A maioria do povo resistiu

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A resistência democrática, por meio das suas lideranças reconhecidas, criou uma nova maioria política para vencer o fascismo e o medo

Nos últimos dois meses mudei minha compreensão sobre como abordar o que ocorreu com este país, para que quase a metade dos seus eleitores aderissem a um canhestro psicopata – desligado do Exército nacional por problemas psiquiátricos – que voluntariamente, não só sabotou a saúde pública nacional com o resultado de quase 700 mil mortes na pandemia, como também – à luz do dia – tentou golpes contra o Estado de direito e perverteu todos os valores republicanos e democráticos possíveis, defendendo a tortura e o assassinato de adversários, como método de fazer política e conquistar adeptos para as suas aventuras fascistas.

Cheguei à conclusão, na verdade, que o incompreensível não era isso, que a teoria e a sociologia política poderiam vir a explicar, mas que o difícil seria entender a grandeza e a generosidade da maioria das massas espoliadas no Brasil, de uma parte significativa dos setores médios e de uma pequena parte dos empresários de sucesso da nação, que conseguiram resistir. E desta resistência partiram, através das suas lideranças reconhecidas, para criar uma nova maioria política para vencer o fascismo e o medo, nas eleições que seriam permanentemente afetadas pelas suas hordas de mentirosos e dementes nas redes sociais.

Em condições desiguais, como as que foram se formando através da eliminação “judicial” e midiática da esquerda e das suas figuras democráticas, o povo resistiu. Ao fim e ao cabo, os grupos e as pessoas mais mentalmente sadias e mais generosas de todas as classes, se uniram numa grande frente em defesa da soberania e da democracia: uma frente antifascista, mesmo que o fascismo não se apresentasse de maneira formal e integral, escondido nas malhas das redes clandestinas e nos escaninhos de financiamento oculto da globalização financeira.

Conseguiram, os fascistas, promover mitos – do conceito de pátria deformado, da “compreensão” idiotizada do racismo naturalizado, do estímulo à violência contra os diferentes – mas a maioria do povo resistiu. Apesar das toneladas de mentiras, das manipulações da realidade, do derrame de dinheiro para sustentar milícias e comprar armas, o povo resistiu. Os mitos variam, se formam e mudam, seus monstros expelem o odor da desumanidade e do sarcasmo para a dor alheia, mostrando que o “mito” também sofre os “limites das suas próprias variações, porque limitado pelas estruturas formais da imaginação”. Esta se abre e se fecha para o sonho, constrói e elimina dúvidas que se desmontam e se propõe a desfazer as ameaças, quando – do outro lado – ainda vicejam a coragem e a iniciativa.

O fascismo é demoníaco, primeiro disperso e motivado pelas falsas campanhas contra a corrupção. Depois, formal e orgânico, nas redes criminosas que selecionam os alienados e os incautos, através de logaritmos que distribuem as mensagens para formarem as bolhas de ódio – expansivas e manipuladas – coloca-se contra todos os valores da modernidade democrática. O fascínio dos mitos se propaga a partir destas bolhas, expandindo, dividindo famílias, antagonizando vizinhos que antes eram apenas divergentes, criando nichos de poder na estrutura estatal, pervertendo a “juventude dourada”.

O fascismo quer motivar a todos para que se tornem cúmplices do ódio. A partir desta base mais “alta” da sociedade, o fascismo chega às juventudes segregadas – nas regiões de fome e poder informal do crime – para convidá-las a participar, politicamente, de justiçamentos e eliminações, sem juízo e sem lei. Uma rede de marginais armados por uma política voluntarista do líder e o não reconhecimento do resultado das eleições, quando adversos – adredemente preparados na ação demagógica permanente junto às massas – são dois elementos importantes da nova extrema direita mundial, que se vê tanto em Donald Trump como em Jair Bolsonaro, ordenados em momento políticos distintos, mas com o mesmo conteúdo.

Num artigo recentemente publicado no jornal Página 12, de Buenos Aires, Luis Bruschtein trata da tentativa de assassinato da vice-presidenta Cristina Kirchner, mostrando como “a linguagem usada”, preparatória e justaposta à vida dos matadores de aluguel seduzidos pelo fascismo – com suas formas peculiares de atuação simpática ao público – usando de recursos identitários e argumentos relacionados com a situação econômica do país, configura falsas fórmulas que sequer têm relação com a linguagem daqueles que comandam e financiam, na clandestinidade, os seus movimentos.

Em público, como nos chamados “fóruns da liberdade”, falam de democracia, justiça, ataque aos privilégios (dos empregados públicos), capacidade de “empresariar-se a si mesmos” para “competir”, e assim mostram que a direita, fascista ou não, esteve “sempre mais atenta” do que os democratas – de esquerda ou não – aos tipos de conhecimentos necessários para fazer política com eficácia, na nova ordem global neoliberal. Nos mesmos fluxos financeiros do capital clandestino do crime organizado transitam as novas linguagens do mal, do racismo, da misoginia, do ódio aos diferentes na sua sexualidade, para dominar os mais fracos e eliminar os mais fortes: a mentira controlada e enviada aos endereços certos é sua arma mais mortífera e certeira contra a democracia.

O povo brasileiro está sob um teste histórico para ser protagonista do nosso projeto de nação. Derrotar o fascismo é derrotar o medo, é superar os próprios limites, é ser um pouco de Mandela, de Seregni, de Lula, de Frei Bartolomeu de Las Casas, de Tiradentes e de todas as mulheres do mundo que se rebelaram contra o ódio patriarcal, o machismo e a injustiça. Como disse Mario Benedetti, pela boca de um dos seus personagens no seu maravilhoso Andaimes: “O medo é a condição prévia da coragem, ninguém é valente se não passa antes pelo medo, a coragem vem de se sobrepor ao temor”.

Agrego, com risco de errar, mas sem medo: só os covardes não temem, pois só agem quando atacam através da traição ou com uma força física superior às suas vítimas. O povo brasileiro está perdendo o medo para ser feliz.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Michael Löwy Otaviano Helene Rodrigo de Faria Marcelo Módolo Samuel Kilsztajn Marilena Chauí José Costa Júnior Berenice Bento Anselm Jappe Flávio Aguiar Alysson Leandro Mascaro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Eleonora Albano Milton Pinheiro Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa Marcus Ianoni Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima Jean Marc Von Der Weid Luiz Renato Martins Luís Fernando Vitagliano Vladimir Safatle Antônio Sales Rios Neto Antonino Infranca Osvaldo Coggiola Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Roberts Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Ricardo Abramovay Dennis Oliveira Luciano Nascimento Armando Boito Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Ricardo Musse Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Valerio Arcary Fernão Pessoa Ramos José Micaelson Lacerda Morais Luiz Werneck Vianna Marcos Aurélio da Silva Remy José Fontana Gilberto Lopes Andrés del Río Dênis de Moraes Vinício Carrilho Martinez Antonio Martins Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber João Carlos Salles Eliziário Andrade Elias Jabbour João Lanari Bo Eduardo Borges Érico Andrade Boaventura de Sousa Santos Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Tadeu Valadares Rafael R. Ioris Bruno Machado Maria Rita Kehl Henry Burnett Afrânio Catani Carla Teixeira João Feres Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Chico Whitaker Ricardo Fabbrini Carlos Tautz Paulo Martins João Carlos Loebens Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Benicio Viero Schmidt José Dirceu Liszt Vieira André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Lincoln Secco Daniel Brazil Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes Sandra Bitencourt Julian Rodrigues Celso Frederico Marcos Silva Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Mário Maestri Eleutério F. S. Prado Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Slavoj Žižek Mariarosaria Fabris Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Caio Bugiato Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Leonardo Sacramento André Singer Claudio Katz Vanderlei Tenório Daniel Costa Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Boff Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Ricardo Antunes Lucas Fiaschetti Estevez Denilson Cordeiro Matheus Silveira de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary Jorge Branco Michel Goulart da Silva José Raimundo Trindade João Paulo Ayub Fonseca Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira Leda Maria Paulani Salem Nasser Juarez Guimarães Eugênio Trivinho Bernardo Ricupero Chico Alencar Priscila Figueiredo Ronald Rocha Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida Bento Prado Jr. Sergio Amadeu da Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada