As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Três funções do orientador

Imagem: Markus Spiske
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

O orientador precisa estar consciente de que a sua tarefa não é reter os alunos e pesquisadores, já que eles não têm o estatuto de coisa

“What happens to his class now?’ I enquired. At this he guffawed loudly. ‘Without being too prophetic, I’d say you’re for it” (E. R. Braithwaite, To Sir with Love, 1959).

Há tempos, este pseudocronista intenta redigir um breve tratado sobre o ofício de ensinar: essa arte que, desde o advento da internet no final da década de 1990, rivaliza com os portais/buscadores de informação e, mais recentemente, com influencers (de quem, mesmo?) e produtores de conteúdo (de que procedência e qualidade, heim?).

Para além de protestar frente às acusações infundadas e injustificadas contra o professor – quase sempre disparadas por quem nunca pisou numa sala de aula, e nada sabe das violências que este profissional sofre diariamente, dentro e fora das instituições –, talvez seja oportuno dedicar uma lauda e meia a alguns papéis inerentes ao ofício de orientar.

Primeira função primordial: responder a mensagens enviadas pelos seres interessados em desenvolver pesquisa (sob nossa orientação, ou não). Soará contraditório sugerir que estudantes leiam atentamente e anotem rigorosamente ensaios que dissertam sobre as múltiplas formas de escuta e solidariedade, se não mostrarmos disposição em ler e responder a eles. Obviamente, isso não implica orientarmos a pesquisa de mil pessoas simultaneamente, nem estarmos disponíveis as vinte e quatro horas do dia. Não se trata de uma relação entre serviçal e cliente.

Atrelada à disposição para ler e escrever, está a habilidade de escutar e falar. Resultará inútil responder por escrito à mensagem do estudante, se não houver acolhida e direcionamento. Por acolhimento, quero dizer escuta atenta, combinada à resposta cordial, seja ela indício de uma parceria de trabalho; seja ela recomendação de que o aluno: (1) reflita sobre hipóteses de pesquisa derivadas do tema que tem em mente; (2) dialogue com outros colegas de ofício, caso não possamos orientá-lo; (3) estabeleça um repertório inicial de leituras; (4) inaugure uma rotina de estudos; (5) encare a pesquisa como um trabalho que demanda humildade etc.

Quanto ao direcionamento (supondo que a orientação tenha início), parece-me que o segundo papel do professor é incentivar o estudante a perseguir o tema de seu interesse, levando em conta a exequibilidade da pesquisa; os impasses existentes; a bibliografia incontornável; o prazo efetivo para a realização do trabalho; a necessidade de recortar o tema (por autor, obra, período histórico etc.) em havendo necessidade; a importância de o aluno não transformar o objeto de pesquisa em mera manifestação narcísica etc.

Salvo engano, a terceira função do orientador é alertar o estudante de que ninguém é autossuficiente. Daí a importância de sugerir modos de como conduzir a pesquisa sem arroubos de genialidade; manter-se atento às mensagens enviadas (não só) pelo orientador; dirigir-se grata e humildemente à banca avaliadora etc. No plano discursivo, propor modelos de como não soar pretensioso ou categórico, ao redigir o relatório de pesquisa, a monografia ou a tese, o resumo para eventos, a resenha ou o artigo científico.

Desde sempre, o orientador precisa estar consciente de que a sua tarefa não é reter os alunos e pesquisadores, já que eles não têm o estatuto de coisa: não são “sua” propriedade. De nossa parte, como não somos coach ou deidade, soa ridículo portar frases messiânicas de efeito, ainda que recorramos a elas como meras fórmulas de incentivo.

Respeitadas as atribuições de orientando e orientador, procure-se estimular a concepção solidária de mundo, justamente porque ela é poderoso antídoto contra o ultraliberalismo e marca posição contra os orgulhosos hiper-sujeitos – entes ciosos de sua máxima relevância a reproduzir pérolas do senso comum, como se se tratasse de máximas filosóficas, tais como: “o mundo é assim”.

Na quase totalidade das parcerias, os estudantes se mostrarão modestos nos contatos iniciais e adquirirão maior dose de pretensão, porventura respaldada por alguma autonomia, à medida que caminharem por relativa conta própria. Ao final do contrato de orientação (que pode levar de seis meses a alguns anos), o mais provável é que os estudantes sumam no mundo e apenas eventualmente se recordem de seus professores e orientadores, perguntando-lhes “como vai”?

Mas há algum consolo. Dos vínculos de pesquisa, restarão o registro da trajetória em comum no currículo Lattes e a declaração oficial (a resumir o longo e complexo trabalho de orientação em três linhas), emitida por eficientes sistemas on-line e validada por seres autômatos.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Everaldo de Oliveira Andrade Denilson Cordeiro Roberto Bueno José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene João Paulo Ayub Fonseca Salem Nasser Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Henry Burnett Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Remy José Fontana Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo José Dirceu Bruno Machado Luciano Nascimento Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Roberto Alves Sergio Amadeu da Silveira Osvaldo Coggiola Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Fábio Konder Comparato Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Elias Jabbour João Feres Júnior Vanderlei Tenório Airton Paschoa Henri Acselrad André Singer Bento Prado Jr. Thomas Piketty Gerson Almeida Manuel Domingos Neto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Juarez Guimarães Luis Felipe Miguel Luiz Carlos Bresser-Pereira Anderson Alves Esteves Marilena Chauí Daniel Costa Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris Ricardo Musse Andrew Korybko Antonio Martins João Carlos Loebens Roberto Noritomi Vinício Carrilho Martinez Michael Roberts Anselm Jappe José Geraldo Couto Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Mário Maestri Gilberto Maringoni Sandra Bitencourt Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Ronald León Núñez Tadeu Valadares Boaventura de Sousa Santos Liszt Vieira Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa João Lanari Bo Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral Flávio R. Kothe Heraldo Campos João Adolfo Hansen Jorge Branco Eleonora Albano Walnice Nogueira Galvão Leonardo Boff Atilio A. Boron João Carlos Salles Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior Luiz Marques Kátia Gerab Baggio Carla Teixeira Antonino Infranca José Machado Moita Neto Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Érico Andrade Igor Felippe Santos Valerio Arcary Afrânio Catani Samuel Kilsztajn Fernão Pessoa Ramos Alexandre Aragão de Albuquerque Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Gabriel Cohn Benicio Viero Schmidt Leonardo Sacramento Marcos Silva Renato Dagnino Armando Boito Julian Rodrigues Ricardo Fabbrini André Márcio Neves Soares Valério Arcary Marcelo Guimarães Lima Leonardo Avritzer Paulo Martins Chico Whitaker Celso Favaretto Flávio Aguiar Lincoln Secco Annateresa Fabris Chico Alencar Manchetômetro José Luís Fiori Luiz Renato Martins José Costa Júnior Berenice Bento Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato Rafael R. Ioris Rubens Pinto Lyra Tarso Genro Daniel Brazil Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Eleutério F. S. Prado José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Dennis Oliveira Vladimir Safatle Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Luís Fernando Vitagliano Ricardo Abramovay

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada