As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Os miseráveis

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Geraldo Couto*

Comentário do filme Os miseráveis – de Ladj Ly – que dividiu com Bacurau o Prêmio do Júri no festival de Cannes e concorre pela França ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Diferentemente do musical Os miseráveis, levado às telas por Tom Hooper em 2012, não se trata aqui de uma adaptação do célebre romance homônimo de Victor Hugo, mas talvez da tradução de sua essência para os dias de hoje. O que resta de menção direta ao livro é, basicamente, a localização da história no subúrbio parisiense de Montfermeil, além da frase de Hugo transcrita antes dos créditos finais, resumindo o espírito da obra: “Não há ervas daninhas nem homens maus, e sim maus cultivadores”.

O filme de Ladj Ly é uma leitura cinematográfica contemporânea e eletrizante dessa ideia. Sua construção é diabolicamente precisa e envolvente, seu desenvolvimento é vibrante, desprovido de sentimentalismo ou de discurso edificante.

Na primeira sequência vemos meninos do bairro periférico se deslocando para o centro de Paris para assistir num telão à final da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, vencida pela França. A euforia da multidão multiétnica, vibrando com a vitória e cantando orgulhosamente a Marselhesa, configura uma imagem de nação una e múltipla, de coesão na diversidade.

É esse constructo ilusório que a narrativa passará a desmontar a cada cena. Dos meninos torcedores o ponto de vista se desloca para um trio de policiais que patrulha o bairro. Pelos olhos dos três (um deles recém-chegado ao distrito) exploramos um território dividido por grupos de força que se equilibram precariamente: os traficantes, os muçulmanos, o “prefeito” (uma espécie de líder miliciano local), os ciganos e a própria polícia.

A tensão cresce em torno de um acontecimento inusitado: o roubo do filhote de leão de um circo cigano por um garoto do bairro, Issa (Issa Perica), que também furta galinhas para alimentar o bicho, escondido num barraco. Uma traquinagem de criança que põe o lugar à beira de uma guerra.

Uma das astúcias da narrativa é manter o espectador envolvido com as tensas negociações entre os grupos, sem saber muito bem o que está se passando do lado dos meninos, como se o deles fosse um mundo subterrâneo com uma evolução própria, secreta. De maneira enviesada, Os miseráveis não deixa de ser um filme sobre a infância marginalizada, na linha de Los olvidados (Luis Buñuel) ou Pixote (Hector Babenco).

A certa altura, com os policiais acuados, explode a violência, filmada acidentalmente por um drone particular – e a disputa pela imagem passa a ser o móvel da ação, reembaralhando as cartas do jogo. Issa, o menino inquieto que é o primeiro personagem individualizado pela câmera na sequência coletiva do início, volta transformado (ou antes, deformado) para protagonizar o final, que é perturbador não só por suspender a ação em seu clímax, deixando em aberto o desfecho, mas porque, qualquer que seja este, sabemos que não será um final feliz.

Outro lance sagaz da narrativa é levar o espectador a uma identificação, ao menos parcial, com o policial Ruiz (Damien Bonnard), o recém-chegado, que também está descobrindo aquele universo movediço e que traz no olhar uma espécie de espanto moral.

Se Bacurau expõe um Brasil cindido ao meio, Os miseráveis revela uma França estilhaçada em termos sociais, étnicos, culturais e religiosos. Com duas diferenças básicas: o filme francês não recorre à alegoria e não oferece catarse. Em vez de aplausos em cena aberta e euforia no final, deixa a plateia num silêncio incômodo.

Diretor negro nascido no Mali e criado em Montfermeil, que cumpriu pena de prisão por crime de sequestro e “desacato à autoridade”, Ladj Ly sabe muito bem do que está falando. Os miseráveis é seu primeiro longa-metragem, e é nada menos que um prodígio.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema.

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Roberto Alves Bruno Machado Roberto Bueno Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Gabriel Cohn Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Heraldo Campos Érico Andrade Bernardo Ricupero Daniel Costa Marilia Pacheco Fiorillo Mário Maestri João Lanari Bo Ronald León Núñez Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Gilberto Maringoni Anselm Jappe Igor Felippe Santos Marcos Silva Paulo Martins Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins Vanderlei Tenório Vladimir Safatle Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Brazil André Singer Rafael R. Ioris Marcelo Guimarães Lima Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Renato Dagnino Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Eugênio Trivinho João Carlos Salles Henry Burnett José Raimundo Trindade José Geraldo Couto Roberto Noritomi Mariarosaria Fabris Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn Fábio Konder Comparato Luiz Costa Lima Leonardo Sacramento Rodrigo de Faria Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Maria Rita Kehl Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco André Márcio Neves Soares João Sette Whitaker Ferreira Flávio Aguiar Paulo Capel Narvai Ronaldo Tadeu de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Airton Paschoa Rubens Pinto Lyra Manchetômetro Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Fernão Pessoa Ramos João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Michael Roberts Eduardo Borges Priscila Figueiredo Celso Favaretto Milton Pinheiro Sandra Bitencourt Tarso Genro Carla Teixeira Claudio Katz João Carlos Loebens Liszt Vieira José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Henri Acselrad Elias Jabbour Dênis de Moraes Tadeu Valadares Paulo Fernandes Silveira Walnice Nogueira Galvão Antônio Sales Rios Neto Marcus Ianoni Berenice Bento Lorenzo Vitral José Costa Júnior Marcos Aurélio da Silva Michael Löwy Ricardo Abramovay Afrânio Catani João Feres Júnior Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt Luiz Bernardo Pericás Armando Boito Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilena Chauí Sergio Amadeu da Silveira Valério Arcary Luiz Marques Ricardo Musse José Machado Moita Neto Thomas Piketty Luciano Nascimento Juarez Guimarães Chico Alencar Bento Prado Jr. Atilio A. Boron Lincoln Secco Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Paulo Sérgio Pinheiro Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Leonardo Boff Julian Rodrigues Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Slavoj Žižek Leonardo Avritzer Antonino Infranca João Adolfo Hansen Gerson Almeida José Luís Fiori Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Eliziário Andrade Jean Pierre Chauvin Gilberto Lopes Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Valerio Arcary Celso Frederico Eleonora Albano Annateresa Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada