Aquífero contaminado

Foto de Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

Atividades que devem ser consideradas essenciais para a restauração de um aquífero contaminado e os custos envolvidos

A água é um direito da população e os governos têm que garantir que nenhum cidadão fique à margem desse bem público. Os mecanismos de fiscalização, controle e atuação do poder público, quando são frágeis nestes serviços essenciais, possibilitam que determinados lobbies, no afã do lucro e da água arrasada, atuem com desenvoltura nesse setor essencial para a vida, muitas vezes barrando qualquer atitude técnico-científica contrária aos interesses corporativos.

Os aquíferos, ou reservatórios de águas subterrâneas, têm importância fundamental para a sobrevivência dos seres vivos e constituem cerca de 95% da água doce disponível no Planeta Terra, sendo que apenas 5% formam os rios, os lagos e as represas.

Historicamente, quando um aquífero é contaminado pela ação humana, dificilmente os responsáveis acabam recebendo o cálculo do valor ou o custo pelo dano causado.

No caso brasileiro, pela política ambiental predadora desse governo federal de plantão, tomando como referência o desmonte do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), o efeito dominó que essa política pode causar nos órgãos ambientais estaduais pode ser devastador e comprometer o processo de gestão dos aquíferos contaminados e as suas respectivas restaurações.

Nesse ponto, nunca é demais lembrar que o caminho das águas na crosta terrestre é bastante complexo. Por causa da energia solar uma molécula de água, por um número infinitamente grande de estímulos, pode ser evaporada do oceano e a ele retornar precipitada pelas chuvas. Pode, também, cair sobre os continentes infiltrando-se solo abaixo, ser absorvida pelas plantas ou retornar indiretamente aos mares pelos rios e ribeirões. Pode se acumular no subsolo e constituir os aquíferos ou os reservatórios de águas subterrâneas.

As águas de recarga dos reservatórios subterrâneos são provenientes das precipitações ou dos corpos d’água superficiais ou, ainda, de outros aquíferos com os quais mantenham conexão hidráulica. Assim, o fluxo das águas subterrâneas é governado pelas características físicas do meio, composto por solos e rochas e, na maioria das vezes, não respeita as divisões políticas dos municípios, estados e países.

A contaminação dos solos e das águas por elementos, compostos ou organis­mos que possam prejudicar a saúde do homem ou de animais, pode ocorrer tanto no meio urbano ou rural e é uma das grandes preocupações do mundo moderno. Quando a contami­nação não tem a origem natural, sendo provocada por constituintes dissolvidos de minerais constituintes das rochas e dos solos, a contaminação pode ser proveniente de ativi­dades humanas e acaba atingindo os mananciais superficiais e subterrâneos.

Desse modo, a restauração de um aquífero contaminado ou de uma porção dele, que seria a integral e a completa reparação da área contaminada, deve ser entendida quando as águas subterrâneas voltarem a apresentar os mesmos parâmetros de qualidade química natural do meio aquífero e não contendo contaminações de origem antrópica, decorrentes de uma progressiva deterioração desse meio aquífero.

Nessa linha de raciocínio, a restauração de um aquífero precisa acontecer no mesmo cenário, por exemplo, da restituição de um ecossistema ou de uma população silvestre degradada, conforme consta na Lei Federal 9.985/00, artigo 2º, inciso XIV, que trata de uma espécie de reparação in natura e in situ e da sua recuperação, na busca de voltar o mais próximo possível para a sua condição original.

No entanto, para que ocorra a restauração, um dos pontos chave na questão da valoração do dano de um aquífero contaminado ou de uma porção dele, diz respeito à dominialidade das águas subterrâneas. As águas subterrâneas localizadas nos aquíferos não são uma extensão da superfície do solo e, portanto, esses reservatórios não pertencem aos proprietários das terras ou aos superficiários.

Por isso, para que a valoração do dano ambiental de aquífero contaminado seja eficaz devem ser contabilizados, por exemplo, os custos com estudos hidrogeológicos e hidrogeoquímicos, complementados com sondagens, geofísica, amostragens e análises de água, visando o monitoramento da contaminação e reunindo dados científicos para a modelação conceitual e matemática, durante o processo de gestão e de restauração do reservatório subterrâneo.

Além disso, devem ser incluídos, também, os custos da “perda” temporária do uso do aquífero ou de uma porção dele, onde estariam contabilizados os custos com os possíveis poços que poderiam ter sido construídos como fontes de abastecimento, acrescido de uma indenização por causa do dano ambiental causado pelo comprometimento dos serviços ecossistêmicos.

Nesse contexto apresentado, ressalta-se que as águas subterrâneas são consideradas bens de domínio público dos Estados da Federação por força do Artigo 26, Inciso I, da Constituição Federal e compete aos Estados a sua gestão.

Para concluir, o presente artigo que procurou mostrar as atividades que devem ser consideradas essenciais para a restauração de um aquífero contaminado e os custos envolvidos, chama a atenção para a frase do escritor João Guimarães Rosa, cada dia que passa mais atual: “A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba”.

*Heraldo Campos é doutor em ciências pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eduardo Borges Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Michel Goulart da Silva Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Gabriel Cohn Airton Paschoa José Raimundo Trindade Priscila Figueiredo Thomas Piketty Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Michael Roberts Manchetômetro Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Berenice Bento Caio Bugiato Jean Pierre Chauvin Francisco Fernandes Ladeira Sergio Amadeu da Silveira André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Chico Alencar Salem Nasser Daniel Costa João Sette Whitaker Ferreira Carla Teixeira Eugênio Trivinho Henri Acselrad Alysson Leandro Mascaro Afrânio Catani Matheus Silveira de Souza Mariarosaria Fabris Tadeu Valadares Henry Burnett Kátia Gerab Baggio André Singer Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Ricardo Musse Valerio Arcary Armando Boito Otaviano Helene Luciano Nascimento José Luís Fiori José Costa Júnior Slavoj Žižek Leonardo Avritzer Carlos Tautz Érico Andrade Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Eleonora Albano Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor João Carlos Loebens Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dênis de Moraes Daniel Brazil Dennis Oliveira Ricardo Antunes Gilberto Maringoni Yuri Martins-Fontes Alexandre de Oliveira Torres Carrasco João Lanari Bo Luiz Werneck Vianna Mário Maestri Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Marilena Chauí Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Bruno Machado Luiz Marques Ronald Rocha Samuel Kilsztajn Andrés del Río Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Leonardo Boff Liszt Vieira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris Maria Rita Kehl Anselm Jappe Lincoln Secco Julian Rodrigues Vanderlei Tenório Jean Marc Von Der Weid Paulo Martins Renato Dagnino José Machado Moita Neto Antonio Martins Antonino Infranca Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Atilio A. Boron Jorge Branco Bernardo Ricupero Celso Frederico Luiz Renato Martins José Dirceu João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Ronaldo Tadeu de Souza Flávio R. Kothe Eleutério F. S. Prado Andrew Korybko Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral Everaldo de Oliveira Andrade José Geraldo Couto Denilson Cordeiro Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour João Carlos Salles Fernando Nogueira da Costa Michael Löwy Remy José Fontana Marcos Silva Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Luiz Eduardo Soares Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon Luiz Bernardo Pericás Tales Ab'Sáber

NOVAS PUBLICAÇÕES