As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A encenação bolsonarista e seu modo de ser

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNÃO PESSOA RAMOS*

Os números digitais são o cálculo daquilo que se descarta num mundo de brutalismo

1.

Vamos definir que as imagens circulando nas redes sociais são em grande parte imagens-câmeras, ou imagens que sofrem sua mediação. Isso implica que esteja havendo, ou tenha havido, uma cena – em outras palavras, uma circunstância voltada para a composição desta imagem. Nosso objetivo aqui é analisar três tipos de cenas, ou encenações, do bolsonarismo como modos de ser nas redes sociais.

Para nossa abordagem vamos isolar três tipos-ideais de encenação bolsonarista compostas pela instauração de figuras particulares: a degustação narcisista do horror; as pulsões do transe sequestradas pelo ordenamento religioso e a exploração da cena da culpa e má-consciência. Concretamente, as figuras que analisaremos são: (i) as selfies tiradas após as ações bárbaras durante os eventos de 8 de janeiro, com destroços sustentando a profundidade da imagem-câmera (Imagem 1); (ii) imagens de transe de êxtase religioso, especificamente as do evento com glossolalia da primeira-dama Michelle Bolsonaro, durante as comemorações da indicação do ministro André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (Imagem 2); (iii) o retrato de Bolsonaro exibindo seu corpo com as cicatrizes da facada que recebeu em Juiz de Fora na campanha eleitoral de 2018 (Imagem 3).

Imagem 1 (selfies)

Selfies Evento 08/01/2013

Imagem 2 (transe)

Transe com Glossolalia (Michelle Bolsonaro comemorando nomeação de André Mendonça – 01/12/2021) (https://www.youtube.com/watch?v=Vk2C8q4HtSM&ab_channel=DCMTV)

Michelle Bolsonaro ajoelhada em transe (Evento da Frente Parlamentar Evangélica no Congresso Nacional – 04/05/2022)
(https://www.youtube.com/watch?v=ql487a3_HTY&ab_channel=Poder360)

Imagem 3 (retrato/cicatriz)

Retrato: Jair Bolsonaro exibindo cicatriz (30/06/2023)

Jair Bolsonaro apontando cicatriz em entrevista Danilo Gentilli (30/05/2019)

A encenação, na tomada da imagem-câmera, compõe uma individuação que tem a característica de receber o reflexo do mundo como matéria exterior. Ele (o reflexo) habita a encenação como uma “instauração”. O processo de “instauração” compõe a individualidade tecnológica que chamamos sujeito-da-câmera, aquele que toca o mundo como cena.

A reflexão, ou reflexo, é sua extensão, sua res extensa por assim dizer, uma substância externa contínua que aparece na e pela sua agência, estando lá. Podemos então dizer que a encenação na tomada (no “take” da imagem) é um modo particular de existência daquilo que reflete. O maquinismo-câmera e o sujeito que o sustenta na tomada funcionam como um ponto de gravidade que, dentro de seu raio, processam a experiência do agir como encena-ação.

Em seu modo de encenação, as imagens acima promovem três modalidades vitais de afeto: o narcisismo (nas selfies); o êxtase (nas figurações de transe); a culpa e o arrependimento (no retrato da cicatriz). Detalhando os modos de afeto na instauração do sujeito-da-câmera como individuação tecnológica temos que:

(a) Na Imagem 1, o afeto narcísico da selfie é a experiência de um sujeito-da-câmera que se admira e tem como pano de fundo a paisagem extensa do horror; (b) Na Imagem 2, a constrição do transe pela exultação transforma o júbilo livre subtendo-o às correias da autoridade de uma entidade superior (Deus); (c) Na Imagem 3, as cicatrizes corporais de Bolsonaro recebem o culto da culpa e da compaixão como suplemento, submetendo a autonomia do sujeito ao flagelo corporal sofrido por outrem.

As imagens são, portanto, compostas em circunstâncias nas quais uma carga de afeto congrega ações para a câmera. Um centro originalmente volátil é deslocado pela idolatria e colado pela sobreposição na figura bolsonarista. Um corpo fragmentário/estilhaçado recebe a subjetividade bolsonarista que a câmera instaura na modalidade das selfies na terra arrasada do Planalto (Imagem 1); no transe cooptado pela exaltação no êxtase da entidade divina (Imagem 2); pelo retrato de uma figura bovina paralisada na má-consciência do flagelo do ídolo (Imagem 3).

As três funções da interioridade como afeto, ou emoções arquetípicas, integram dominação e prazer. O sujeito-da-câmera abre-se, pela cena, à figuração brutal da matéria num mundo de violência e alienação que ele mesmo configura nas maneiras necessárias para processamento de valor.

2.

Vejamos mais de perto estas figuras da encenação bolsonarista. No transe religioso, a rememoração ancora e restringe a ocorrência de pulsões livres que de outra forma se mostrariam como modos virtuais de vontade e poder. Por exemplo, nos filmes de Jean Rouch (Os Mestres Loucos/1955, entre outros); ou em obras de Glauber Rocha (Terra em Transe/1967, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro/1969 ou A Idade da Terra/1980), o sujeito-da-câmera em transe aparece liberado, em sua potência, para além da consciência e de memória. Assim, múltiplas configurações pulsionais livres são possíveis. As cadeias de dominação pela culpa e pelo narcisismo retrocedem e o poder do impulso aumenta, relacionando a vontade numa virtualidade aberta.

A imagem-câmera de Michelle Bolsonaro em êxtase na experiência da glossolalia instaura o transe como o sujeito para câmera numa cena (ou encenação) em cerimônia neopentecostal evangélica. O transe emerge ligado a um ser externo (Deus) que regula e dosa a saída livre da potência. A experiência do transe se dispõe através de estrutura de submissão à uma entidade superior que concede e autoriza.

No transe bolsonarista a inconsciência livre é canalizada no louvor, já pronto como forma para se acoplar no ídolo agregador. A pulsão livre que liberaria auto-satisfação e felicidade torna-se uma forma de débito pela tristeza ou ressentimento. Estabelece uma dupla concentração entre bem e mal, de um lado, e o poder chamado Deus, ou Bolsonaro, de outro. Limitando a energia livre, um todo selado é instaurado para unificar o impulso de poder que, originalmente, no modo de ser aberto do transe, é disperso em sua virtualidade.

No retrato de Jair Bolsonaro a exibição da cicatriz instaura a culpa como misericórdia por outrem, fortalecendo os afetos que amarram as pulsões livres num núcleo volátil, pois vazio. Nas imagens-câmera da cicatriz bolsonarista domina a circunstância que promove a piedade do corpo sofredor. O sujeito-da-câmera “sente-se” culpado pela dilaceração da alteridade. Remorso e má-consciência negam o prazer e constituem a contrição como descarga.

Há uma analogia com a compunção cristã na cruz. A presença aurática do corpo ferido de Jair Bolsonaro na tomada da cena permite que a culpa se torne uma disposição geral de controle. Ela, a culpa, aprisiona no arrependimento a potência da vontade. O sofrimento corporal é o elemento central na figuração do bolsonarismo congregando, no horror, a dilaceração da carne na cicatriz. O sofrimento clama “que a experiência de minha ferida seja tua compaixão”: “Primeiro, compartilhamos a culpa em minha carne e depois você é meu corpo, sofrendo comigo as múltiplas facadas.” Os afetos sobrepostos em torno da piedade e da compaixão são assim mantidos cativos na culpa – e a responsabilidade retém fluxo livre da vontade para a catexia centrada na figura de Jair Bolsonaro.

Podemos encontrar movimento similar na imagem das selfies bolsonaristas. Têm como motivo a exibição narcisa na auto-imagem do corpo de si, trazendo como complemento (fundo da imagem que aparece em profundidade) a destruição da matéria provocada pelos acontecimentos de 8 de janeiro. A função de individuação que chamamos de ego, ou consciência, mostra-se aqui como um modo de existência. É o ser tecnológico do ‘eu’ aberto em sua composição de auto-imagem – ou o reflexo do sujeito-da-câmera “eu mesmo estando no palco” como “minha” figura. A imagem fotográfica da selfie carrega em si o afeto narcisista da “imagem-minha do corpo-meu” que emerge na cena. A satisfação na emergência relaciona-se com o afeto narciso (meu eu-belo) sobreposto a brutal destruição da matéria-bela ao fundo (arquitetura do Planalto, obras de arte, esculturas, vidros, etc).

O filósofo Achille Mbembe menciona que “a paixão narcisista é a chave para o novo imaginário” (Mbembe, Achille. Brutalismo. n-1 edições, p. 97) na sociedade midiática das redes sociais. Nela, “o sujeito é uma série de combinados parciais no meio de um campo refratário a qualquer unificação” (idem, ibidem). No sujeito narcisista encontramos a necessidade recorrente de congregação, com um tênue eu oscilando numa estrutura social vazia, exalando miséria e agonia. O suplemento narcisista ativa uma tela de satisfação, mas não reúne nada além de sua própria auto-inflação.

A selfie bolsonarista é esta inflação, feita de destruição e caos. Sublinha o júbilo de uma presença corporal que encena pela sobreposição do deslumbre egóico, mesclando-se em figuras do horror. Na circunstância intensa da tomada, carrega a cicatriz da singularidade e o sujeito-da-câmera é o terreno baldio da destruição, extensão exterior da selfie-eu.

3.

As três figuras-tipo do bolsonarismo revelam, portanto, funções estruturais da imagem-câmera. Elas compõem formas tecnológicas de individuação no aparato maquínico do ser-aí que chamamos de sujeito-da-câmera. O reflexo é sua abertura ao exterior na instauração da mise-en-scène, ou encenação. A circunstância particular da ‘tomada’ é um “modo de existência”, espécie de dobra técnica enraizada na “teatralidade do ser”. A visibilidade do reflexo na virtualidade de seu processo é o evento ou, em outras palavras, o evento é a “tomada” em sua imanência.

Seu acolhimento compõe um regime específico de individuação tecnológica, tal como o analisa Gilbert Simondon. A visibilidade do contato é própria articulação pelo hiato com o mundo, que está fora. Sua individuação é a correspondência da existência com o maquinismo câmera. Vindo de fora, compõe o que a semiótica chama de secundidade, apontando para o ser-superfície que é afetado no contato pela reação ou relação. O exterior está aí, aberto em sua virtualidade para a instauração, ou existência em processo.

Ainda em seu livro Brutalismo, Mbembe desenvolve um discurso pós-humanista mencionando a entrega das forças vitais à ordem do capital, seguindo demandas brutais de energia e matéria para realização de valor. O corpo físico, nosso corpo humano, torna-se a materialidade crua, a carne do processamento no valor. A maquinação da subjetividade bombeia a força vital da existência para se acumular como matéria através do cálculo linear de uma agência tecnológica.

A imagem-câmera é composta por um destes cálculos que trazem à tona, em nossa sociedade, o predomínio da ordem do algoritmo. Encontramos uma espécie de redução animista do todo social que parece habitar tudo com o mesmo e uno espírito vazio e tem sua experiência reduzida às demandas e conformações do número digital. As imagens-câmeras bolsonaristas nas redes trazem a redução nos modos da exacerbação pela diluição narcisista, pelo transe e pela culpa.

O algoritmo que cobre a matéria liquidifica a dureza do concreto e a brutalidade do trabalho que o transforma. Sua redução comprime o todo num objeto descartável que engloba desmaterializando, pois é dígito, espécie de espírito animado universal. O animismo das coisas torna a acumulação linear e progressiva, traduzindo como número abstrato e espiritual aquilo que da matéria valor são procedimentos de extração bem concretos. A terra arrasada aparece como uma gosma manipulável, inclusive na própria imagem de seu reflexo. A expansão universal dos detritos torna uniforme a proporção da substância espiritual animada que flui, borbulhando em dígitos niveladores.

Os números digitais são o cálculo daquilo que se descarta num mundo de brutalismo. Ou seja, aço, concreto, plástico, cinzas, corpos-compostos sem órgãos, lixo orgânico, detritos químicos, alimentam a substância da matéria disforme, na ordem esmagadora que implementa a razão do capital e sua reprodução. A redução ao desperdício engole tudo, inclusive estruturas biológicas.

As “lógicas de fraturamento e da fissuração”, “do esgotamento e da depleção” compõem a prática da demolição que “com efeito, é uma tarefa gigantesca” (Mbembe, op.cit. p. 14 e 16). O acúmulo da matéria bruta para a “quebra, apedrejamento, pilhagem e esmagamento” (idem, p. 16), serve para acender o que se reduz à “queima do mundo” na fabricação de valor. Lógica que é o motor de uma “necropolítica” (outro conceito de Mbembe), tão bem exemplificada na crueldade dos métodos da intervenção bolsonarista no extermínio em massa e seleção para a vida nas margens durante a pandemia. Espécie de estágio superior da biopolítica foucaultiana, surge agora na extensão horizontal dos “mundos da morte”, interiorizando a manipulação vital como elemento essencial de produção de valor na reprodução do capital.

Neste sentido, a circunstância violenta exterior que habita o sujeito-da-câmera na tomada da imagem não é apenas um algoritmo. Sendo bruta é feita pelo homem na substância exausta de seu trabalho que assola o processo de valor. Reflete a vasta extensão de escombros, de plásticos, de lixo orgânico e concreto, que cerca a circunstância da tomada em sua virtualidade renovada no fora arrasado que se impõe pelo de-dentro.

A ‘apreensão’ pelo maquinismo do sujeito-da-câmera é a circunstância do fraturamento e sua cena é a teatralidade do mundo. A horrível concretude da matéria bruta está no que é exaurido, refletindo a cena do valor universal. O ‘transe’ cooptado transforma o impulso livre na unidade congregada pronta para a captura na rede (social) e a ‘culpa’ serve como retorno da tristeza na compaixão imobilizadora, espécie de garantia para embalar o cooptar no modo de existência da religião.

O “ego narcisista” é a cola que costura a ordem bolsonarista, suturando o consórcio combinatório. Todos eles preparam o modo de ser na extração brutal, espaço físico dos resíduos e da exclusão dos miseráveis cercados para permanecer do lado de lá da fronteira. A substância das imagens é o “pathos” da demolição. É o reino do capital em sua reprodução nesse estágio da “criação destrutiva”. Transe, culpa e narcisismo operam a tecnologia feita para transformar sem sobressaltos o lixo da demolição nas superfícies desoladas da extração de valor. O resíduo é o que nos resta – caminho para sobreviver na substância universal dos detritos.

Contudo, uma fundamentação antropológica poderia ainda liberar o catálogo brutal de sentimentos e afetos servidos pelo valor do algoritmo. A mão mecânica da câmera seria uma das figuras capazes de fazer o gesto tecnológico para fundar a humanidade. É necessário aqui que a contraposição ao número possa habitar o reflexo como a carne habita a transformação do corpo na imanência empírica.

Em outras palavras, perfurar a matéria e estourar o cálculo (do algoritmo e suas redes), liberando a virtualidade do evento como aquilo que reflete no modo de um empirismo radical. O evento liberado no processo é o empenho de sua imanência não como a cenografia de uma construção (a ser revelada ou desconstruída pelo sujeito onisciente), mas enquanto hiato que funda a própria rede de associações. Assim, o sujeito-da-câmera torna-se o martelo da vontade em sua potência, para além da representação.

Ou seja, um agenciamento que não apenas compartilhe como inócua a substância reduzida a dígitos, mas que figure também a negação da humanidade no modo de uma coletividade feita para a reprodução de valor na lógica da fissuração da terra devastada.

*Fernão Pessoa Ramos é professor titular do Instituto de Artes da Unicamp. Autor, entre outros livros, de A imagem-câmera (Papirus).

Texto originalmente apresentado no simpósio XXIX Visible Evidence/University of Udine, em setembro de 2023.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Samuel Kilsztajn Sandra Bitencourt Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Remy José Fontana Boaventura de Sousa Santos José Machado Moita Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Leonardo Boff João Lanari Bo Jorge Luiz Souto Maior Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Marilia Pacheco Fiorillo José Luís Fiori Roberto Bueno João Adolfo Hansen Henry Burnett André Singer Armando Boito Salem Nasser Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Aurélio da Silva Ricardo Fabbrini Érico Andrade Daniel Costa Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Bruno Machado Ricardo Abramovay Antonio Martins Paulo Fernandes Silveira Fernão Pessoa Ramos Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles Airton Paschoa Henri Acselrad Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão Slavoj Žižek Luís Fernando Vitagliano Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr Rodrigo de Faria Ricardo Antunes João Feres Júnior Paulo Martins Elias Jabbour Ronald León Núñez Julian Rodrigues Luciano Nascimento Marilena Chauí Celso Frederico Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino Heraldo Campos José Costa Júnior Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Berenice Bento Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Valerio Arcary Igor Felippe Santos Paulo Capel Narvai Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anselm Jappe Eduardo Borges João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Yuri Martins-Fontes Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Flávio Aguiar Vladimir Safatle Carlos Tautz Luiz Renato Martins Marcus Ianoni Ricardo Musse Dennis Oliveira Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Trivinho João Carlos Loebens Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Luiz Costa Lima Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade José Dirceu Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais Lincoln Secco Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Atilio A. Boron Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Kátia Gerab Baggio Denilson Cordeiro Jorge Branco Mariarosaria Fabris Tarso Genro Milton Pinheiro Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha José Raimundo Trindade Chico Whitaker André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Mário Maestri Juarez Guimarães Alysson Leandro Mascaro Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves Manuel Domingos Neto Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Valério Arcary Claudio Katz Priscila Figueiredo Celso Favaretto Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Leda Maria Paulani Eleutério F. S. Prado Antonino Infranca Marcelo Módolo Dênis de Moraes Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Luiz Marques Tales Ab'Sáber Ladislau Dowbor Marcos Silva Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Michael Roberts

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada