As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As entranhas perfumadas da ditadura

Elyeser Szturm (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o romance O Punho e a Renda de Edgard Telles Ribeiro

O romance O Punho e a Renda é um exemplo perfeito de como a ficção pode jogar luz sobre o passado, iluminando meandros sombrios e revelando homens e ratos. O autor, Edgard Telles Ribeiro, é diplomata de carreira, e também escritor premiado, jornalista e professor de cinema.

O livro é aberto com a tradicional advertência “O presente livro é obra de ficção. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou falecidas é mera coincidência.” Bem, a ficção começa aqui. Se devemos lembrar-nos de um cineasta (e vários são citados no enredo), é de Orson Welles. Um pouco de Cidadão Kane, e muito de Verdades e Mentiras.

O cenário é real”, concede o autor. A história começa em 1968, e avança numa montagem bem engendrada, com flashbacks e reflexões no tempo presente (o livro foi publicado em 2010). E bastam algumas páginas para começarmos a reconhecer personagens reais, figuras históricas e situações vividas. Alguns nomes são ligeiramente modificados, outros estão lá, com todas as letras.

O narrador é um jovem funcionário do Itamaraty, discreto, amante de jazz e literatura. Primeiro de maneira próxima, depois à distância, tenta traçar o perfil de um amigo mais velho, Max, que domina como poucos o jogo do poder. Sua ascensão profissional é favorecida por sua aproximação com os militares, envolvendo-se em jogadas tenebrosas que aos poucos vão se descortinando.

O personagem, transferido para o Uruguai, articula de forma subterrânea a colaboração entre a ditadura brasileira e os militares uruguaios, e depois os chilenos. Promove contatos com empresários que financiam a tortura, se alinha com a CIA, mantém contato com o M16 inglês. Os respingos de sangue dos golpes militares no continente não parecem manchar os punhos de renda de Max, que mais adiante terá papel de destaque na aquisição das usinas nucleares alemãs. Sempre de forma não oficial, claro. Fica claro que o sonho dos generais brasileiros era ter a bomba, coisa que não interessava aos norte-americanos.

No entorno do personagem, somos convidados a entrever o ambiente diplomático, suas festas e jantares, os almoços regados a bons vinhos, as disputas de poder, os ciúmes e as vaidades.

Vários livros têm sido escritos sobre o período, mas poucos tão originais como este. Ficamos espantados não com a banalidade do mal, no sentido proposto por Arendt, mas com a elegância do mal, vestido em ternos de corte impecável e fumando cigarrilhas cubanas. E o talento de Edgard Telles Ribeiro é demonstrar que não por isso seja menos odioso.

Não é um romance político, no sentido estrito, mas antes uma investigação sobre um homem que vendeu a alma para o diabo, quando este vestia farda e comandava ditaduras. Através do agente americano, compreendemos melhor as articulações políticas subversivas da CIA no continente, desestabilizando governos e treinando aparatos de repressão.

Quem conhece o Itamaraty de perto pode identificar o retratado, mesmo que seja simbólico. Homem culto, observador perspicaz eespírito maquiavélico, soube aproveitar a redemocratização para vestir uma nova pelagem, chegando aos degraus mais altos da carreira. Os fantasmas que arrasta em seu passado não apontam o dedo para um colaboracionista. E se apontam, não conseguimos enxergar.

Outros personagens aparecem. A mulher de Max tem papel relevante na trama, assim como o citado agente. São estes que revelam pistas importantes para o narrador, dando um clima de thriller de espionagem ao enredo. O enredo não se fecha de forma tradicional, com bandidos sendo punidos e mocinhos premiados, o que pode incomodar os leitores mais tradicionalistas, mas justamente por isso estabelece uma preocupante ligação com a realidade atual.

Escrito com maestria e inteligência, O Punho e a Renda é obra fundamental para entendermos as sombras e luzes daquele lamentável período da História. São 560 páginas de uma leitura envolvente, da qual emergimos com um travo amargo na boca, ao percebermos quão perto estamos dos mesmos podres poderesque vicejaram durante a ditadura militar.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

REFERÊNCIA

O punho e a renda de Edgard Telles Ribeiro – Março 2014 (https://amzn.to/456WDwD)

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento Ronald León Núñez Paulo Martins Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Igor Felippe Santos Marcus Ianoni Eleonora Albano Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Maringoni Armando Boito Roberto Bueno Marcelo Guimarães Lima Anselm Jappe Antonio Martins Rafael R. Ioris Ronald Rocha Antônio Sales Rios Neto André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr João Sette Whitaker Ferreira Atilio A. Boron Mário Maestri José Luís Fiori Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Maria Rita Kehl Eduardo Borges Ladislau Dowbor Manchetômetro Tarso Genro Afrânio Catani Liszt Vieira Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Érico Andrade Eleutério F. S. Prado Michael Löwy Ricardo Antunes José Dirceu Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Valério Arcary Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira Vladimir Safatle Slavoj Žižek Antonino Infranca Lucas Fiaschetti Estevez Thomas Piketty João Lanari Bo Gilberto Lopes Walnice Nogueira Galvão Bruno Machado Henri Acselrad Ari Marcelo Solon Jorge Branco Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa Anderson Alves Esteves Tadeu Valadares Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Sandra Bitencourt Airton Paschoa Priscila Figueiredo Marilena Chauí Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Elias Jabbour Bernardo Ricupero Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Roberto Noritomi Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Paulo Capel Narvai Luiz Roberto Alves José Costa Júnior Carlos Tautz Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Lorenzo Vitral Luiz Marques Alexandre Aragão de Albuquerque Otaviano Helene Gabriel Cohn Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Costa Lima João Feres Júnior Benicio Viero Schmidt Gerson Almeida Valerio Arcary Luiz Renato Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Paulo Ayub Fonseca Caio Bugiato Heraldo Campos Salem Nasser Milton Pinheiro Michael Roberts Dênis de Moraes Andrew Korybko Daniel Costa Celso Favaretto Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Carla Teixeira Daniel Brazil Leonardo Boff Paulo Sérgio Pinheiro Leda Maria Paulani Flávio R. Kothe Manuel Domingos Neto Juarez Guimarães Vinício Carrilho Martinez Luiz Eduardo Soares Marcelo Módolo Ricardo Musse João Carlos Loebens Lincoln Secco Francisco Pereira de Farias Chico Whitaker Renato Dagnino João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Boaventura de Sousa Santos Ricardo Fabbrini Osvaldo Coggiola Luís Fernando Vitagliano Mariarosaria Fabris Marilia Pacheco Fiorillo André Singer José Geraldo Couto Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada