As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Subjetividade e pandemia

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Alysson Leandro Mascaro*

Empreendedorismo, meritocracia, apego à fé ou crença na autoridade dos líderes políticos e religiosos são alguns dos constituintes ideológicos das subjetividades hoje.

A sociabilidade quotidiana sofre um choque com a pandemia de coronavírus. Deslocamentos ao trabalho, à escola, ao comércio, de viagens, de pronto são limitados em favor de uma quarentena nas residências. Explodem as contradições da sociedade capitalista: a maioria da população, trabalhadora, depende da venda de força de trabalho, em atividades em grande parte suspensas; vários setores, precarizados, se sustentam na prestação de serviços, que não mais ocorrem; pequenos empresários veem ruir seus negócios; bancos são imediatamente salvos.

Em favor da contenção da circulação do vírus, deve-se ficar em casa: a maioria não tem condições mínimas de habitação; praticamente todos não têm estrutura psíquica ou arcabouço de convívio para lidar com a reclusão e com a vida intensamente compartilhada; as carências intelectivo-culturais não permitem fruir de momentos de não-trabalho. O sistema de saúde se esgarça: desde o golpe de 2016, a experiência do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro tem sido desmontada, com limitações constitucionais de teto de gastos e incentivos à saúde privada.

No conjunto desse quadro, a subjetividade sofre. O que se pensa, o que se deseja, o que se reprime, o que se almeja, tudo isso advém da materialidade das relações sociais, moldada por aparelhos que constituem a intelecção de mundo. Numa sociabilidade capitalista, desde sempre cada sujeito sabe que a intermediação geral das relações se faz mediante a mercadoria: tudo é comprado ou vendido, tudo vale dinheiro. O direito é seu corolário imediato: ter é apropriar-se por direito, dispor é realizar contrato, tudo o que for contra tais paradigmas é crime.

Os seres humanos dispõem de acessos distintos ao capital: alguns o têm em suficiência para gozar a vida e comprar o trabalho alheio; a maioria não o tem e busca vender sua força de trabalho para amealhar salário. Por isso e por óbvio, a orientação da vida, no capitalismo, é sempre capitalista: lucrar, negociar, trabalhar, ter. É a verdade da vida material.

A ideologia é material. Ela advém das relações sociais concretas. Por vender força de trabalho, as classes trabalhadoras são orientadas a se orgulhar de suas capacidades: eficiência, força ou destreza corporal, boa saúde – corpo. O capital, sendo o contrastante da pobreza, orgulha-se de sua distinção: raro, especial, inteligente, belo – cérebro. No seio dessa base material da ideologia, determinada pelas relações de produção, fincam-se os aparelhos ideológicos, que sobredeterminam essa mesma materialidade. Família, escola, religião ou meios de comunicação de massa são constituintes concretos da subjetividade.

Com base em tais aparelhos, numa situação como a da pandemia de coronavírus, não se trata apenas de sofrer: o sofrimento está permeado por inteligibilidades como as que dizem ser o vírus um castigo de Deus, ou de que quem tem fé não adoece, ou de que com autoestima será possível trocar o emprego que se vai perder por negócio pessoal lucrativo. Empreendedorismo, meritocracia, apego à fé ou crença na autoridade dos líderes políticos e religiosos são alguns dos constituintes ideológicos das subjetividades hoje.

A sociabilidade capitalista tradicionalmente esgarça as subjetividades, mas, via de regra, cada qual sofre seu calvário sob a ideologia de que a culpa é sua ou a desgraça diz respeito apenas a si. No entanto, a pandemia expõe questões básicas e gerais que cindem esse horizonte ideológico: a natureza é comum, a saúde é coletiva, a riqueza capitalista é feita pela exploração dos trabalhadores e, por fim, a vida plena e saudável é incompatível estruturalmente com as formas sociais da acumulação.

Tais fundamentos basilares se confrontam com os sustentáculos da ideologia, como Estado e direito. Diz-se que a política é o bem comum, que todos são iguais perante a lei, que todos são cidadãos, mas os cidadãos das periferias padecem de quarentena em condições insalubres e sem emprego. Diz-se que os países do mundo vivem num concerto internacional de soberania e igualdade entre nações, no entanto os EUA confiscam tranquilamente máscaras direcionadas a outros países, em ato de pirataria moderna.

Também o direito apresenta um bloco de princípios como os de direito social, mas a realidade contrasta o direito à habitação aos que vivem em favelas, o direito à dignidade nas condições de trabalho a desempregados ou assalariados de fome, o direito à saúde à ausência de hospitais. Quase sempre, na reprodução quotidiana do capitalismo, esse aparato ideológico só se rompe aos desgraçados individualmente; mas, na pandemia, rompe-se estruturalmente.

Trata-se de uma dialética difícil de manutenção ou quebra: as formas sociais do capitalismo constituem as subjetividades porque as relações sociais são exatamente moldadas em tais talhes. Por isso, mesmo nas crises estruturais há a tendência de que não se acabe a exploração e as dominações. A acumulação muitas vezes retorna, e ainda mais forte.

Em 2008 explodiu a crise do neoliberalismo. Nos anos seguintes, golpes pelo mundo todo, guerras e a expansão da tecnologia das redes sociais levaram multidões à miséria, mas o discurso neoliberal da meritocracia e do empreendedorismo só aumentou. É possível que a crise de agora venha a fazer com que frações do capital fracassem a fim de que outras frações aproveitem tal banquete falimentar para maior acúmulo.

Mas também é possível que a crise seja estrutural a ponto das subjetividades se esgarçarem. Pode haver um ponto em que não se creia mais em políticos mitos, em milícias de ódio de internet, em discursos religiosos contra a ciência, em meritocracia num capitalismo de desastre. Se assim o for, é preciso uma vanguarda social – mundial – que muito rapidamente amalgame a ideologia e a esperança das massas. Para que se lute, é preciso que haja sentido. Para que a luta seja persistente, resiliente e vitoriosa é preciso que seja racional: a ciência sobre o funcionamento do capital, sua crise e sua superação é fundamental no presente.

A saúde não é apenas o biológico, o natural. Por todo o século XX até hoje, a melhor filosofia da saúde insiste na relação entre o vital e o social – assim o é com Georges Canguilhem, Michel Foucault, Jacques Lacan, Louis Althusser, Dominique Lecourt, Hans-Georg Gadamer, Jaime Breilh. Por isso, uma pandemia revela não o vírus, mas a fragilidade da vida sob as condições de sociabilidade presente.

Se a economia não fosse para a acumulação, o mundo já poderia ter casas suficientes e dignas para o repouso de quarentena, o trabalho poderia ser pausado universalmente sem a intranquilidade da dependência de salário, a saúde seria pública no mundo todo, a educação emancipada de orientações à eficiência poderia ser bastante para o ócio ser objeto de gozo. O capitalismo instituiu esta subjetividade presente; a crise do capital e a pandemia a quebram. Com urgência, que de uma subjetividade contraditória e fraturada possa sair a transformação de nosso tempo.

*Alysson Leandro Mascaro é professor da Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco). Autor, entre outros livros, de Crítica da legalidade e do direito brasileiro (Quartier Latin).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Roberto Alves Benicio Viero Schmidt Antonio Martins Claudio Katz Manchetômetro Dennis Oliveira Lincoln Secco Slavoj Žižek Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Roberts Ricardo Antunes Milton Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre Aragão de Albuquerque Bento Prado Jr. Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Igor Felippe Santos André Márcio Neves Soares Remy José Fontana Paulo Nogueira Batista Jr Jean Marc Von Der Weid Gerson Almeida Priscila Figueiredo Fernão Pessoa Ramos Andrew Korybko Berenice Bento Ricardo Abramovay Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Caio Bugiato Julian Rodrigues Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra Antônio Sales Rios Neto Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Luiz Costa Lima Leonardo Avritzer Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Carlos Tautz André Singer Paulo Fernandes Silveira Ronald Rocha Luiz Werneck Vianna José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Marilena Chauí Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Luiz Marques Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Érico Andrade Ari Marcelo Solon José Micaelson Lacerda Morais Francisco Fernandes Ladeira Francisco Pereira de Farias Gabriel Cohn Atilio A. Boron José Luís Fiori Marcos Aurélio da Silva Valério Arcary Anderson Alves Esteves Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Leonardo Boff Salem Nasser Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy Jean Pierre Chauvin João Sette Whitaker Ferreira Luiz Eduardo Soares Paulo Capel Narvai Liszt Vieira Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Gilberto Lopes Anselm Jappe João Lanari Bo Thomas Piketty Marjorie C. Marona José Geraldo Couto Fábio Konder Comparato Eduardo Borges Sandra Bitencourt Tadeu Valadares Vladimir Safatle Jorge Branco Luciano Nascimento Vanderlei Tenório João Adolfo Hansen Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene João Carlos Salles Manuel Domingos Neto Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Paulo Martins Ronald León Núñez Celso Favaretto Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Heraldo Campos Denilson Cordeiro Carla Teixeira Roberto Noritomi Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Flávio R. Kothe José Raimundo Trindade João Feres Júnior Gilberto Maringoni Henri Acselrad Daniel Brazil Eugênio Trivinho Rafael R. Ioris Marcos Silva Celso Frederico Mário Maestri Marcelo Módolo Lorenzo Vitral Chico Alencar Flávio Aguiar Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira Antonino Infranca Juarez Guimarães Marcelo Guimarães Lima Lucas Fiaschetti Estevez Armando Boito Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos João Paulo Ayub Fonseca Renato Dagnino João Carlos Loebens Leda Maria Paulani Henry Burnett Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada