As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A nossa noite dos cristais

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ WERNECK VIANNA*

No dia 8 abateram-se as vidraças dos palácios de Brasília com a mesma fúria com que as hordas nazistas, em 1938

O poeta Ferreira Gullar costumava dizer que seus poemas nasciam do espanto a que era acometido diante dos incidentes da vida, daí lhe viria a inspiração em que o inesperado deflagrava nele o impulso para fixar num poema a sua percepção do que sentia sobre a experiência vivida. Ferreira Gullar nos deixou uma obra genial, mas o tamanho do espanto que sentimos com os fatos calamitosos desse inesquecível dia 8 de dezembro que não abandonam a nossa memória não nos têm conduzido às sendas da criação, e já se ouvem vozes que nos sugerem ir em frente, passar um pano e voltarmos ao regaço do cotidiano de sempre.

O dia 8 de dezembro foi a data da profanação do que havia de sagrado entre os brasileiros no culto de suas tradições e seu projeto de futuro, sempre reiterado de seguir em frente na realização dos ideais civilizatórios de que Brasília, saída das mãos de Oscar Niemeyer e de Lucio Costa como projeto sinalizador da utopia brasileira de realizar nos trópicos pela obra de um país miscigenado uma cultura democrática e singular. Os palácios de Brasília, as sedes dos três poderes republicanos, não eram separados das vistas do público por muros, mas por vidros a fim de afirmar os ideais da transparência do poder. Neste famigerado dia 8 abateram-se as vidraças dos palácios de Brasília com a mesma fúria com que as hordas nazistas, em 1938, levaram a efeito um pogrom num bairro judeu destruindo suas lojas.

Seu propósito era o de colapsar a sede do poder democrático recentemente investido a fim de impedir a realização dos seus fins declarados de ruptura com uma história nascida da relação monstruosa entre o latifúndio e a escravidão, que preservada em seus fundamentos de exclusão, encontrou lugar nos processos de modernização autoritária que nos trouxeram aos dias de hoje. A tentativa criminal foi abortada, mas antes disso ela conspurcou e maculou o que dava sentido à nossa história e alento para seguir seu curso.

Os alemães, depois de 1945 com a derrota do nazismo, acertaram suas contas com os sicários que a tinham dissociado da sua rica história cultural no Tribunal de Nuremberg. Aqui, e pelas mesmas razões, é imperativo levar aos tribunais todos os que atentaram por ações ou omissões contra a nossa incipiente democracia. Qualquer tergiversação nessa linha deixa os flancos abertos para recidivas do fascismo que já encontrou as brechas em nossa sociedade para se infiltrar, que não se restringem às ocupações de posições de poder, mirando com igual intensidade as interpretações sobre o sentido da nossa história que vinham animando a construção da nossa democracia, do que foi exemplar a elaboração da Carta de 1988.

Tais interpretações que foram se sucedendo e se retroalimentando desde José Bonifácio, Euclides da Cunha e tantos outras que imediatamente as seguiram, encontraram ressonância na ensaística moderna como nas obras de Sérgio Buarque de Holanda, Raymundo Faoro, Roberto Schwarz, Rubem Barbosa Filho, para citar apenas alguns, que tentaram desvendar quais poderiam ser os rumos para uma sociedade cujo ponto de partida, o atraso ibérico, lhe era tão pouco propício. Cada qual, a seu modo, interpretava o nosso destino como vocacionado para uma intervenção de ruptura com o nosso passado.

O avanço continuado do moderno, antípoda do processo de modernização com que a ordem burguesa abriu seu caminho entre nós pelo autoritarismo político e a exclusão social, pôs em cheque a reprodução do passado, sustentado na ordem burguesa pelos seus vínculos com a ordem patrimonial que lhe garantia no plano da política. O regime Bolsonaro significou em todos os sentidos, político, cultural, econômico, um levante das forças do passado a fim de obstar a passagem do moderno, e foram elas que estavam presentes nos acampamentos em que se gestava o assalto à democracia brasileira, quer financiando suas ações, quer nas concepções dos seus movimentos, quer arrostando como massa de apoio setores retardatários da sociedade.

Esconjurar nosso espanto diante da calamidade a que fomos expostos, saída das próprias entranhas da nossa sociedade, é obra coletiva a ser desencadeada por um julgamento público, quando se investigue as origens presentes e remotas do mal que nos ronda, sempre com a inspiração de que jamais o dia 8 de dezembro ocorra mais uma vez.[1]

*Luiz Werneck Vianna é  professor do Departamento de Ciências Sociais da PUC-Rio. Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

Nota


[1] As ciências sociais têm um lugar de importância nesse Tribunal de Nuremberg, e seu papel é o de encontrar explicações para os espantosos acontecimentos que abalaram a república e os comportamentos igualmente espantosos dos seus personagens.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse Paulo Martins Marcelo Módolo Slavoj Žižek Roberto Noritomi Sandra Bitencourt Roberto Bueno Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel Manuel Domingos Neto Daniel Brazil Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Eliziário Andrade Thomas Piketty Luiz Renato Martins Julian Rodrigues Celso Frederico Denilson Cordeiro Gerson Almeida Leonardo Avritzer Daniel Costa Leonardo Boff Marilia Pacheco Fiorillo José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Lorenzo Vitral Afrânio Catani Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato André Singer Valério Arcary Luiz Marques Priscila Figueiredo Dennis Oliveira Andrew Korybko Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Michael Löwy Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene José Raimundo Trindade Antonino Infranca Marilena Chauí José Geraldo Couto Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Rodrigo de Faria Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa José Luís Fiori Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Francisco Fernandes Ladeira Chico Alencar Ricardo Fabbrini Igor Felippe Santos Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid João Lanari Bo Lincoln Secco Heraldo Campos Samuel Kilsztajn Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen José Dirceu Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Eleonora Albano Armando Boito Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Ronald Rocha Érico Andrade Antonio Martins Ricardo Abramovay Antônio Sales Rios Neto Alysson Leandro Mascaro Eugênio Trivinho Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Werneck Vianna Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Gabriel Cohn Salem Nasser José Machado Moita Neto Liszt Vieira Leonardo Sacramento Mariarosaria Fabris Michael Roberts Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Vanderlei Tenório Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Bruno Machado Juarez Guimarães Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Chico Whitaker Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Henry Burnett João Carlos Loebens Marcos Silva Annateresa Fabris Flávio Aguiar Celso Favaretto João Feres Júnior Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior Henri Acselrad Renato Dagnino Tales Ab'Sáber Luiz Eduardo Soares Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Claudio Katz

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada