Wasp Network: rede de espiões

Carlos Zilio, PRATO, 1971, tinta industrial sobre porcelana, ø 24cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o filme de Olivier Assayas baseado no livro de Fernando Moraes

O livro Os últimos soldados da Guerra Fria, lançado em 2011, foi imediatamente catapultado à condição de best-seller político. Seu autor, Fernando Moraes, realizou uma pesquisa minuciosa, coletando datas, nomes, informações de Estado e de pessoas, sobre um dos episódios menos conhecidos da longa história de embates entre Cuba e Estados Unidos da América.

O relato descreve eventos ocorridos na década de 1990. Com o colapso da União Soviética, em 1991, boa parte dos recursos que sustentavam o país caribenho minguou. Os exilados cubanos concentrados em Miami, em grande maioria alinhados com a direita, ficaram eufóricos. Para eles, o regime de Castro iria ruir em breve. Organizações paramilitares passaram a invadir o espaço aéreo cubano jogando panfletos sobre Havana, e mercenários aportavam nas praias para esconder armas e munição, preparando o terreno para um futuro golpe.

Para quem não sabe, a distância entre Florida e a capital cubana é de apenas 150 km. São 40 minutos de teco-teco, ou algumas horas numa boa lancha. De balsa, com vento a favor, menos de dois dias, como fizeram vários refugiados cubanos, conhecidos como balseros.

Sob risco iminente, o governo cubano partiu para a contraofensiva. Selecionou alguns de seus melhores quadros no Exército e na Aeronáutica, e enviou para Miami, para se infiltrarem nas organizações terroristas e coletarem informações. A chamada Rede Vespa descobriu, entre outras coisas, que boa parte do financiamento das ações anticastristas era proveniente do tráfico de drogas. Um dos espiões passou a ser informante também da CIA, denunciando operações que envolviam o tráfico e agenciamento de mercenários em vários países centro-americanos.

Após muitas ações bem sucedidas, que neutralizaram ataques e desmantelaram os esquemas dos “contras”, os agentes foram descobertos e presos, julgados e condenados pela justiça norte-americana. Quando Fernando Moraes terminou seu livro, vários ainda estavam cumprindo pena, o que justificou o título da narrativa.

Todos estes ingredientes sugeriam um belo roteiro de filme. E é o que foi feito, numa coprodução internacional dirigida pelo francês Olivier Assayas. Lançado em 2019 em festivais, chega agora ao público brasileiro através da Netflix, com o confuso nome de Wasp Network: rede de espiões. Certamente, para cubanos e brasileiros, o nome original Rede Vespa seria mais palatável.

Como é previsível, o filme provocará debates. Não apenas pelo pano de fundo político, expondo o confronto direita-esquerda, alimentado por décadas de propaganda anti-Cuba nas plagas tupiniquins, mas também pela velha questão que assombra todas as adaptações da literatura para o cinema. Foi fiel? Traiu? Não correspondeu?

O elenco é competente, e talvez seja o único ponto de consenso. Edgar Ramírez, Penélope Cruz, Gael Garcia Bernal, Leonardo Sbaraglia, Wagner Moura, Ana de Armas e o bom time de coadjuvantes garantem uma presença qualificada nas telas, mesmo tendo de falar em espanhol, inglês e até russo. O roteiro, obviamente, teve de optar por qual caminho escolheria em meio à enorme quantidade de informações organizadas por Fernando Moraes em seu livro.

O fato de ter elegido um casal, o piloto René González (Ramírez) e sua mulher Flora (Cruz), como pilar de sustentação da trama é plausível. René se recusou a colaborar com o governo americano, e foi o último a ser libertado, e Flora é uma personagem complexa, pois no início acha que o marido é um gusano, um traidor da pátria. Com filha pra criar, emigra para os EUA e tenta reatar os laços com o marido.

Os admiradores do livro, um dos melhores de Fernando Moraes, vão reclamar de algumas omissões, de certa simplificação, de falta de referências. Os críticos do filme vão dizer que tem muitos personagens, que a narrativa é confusa. Mas, vamos convir: resumir um livro de mais de quatrocentas páginas em 130 minutos sempre implica numa escolha, numa redução. Em certos casos, isto é compensado por um acréscimo estético, imagético, até poético, que possa justificar a experiência.

No final do filme, o foco no casal González-Flora embota o contexto político, e tem sido acusado de parecer um final de novela. Sim, em termos. Cinema é indústria cultural, requer emoção para atingir um público maior. O filme não é um documentário, e coloca isso de forma clara desde o início: “baseado em fatos reais”. A opção dramatúrgica não é, e nunca pode ser, submissão total aos fatos. Desde que não traia o sentido original de palavras e ações, é uma recriação com liberdade formal.  A inclusão de um discurso do próprio Fidel Castro no filme, por exemplo, acrescenta dados que não existem no livro. Os retratos dos personagens reais, nos créditos finais, livres e de volta a Cuba, atualizam a obra de Fernando Moraes.

Assayas demonstra, em toda sua filmografia, um interesse focado nas relações pessoais, mesmo quando ousou levar para as telas a biografia do famoso terrorista Carlos, o Chacal (minissérie de coprodução França/Alemanha), em 2010. Agora escolheu uma grande história de espionagem, com a polarização Cuba-EUA como cenário, para dentro dela ressaltar os dramas individuais, sem perder de vista a dimensão política de sua narrativa. Até tenta ser imparcial, colocando uma sequência documental de críticas ao regime cubano, de forma um tanto desajeitada.

Longe de ter atingido a perfeição, o diretor francês chegou a um resultado bastante envolvente, que merece atenção. Quanto melhor um livro, mais difícil é adaptá-lo para o cinema, já diziam os mestres fundadores da sétima arte. E uma das batalhas culturais que atravessam nosso tempo é a criação de obras nacionais (ou multinacionais, como é o caso) que se contraponham à hegemonia cinematográfica norte-americana, de entretenimento acrítico. Nesse front a Rede Vespa de Assayas vem somar, com méritos.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência

Wasp Network: rede de espiões

França, Espanha, Brasil, Bélgica, 2019, 127 minutos

Direção: Olivier Assayas.

Elenco: Penélope Cruz, Édgar Ramírez, Gael García Bernal

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Geraldo Couto Juarez Guimarães Gerson Almeida Eduardo Borges Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Ronald Rocha Rubens Pinto Lyra Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Annateresa Fabris Michael Roberts Sandra Bitencourt Ricardo Musse Fernão Pessoa Ramos Otaviano Helene Dênis de Moraes Marcus Ianoni Claudio Katz Francisco Pereira de Farias João Adolfo Hansen Luiz Werneck Vianna Manchetômetro João Feres Júnior Celso Frederico Benicio Viero Schmidt Jean Pierre Chauvin Armando Boito Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares Antônio Sales Rios Neto Tarso Genro José Luís Fiori Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Milton Pinheiro Mário Maestri Bernardo Ricupero Maria Rita Kehl Fábio Konder Comparato Lorenzo Vitral Caio Bugiato André Singer João Lanari Bo Lincoln Secco Afrânio Catani Thomas Piketty Ronald León Núñez Matheus Silveira de Souza Flávio R. Kothe Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker João Carlos Salles José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel José Dirceu Ladislau Dowbor Marilena Chauí Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos José Costa Júnior Antonino Infranca Luciano Nascimento Slavoj Žižek Marcos Silva Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio Paulo Martins Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco Gilberto Maringoni Eleonora Albano Rafael R. Ioris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Roberto Alves Ricardo Abramovay Michel Goulart da Silva Boaventura de Sousa Santos Marjorie C. Marona Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Brazil Yuri Martins-Fontes Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Sergio Amadeu da Silveira Elias Jabbour Alexandre de Freitas Barbosa João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Bucci Leonardo Sacramento Michael Löwy Vladimir Safatle Julian Rodrigues Mariarosaria Fabris Antonio Martins Airton Paschoa Flávio Aguiar Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Capel Narvai Renato Dagnino Daniel Afonso da Silva Érico Andrade Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Liszt Vieira Anselm Jappe Eliziário Andrade Ricardo Antunes Carlos Tautz Leonardo Boff Henri Acselrad Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Luiz Bernardo Pericás Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Samuel Kilsztajn Remy José Fontana Heraldo Campos Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Eduardo Soares Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Rodrigo de Faria Salem Nasser Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Atilio A. Boron Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Gabriel Cohn Bento Prado Jr. João Carlos Loebens Vanderlei Tenório Marcos Aurélio da Silva Andrés del Río Priscila Figueiredo Daniel Costa José Machado Moita Neto Henry Burnett Eugênio Trivinho Chico Alencar Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Jorge Luiz Souto Maior

NOVAS PUBLICAÇÕES