As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cena brasileira – IX

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIEIRO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

O grande destaque dos próximos dias será a CPI da COVID-19. As pressões do Governo Federal para a retirada das assinaturas dos senadores necessárias para a instauração da CPI foram em vão. O tumulto aumentou com a divulgação do diálogo gravado entre o presidente Bolsonaro e o senador Kajuru. Planejado como forma de pressão, funcionou como um tiro no pé na medida em que revelou, por exemplo, que o executivo da Pfizer – oferecendo vacinas ainda no ano passado – esperou por dez horas no Palácio do Planalto por uma audiência com o presidente que nunca houve.

Nunca se sabe como terminam as apurações de uma CPI, embora saiba-se perfeitamente como começam. A investigação da responsabilidade por parte do Governo Federal está inscrita no regimento interno do Senado, cujo artigo 146 diz explicitamente que uma CPI do Senado contempla os atos da União. Restam pequenas dúvidas doutrinárias a respeito do envolvimento eventual de governos estaduais e municipais; talvez isso só seja possível por meio do exame dos repasses federais a essas unidades federativas.

A CPI pode resultar em decisões bastante drásticas, como foi o caso da CPI do Judiciário que acabou instruindo a cassação do então senador Luiz Estevão (DF) por conta de seu envolvimento na construção do Palácio da Justiça do Trabalho de São Paulo, presidido pelo famoso juiz Nicolau. Pode também ocasionar cassações de mandatos como aconteceu com Roberto Jefferson e Zé Dirceu na CPI dos Correios e do mensalão. Tudo isso pode acontecer, como pode acontecer coisa nenhuma.

O principal alvo imediato da CPI será a administração da saúde pelo ex-ministro Eduardo Pazuello que tende a se tornar o centro das atrações.

De qualquer forma, uma conclusão se tira: o destempero de autoridades envolvidas nos trâmites da CPI pode causar resultados inesperados, como antecipa a gravação da conversa do presidente com o senador Kajuru. Aliás, a reação do Partido Cidadania foi imediata e Kajuru já foi desligado desse partido.

A reforma política, por sua vez, tramita na Câmara a partir de vários projetos. O presidente do órgão, deputado Arthur Lira, constituiu uma comissão de estudiosos da questão que conta com a participação de mais de cem especialistas. Aparentemente, há um consenso de que o “distritão” não será homologado, ou seja, não serão eleitos apenas os mais votados independentemente dos votos do partido. Continuarão valendo os atuais critérios da eleição proporcional. Aparece com força a hipótese do retorno do financiamento das campanhas eleitorais por empresas e bancos. O que se cogita aí é uma limitação de R$ 200.000 por CNPJ. De qualquer forma, trata-se de uma regressão em relação à legislação vigente. Hoje o financiamento das fundações, do funcionamento dos partidos políticos e das despesas eleitorais é majoritariamente oriundo de fundos públicos.

Na semana passada, o governo reativou a política de privatizações. 22 aeroportos e estradas foram privatizadas com a outorga de alguns bilhões de reais. Retoma-se, nesse momento de auge da crise sanitária, uma pauta bastante controversa. De outro lado, destaca-se o desinvestimento contínuo da Petrobrás que, também na semana passada, vendeu sua participação em mais um parque eólico por poucos milhares de reais.

Enquanto isso, o orçamento de 2021 continua sob impasse. Não se sabe como e onde acomodar os 16 bilhões de reais de emendas parlamentares. A confusão deriva do fato de que alguns cortes foram feitos preliminarmente nas despesas obrigatórias, principalmente previdência, saúde e educação. Essa enrascada terá que ser resolvida pelo governo e pelo legislativo até a data limite de 22 de abril.

Destaca-se ainda, por fim, a medida liminar da ministra Rosa Weber refutando alguns decretos sobre o controle de armas promulgado pelo presidente Jair Bolsonaro. A decisão ainda depende da manifestação do plenário do STF.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonio Martins Anselm Jappe Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Gilberto Maringoni Thomas Piketty Caio Bugiato Claudio Katz Michael Roberts Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Juarez Guimarães Vanderlei Tenório Leonardo Boff Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Vladimir Safatle Julian Rodrigues Alexandre Aragão de Albuquerque Sandra Bitencourt Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Jean Pierre Chauvin Roberto Bueno Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eleutério F. S. Prado José Dirceu Leonardo Avritzer Chico Whitaker Alexandre de Freitas Barbosa Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Marcelo Módolo Salem Nasser Flávio R. Kothe Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Elias Jabbour Ricardo Abramovay Heraldo Campos Lucas Fiaschetti Estevez Fernando Nogueira da Costa Mário Maestri Bruno Machado Marcos Silva João Carlos Salles Luciano Nascimento Carlos Tautz Luiz Costa Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Sergio Amadeu da Silveira Luis Felipe Miguel Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto José Micaelson Lacerda Morais Daniel Brazil Luiz Roberto Alves Denilson Cordeiro Ricardo Antunes Annateresa Fabris Eliziário Andrade Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Afrânio Catani Lorenzo Vitral Celso Favaretto Andrew Korybko Henry Burnett Bernardo Ricupero Tales Ab'Sáber Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Valério Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Leda Maria Paulani Lincoln Secco Marilena Chauí Alexandre de Lima Castro Tranjan André Singer José Geraldo Couto Ronald Rocha Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Érico Andrade Ari Marcelo Solon Vinício Carrilho Martinez Rafael R. Ioris Antônio Sales Rios Neto Tarso Genro Chico Alencar Airton Paschoa Bento Prado Jr. Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Marcos Aurélio da Silva Berenice Bento Celso Frederico Dênis de Moraes Eugênio Trivinho João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Alysson Leandro Mascaro Mariarosaria Fabris Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Priscila Figueiredo Marcus Ianoni José Machado Moita Neto André Márcio Neves Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Jorge Luiz Souto Maior Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Manchetômetro Milton Pinheiro Jorge Branco Daniel Costa Eleonora Albano José Costa Júnior Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Henri Acselrad Paulo Martins Armando Boito Dennis Oliveira Luiz Marques Ricardo Musse Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Roberto Noritomi Gerson Almeida Luiz Bernardo Pericás José Luís Fiori Antonino Infranca Liszt Vieira Fábio Konder Comparato José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Eduardo Soares Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos João Sette Whitaker Ferreira Tadeu Valadares Paulo Capel Narvai Osvaldo Coggiola João Feres Júnior Luiz Werneck Vianna

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada