Voto participativo

Imagem: Eugênio Barboza
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO WHITAKER*

Temos que encontrar modos democráticos de enfrentar o flagelo da despolitização e da desinformação, para que aproveitadores não inflem maiorias oportunistas

Na primeira semana de outubro, os interessados nos destinos do País tiveram a boa notícia de que a minirreforma eleitoral, aprovada pela Câmara dos Deputados, não seria discutida pelo Senado a tempo de torná-la nas próximas eleições municipais de 2024. Era o resultado da ação de várias organizações da sociedade civil e de uma frente parlamentar, contra “uma reforma eleitoreira de quem legisla em causa própria” – como foi classificada – e que, além disso, vinha carregada de retrocessos inaceitáveis.

Outro condicionante dessa ação vitoriosa foi menos noticiado: uma “petição” digital contra essa reforma, via plataforma Change.org, recebeu em 72 horas mais de mil assinaturas – 1.178 para ser exato – de cidadãs e cidadãos conscientes da necessidade de expressar sua oposição a desvirtuamentos do processo eleitoral, instrumento central da democracia. Uma tão rápida e consistente reação cívica ao que estava sendo proposto não foi decisiva para a derrota da minirreforma, mas sem dúvida teve um papel importante, como pressão cidadã sobre quem o decidiria no Senado.

Na verdade, o direito universal ao voto foi uma das grandes conquistas da democracia. Mas a direita há muito tempo sabe que boa parte do eleitorado é despolitizada e desinformada, sem consciência do seu imenso poder de escolher quem governe ou a represente na feitura das leis. Além disso, tem muitos preconceitos e acredita facilmente em mentiras.

Prova disso foram as eleições em que tecnologias modernas, de direcionamento de mensagens para pessoas passíveis de serem enganadas, deram a vitória ao Brexit, a Donald Trump e a Jair Bolsonaro. Nem falemos dos riscos que correrão no segundo turno, em novembro, os argentinos com o inesperado e inacreditável Javier Milei, que ademais se apoia num perigoso descrédito da política. Mas é triste constatar como em 2022 foram aqui facilmente eleitos os mourões, moros, pazuelos, damares, salles e tarcisios da vida, sócios do desastre que vitimou o Brasil de 2018 a 2022.

Para evitar tudo isso não basta desabafos como o dos espanhóis que gritavam “vocês não nos representam!” Nem se pode cogitar de soluções autoritárias, como se “bons tiranos” existissem. Temos que encontrar modos democráticos de enfrentar o flagelo da despolitização e da desinformação, para que aproveitadores não inflem, nos parlamentos, maiorias oportunistas que imponham seus interesses ao do atendimento das necessidades sociais. Assim como para impedir a já antiga prática da compra de votos, usada e abusada por políticos para quem será tanto melhor quanto mais gente necessitada existir.

É nessa perspectiva que o ocorrido com a minirreforma eleitoral mostra que existem também outras tecnologias modernas – como as chamadas “petições” pela internet – criadas sem intenções manipuladoras. Muitos consideram essas petições deseducadoras, porque não estimulam a reflexão, e dão às pessoas a possibilidade de somente apertar um botão para rapidamente escapar de pressões políticas e sociais., que as impedem de pensar somente no que de fato lhes interesse… Mas se forem articuladas com outras operações de informação e divulgação, como as necessárias em plebiscitos e referendos, podem levar a melhores resultados, além de ajudar na formação política de que sentimos falta. E criam o que poderíamos chamar de “voto participativo”.

Cada plebiscito ou referendo exige a explicação do que se quer ou não se quer com determinada política, e não somente a propaganda das qualidades e bondades de candidatos a representantes políticos. E a decisão a ser tomada é sobre algo que pode vir a ser lei, ou começar a ser concretamente feito pelo governo. Por exemplo, quantas barbaridades em São Paulo teriam sido evitadas se, para cada obra de valor elevado ou significativo impacto ambiental, tivessem sido feitos os plebiscitos autorizados há mais de 30 anos em um dos artigos na Lei Orgânica do Município, aliás, nunca regulamentado nem pelos nossos vereadores nem pelos prefeitos (houve três ou quatro tentativas, mas grandes obras também podem propiciar grandes comissões, e não se sabe ao certo se foi por isso que nada se conseguiu).

Os suíços fazem plebiscitos quase semanais, do nível municipal ao federal. O país é conservador e nunca daria seu “sim” a novas medidas e práticas de vida como as que estão sendo exigidas para evitar o fim das condições de vida na Terra por força da ganância, do petróleo ou do nuclear… Mas, pelo menos, garantem melhorias nas condições de vida de suas maiorias, que, aliás, já vivem muito melhor até do que nossas pequenas classes médias…

Seria então muito oportuno “plebiscitar” o que o Senado for decidindo ao longo de 2024 e 2025, na elaboração em curso do Código Eleitoral de que precisamos, para entrar em vigor nas eleições de 2026. Não se trata de utilizar o processo de “consultas”, bem-intencionadas, mas burocráticas e sem efeito vinculante, já feitas pelo Legislativo federal. Trata-se de começar a utilizar o “voto participativo” em “petições” propostas pela sociedade. Por sorte há gente que já começa a pensar nisso, a partir do que ocorreu com a minirreforma que o Senado não aprovou. Será uma grande contribuição para a frente, em nossa frágil democracia.

*Chico Whitaker é arquiteto e ativista social. Foi vereador em São Paulo. Atualmente é consultor da Comissão Brasileira Justiça e Paz.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt José Dirceu João Carlos Salles João Carlos Loebens Chico Alencar Paulo Capel Narvai Caio Bugiato Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro Tarso Genro Ronald León Núñez Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Fernão Pessoa Ramos Luiz Marques João Lanari Bo Renato Dagnino Fábio Konder Comparato Lincoln Secco Milton Pinheiro Gerson Almeida Carla Teixeira Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca Luciano Nascimento Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Anselm Jappe Michael Roberts Elias Jabbour Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Eduardo Soares Dennis Oliveira Antonino Infranca Marilena Chauí Slavoj Žižek André Márcio Neves Soares Berenice Bento Valerio Arcary Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Valerio Arcary Érico Andrade José Raimundo Trindade Jorge Branco Michael Löwy Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Bernardo Ricupero Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Ricardo Abramovay Celso Frederico Yuri Martins-Fontes Armando Boito Tales Ab'Sáber Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Juarez Guimarães Leonardo Boff Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Vladimir Safatle Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Gilberto Maringoni João Feres Júnior Marcelo Guimarães Lima José Machado Moita Neto Daniel Costa Atilio A. Boron Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Matheus Silveira de Souza Eleonora Albano Maria Rita Kehl Eugênio Bucci Michel Goulart da Silva Eleutério F. S. Prado Luiz Renato Martins Andrew Korybko Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Mariarosaria Fabris Bruno Machado Flávio R. Kothe Julian Rodrigues Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid Marcos Silva Dênis de Moraes Ricardo Antunes Flávio Aguiar André Singer José Costa Júnior Leonardo Avritzer Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Tadeu Valadares Marcelo Módolo José Geraldo Couto Eugênio Trivinho Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Luis Felipe Miguel Henry Burnett Lorenzo Vitral Paulo Fernandes Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Jean Pierre Chauvin Marcus Ianoni José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva João Adolfo Hansen Boaventura de Sousa Santos Mário Maestri Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Antonio Martins Eliziário Andrade Priscila Figueiredo José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Vanderlei Tenório Celso Favaretto Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty Airton Paschoa Annateresa Fabris Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada