma obra limitada e problemática, mas também se pode impedir que desenvolva o que tem valor, como também se pode forçar quem tem valor a acatar os ditames daquele que o financia. A arte surge do gesto de transcender tais imposições.

Hoje a mídia pode, por exemplo, promover escritores medianos e impedir que se publiquem as suas deficiências, assim como pode denegrir o mérito de obras conforme as conveniências dos grupos de influência. É uma variante do que imperava na Europa e na América até o século XVIII, quando os artistas, sob o regime do mecenato, eram obrigados a auratizar aristocratas e temas religiosos. Ainda que a exegese canonizante badale seus anjos e santos, ainda que alunos querendo aprovação nas escolas ou na busca de emprego repiquem o ditado do establishment, tal produção não se torna grandiosa.

A medianidade artística prepondera nas obras do cânone imperial. Manifestação típica dela são os “gênios românticos”, que morreram aos vinte anos de idade e são apresentados como se tivessem produzido o mesmo que Shakespeare ou Tolstói (cuja grandeza não é percebida por mentes formadas no horizonte da medianidade canônica). Essa inversão forçada continua tão dependente da europeidade quanto o eurocentrismo. A atitude de não querer (re)conhecer boas obras na América do Sul não deveria fazer com que a única contrapartida seja querer impor como excelente o que é mediano ou medíocre.

*Flávio R. Kothe é professor titular aposentado de estética na Universidade de Brasília (UnB). Autor, entre outros livros, de Benjamin e Adorno: confrontos (Ática).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Lincoln Secco Andrés del Río Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Antonino Infranca Henry Burnett Lorenzo Vitral Tarso Genro Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Mariarosaria Fabris Marcelo Módolo Dênis de Moraes Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Ladislau Dowbor Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Gerson Almeida Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Milton Pinheiro Celso Favaretto Antonio Martins Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Luiz Roberto Alves Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Paulo Capel Narvai Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Sandra Bitencourt Matheus Silveira de Souza Priscila Figueiredo José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Francisco Pereira de Farias Denilson Cordeiro Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Eugênio Trivinho Ari Marcelo Solon Luciano Nascimento Atilio A. Boron Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Otaviano Helene André Singer Thomas Piketty Luis Felipe Miguel José Dirceu Caio Bugiato Eleonora Albano Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Airton Paschoa Remy José Fontana Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Leda Maria Paulani Michael Roberts Bento Prado Jr. José Machado Moita Neto João Feres Júnior Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Alexandre de Freitas Barbosa Vladimir Safatle Andrew Korybko Salem Nasser José Geraldo Couto Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn João Carlos Salles Daniel Brazil Marcos Silva Anselm Jappe Slavoj Žižek Anderson Alves Esteves Juarez Guimarães Celso Frederico Julian Rodrigues Leonardo Avritzer Berenice Bento João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Rubens Pinto Lyra Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Eliziário Andrade Michel Goulart da Silva João Carlos Loebens Kátia Gerab Baggio Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Marjorie C. Marona Ricardo Abramovay Valerio Arcary Érico Andrade Tales Ab'Sáber Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins João Lanari Bo Henri Acselrad Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar José Costa Júnior Carla Teixeira Chico Whitaker Luiz Werneck Vianna Fábio Konder Comparato José Luís Fiori Gilberto Lopes Chico Alencar Ricardo Musse João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Daniel Costa Bruno Machado Osvaldo Coggiola Renato Dagnino Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Ronaldo Tadeu de Souza Mário Maestri Eugênio Bucci Liszt Vieira Marcelo Guimarães Lima Jorge Branco Tadeu Valadares Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada