As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A educação pública e a situação nacional

Imagem: Bayram Er
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOANA APARECIDA COUTINHO & JOHN KENNEDY FERREIRA*

A crise constante e crescente da educação pública brasileira

“Que este último tenha investido seu capital numa fábrica de ensino, em vez de numa fábrica de salsichas, é algo que não altera em nada a relação. Assim, o conceito de trabalhador produtivo não implica de modo nenhum apenas uma relação entre atividade e efeito útil, entre trabalhador e produto do trabalho, mas também uma relação de produção especificamente social, surgida historicamente e que cola no trabalhador o rótulo de meio direto de valorização do capital” (Karl, Marx, O Capital, cap. XIV).

O Golpe de 2016 colocou em marcha uma movimentação à direita que tem como objetivo: (a) destruição da Constituição de 1988 e das políticas sociais ali assinaladas; (b) destruição da estrutura soberana do Estado Nacional, com concessões e privatizações de portos, estradas, refinarias, estaleiros etc.; (c) política de abertura econômica irresponsável que leva à desindustrialização e, ao mesmo tempo, à expansão do agronegócio, que determina a integração subordinada à lógica sistêmica e coloca o país ao sabor da sazonalidade da demanda dos mercados primários; (d) destruição dos direitos sociais e trabalhistas, visando transformar o parque produtivo nacional e a classe trabalhadora num grande Porto Rico ou Colômbia, com salários reduzidos e um parque industrial de maquiladoras.

Todo esse movimento teve, e tem, como aporte a ação imperialista do Capital Monopolista Financeiro e dos setores – internos – integrados à esfera de circulação e reprodução da lógica sistêmica.

 

A Universidade e o Brasil

Os governos petistas criaram um ambiente político nacional desenvolvimentista e em certa medida, anti-imperialista; um dos elementos centrais para a realização de tal política foi a expansão de aporte à ciência, à tecnologia e à educação.

Na ciência e tecnologia tivemos o desenvolvimento do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI), com intuito de promover (e redirecionar) a reindustrialização, a sustentabilidade ambiental e o desenvolvimento das atividades econômicas. É parte fundamental desse movimento a expansão e interiorização do ensino técnico-científico, visando promover novas cadeias produtivas, como denota a ampliação da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, que saltou de 149 escolas em 119 municípios para 422 escolas e Institutos Federais em 396 municípios, que além de cursos técnicos, passaram a ofertar educação superior. No mesmo caminho, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (PRONATEC) ampliou a formação e a qualificação profissional.

Na Rede de Ensino Superior houve a criação de 18 novas universidades federais e a expansão de 178 novos campi nos interiores, além de garantir 1,9 milhão de bolsas integrais do PROUNI, ampliação do FIES, a reformulação do ENEM, a implementação do SISU e a aprovação da Lei de Cotas, o que exigiu que o orçamento sextuplicasse entre 2002 e 2012, essas medidas ampliaram o acesso ao Ensino Superior.

Para garantir essa ampliação, o orçamento destinado ao CNPq, CAPES e FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) saltou de R$ 4,5 bilhões em 2002 para R$ 13.97 bilhões em 2015, o que garantiu que o número de matrículas dobrasse e chegasse a 1,3 milhão de estudantes. Programas como “Ciência sem Fronteiras” contribuíram para internacionalização do ensino e os programas de pós-graduação expandiram 107% nos mestrados e 97,7% nos doutorados, o que favoreceu a formação e produção de conhecimento, da ciência e tecnologia no país.

O papel jogado pelas políticas desenvolvimentistas promoveu alterações dentro do Ensino e da Educação, voltados à soberania nacional. O Enem, deixou de ser um avaliador do ensino médio, para selecionar candidatos ao Programa Universidade Para Todos (PROUNI); construiu-se o REUNI que dobrou o número de acesso às Universidades Federais, criando 126 campi interiorizados; desenvolveu-se o Sistema de Seleção Unificada (SISU), que democratizou o acesso ao ensino, saltando de uma clientela de 3 milhões para mais de 8 milhões, sendo que a maioria dos ingressos (61%) são oriundos das escolas públicas, o que levou a uma alteração do perfil do público nas universidades federais.

Junto a isso, foi criado o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), visando a qualificação das universidades e o desenvolvimento científico, tecnológico e cultural do país. Além de tudo isso, desde a Assembleia Nacional Constituinte de 1988, o período de 2002 a 2016 foi o único marcado por aumentos reais de salários do funcionalismo público e dos docentes e pesquisadores.

 

A reação neoliberal e imperialista

A crise que vivemos hoje no Brasil é aguçada pela disputa comercial entre China e EUA, entre o modelo de desenvolvimento e dependência econômica e social. Tudo isso é aprofundado com o colapso da Globalização enquanto política, ideologia e cultura e compreendemos que, mesmo como força internacional, o Capital precisa de Estados Nacionais fortes para realizar sua reprodução metabólica. É nesse cenário que crescem as políticas nacionalistas (soberanistas) de extrema direita.

Este cenário ganha novos espaços de acumulação em que a educação pública brasileira é um imenso filão aos olhos dos grupos monopolistas financeiros. Por isso, recebe o principal ataque capitaneado por grupos econômicos privados, que ganharam colossal força com a movimentação privatista na eleição de Jair Bolsonaro.

A ação desses grupos e do governo visa a desmoralização da Escola Pública, com a desqualificação de seus saberes e sua organização, agindo através do corte sistemático de verbas, intervenção na gestão e docência, precarização do trabalho, negação dos saberes culturais e científicos e da democracia escolar.

Apontam, como resposta a terceirização dos serviços e a militarização do ensino, como “qualidade e disciplina” a uma juventude sem destino. Isso ganha forma com a desqualificação de professores, rotulando-os, em especial os das áreas de ciências humanas, como “professores ideológicos”, sendo responsabilizados pela inquietude e falta de perspectiva da juventude. Tal ataque materializa-se com a outorga da Base Nacional do Currículo Comum (BNCC), 2017, que praticamente destruiu o ensino laico na educação básica e representa o núcleo ideológico da “Escola sem Partido” abrindo a possibilidade para a aprovação da educação domiciliar (homeschooling).

Toda essa desqualificação terá efeito imediato na qualidade do ensino superior, na produção e na ciência. O objetivo central do governo é atender ao poderoso lobby das empresas privadas que visam substituir a oferta pública pela privada e já conta com cerca de 40% das matrículas no ensino de base e 66% nos cursos universitários; igualmente, o  EAD (Ensino a Distância) alcança mais de 43% das matrículas, fortalecidos pela pandemia,  salientando no caso das universidades públicas, que as plataformas digitais  foram  em sua  maioria privatizadas, ou seja, qualquer relatório acadêmico ou pesquisa estará à disposição de banco de dados de empresas estrangeiras. Pensemos o inverso, imaginem a França, Alemanha ou EUA, disponibilizando banco de dados de seus alunos, de suas pesquisas a outro país???

Esse cenário foi dinamizado com a PEC 95/16, que limitou os gastos públicos e impossibilitou investimento em educação, arruinando as políticas públicas. Igualmente a ação privatista ampliou-se com projeto da PEC 32/21, que, se for aprovado, praticamente destrói as universidades e os serviços públicos.

No mesmo passo de ganso, as ações contra a universidade pública visam seu estrangulamento; o orçamento de 2021 teve o mesmo montante de 2009, quando o alunado não chegava à metade do que se tem hoje, inviabilizando o funcionamento e os gastos de custeios com bolsas de pesquisa, auxílio estudantil, contas de água, luz, limpeza, compra de materiais, manutenção de laboratórios etc. E o orçamento de 2022 será de R$3.7 bilhões, apenas 67% dos R$12 bilhões de 2012.

Seguindo a mesma toada, foram realizados cortes de R$200 milhões na Assistência Estudantil, o que provocará evasão de alunos carentes. Bolsas de extensão e de pesquisas devem ser reduzidas a algo próximo a zero, o que colocará a produção científica em colapso.

A falta de dinheiro para aquisição de materiais (adaptação de espaços, álcool gel e EPIs), devido aos cortes produzidos pela gestão Ribeiro, Guedes e Bolsonaro, suspendeu o retorno às aulas presenciais em todas as universidades.

A pressão vinda do Colégio de Reitores, da sociedade civil, movimentos estudantis, docentes, deputados e governadores, forçou o governo a propor crédito suplementar de quase R$2,6 bilhões (que rompe a Lei de Responsabilidade Fiscal), o que alivia parte do que foi cortado, mas não garante a plenitude do custeio.

O fato central é que de 2015 para 2021 tivemos uma redução de 61,2% das verbas das universidades, e essa política de austeridade anti-educação pública não está em refluxo.

Paradoxalmente, a ação privatista está gerando uma base de apoio ao ensino remoto dentro das universidades públicas. É comum ver professores e alunos, especialmente nas áreas de humanas, favoráveis à manutenção do ensino remoto, pois as condições de trabalho e ensino tornam-se cada dia mais precárias.

A expansão do ensino universitário durante as gestões petistas exigiu a contratação de técnicos e docentes, os gastos mantiveram-se estáveis até 2019. A partir daí, com as aposentadorias, falecimentos, mudança de emprego etc., os gastos caíram 23% empurrados pela reforma da previdência; e a alta da inflação, o que levou a uma perda salarial de mais de 10%, que tende a crescer com a política estagflacionária de Guedes e Bolsonaro.

 

Uma resposta necessária

A expansão do ensino privado em todas as áreas, em especial no EAD, levou a um corte de mais de 36 mil professores na rede privada, só no ano de 2021. Aulas remotas com professores demitidos, ou mesmo mortos, continuam a circular em salas de aulas das empresas particulares. Houve cortes de salários e custos de manutenção com laboratórios, bibliotecas, com a estrutura geral. Todos os gastos caíram abruptamente enquanto os lucros ampliaram como demonstra o crescimento das ações das empresas de educação privadas na BOVESPA, como a YDUQ3 (antiga Estácio de Sá), que está entre as 10 ações mais valorizadas em 2021, o mesmo acontecendo com lobbies de empresas de educação em Wall Street.

A educação pública brasileira enfrenta sua maior ameaça. Por seu turno, os movimentos em defesa da educação encontram-se em refluxo e após as manifestações de descontentamento com 15 Maio em 2019 (15M), pouca mobilização efetiva foi realizada em defesa do ensino. O diálogo com a sociedade, especialmente com os mais necessitados, encontra-se distante e obstaculizado.

A prática sindical corporativa e reativa, que precisa ser provocada para saber o que se deve fazer, predomina nos Campi, longe de formular alternativas para gestão educacional e para práticas políticas, resume-se a protestar contra as constantes derrotas infligidas pelo inimigo real.

Os movimentos estudantis também têm pouco alcance e vê sua prática muito resumida com a pandemia. A possibilidade real de uma resposta tem que ser repensada, a Educação pública carece de uma mobilização aos moldes da Campanha de Defesa da Escola Pública de 1958-1959, capitaneada por Fernando Azevedo, Anísio Teixeira, Florestan Fernandes, contando com apoio de movimentos estudantis e suas entidades e de sindicatos de professores e demais trabalhadores, como também setores preocupados com a educação pública no parlamento, nas federações empresariais etc. Que evitaram que a educação fosse entregue aos setores privados.

É preciso mobilizar a sociedade como um todo, é preciso discutir os benefícios que a educação pública pode trazer na superação das mazelas de uma sociedade tão desigual e na construção de um futuro soberano.

*Joana A. Coutinho é professora do Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.

*John Kennedy Ferreira é professor do Departamento de Sociologia e Antropologia da UFMA.

 

Referências


Agência Brasil – MEC. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br.

MARX, K. O Capital. São Paulo, Boitempo, 2014.

IBGE. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/educacao.html.

SAVIANI, Demerval. “Florestan Fernandes e a educação”. Revista Estudos Avançados, no. 10, abril de 1996.

Plano de Emergência em Defesa Universidade Brasileira, Diálogos Petistas. Outubro de 2021.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Francisco Pereira de Farias Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl João Lanari Bo Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa Benicio Viero Schmidt Leonardo Boff José Costa Júnior Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Fernão Pessoa Ramos Ricardo Abramovay Denilson Cordeiro Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Tarso Genro Mário Maestri Alexandre Aragão de Albuquerque Claudio Katz Otaviano Helene Michael Roberts Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Leonardo Sacramento Marcus Ianoni Marjorie C. Marona Roberto Noritomi André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Bueno Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Eugênio Trivinho José Geraldo Couto João Carlos Salles Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Bruno Machado Afrânio Catani Bento Prado Jr. Rubens Pinto Lyra Marcelo Guimarães Lima Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais Ronald León Núñez Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lincoln Secco Armando Boito Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Bucci Gerson Almeida Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Érico Andrade Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Andrew Korybko Carla Teixeira Manuel Domingos Neto Salem Nasser Michael Löwy Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek Juarez Guimarães Luiz Carlos Bresser-Pereira Luciano Nascimento Elias Jabbour Samuel Kilsztajn Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Julian Rodrigues Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Brazil Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Anselm Jappe Jorge Branco Rodrigo de Faria João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Gilberto Maringoni Gilberto Lopes José Luís Fiori Valério Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Luiz Roberto Alves Paulo Martins Thomas Piketty Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Chico Alencar Airton Paschoa Lorenzo Vitral Dênis de Moraes Bernardo Ricupero Kátia Gerab Baggio Henry Burnett Luiz Eduardo Soares Gabriel Cohn Chico Whitaker Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Jean Pierre Chauvin Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Marilena Chauí Berenice Bento João Feres Júnior Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris Yuri Martins-Fontes Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Daniel Costa João Adolfo Hansen Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino Liszt Vieira Anderson Alves Esteves Eduardo Borges Celso Frederico Heraldo Campos Walnice Nogueira Galvão Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Ricardo Antunes Annateresa Fabris Ricardo Musse

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada