As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Filme antigo

Imagem: Lara Mantoanelli
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

Devastação, genocídio e desgoverno parecem remake de enredo de outra ditadura, mas com outros atores e cenários mais sofisticados

Parece um filme antigo. Esse filme que estamos vendo agora com a retirada ilegal e criminosa de madeira da Amazônia parece remake de enredo de outra ditadura, mas atualmente com outros atores e cenários mais sofisticados.

Em Ubatuba, município de forte vocação turística localizado no Litoral Norte do Estado de São Paulo, nos anos 80 do século passado, a extração de granito verde corria solta e a fiscalização do governo federal era pífia. Do imposto que deveria ser recolhido por causa da sua extração, para sua posterior comercialização, o antigo IUM (Imposto Único Sobre Minerais), quase nada ficava para o município que era o território que mais sofria pela prática predatória na retirada desse tipo de minério, geologicamente bem raro, e usado para o chamado “revestimento fino” na construção civil.

Grandes blocos (paralelepípedos com algumas toneladas) eram exportados para a Europa, Estados Unidos, e Japão e não eram difíceis de serem identificados, a olho nu, sobre as grandes carretas que trafegavam pelas estradas federais da região. Só não via quem não queria. Muita polêmica sobre possíveis tragédias ambientais foi gerada na época como essa declaração, por exemplo, do autor desse artigo, divulgada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” em 26/09/1985: “Se as chuvas previstas para o mês de novembro podem ocasionar uma tragédia em Cubatão devido à destruição da cobertura da Serra do Mar naquela região, o mesmo deverá ocorrer em Ubatuba, com as clareiras abertas indiscriminadamente pela mineração nas encostas dessa serra no município”. [1]

Depois dessa fase, de destruição flagrante da Mata Atlântica, com interferência direta nos recursos hídricos da região, por causa do material (solos e rejeitos da mineração) que era arrastado para os corpos d’água pelas águas de precipitação, o movimento da sociedade e o aprimoramento da legislação ambiental, tanto na esfera federal como estadual, conseguiram brecar, anos depois, esse tipo de atividade em benefício do meio ambiente e da população que vive no seu entorno.

Nos dias de hoje, essa barbaridade das toras de madeiras ilegalmente extraídas da Amazônia indica que é mais ou menos por aí o caminho planejado e a “logística” desse governo de plantão. Só não vê quem não quer. A quantidade e o volume são de tal tamanho que é impossível encobrir com uma lona e passar despercebido pelas alfandegas dos portos e da vida. As imagens divulgadas pelas TVs são assustadoras. As pilhas de toras de madeira não são da dimensão de um saquinho de esmeraldas que, não por acaso, havia sido contrabandeado por gente conhecida daquele outro governo militar, que durou de 1964 a 1985.

Precisamos ficar atentos porque, analogamente à proliferação de novas cepas do coronavírus, que se espalham mundo afora e aumentam nossa agonia com a contaminação e a propagação da doença, outras “cepas” na administração publica federal vão sendo criadas. Os noticiários diários das TVs e das várias plataformas de divulgação da mídia revelam essa perversa realidade brasileira.

A “CPI do Genocídio”, que está em curso pelo Senado Federal tem revelado que estamos de mal a pior na área da saúde pública na condução do trágico problema da pandemia do coronavírus e se vier outra “onda de queimadas” na Amazônia, para agravar mais ainda esse quadro, não devemos nos surpreender com mais essa má aplicação dos recursos econômicos, pagos com nossos impostos. “No final das contas, sai muito mais caro ao poder público cuidar de uma população doente porque os ouvidos estão voltados aos grupos poderosos que só pensam no lucro fácil e imediatista. Ou seja, estão nos matando, pouco a pouco, e se essa postura não mudar rápido, pelo visto, vamos ter que tossir até estourar os pulmões.” [2]

“Por outro lado, espera-se que se torne uma realidade, também, a “CPI da Devastação”, que está em gestação na Câmara dos Deputados, pois se essa investigação correr em paralelo à “CPI do Genocídio” pode sedimentar as atrocidades de um processo destruidor em curso, sendo que a sua fase de execução foi iniciada desde o dia da posse em 01/01/2019.” [3]. A criação dessa segunda CPI, mais voltada para os crimes ambientais que vêm ocorrendo nessa triste parte do planeta em que está localizado o nosso país, se complementaria com a primeira, já em funcionamento.

Nesse momento toda atenção é pouca. Lembra-se que a água é um bem público e não deve ser considerada como uma “commodity” ou uma mercadoria. Porém, como esse precioso líquido está vinculado “carnalmente” à questão do desmatamento das florestas, pode ser a próxima bola da vez para deixar passar a “boiada nas águas”. “Além disso, ressalta-se que o seu uso não deve causar impacto de qualquer natureza como, por exemplo, a contaminação dos solos e das águas por elementos, compostos ou organismos que possam prejudicar a saúde do homem ou de animais.” [4]

Assim, do que compreendemos dessa nossa histórica política recente, o atual presidente vendeu bem o “peixe” durante a sua campanha eleitoral e chegou ao poder com seu discurso conservador para a classe dominante. “E, assim, não vamos nos iludir porque parece que ele vem cumprindo a palavra. Esse governo federal, militarizado, é um governo destruidor, demolidor, como poucos existiram na nossa frágil história democrática. O que esse governo prega, e tenta executar sem o menor pudor, parece que vem sendo materializado pelos 57 milhões de votos recebidos num projeto da obra do mal e em velocidade galopante.” [5]

Para concluir, a “CPI do Genocídio” pode ser a esperança que, ao seu final, pode levar esse governo à condenação e sua destituição do poder, pelas vias legais, porque não estamos aguentando mais essa situação que perdura mais de dois anos e matou mais de 448 mil brasileiros por causa do coronavírus. “A mentira e a manipulação colocam a vida das pessoas íntegras em risco” (Ailton Krenak).

*Heraldo Campos, geólogo, é pós-doutorado pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos-USP.

Notas


[1] https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19850926-33918-nac-0072-999-72-not/busca/Heraldo+Campos

[2] https://www.brasil247.com/blog/a-queimada-e-nossa

[3] http://cacamedeirosfilho.blogspot.com/2021/05/agora-melou.html?view=magazine

[4] https://blogdogersonnogueira.com/2020/06/28/a-boiada-nas-aguas/

[5] https://aterraeredonda.com.br/a-reforma-de-fachada

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Singer Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Rubens Pinto Lyra Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Ricardo Abramovay João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Daniel Costa Denilson Cordeiro Gabriel Cohn Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Armando Boito Milton Pinheiro Anderson Alves Esteves José Raimundo Trindade Lincoln Secco Leonardo Boff João Lanari Bo Luiz Carlos Bresser-Pereira José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse Elias Jabbour Valério Arcary Juarez Guimarães Tarso Genro Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Marcos Silva Andrew Korybko Manchetômetro Marcus Ianoni José Dirceu Osvaldo Coggiola Leonardo Avritzer Michael Roberts Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Jorge Branco Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes José Costa Júnior Luiz Roberto Alves Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Thomas Piketty Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Claudio Katz Antonino Infranca Mário Maestri Flávio Aguiar Érico Andrade Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris Eleutério F. S. Prado Otaviano Helene Eugênio Bucci Ricardo Antunes Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Luciano Nascimento Dênis de Moraes Rodrigo de Faria Ronald Rocha Liszt Vieira Renato Dagnino Lorenzo Vitral Celso Favaretto Chico Alencar Maria Rita Kehl Eduardo Borges Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Airton Paschoa Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker Benicio Viero Schmidt Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Luiz Bernardo Pericás Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani João Adolfo Hansen Luiz Eduardo Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Sandra Bitencourt Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald León Núñez Priscila Figueiredo Luiz Costa Lima Valerio Arcary Roberto Bueno Annateresa Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Bernardo Ricupero Everaldo de Oliveira Andrade Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Berenice Bento Paulo Martins Samuel Kilsztajn Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna João Carlos Loebens Salem Nasser Ladislau Dowbor Daniel Brazil Michael Löwy José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Salles Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Bruno Machado Eleonora Albano Vanderlei Tenório Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Alysson Leandro Mascaro Eliziário Andrade Julian Rodrigues Luís Fernando Vitagliano Roberto Noritomi Tales Ab'Sáber Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada