As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Vida em comum – ensaio de antropologia geral

Wassily Kandinsky
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RODRIGO PETRONIO*

Comentário sobre o livro de Tzvetan Todorov

A antropologia surgiu como ciência no século XIX. Contudo, ao longo do século XX, a partir de uma articulação de diversos ramos do conhecimento, criou-se uma vertente que passou a ser chamada de antropologia geral ou antropologia fundamental.

Não se trata mais de analisar as variáveis culturais, mas de compreender algumas das estruturas fundamentais que determinam o ser humano como espécie, ou seja, como antropos. Gehlen, Illies, Kirschof, Welsch, Kummer, Durand, Putnam, Landmann, Plessner, Portmann, Rothacker, Ruffié, Scheler, Uexküll, Tugendhat e Vossenkuhl. Estes são alguns dos representantes internacionais desse campo de estudo.

O filósofo, historiador e crítico literário búlgaro-francês Tzvetan Todorov adentra o coração desse campo interdisciplinar com Vida em comum: ensaio de antropologia geral, título que inaugurou a Coleção do autor na Editora Unesp.

Todorov toma como ponto de partida as chamadas “tradições associais”. Como se criou o mito da relação entre verdade e isolamento? Tanto na filosofia antiga e nos moralistas franceses do século XVII (Pascal e La Rochefoucauld) quanto em Hobbes, Kant e Rousseau, o pensador búlgaro identifica o mesmo problema: a possibilidade de dissociação entre indivíduo e grupo e entre um indivíduo e outros indivíduos. Mais do que isso: imaginam que essa dissociação seja sinônimo de liberdade.

Uma guinada no pensamento ocorre com Hegel e seu grande intérprete no século XX, Alexandre Kojève. A partir da chamada “teoria do reconhecimento”, a existência de um indivíduo depende da consciência de outros indivíduos. Não existe indivíduo fora de um infinito espelhamento de consciências, umas em relação às outras. O indivíduo é uma teia intersubjetiva. A partir desse painel, Todorov adentra um novo campo correlato: o da psicologia e da psicanálise, sobretudo das escolas inglesas: Adler, Fairbairn, Bowlby, Winnicott, Klein.

Sugere limitações da teoria clássica de Freud para pensarmos alguns fenômenos humanos. Uma dessas limitações diz respeito a duas manifestações humanas difíceis de serem explicadas: o amor e a solidariedade. Todas as psicologias do eu e das pulsões, as filosofias pessimistas e dualistas, ou seja, todas as teorias que valorizam o conflito sociedade-indivíduo ignoram um dado elementar: o ser humano apenas sobreviveu e veio a se tornar humano porque conseguiu gerar forças de solidarização e de preservação da vida.

Os seres humanos se enredam em um movimento triangular: ser, viver, existir. O ser quer apenas se preservar em si mesmo, como diz Espinosa. Por isso, o ser é amoral e demanda uma moral. Esse horizonte de valores morais tampouco se realiza na simples vida, pois as plantas e os animais também vivem.

Quando o ser humano toma consciência de sua própria existência, percebe que é um ser e uma vida radicalmente relacional. Existir é tomar consciência dos laços da vida comum que nos unem a todos os indivíduos. A vida comum é anterior à vida individual. Existimos à medida que percebemos o tecido de relações de nossas vidas com outras vidas e seres.

Uma crítica que se pode fazer à abordagem de Todorov é que ela se mantém muito vinculada às chamadas filosofias da consciência. Parece ignorar as críticas feitas a essas vertentes ao longo do século XX. A despeito disso, além de impecável do ponto de vista a acadêmico, a obra de Todorov alia as sutilezas estilísticas de um ensaísta a intuições de grande valor humano e intelectual.

A partir do horizonte de uma antropologia geral, é possível visualizar a fisionomia singular de um futuro comum para a espécie humana. Um futuro no qual os seres humanos terão superado todas as seduções e ilusões do isolamento.

*Rodrigo Petronio, filósofo e ensaísta, é pesquisador de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP.

Referência


Tzvetan Todorov. Vida em comum: ensaio de antropologia geral. São Paulo, Unesp, 2014, 224 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Samuel Kilsztajn Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Anderson Alves Esteves Marjorie C. Marona Ricardo Abramovay Alysson Leandro Mascaro Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva Thomas Piketty Manchetômetro Leonardo Boff Rodrigo de Faria Henri Acselrad Luiz Carlos Bresser-Pereira Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Armando Boito Tarso Genro Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Carlos Tautz Jorge Branco Tadeu Valadares Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues Liszt Vieira Renato Dagnino Luciano Nascimento Michael Roberts Francisco Pereira de Farias Otaviano Helene José Luís Fiori Leonardo Sacramento Jean Pierre Chauvin Roberto Noritomi Alexandre Aragão de Albuquerque Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Eugênio Trivinho Flávio R. Kothe Airton Paschoa Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Bernardo Pericás Marcos Silva Eliziário Andrade Chico Alencar Luiz Marques Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Gabriel Cohn Berenice Bento Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Afrânio Catani Bruno Machado Vladimir Safatle Henry Burnett Luiz Werneck Vianna Luís Fernando Vitagliano Igor Felippe Santos Gilberto Lopes Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Roberto Bueno João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Paulo Fernandes Silveira Ronald Rocha José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Chico Whitaker Yuri Martins-Fontes Flávio Aguiar Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto Antonio Martins Paulo Martins João Carlos Salles Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Daniel Brazil Marcelo Módolo Jean Marc Von Der Weid Paulo Sérgio Pinheiro Bernardo Ricupero Daniel Costa Mariarosaria Fabris Paulo Capel Narvai Michael Löwy Eduardo Borges Annateresa Fabris Eleutério F. S. Prado Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Sergio Amadeu da Silveira Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Marcus Ianoni Leonardo Avritzer Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Costa Júnior Dennis Oliveira Ricardo Musse Walnice Nogueira Galvão Celso Frederico Elias Jabbour Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Ricardo Fabbrini Claudio Katz Ricardo Antunes Denilson Cordeiro Celso Favaretto João Feres Júnior Carla Teixeira Gerson Almeida Luis Felipe Miguel Érico Andrade Caio Bugiato Maria Rita Kehl Valerio Arcary Antonino Infranca João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Ronald León Núñez Priscila Figueiredo Lincoln Secco André Márcio Neves Soares Mário Maestri Marilena Chauí Vinício Carrilho Martinez André Singer Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Salem Nasser

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada