O bullying e o ovo da serpente

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERIK RAFAEL DE OLIVEIRA, MARCOS NATANAEL FARIA RIBEIRO, MARIAN DIAS & PATRÍCIA ANDRADE*

Psicanálise e Escola de Frankfurt para entender a violência escolar

A partir do artigo intitulado “É neonazismo, estúpido!”, de Leonardo Sacramento, publicado no site A Terra é Redonda, nos sentimos convocados a entrar no debate e ponderar sobre alguns pontos relativos à análise e tomada de posição frente os episódios de extrema violência ocorridos dentro de instituições escolares.

Temos trabalhado como grupo de estudos e pesquisas há quase uma década com os temas da inclusão e da violência escolar, sobretudo sob as formas de discriminação e de bullying.[i] Sustentados pelos conceitos da psicanálise freudiana e por reflexões de Adorno, Horkheimer e Marcuse, temos tentado contribuir no sentido de pôr em marcha uma psicologia social analiticamente orientada; ou seja: nossas pesquisas tentam investigar tanto o clima cultural que permite a eclosão da violência de um indivíduo sobre o outro como também as configurações psíquicas que têm sido geradas a partir dessa sociedade.

De alguns anos para cá, temos investigado a hipótese de que as tendências narcísicas de personalidade dos indivíduos têm se acentuado. Uma das consequências dessa acentuação seria a busca de alívio e satisfação por meio da aniquilação do outro, que é coisificado.

Isso tem nos ajudado a pensar não apenas nos horrores do nazismo e na sua permanência como ameaça constante mesmo nas democracias – que têm se mostrado, sobremaneira, meramente formais – mas também, infelizmente, na estrutura psíquica preponderante em estudantes que praticam o bullying. Semelhante organização psíquica também estaria presente naqueles que praticam feminicídios e estupros. A lógica nociva, em todas estas situações seria a de que o outro ‘não vale nada’, ou, como os nazistas diziam, seriam uma ‘sub-raça’.

Portanto, o que é terrificante é que um tipo de violência disseminada há mais de seis décadas parece ter sim uma relação com o bullying, não no sentido de que este a justifica, mas no sentido de que, em ambos os casos (e nos outros mencionados) ocorre a liberação de um impulso de destruição que não conhece nenhum limite e prossegue até eliminar a vontade do outro, o que coincide, muitas vezes, com a sua eliminação física, e, ao que tudo indica, prescinde de qualquer justificativa, por mais fajuta que ela possa ser e tenda a ser.

Fizemos essa breve explanação para expor que nosso ponto de vista diverge do apresentado no artigo de Leonardo Sacramento. Ali se afirma, por exemplo, que: “Bullying não provoca os ataques. Quem acha isso, é porque se identifica com os autores, identificando-se socialmente e racialmente – uma espécie de supremacismo velado.” Talvez o texto tenha querido expressar que quem sofre o bullying não provoca os ataques, no que temos total concordância. De fato, a hipótese de um ‘transbordamento’, de um ‘surto’ por parte de alguém que é constante vítima de humilhações não tem o menor lastro com os perpetradores dos ataques recentemente ocorridos em nosso país.

Também recusamos qualquer “casuísmo da psiquê”, mas lembramos que a pressão do clima cultural, a regressão política e a coerção econômica são experimentadas, objetivamente, na carne e no espírito das pessoas e dos grupos sociais. Nossas pesquisas têm indicado que estudantes que não se saem bem no desempenho acadêmico e que têm destaque na sociabilidade, em especial nos atributos de destreza física, estão mais envolvidos com a prática de violência contra seus colegas.

Nunca é demais lembrar que a exaltação social da força física e de determinados padrões corporais – característica dos contextos sociais autoritários e de inspiração totalitária, tais como nas grandes demonstrações de desfiles e acrobacias sincronizadas exaltadas como eventos de massa no nazismo e no fascismo – ainda se configura como prática em muitas escolas. A tendência ao totalitarismo também presente na instituição escolar precisa ser enfrentada a partir da reflexão crítica dos seus profissionais.

Vivemos sob o imperativo da adaptação ao que não é natural nem tolerável: desde que na presidência, FHC chancelou, com fria resignação política, que o destino social de alguns seria o de se tornarem inimpregáveis, até o terrível metralhar a petralhada, há um clima de maior permissividade para partir para o ataque e a agressão sem uma justificativa mais elaborada, apenas porque o outro pareceu ser mais frágil, mais vulnerável e, portanto, merecedor de humilhações, já que agora sequer se sustenta a falácia do tal bolo que num futuro distante seria repartido com todos.[ii] Passou a parecer ‘natural’ alguém ser ‘eliminado’.[iii] E esta é exatamente a lógica do bullying: trata-se de uma forma de poder em que um se sente no direito de dilacerar, de estraçalhar o outro. O bullying não é uma violência menor. Se a falta de tato com o outro passa a ser contabilizada em graus supostamente toleráveis de violência, já perdemos o horizonte de seu combate.

Com veemência, o texto alude aos “grupos neonazistas” que aliciam os jovens e estão articulados em redes nem tão ocultas assim, mas que instituições de mediação dominantes se esforçam para não ver e não deixar ver. Como Freud[iv] nos lembra, ao cedermos nos nomes cedemos nas próprias coisas. Devemos, como o texto o faz, chamar aquilo que é pelo seu próprio nome e, infelizmente, sob o verniz de certo rigor conceitual, mesmo a academia tem hesitado demais a chamar de fascismo as suas mais ostensivas manifestações. Tristemente atual é a formulação de Max Horkheimer e Theodor Adorno alertando sobre “como é estúpido ser inteligente”, aludindo aos argumentos bem fundamentados, manifestação de uma “superioridade bem-informada”, com que os ditos inteligentes contradisseram “as chances de Hitler chegar ao poder, quando sua ascensão estava clara como o dia!”.[v]

Neste sentido, estamos de acordo com a necessidade de assinalar a atuação sistemática e impune de grupos neonazistas, bem como com a urgência de atuar para desmobilizá-los; lembramos apenas que não cabe fazer hipóstase de organizações como essas, acentuando seu caráter de seita e insuflando-as. O incremento no poder desse tipo de organização decorre justamente do fato de que a destrutividade que encampam não é monopólio delas, nem o são seus ideais, seus métodos, seus alvos. Elas estão em fina sintonia com o desenvolvimento da própria lógica da sociedade industrial no capitalismo tardio. Isso parece ser o que melhor explica certa aliança identificada pelo texto entre essa rede que não tem “medo de aparecer” e a “polícia, a mídia, os governos, a burguesia e a classe média, inclusive a progressiva”.

Os fios que tecem aquela rede são os mesmos que tramam, de maneira claustrofóbica, o tecido social. Amparados, uma vez mais, em Adorno[vi], sublinhamos a compreensão de que, se é ameaçadora a sobrevivência de tendências fascistas (na forma de organizações neonazistas) contra a democracia, potencialmente mais ameaçadora é a sobrevivência dessas tendências no âmago da própria democracia. Possivelmente por esse motivo é que, por exemplo, são encontrados com frequência traços de supremacismo nos jovens autores desses atos, “mesmo que não militem formalmente em uma célula nazista”, como afirma o artigo. Não é esta uma ideologia muito afeita à ignomínia da luta de todos contra todos imperante, e cada vez mais premente, no capitalismo que, desde há muito, tem sido usada para justificar sua expansão?

Essa relação de determinação material entre a racionalidade social dominante e formas de violência, como os massacres, é explicitada por Sacramento — em bases distintas das evocadas por nós — na importante formulação que relaciona o neonazismo ao ordenamento neoliberal da sociedade. Contudo, emaranhado a tal formulação, identificamos o risco argumentativo de transformar o problema dessas manifestações de violência numa questão geracional, como ressoa na proposição do texto segundo a qual “essa geração [nos parece que se refere à mais recente geração, nativa do ambiente das redes sociais e seus símiles, enfatizados em seu texto] é mais afeita ao neonazismo porque ela é o produto mais bem-acabado do neoliberalismo”.

Sim, há a necessidade de compreender como esferas de mediação cujo avanço notável nos anos mais recentes operam na promoção de um clima cultural cada vez mais propício à barbárie e como essa geração a leva à cabo, mas talvez não haja nenhuma predileção particular por escolher nas fileiras dessa geração os herdeiros testamentários do espólio do nazifascismo (que sequer morreu). Nesse sentido, lembramos que já houve a recaída na barbárie e ela aconteceu antes do que se nomeia como era neoliberal, embora já no âmbito da sociedade administrada e do capitalismo monopolista.

Contemporaneamente, não são poucas as manifestações congêneres de violência cujos algozes não pertencem a “essa geração” e o ovo que eclode com os golpes dos neófitos foi chocado no silêncio (e silenciamento) político das gerações anteriores, pelo fracasso em enfrentar as condições sociais e econômicas que permitiram Auschwitz e outras incontáveis barbáries. Sob a pressão que, realmente, se acirra — e na deterioração do trabalho isso é particularmente visível, como apontado por Leonardo Sacramento — testemunhamos mais e mais explosões de barbárie, mas não podemos esquecer que seus determinantes estão entrelaçados à própria cultura e isso não é algo recente, como não é a perseguição das minorias, nem mesmo sob a alegação de que o grupo perseguido está “ocupando o lugar que tradicionalmente lhe seria cativo” — o que na perseguição aos judeus já estava posto. Não ressaltamos os traços arcaicos da barbárie para negar o surgimento de novos elementos, mas para chamar a atenção para a persistência dos antigos; o que apenas torna ainda mais difícil a tarefa de seu enfrentamento.

Em um contexto no qual avolumam-se os desafios decorrentes do retrocesso nas políticas de educação inclusiva, do avanço do ensino tecnicista, da amputação de conteúdos críticos, dentre outras regressões, parece arriscado demais afirmar tão taxativamente que a escalada da violência sob a forma de ataques brutais em escolas “não é problema de estrutura escolar”, como descrito no texto com o qual aqui dialogamos.

A ressalva sobre a carência real de investimento acaba tornando-se insuficiente, pois, lembremos, embora experimentemos com muito mais frequência cortes do que subsídios, estes podem ser (e foram) injetados no fortalecimento de medidas avessas à educação inclusiva, alinhadas à fetichização da técnica, à valorização da meritocracia e alheias aos conteúdos críticos. Em resumo, fazer investimento na educação escolar sem qualquer compromisso com a emancipação não é uma novidade e toda denúncia de cortes orçamentários precisa se fazer acompanhar da enfática defesa da educação comprometida com a emancipação.

Para além disso, é possível que, sob a formulação que rejeita que “há relação de causa e efeito entre estrutura escolar” e manifestações de fascismo e neonazismo, encontre-se a tendência a subestimar o quanto a escola e sua estrutura foi visada no passado, e ainda o é, por todos os setores sociais conservadores do status quo de dominação e por aqueles francamente reacionários (também aqui divergimos do texto, uma vez que não se trata de causa e efeito, mas de mútuas determinações). Não devemos abandonar o interesse pela estrutura escolar àqueles que querem assegurar a manutenção e garantir o avanço de sua dominação contando com os aspectos da realidade escolar que já os favorecem, fomentando as tendências que se mostram proveitosas e ceifando os potenciais de resistência existentes.

Ao minimizar a importância de uma constante atenção à uma estrutura escolar orientada por princípios democráticos, minimiza-se também o alcance dos determinantes sociais mais amplos, como se estes não fossem operados com afinco para se presentificar nas diversas instâncias de mediação social, dentre elas, a escola. Mesmo por dentro das bases conceituais do autor, deve-se ressaltar a existência de vigorosas denúncias e rigorosas análises da hegemonia do neoliberalismo na estrutura escolar.

Concordamos com a insuficiência do slogan da cultura de paz que, a despeito de sua impotência diante da realidade da violência e seu agravo, segue sendo a débil resposta confundida com política educacional. Estamos de acordo também quanto à necessidade de impor limites bem claros no combate a esses ataques brutais, os quais a sociedade não pode relativizar. Essas pessoas e grupos devem ser identificados e responsabilizados, sofrendo as consequências tanto dentro das instituições bem como civil e criminalmente, compreendendo que já há dispositivos legais suficientes para isso.

Contudo, divergimos quanto à forma que esses limites devem ser impostos. Constatar a ínfima possibilidade de diálogo com pessoas cuja personalidade coincide com aquilo que Adorno denominou “tipo manipulador” – aquele que concebe os outros e as relações como simples coisas sobre as quais se impõe a própria vontade[vii] – não nos autoriza a tratar tais pessoas igualmente como objetos manipuláveis e elimináveis. Enquanto educadores, não nos é facultado suspender os pressupostos culturais e democráticos que defendemos, que objetivam resguardar a dignidade e a integridade de cada um, porque assim julgamos ser justo e necessário em dada circunstância – por mais custoso que isso seja.

Do contrário, não existirão mais obstáculos teóricos para converter tais pressupostos em seu oposto, tal como discutiu Max Horkheimer a respeito da distinção entre democracia e ditadura.[viii] Se há atualmente um clima mais propício à vazão dos impulsos narcísicos destruindo aqueles identificados como pertencentes a grupos minoritários, nossa posição não deve ser a de igualmente destruir os agressores, pois isso apenas reforçaria a tendência de nos guiarmos pela lei do mais forte, o retrocesso ao ‘olho por olho, dente por dente’, o que é exatamente o que esse grupo deseja e, por essa razão, está tão dedicado a atacar e destruir as instituições e meios democráticos.

O incentivo e/ou a tolerância ao uso da agressividade como forma primordial e definitiva de resolução de conflitos (inclusive os internos) impede a elaboração de nossas questões e frustrações e dá sobrevida à frieza que fomenta a reposição de agressores e agredidos numa ordem destrutiva. Como é nessa arena que se sobressaem os que se atormentam com a possibilidade de uma vida democrática, é a prevalência daquela que precisamos combater.

Não é um acaso, por exemplo, que as escolas, locais de formação cultural e diálogo, e, por isso, de oposição à barbárie, têm sido o cenário dos ataques feitos sobretudo contra aquelas e aqueles que simbolizam a força da cultura e do conhecimento que contestam o machismo, o racismo, a misoginia, a lgbtfobia, o capacitismo etc. O desafio, portanto, é convocar, em meio a tanta ameaça, tristeza e desolação, as forças de Eros para criar, como coletividade, tempos e espaços que se contraponham radicalmente às formas brutalizadas de existência e, principalmente, às forças sociais que as geram e as mantêm.

*Herik Rafael de Oliveira é mestrando em psicologia na USP.

*Marcos Natanael Faria Ribeiro é Técnico em Assuntos Educacionais no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP).

*Marian Dias é professora do Departamento de Educação da Unifesp

*Patrícia Andrade é doutoranda em psicologia na USP.

Notas


[i] Mais recentemente, em 2017, formamos o Observatório da Educação: violência, inclusão e direitos humanos, que congrega pesquisadores da Unifesp, USP e profissionais das escolas públicas da região de Guarulhos, SP.

[ii] A lógica do “repartir o bolo” foi amplamente usada no processo de redemocratização do país, e ficou conhecida na voz de Delfim Netto. https://www1.folha.uol.com.br/folha/treinamento/hotsites/ai5/personas/delfimNetto.html

[iii] Silvia Viana, na obra Rituais de sofrimento (Boitempo, 2013), aborda contundentemente mais este aspecto destrutivo da vida social,

[iv] FREUD, S. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

[v] HORKHEIMER, M. & ADORNO, T. W. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução de Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

[vi] ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Tradução de Woolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

[vii] ADORNO, T. W. Estudos sobre a personalidade autoritária. Tradução de Virgínia Helena Ferreira da Costa, Francisco López Toledo Corrêa, Carlos Henrique Pissardo. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

[viii] HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. São Paulo: Unesp, 2015.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Juarez Guimarães Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Mário Maestri Liszt Vieira Chico Alencar Anselm Jappe Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Maria Rita Kehl Henri Acselrad Eugênio Bucci José Dirceu Daniel Costa Carla Teixeira Dênis de Moraes Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Eliziário Andrade Gilberto Lopes Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Marcos Silva Leonardo Avritzer Michael Löwy Vladimir Safatle Airton Paschoa Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo Tadeu Valadares Tarso Genro Ronald León Núñez Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Caio Bugiato Remy José Fontana Luis Felipe Miguel Igor Felippe Santos Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Anderson Alves Esteves Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Henry Burnett Afrânio Catani Luiz Eduardo Soares Bento Prado Jr. Andrés del Río Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Sandra Bitencourt João Lanari Bo Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero Paulo Nogueira Batista Jr José Luís Fiori Sergio Amadeu da Silveira Celso Favaretto Carlos Tautz Flávio R. Kothe Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Matheus Silveira de Souza Celso Frederico Lincoln Secco Marcus Ianoni Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Ricardo Antunes Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Francisco Pereira de Farias Salem Nasser Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Luciano Nascimento Marilena Chauí Michel Goulart da Silva Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Eduardo Borges Eleonora Albano Lorenzo Vitral José Machado Moita Neto Daniel Afonso da Silva Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar José Raimundo Trindade Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Brazil Armando Boito Paulo Capel Narvai Luiz Carlos Bresser-Pereira Elias Jabbour João Adolfo Hansen Thomas Piketty Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Salles André Singer Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto André Márcio Neves Soares Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório José Costa Júnior Chico Whitaker Gabriel Cohn Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Ricardo Musse Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Gerson Almeida João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Heraldo Campos Renato Dagnino Boaventura de Sousa Santos Érico Andrade Luiz Marques Tales Ab'Sáber Manchetômetro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada