As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Virose

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Jean Pierre Chauvin*

Colada à pandemia, a virose do embrutecimento brasileiro só aumenta. Os desgovernantes daqui continuam a fazer metáforas estúpidas e irresponsáveis, que evidenciam serem títeres da pseudodemocracia armamentista ultraliberal estadunidense.

Segunda-feira, 16 de março de 2020 d.C., por volta das 14h. O interfona toca a primeira vez. Atendo: – I Food! – Olha, ninguém fez pedido aqui… [Interrompendo] – FALA MAIS ALTO! NÃO TÔ TE OUVINDO! Desliguei. No intervalo de dez, quinze minutos, o rapaz fez o interfone soar quatro, cinco vezes. Numa delas, repousou o dedo por muito tempo.

Quarta-feira, 18 de março de 2020 d.C., por volta das 11h. No mercado expresso cruzo por algumas pessoas, dentre elas uma senhora que parece a fim de puxar prosa com outra cliente sobre a falta patente de alguns itens, especialmente álcool. Minutos depois, a criatura abandona o carrinho cheio de mercadorias, bloqueando o estreito corredor que leva ao único caixa aberto. Contei até dez, por aí, desloquei o carrinho para o lado e segui. Quando a operadora tinha passado metade dos produtos, a senhora reapareceu e murmurou algo que interpretei como “nem para esperar…”.

Alguém dirá que se trata de casos “isolados” e que este relato soa exagerado e personalista. Cabotinismo à parte, não se trata de caso isolado. Colada à pandemia, a virose do embrutecimento brasileiro só aumenta. E já que os desgovernantes da Ilha de Vera Cruz continuam a fazer metáforas estúpidas e irresponsáveis – que evidenciam serem títeres da pseudodemocracia armamentista ultraliberal estadunidense – dou-me o direito de arriscar imagens, também. 

O leitor, a leitora, não se preocupe. Nem estenderei a mão; sequer precisa se manifestar em postagens de apoio (menos ainda de repúdio mitômano) imediatamente abaixo destas linhas. Continuo autoisolado, desde o final de semana, em um apartamento financiado de 52 metros quadrados, num bairro simples, provavelmente graças ao “reconhecimento” e à “justa” remuneração dos professores, segundo afirma a mídia patronal/empresarial do país a reverberar os urros e ideologias (pretensamente não-ideológicas) de não-educadores – alçados a postos, em tese, estratégicos.

Eu disse “estratégico”? Perdoe-me. Estratégias voltadas para o bem-estar-social e respeito ao estado democrático de direito são duas coisas que sempre faltaram ao staff colonizado – maiormente desde a era temerária, pós-golpe parlamentar –, que converteu o ressentimento e a má-fé como princípios, a desfaçatez e a burrice como métodos, e a falta de objetivo como “programa” de “governo”. Se isso fosse uma fazenda de poucos donos (talvez ainda seja, vai saber?), alguns dos seres que desgovernam o país seriam espantalhos piorados: assustam porque fingem ser gente e gostar do povo brasileiro.

Em meio ao caos mundial e a guerra da desinformação, há algo em que penso desde que o coronavírus ultrapassou o estatuto de sintoma de gripe e passou a matar impiedosamente. Quando foi que as senhoras e senhores do mundo sentiram compaixão ou exerceram piedade? Os contra-exemplos persistem, blindados pelas crendices, falhas cognitivas e de caráter, a espalhar vírus e a impor contingências materiais. Com discursos em Economês, pseudoespecialistas torram reservas bilionárias, porque, convenhamos, a política monetária importa bem mais que a saúde pública.

Na Internet, muitos articulistas sugerem, otimistas, que a pandemia ensinará a humanidade a ser gente, já que o vírus driblará o capital especulativo. Duvido um tanto. Encontrada a vacina, os seres ditos humanos que restarem retornarão com maior apetite ainda à concentração de renda e à ilógica consumista. Em nome da modernização biotecnológica, repetirão velhos hábitos com força e egoísmo redobrados, segundo a premissa de que “o mundo é dos espertos”, em suas variantes de autoajuda: “o mercado é competitivo”, “não desista dos seus sonhos” e “quem quer, chega lá”.

Caso vossa senhoria ainda esteja por aqui, agradeço-lhe, gostaria de recomendar três leituras que, acredite, podem esclarecer um pouco o que está por detrás das mazelas neoliberais. Em O lucro ou as pessoas (Bertrand Brasil), Noam Chomsky conta a história do Consenso de Washington, realizado em 1989 (sim, a mesma data em que tombou o muro de Berlim e em que a antiga Arpanet, rede de computadores que pertencia à inteligência estadunidense, por “descuido” ganhou o mundo), quando um punhado de sujeitos reforçou a impostura do mercado contra a “intervenção” do Estado.

As sequelas do neoliberalismo, nefastas para a quase totalidade dos megaindivíduos, continuam. Para isso, as donas e donos do dinheiro reinventaram palavras, fundiram prefixos greco-latinos (neo, hiper, ultra), a título de enfeite. Esses e outros disfarces mal-sucedidos foram dissecados por Byung-Chul Ham em Psicopolítica (Ayne). Se me permite, também indicaria a leitura de Reinvenção da intimidade (Ubu) de Christian Dunker, com atenção aos capítulos “O Paradoxo Moral do Trabalhador Brasileiro”, “A Cultura da Indiferença”, “Doença Mental da Política”, e especialmente “O neoliberalismo e seus normalopatas”.

Eles explicam bem melhor o que vai esboçado nesta pseudocrônica.

Esta terra de ninguém, esta grande mineração, este desgoverno… Isto aqui nem começou e já acabou.

Cuidem-se.

*Jean Pierre Chauvin é professor na Escola de Comunicações e Artes da USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Noritomi Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Salem Nasser Manchetômetro Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Marques José Luís Fiori Milton Pinheiro Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Caio Bugiato João Carlos Salles Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro João Lanari Bo Alexandre Aragão de Albuquerque Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Ricardo Abramovay Elias Jabbour Valério Arcary Luís Fernando Vitagliano Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Érico Andrade Vladimir Safatle Gilberto Maringoni João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Boff Thomas Piketty Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Maria Rita Kehl Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Eugênio Trivinho Boaventura de Sousa Santos Airton Paschoa Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Antonio Martins Daniel Costa Julian Rodrigues Luiz Bernardo Pericás Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Celso Favaretto Roberto Bueno Flávio R. Kothe André Singer Ronald León Núñez Otaviano Helene Ari Marcelo Solon Sandra Bitencourt Andrew Korybko Chico Whitaker Michael Löwy Mariarosaria Fabris Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco Marjorie C. Marona Eduardo Borges Heraldo Campos Atilio A. Boron José Dirceu Daniel Afonso da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto Fábio Konder Comparato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado Marcos Silva Jean Marc Von Der Weid Bento Prado Jr. José Micaelson Lacerda Morais Juarez Guimarães Afrânio Catani Henri Acselrad Eliziário Andrade Armando Boito Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Daniel Brazil Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Priscila Figueiredo Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Eleonora Albano Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Remy José Fontana Renato Dagnino José Geraldo Couto Celso Frederico João Carlos Loebens Berenice Bento Marilena Chauí Rodrigo de Faria Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani José Costa Júnior José Machado Moita Neto Luis Felipe Miguel Eugênio Bucci Luiz Costa Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Fabbrini Leonardo Avritzer Chico Alencar Paulo Capel Narvai Marcos Aurélio da Silva Rafael R. Ioris Luiz Roberto Alves André Márcio Neves Soares Flávio Aguiar Anselm Jappe Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Mário Maestri Ricardo Antunes Henry Burnett Liszt Vieira Carla Teixeira Tadeu Valadares Paulo Martins Michael Roberts Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Antonino Infranca João Feres Júnior Jorge Branco Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Annateresa Fabris Vinício Carrilho Martinez Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada